1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ocupação da reitoria da USP

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Paulo, 24 Mai 2007.

  1. Paulo

    Paulo Cabeça de Teia

    Nenhum comentário sobre isso?

    É verdade que a imprensa está tentando ao máximo não falar disso, ou falar da pior forma possível, mas todo mundo sabe que está acontecendo.

    Imagino que algum membro seja aluno e que possa dar mais informações.

    Para situar quem não está sabendo de nada mesmo. Surpreendentemente uma matéria da Folha:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Tisf

    Tisf Delivery Boy

    Re: Ocupação da reitoria da USP.

    Eu fico meio desconfiado com relação ao que a imprensa divulga. Tipo, eu só leio que eles são contra o decreto do Serra, porque este "obriga as universidades a prestar contas à sociedade". Falando assim, até parece que o que os estudantes estão fazendo é meio paradoxal. Mas o decreto é isso mesmo??

    Pelo que eu andei lendo, as universidades estaduais, com o decreto, precisarão da autorização do governador José Serra para fazer grandes alterações em seu orçamento. Ou seja, "se a USP quiser, por exemplo, tirar R$ 1 milhão do item "compra de material" e optar por utilizar esse dinheiro na construção de um novo laboratório precisará pedir autorização a Serra. O mesmo princípio valerá para o caso de desejar tirar dinheiro da pós-graduação e aplicar na graduação."

    Pelo que eu li na Folha, "o secretário de Planejamento, Francisco Vidal Luna, afirmou que a mudança não prejudicaria a agilidade das universidades. "No caso das universidades, que têm autonomia, o pedido é atendido em 24 horas. Eu nem olho.""

    Então acho que esse negócio de que os alunos não querem que as universidades prestem contas à sociedade é meio forçado demais, enfim.

    Eu lembro que desde que eu estudava na Unicamp (que inclusive entrou em greve ontem, junto com USP e UNESP), o lance da autonomia das universidades era uma coisa extremamente importante pra elas.
     
  3. Silenius

    Silenius Ehre und Stolz

    Pra toda Universidade Federal/Estadual. Esse negócio de "autonomia universitária" eu escuto todo dia na UFPE. Só tô sabendo desse caso através da TV, ou seja, estou totalmente por fora. Mas, pelo que posso imaginar, essa medida do Serra pode ter sido um ótimo bode expiatório pra velhas picuinhas partidárias e radicais do movimento estudantil aflorarem.
     
  4. TT1

    TT1 Dilbert

    Eu nao vejo problemas em o governador ter que autorizar a mudança de grandes somas de dinheiro no orçamento das universidades estaduais. Ué, ele é o responsável direto se uma universidade resolve tirar 1 milhão da pesquisa de Sbrubbles pra comprar material de construção.

    Ele tem todo o direito de vistoriar os gastos.
     
  5. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    Sim, desde que isso seja feito com velocidade. Procurar novas formas de atravancar o sistema com burocraria não dá em nada.
     
  6. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Saiu uma matéria interessante no G1, dando uma boa visão "do lado de dentro"

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  7. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    Isso me lembrou da invasão do MST, anos atrás. :think:
     
  8. Maglor

    Maglor Lacho calad! Drego morn!

    Eu ouvi dizer que não é só pelo decreto do Serra. O decreto fere autonomia da universidade mesmo, é um entrave burocrático desnecessário, mas tem também a luta pela moradia universitária.

    Em 2005 a reitoria da UFF foi ocupada também, e conseguiu aumentar as bolsas, manutenção do preço do bandejão, e outras conquistas. Infelizmente, o estudante não é levado a sério na Universidade, então o movimento estudantil se faz com atos de rebelião civil mesmo. Eu sou a favor enquanto não quebrarem nada ou agredirem ninguém. Manifestação civil pacífica é a expressão mais bonita da democracia.

    Achei esses dois blogs aqui:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 24 Mai 2007
  9. Eönwë

    Eönwë Usuário

    Eu sou aluno da USP.

    Muita gente fica falando sobre esses tais decretos, mas pouco gente realmente leu eles. Acho que é um exagero dizer que eles 'acabam com a autonomia', mas realmente tem umas coisas neles que, digamos, pegam mal.

