1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Operário sobrevive após ter cérebro atravessado por um vergalhão de 2m de comprimento

Tópico em 'Planeta Bizarro? Estranhices? Bizonhices?' iniciado por Fúria da cidade, 17 Ago 2012.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    RIO - Um operário da construção civil, de 24 anos, foi atingido na cabeça por um vergalhão que despencou do quinto andar do prédio em que ele trabalhava, uma obra em Botafogo, e sobreviveu. O pedaço de ferro, de dois metros de comprimento, atravessou, na manhã de quarta-feira, o capacete de Eduardo Leite, perfurou o cérebro e saiu pela região entre os olhos, acima do nariz. O impacto foi de 300 quilos. Os bombeiros cortaram uma parte do vergalhão no local do acidente e levaram o ferido para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, onde a vítima, para espanto de todos, chegou falando normalmente. Eduardo foi submetido a uma cirurgia de cinco horas e não apresenta nenhum tipo de sequela.— A equipe é muito bem treinada, e o anjo da guarda dele também estava de plantão — disse o médico Ruy Monteiro, chefe da Neurocirurgia do hospital, e que participou da cirurgia.
    Segundo o diretor do Miguel Couto, Luiz Alexandre Essinger, o paciente está no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), e respira sem a ajuda de aparelhos. Ontem, 24 horas após a cirurgia, almoçou normalmente e recebeu visitas da família.

    — Não sabemos como o cérebro vai reagir daqui em diante. Vamos descobrir nos próximos dias. O cérebro é a parte do corpo mais difícil de prever — diz Essinger.
    O vergalhão atingiu a parte do cérebro responsável pelas emoções. Eduardo poderia ter ficado sem memória, ou desorientado. Mas nada disso aconteceu:
    — Ele está lúcido e consciente — diz o diretor do Miguel Couto.
    Segundo Essinger, o paciente, depois de tanto azar, deu sorte. Se o vergalhão tivesse caído três centímetros para o lado, teria atingido a parte do cérebro responsável pela parte motora:
    — Por três centímetros, ele estaria sem mexer os braços e as pernas. Se fosse apenas mais um centímetro para a direita, ele teria perdido um olho.

    Risco de infecção

    Segundo Essinger, o risco agora é que o paciente contraia uma infecção:
    — Quando o vergalhão entrou no cérebro, levou também muita poeira, sujeira. Estamos medicando o paciente com antibióticos e, se tudo der certo, ele poderá ter alta em uma semana —disse Essinger.
    Para evitar contaminar o cérebro com secreções dos seios da face, típicas de quem tem sinusite, por exemplo, o vergalhão foi puxado para baixo durante a cirurgia.
    Membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, o médico Miguel Giudicissi Filho elogiou a atuação da equipe médica e explicou que somente após exames de médio e longo prazos será possível indicar o tipo de sequela do paciente. Segundo ele, não
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    área do cérebro que seja afetada sem produzir algum dano, mas ele pode ser imperceptível:
    — Os médicos mostraram habilidade e treino. Precisamos esperar novos exames, pode ser que a sequela seja pequena ou numa área não importante para o paciente.

    Os médicos que salvaram a vida do paciente

    O plantão de 12 horas estava apenas começando quando o neurocirurgião Ivan Sant’Ana, que estava na emergência do Hospital Miguel Couto, foi avisado que um homem com um vergalhão atravessado na cabeça tinha acabado de chegar. Com 35 anos de experiência, o médico, que trabalha também no Hospital do Andaraí, mandou chamar o chefe da neurocirurgia, Ruy Monteiro, e, em pouco tempo, começou a planejar, junto de Ruy, a cirurgia para a retirada do ferro. Ontem, nem mesmo ele acreditava no resultado tão bom, o paciente sobreviveu e não apresenta sequelas.
    —Minha esposa disse que o “Homem” deu outra chance a ele. Casos assim não são comuns mesmo.
    Ivan disse que não ficou nervoso com o tamanho da responsabilidade:
    — Depois de 35 anos de neurocirurgia, você sabe dos riscos e se prepara. Não fica nervoso. Mas tem uma certa apreensão. O ferro passou bem perto de estruturas nobres do cérebro.

    O cirurgião passou cinco horas operando o trabalhador. Ele disse que o momento mais delicado da cirurgia foi o da retirada do vergalhão:
    — Nós escovamos o couro cabeludo do paciente e o pedaço de ferro que estava na entrada do ferimento para evitar que qualquer poeira entrasse e causasse uma infecção no cérebro. Depois, fomos retirando lentamente. Retirava um pouco, avaliava, retirava um pouco mais. Depois que o ferro saiu, lavamos o cérebro com muito soro e cauterizamos as áreas onde havia sangramento. O perigo agora é ele contrair uma infecção. O paciente está tomando muito antibiótico para evitar isso.

    Quando o paciente chegou, curiosos tiraram fotos da vítima, ainda com o ferro na cabeça. O chefe da neurocirurgia, Ruy Monteiro, disse que o caso, apesar de inusitado, não surpreendeu tanto assim a equipe:

    — Para a gente que trabalha em emergência, não é fácil levar um susto não. Mas, com certeza, esse caso não é habitual.
    Há 19 anos no Miguel Couto, quatro deles como chefe da neurocirurgia, Ruy Monteiro, que também atua na rede privada, disse que a cirurgia foi feita pouco tempo após a chegada do paciente. E atribui o resultado à habilidade da equipe.
    — É muito importante ter uma equipe preparada para qualquer situação. Já tratamos de uma machadada na testa, mas o paciente estava sem o machado. Estamos sempre prontos para o que for.

