1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Os Crimes do Vampiro e a Revolta da Bruxa

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Elektra, 8 Jun 2009.

  1. imported_Elektra

    imported_Elektra Usuário

    OS CRIMES DO VAMPIRO E A REVOLTA DA BRUXA



    - Vá embora maldito! Não quero demônios em minha casa.

    Sabrina aponta a varinha de mogno para os pratos do armário antigo, que se atiram pelo cômodo espatifando-se nas paredes cor lilás.

    - O que te fiz ? Não mordi o pescoço daquelas pessoas. Se fosse eu, haveria alguma evidência.

    Kelvin salta de uma parede à outra, esquivando-se das louças que o seguem.

    - Ah claro que haveria. Em 200 anos de convivência, nunca foi pego. É óbvio que deixaria vestígios. Dessa vez ainda quis ofender minha inteligência.

    As luzes da sala se apagam e se acendem com os gritos de raiva da mulher loura, dona de longos cabelos ondulados.

    - Sabrina, reconsidere. Temos uma vida eterna para passar juntos e quer jogar fora por um incidente como esse? – o marido de olhos cor de gelo, sorri para os furiosos olhos cor de fogo da esposa – Já sacrificou quantas pessoas em prol de tua juventude? E amor... Tudo isso foi para que ficássemos juntos. Eu sou teu eterno vampiro... E tu, minha amada feiticeira. Isso que importa. Matar é o de menos – Kelvin salta do teto ao chão, recebendo um prato de porcelana francesa no rosto.

    - Tem noção do que está falando, maldito? Quer enganar a quem com esse discurso? Uma pena que toda essa louça não te mate. E não me compare a você pois eu não sacrifico vidas, apenas lhes deixo algumas cicatrizes. – retrucou a mulher abaixando os olhos com o rosto corado.

    - E eu tiro mais sangue do que deveria porque minha amada não quer mais ninguém de minha espécie nas ruas – as mãos pálidas de Kelvin agora lhe servem de escudos

    - Ah, a culpa é minha? Se não sair daqui agora, irei até a cozinha buscar alho... e um crucifixo! – agora são os vasos que começam furiosamente a perseguir Kelvin.

    Depois de muitas horas de grito, pegadas por todo o teto, cacos e roupas rasgadas pela casa...

    - Quero acender a luz, Kelvin. Já que não posso abrir a janela!

    - Pensei que quisesse repetir a dose. Ah, não faça isso. Quando acende essa bola de luz na mão, teus olhos ficam florescentes. Isso é realmente de dar medo.

    - Essa foi a ultima vez que dormimos juntos querido – Sabrina fez o quarto se encher de luz com a palma da mão.

    - Não superamos isso, querida? – o vampiro abraçou a esposa sentindo sua pele queimar.

    - Vou pedir o divórcio hoje mesmo. E espere até o meio dia para ver o que restou daquilo que usou para cometer seu crime – Sabrina cruzou os braços, sem retribuir o carinho do marido.

    - O que há de errado? Se eu realmente suguei o sangue daquelas garotas, foi para estar forte aqui para você – sua pele pegou fogo.

    Kelvin pula da cama e se agarra ao lustre do quarto. Sabrina ao despir o lençol do corpo, revela que veste somente um antigo e bem trabalhado crucifixo preso ao pescoço.

    - O que é isso Sabrina. Quer me matar mesmo? Sua bruxa louca...e apetitosa – Kelvin esbraveja caindo do teto pela bela visão que teve da esposa, deixando seu rastro de fumaça no ar.

    - Você não as matou para saciar sua sede, cretino. Tirou suas vidas para que elas não o delatassem. Mas eis que o senhor meu marido, além de maldito é um tanto burro. E me acha mesmo tudo isso? Que pena...

    Sabrina aponta com desdém para sua bola de cristal ao lado da cama. Cenas do “crime” flutuam entre raios coloridos delatando o infrator.

    - Eu não me lembro disso amor. Estava fora de mim!
    - Fora de si? Isso foi antes ou depois de ter estado dentro delas?

    Objetos começam a voar pela casa outra vez...



    Esse texto foi escrito por Fabíola Rozendo em junho de 2009.
     
  2. imported_Ariane

    imported_Ariane Usuário

    Oi, Fabíola.
    Deu pra ficar curiosa sobre o que vai acontecer depois. Eu achei muito interessante imaginar o relacionamente de um vampiro com uma feiticeira. Adoro ambos, mas jamais pensei neles como um par romântico.:timido:

    Já vale um ponto pela originalidade. :sim:

    P.S.:E se já existe, eu não sabia (Para os observadores de plantão¬¬)
     
  3. imported_Elektra

    imported_Elektra Usuário

    Obrigada Ariane!

    Eu também gosto muito de histórias de vampiros e bruxas, ainda mais quando são tratados de forma natural. Não me lembro de ter visto um par romântico assim também, mas deve ter.

    Não havia pensado em prosseguir com a história mas você levantou uma questão legal né? E depois... o vampiro se ferrou legal (pela promessa da esposa, depois do meio dia ..coitado rsrs) ou ela voltou atrás?
    Vou pensar nisso e depois posto um final !!

    Valeu =)
     
  4. imported_Polly

    imported_Polly Usuário

    Que lindo amei, Mas queria mas...
    :/

    Posta mas.. heheheh :D

    Muito legal mesmo, :)
     
  5. imported_Ariane

    imported_Ariane Usuário


    Seria uma boa idéia sim. Pense nisso... ;)
     
  6. imported_Elektra

    imported_Elektra Usuário

    Valeu pelo incentivo, se ninguém me oferecer um tomate eu continuo sim rsrsrs. Estou lendo os posts de "prosa" para opinar sobre os textos de vcs também =)


    Abs!!!!
     
  7. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    bem criativo, garota. vc conseguiu retratar uma cena do cotidiano tantas vezes vista e lida, só q com o seu tempero pessoal. e pensar q mulheres são ciumentas e homens sem-vergonha até na fantasia, :rofl:

    fiquei aqui imaginando ele chegando em casa com o colarinho sujo de vermelho...

    só volto a frisar oq outros já andaram aconselhando por aqui: faça cortes de palavras desnecessárias. no livro
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    eles dão a fórmula dq a cada revisão vc corte 10% do texto. literalmente. depois q terminar de escrever o conto, conte a qtd de caracteres ou palavras, faça as continhas e ajuste o texto para chegar em -10%. pode soar meio artificial esse recurso, mas vai por mim, ele te força a ver oq está sobrando, a eliminar o supérfluo. em um curso online de escrita q fiz certa vez, consegui a façanha de reduzir um texto de 3.000 palavras pra 3.000 caracteres. e ñ vai pensando q o seu texto ñ tem mais oq reduzir, pq sempre tem!
     
  8. imported_Elektra

    imported_Elektra Usuário

    Pior que sempre que eu leio, acho que poderia ter escrito diferente. Vou dar uma olhada nessa tua dica.
    Putz, de 3000 palavras, cair para 3000 caracteres é bastante coisa heim. Tu tem as 2 versões desse texto?
    Poderia postar para a gente ver o resultado, seria legal (se puder claro).


    Abs!!
     
  9. imported_Cabal

    imported_Cabal O Poeta Aprendiz

    Muito bacana sua idéia!!! gostei.
     

Compartilhar