1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Os contos de Beedle, o Bardo (J.K. Rowling)

Tópico em 'Hogwarts' iniciado por Excluído046, 22 Jun 2011.

  1. Excluído046

    Excluído046 Banned

    Para aproveitar o revival Harry Potter que está rolando na Valinor, achei legal falarmos sobre esse livrinho, que tem um papel importantíssimo no sétimo livro da série.

    Segue a resenha do livro que fiz para o Meia Palavra. Ficou um pouco grande, mas está bonitinha. Nem dá para acreditar que foi feita pelo Voldemort de saias, de tão meiguinha. :mrgreen:

    Quando J.K Rowling anunciou que publicaria “Os contos de Beedle, o Bardo”, mencionado - no sétimo livro da saga Harry Potter: “As Relíquias da Morte” – como o livro de contos de fadas que os bruxos contam para seus filhos quando crianças, houve um alvoroço por parte dos fãs da saga. Por mais que a escritora britânica tivesse avisado que o livro não seria um complemento da história de Harry , os fãs não se importaram, e, assim que o livro foi lançado, foram correndo comprar um exemplar. Eu, declaradamente fã da saga, não comprei o livro; ganhei, de presente de natal/aniversário, de uma amiga de SC, em janeiro de 2009.

    Enquanto lia o prefácio de “Os contos de Beedle, o Bardo”, escrito pela J.K (né, porque eu acredito que foi a Hermione quem traduziu os contos e tal. LOL ), JURO que senti uma pontinha de vergonha quando ela citou o nome completo do Dumbledore e suas qualificações : Professor Alvo Percival Wulfrico Brian Dumbledore, Ordem de Merlim, Primeira Classe, Diretor da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, Chefe Supremo da Confederação Internacional de Bruxos e Bruxo-presidente da Corte Suprema . Quando li, parei, fiquei uns dois minutos pensando: ‘Caramba! Eu leio isso? Eu sou fã de uma coisa dessas? ‘ Aí eu ri, e a minha risada foi a resposta que eu esperava.Aproveitando a deixa da J.K, sobre Dumbledore, acho importante ressaltar que todos os cinco contos que compõem o livro “Os contos de Beedle, o Bardo” são comentados por ele. Entretanto, a própria escritora avisa que os comentários foram feitos uns 18 meses antes dos acontecimentos que se desenrolaram no alto da Torre de Astronomia de Hogwarts. Ela alerta, também, para o fato de Dumbledore, na ocasião da confecção dos comentários, ter ocultado muito do que sabia sobre o último conto do livro, “O conto dos três irmãos”, por motivos que os leitores dos sete volumes de Harry Potter entenderão.

    Por último, e não menos importante, J.K informa-nos de que os royalites do livro serão doados ao Children’s High Level Group, que tem por objetivo encerrar o uso de grandes instituições e promover caminhos que permitam às crianças viverem em família – a própria, a adotiva ou pais adotivos nacionais – ou em casas para pequenos grupos. Acredito que a nobreza desta iniciativa dê um tom grandioso a este pequeno livro.
    Ferir-se é tão humano quanto respirar. Assim fala Alvo Dumbledore, quando comenta o conto “O coração peludo do mago”. Acredito que essa frase, de certo modo, sirva como síntese para os cinco contos que compõem o livro “Os contos de Beedle, o Bardo”, de J. K. Rowling.

    No primeiro conto, “O bruxo e o caldeirão saltitante”, temos, em um primeiro momento, o ferir-se no sentido literal, pessoas doentes, feridas, que precisam de ajuda. Fisicamente próximo, e emocionalmente distante dessas pessoas, vive um bruxo frio, (figuradamente ferido), que não se preocupa com tais pessoas, mesmo tendo os dons necessários para ajudá-las.

    Ele só consegue sarar as feridas dos seus vizinhos, quando sara as suas próprias, quando é vaticinado a estar na ‘pele dos outros’, uma vez que o Caldeirão saltitante, que outrora pertencera a seu pai, replicava, perante ele, durante todos os dias, os problemas das pessoas que haviam recebido uma negativa ao pedirem-lhe ajuda. Às vezes, para que possamos pensar melhor acerca de determinados assuntos, é necessário sentirmos as feridas alheias e tomá-las como nossas, ressignificando-as.