    - - - Updated - - -

    Eu já acho a imagem da radiografia chocante. Fico imaginando vendo de perto. 8-O

    Por essas e outras que eu jamais teria "sangue-frio" pra ser médico, o que só faz eu admirar esses profissionais pra lidar em situações tão dificeis e delicadas como essa.

    E o sobrevivente teve muita sorte mesmo. Esse acidente me fez lembrar de uma cena da trilogia de terror "A Profecia"
     
    Última edição por um moderador: 20 Ago 2012
  2. Tek

    Tek Girls tend not to like me

    Por que o Morfindel não posta coisas interessantes assim? :no:

    Esse caso me lembra da famosa história de Phineas Gage. O acidente foi bem parecido (exceto que foi no século XIX), ele viveu por anos após o acidente, sem sequelas, exceto por uma brusca alteração na personalidade, por causa da lesão no lobo frontal do cérebro. Vale dar uma pesquisada!

    EDIT: aplausos pra equipe médica e uma vaia muito longa pros "curiosos" que tiraram foto da cena. Que falta de respeito!
     
    Última edição: 17 Ago 2012
    • Ótimo Ótimo x 1
  3. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Isso sim é bizarro né Morfindel e não aquela reportagem boba dos carcereiros xavecarem a presa lá nos EUA
     
  4. Pearl

    Pearl Usuário

    E de alguns jornais que mostraram as fotos dos curiosos.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Pim

    Pim God, I love how sexy I am!


    Fúria, isso não é uma radiografia, é uma reconstrução 3D baseada nas tomografias do paciente. =]

    Ah, mas nem todo médico tem perfil pra trabalhar em Emergência. Eu mesma só trabalho porque ainda não tenho especialização, e quando vem uma coisa tensa desse jeito eu nem olho e outro médico que vai fazer os primeiros socorros. Sempre foi assim. Isso de "não vou ser médico porque tenho medo de sangue" é a maior balela que existe. Durante a faculdade vemos sangue mesmo numa ou outra aula de punções e só, e traumas como esse, às vezes, nas aulas de Medicina Legal, quando a faculdade tem essa disciplina.

    O que me preocupou neste caso dele foi o seguinte:

    Sendo "a parte do cérebro responsável pelas emoções" o sistema límbico, dá pra brincar de pensar nas repercussões clínicas dele. O sistema límbico é formado por muitas pequenas estruturas, entre as quais são: amígdala (tem a ver com a agressividade/docilidade e comportamento sexual), hipocampo (tem a ver com o reservatório da memória de curto prazo e é nele que esta sai como memória de longo prazo), tálamo (é o pit stop dos outros estímulsos que sobem pro córtex, como movimentos, sensações, etc, regulando todos eles), hipotálamo (faz parte do sistema endócrino, regula funções basais como temperatura, vontade de comer/beber e basicamente intermedia as emoções), área tegmental ventral (onde é secretada a dopamina, a substância do prazer, e está relacionada também ao circuito de recompensa cerebral, à adicção às drogas, à reação intensa do amor, etc).

    Pra ficar melhor a visualização, vou colocar uma imagem aqui (destaquei as estruturas que mencionei):

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Sabendo o que essas partes fazem, dá pra imaginar o que acontece quando elas deixam de funcionar corretamente:

    Uma pessoa com as amígdalas lesionadas pode se manifestar com a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , que cursa com muita docilidade/cortesia (perde os impulsos agressivos) e hipersexualidade (perde os freios do superego). Lesões no hipocampo fazem com que a pessoa não consiga guardar as memórias de curto prazo e, por isso, não forme novas memórias de longo prazo, mas não necessariamente pode ter amnésia... O paciente vira praticamente a Dory, do Procurando Nemo. Os problemas talâmicos causam a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , que é a sensação de dormência no lado afetado que dá lugar a sensação de calor ou frio ou dor com hipersensibilidade (ou seja, resposta exagerada a um estímulo normal).

    Já o hipotálamo é serious business porque ele controla um milhão de coisas, entre elas a fome/sede/sono/temperatura e a maioria das funções endócrinas do corpo que fazem com que a gente viva direitinho. Lesão hipotalâmica = CAOS. A área tegmental ventral, quando lesionada, pode causar algumas doenças psiquiátricas como esquizofrenia, doença de Parkinson e TDAH, que são doenças relacionadas à dopamina, além de facilitarem a adicção às drogas (pelo circuito de recompensa) e até tornar a pessoa incapaz de se sentir recompensado pelas satisfações comuns da vida, fazendo-a buscar alternativas "prazeirosas" atípicas e nocivas como, por exemplo, alcoolismo, cocainomania, compulsividade por alimentos doces e pelo jogo desenfreado.
     

    Arquivos Anexados:

    • limbico.JPG
      limbico.JPG
      Tamanho do arquivo:
      81,8 KB
      Visualizações:
      260
    • Ótimo Ótimo x 5

Compartilhar