    O Segundo conto, “A fonte da sorte”, que é meu preferido (o quê significa que comentarei um pouco mais sobre ele do que sobre os demais contos), aborda o ferir-se tanto no sentido literal quanto no figurado. As três bruxas – Asha (que tinha uma doença cuja cura era ignorada por todos), Altheda (que tivera seu dinheiro e sua varinha roubados) e Amata (que sofria os ferimentos causados por ter sido abandonada pelo amado) – e o Cavaleiro Azarado, que, pelo adjetivo substantivado, dispensa comentários, intentam se banharem na fonte da sorte para se lavarem dos seus problemas, das suas feridas, e terem uma vida promissora.

    Em determinado momento, quando finalmente começariam a seguir o caminho que os levariam até a fonte, os quatro viajantes encontram um monstruoso verme branco, inchado e cego (“no meio do caminho tinha um monstro, tinha um monstro no meio do caminho…”), que eu, devido ao fato de o verme ser BRANCO, gosto de encarar como uma alegoria para representar o caminho ainda não traçado, cujas suas (das bruxas e do cavaleiro) pegadas, preencheriam o branco, o vazio.

    Para permitir que os quatro viajantes passassem, o monstro propôs o seguinte enigma: (Isso me lembra de uma certa esfinge…) Paguem-me a prova de suas dores. Por mais que tivessem tentado, usando magia, as bruxas não conseguiram decifrar o enigma. Só quando Asha chorou- demonstrando que o quê lhes era pedido era apenas uma prova de humanidade – que o verme bebeu suas lágrimas e permitiu que eles passassem.
    Ao se depararem com uma subida íngreme, e, por mais que subissem, não saiam do lugar, tem-se o segundo enigma que as três bruxas e o cavaleiro tiveram de decifrar : Paguem-me os frutos do seu árduo trabalho. Acredito que haja, nessa parte, uma referência ao Mito de Sísifo. Depois de um bom tempo tentando avançar, eles começaram a suar e, na medida em que as gotas caiam na terra, a inscrição que bloqueava o caminho, desaparecia.

    Quando, enfim, avistaram a fonte, as bruxas e o Cavaleiro tiveram o caminho barrado por um riacho, e esbarraram, assim, em mais um enigma: Paguem-me o tesouro do seu passado. A pessoa que conseguiu solucionar esse enigma foi Amata, que usando um feitiço (obliviate?) apagou as memórias do seu antigo amor.

    Então, a fonte apareceu diante dos quatro. Apenas uma pessoa poderia banhar-se nela, e, antes que pudessem decidir qual seria, Altheda, Amata e o Cavaleiro foram surpreendidos por Asha, que devido ao grande esforço feito para chegar até ali, caiu no chão, muito doente, à beira da morte.

    Foi quando Altheda, reunindo ervas que se encontravam nas proximidades, fez uma poção e deu-lhe de beber. Asha foi curada. Então, ela e Altheda disseram não precisar mais da fonte, já que uma fora curada, e a outra aprendera como ganhar dinheiro para se sustentar, já que demonstrara habilidade em manipulação de ervas.

    Parecia, então, que seria Amata quem se banharia na fonte, mas ela disse que não precisaria mais, pois quando apagara as memórias dos momentos que tivera com o homem que a abandonou, tomou consciência de que ele não merecia seu amor, portanto, ela constatou que teve sorte de ter sido abandonada por ele.

    Então, ela disse que o Cavaleiro Azarado merecia se banhar na fonte; que sua nobreza fizera com que ele fosse agraciado com o privilégio de se banhar na fonte. Quando saiu da água, o Cavaleiro se jogou aos pés de Amata, declarando-se apaixonado por ela e pedindo sua mão em casamento.

    Ao fim do conto, todos tiveram seus problemas solucionados, e jamais souberam que a fonte não possuía poder algum. Sendo bem clichê, na realidade, nós fazemos nossa própria sorte. Às vezes, só precisamos aprender a prestar atenção nas coisas simples da vida. O próprio ato de viver já é, por si só, mágico. Viver é buscar o equilíbrio entre cair e levantar, se ferir e se curar, sorrir e chorar… “viver… o senhor já sabe: viver é etcétera…”

    O conto “O Coração peludo do Mago” aborda, de forma interessante, a questão de pessoas quererem evitar aquilo que as constitui como seres humanos. O Mago queria evitar o amor, o sofrimento, as dores, as feridas, e ao fazer isso, acabou por evitar a vida, tornando-se inumano e causando sofrimento aos outros.

    Em “Babbitty, a coelha, e seu toco gargalhante”, podemos perceber como o bom uso da inteligência também pode ser considerado uma forma de magia.

    “O conto dos três irmãos”, que é o último do livro, já é velho conhecido dos leitores da Série HP. Nem preciso dizer que este conto fecha o livro com “chave de ouro”. E que ele, por certo, é a razão de o livro existir. “O conto dos três irmãos” renderia um comentário gigantesco. Mas eu poderia, ao falar sobre ele, estragar a surpresa de várias pessoas que ainda não leram o sétimo livro de “Harry Potter” (não é, Anica?). Portanto, basta dizer que, neste conto, podemos perceber, de forma intensa, as consequências geradas pela ambição dos seres humanos, o desejo de ser o mais poderoso, o imortal, enfim. Vencer a morte, “a indesejada das gentes”, eis o um dos maiores anseios da humanidade. Assim, conviver com a iminência da morte, que, conforme Dumbledore, “para quem tem a mente bem estruturada é só a próxima grande aventura”, é ter a certeza de que “viver é negócio muito perigoso”.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  2. Pim

    Pim God, I love how sexy I am!

    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Acho esses contos magníficos por serem alegóricos e, mais que alegóricos, mitológicos e é preciso ter uma enrome sensibilidade para tecer ensinamentos morais usando contos de fada fabricados. Genialidade, eu diria.

    Mas eu ainda prefiro o Conto dos 3 Irmãos e sua importante liçaõ sobre o valor da vida e da morte.
     
  4. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Eu não sei não, mas desconfio que a J. K. se inspirou no filme "O Sétimo Selo" [acho que é esse o nome] para o conto dos 3 irmãos.
     
  5. Lalaith.

    Lalaith. Usuário

    Histórias tão simples, mas que te fazem parar e pensar sobre certas coisas. Nada imposto, forçado ou, muito menos, infantilizado. É isso o que gosto nos contos....
     
  6. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Eu tenho esse livro, ele veio de brinde naquela promoção do Submarino, comprando a série toda do Harry por 10 reais cada, hehe
    Qual a ordem que vocês aconselham ler ele, entre quais volumes dos livros do Harry? (sim, ainda não li a série, shame on me :oops: )
     
  7. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Leia depois que terminar de ler todos os 7 livros :yep:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Ok, vou fazer assim então, valeu, muito obrigado ;)
     
  9. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Também pode ser interessante ler antes de começar o 7º. Assim você já sabe de antemão quais os contos são comentados no último livro.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Eu pensei nisso mesmo, imaginei que seria uma boa opção. Bom, ainda falta tempo pra eu decidir, quando chegar na hora eu vejo como vou fazer, hehe. Muito obrigado ;)
     
  11. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Eu acho mais emocionante saber só o que o Harry sabe :mrpurple:
     
  12. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Eu ainda não sei o que personagem nenhum sabe, quer coisa mais misteriosa do que isso? rs
     
  13. Turgon

    Turgon 孫 悟空

    Preciso comprar esse livro. Agora que terminei a série, seria uma boa ler esse conto.

    Acho que nem faz muita diferença, mas talvez ajude a manter um pouco do suspense.
     
  14. G. Asaph

    G. Asaph Dilay

    Eu não gostei desse livro, ja piores mas a história do Quadribol achei muito melhor...Esperava algo menos sla infantil ou algo do tipot Me deu uma primeira ma impressão da Rowling
     
  15. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Mas esse livro só faz sentido depois que vc leu os 7 Harry Potters...
     
  16. G. Asaph

    G. Asaph Dilay

    Não são simplesmente três contos e então a o Dumbledore fala sobre eles?A minha ideia era ver o universo só antes de ler 7 livros e tbem eu vi que um dos contos aparece no sétimo então já saberei mais...
     
  17. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Não, pq esse livro só é revelante depois do HP7...
    Sem contar que esses livros extras são escritos pela Rowling interpretando autores fictícios. Tanto que o autor de Animais Fantásticos, Newt Scamander, virou protagonista de uma série de filmes e tal...
     
  18. G. Asaph

    G. Asaph Dilay

    Tlg...Mas eu não vou parar no meio da saga para ler um complemento desses e ele serviu também para eu ler da autora que nesse livro não gostei,o do quadribol está bem melhor.Provavelmente nem leria os Hp,achei o livro um pouco travado e mesmo eu lendo em uma tarde não considerei uma boa leitura nem um pouco.Mas então dei uma outra chance é o quadribol pareceu-me bem melhor...
     
  19. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Mas é isso que to dizendo: não dá pra julgar a escrita da Rowling por livros em que ela ta fingindo ser outro autor!
    E Beedle só aparece no último HP, vc não pararia no meio da série pra ler...
     

Compartilhar