    Por exemplo:

    DECRETO Nº 51.461
    Artigo 2º - Constitui o campo funcional da Secretaria de Ensino Superior:
    III - a promoção da realização de estudos para:
    c) ampliação das atividades de pesquisa, principalmente as operacionais, objetivando os problemas da realidade nacional


    DECRETO Nº 51.471
    Artigo 1º - Ficam vedadas a admissão ou contratação de pessoal no âmbito da Administração
    Pública Direta e Indireta, incluindo as autarquias, inclusive as de regime especial, as fundações instituídas ou mantidas pelo Estado e as sociedades de economia mista.
    § 2º - O Governador do Estado poderá, excepcionalmente, autorizar a realização de concursos, bem como a admissão ou contratação de pessoal, mediante fundamentada justificação dos órgãos e das entidades referidas no “caput” deste artigo e aprovada:
    1. pelo Comitê de Qualidade da Gestão Pública, no caso de órgãos da administração


    E ainda tem as reivindicações por reformas nos prédios, bendejão nos domingos, etc etc. (aqui tem todas elas:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )

    No começo, eu apoiava a ocupação. Acho que é um meio de protesto mais legitimo que greve, pq incomoda apenas quem deve incomodar, enquanto greve atrapalha a vida de todo mundo. Mas a reitora já cedeu em diversos pontos e aceitou negociar os outros; já tava na hora de os caras cederem tbm e desocuparem. Me parece que o que eles querem agora é que a polícia vá lá mesmo, pra eles poderem dizer: 'Olha, o Serra mandou bater nos estudantes, olha como ele é contra a educação, fascista, autoritario etc etc'
     
    Última edição: 24 Mai 2007
  10. Paulo

    Paulo Cabeça de Teia

    Eu acho fantástica a certeza da mídia brasileira: "Esta é a verdade!".

    Direito, ou melhor, dever de vistoriar todos nós temos. Não só das universidades. Os gastos de qualquer universidade pública estão disponíveis para quem quiser ver.

    Por outro lado, decidir se é correto ou não gastar 1 milhão, 100 mil ou 10 reais em pesquisa de Sbrubbles é uma decisão que apenas as universidades, de forma interna, podem tomar.

    Governador, prefeito ou presidente nenhum tem autoridade, direito, competência, legitimidade, capacidade para gerir uma universade inteira desta forma, no mínimo autoritária.

    Vale lembrar uma coisa: Essa medida não altera apenas os gastos com pesquisas ou "material", mas pode interferir se um novo curso é implementado ou se um outro acaba. Faz algum sentido que toda uma comunidade acadêmica seja refém de decisões tomadas por alguém totalmente externo a estrutura e a dinâmica da mesma? Qual é a lógica do Serra ou de qualquer secretário decidir se é legitimo ou não implementar o curso tal, ou a pesquisa x?

    Não é só por "orgulho" que as universadades devem ter autonomia. Isto é uma condição intrínseca ao bom funcionamento destas.

    Outro ponto importante que foi levantado aqui: Entre as muitas reinvindicações (e a maioria é bastante básica) estão a contratação de novos professores e a construção da moradia. Se existe alguma negociação sobre os decretos, o resto parece que não é nem mencionado pela reitoria e pela mídia.

    O que mais me impressionou nisso tudo, negativamente, é cogitarem a possibilidade de mandar a polícia retirar os estudantes. Isso é maluquice! Universidades são, e devem ser, lugares de pensamento livre, sem intervenções, principalmente deste tipo.

    Eu concordo totalmente com você. E fico bastante impressionado quando acham essa ocupação um absurdo.

    A reitoria não revogou os decretos. Isso é o principal, ainda que não seja o único ponto importante.
     
    Última edição: 25 Mai 2007
  11. Paulo

    Paulo Cabeça de Teia

    A Unesp também foi ocupada:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  12. Miguêz

    Miguêz You talkin' to me?

    Acho que o governo deve ter um controle sim da verba destinada para as instituições. Aqui em Volta Redonda por exemplo está uma briga feia para decidir se o dinheiro do governo será investido nos laboratórios de Mecânica, Metalurgia ou constrói os laboratórios para o curso de Agronegócios, que é um curso novo no Brasil que tem a necessidade de Engenheiros deste ramo.
     
  13. Eönwë

    Eönwë Usuário

    A reitoria não tem poder pra revogar os decretos. E eles se recusam a negociar com qualquer um que não seja da reitoria. Assim fica difícil.

    Aliás, no começo eles só queriam que a reitora se posicionasse sobre os decretos, contra ou a favor (sim, isso tava escrito num manifesto deles). Ela fez isso, numa carta em conjunto com os reitores da unicamp e unesp, falando que os decretos não feriam a autonomia. Claro que não bastou...
     
  14. Paulo

    Paulo Cabeça de Teia

    Eu já disse isso antes. O governo, ou melhor, qualquer estrutura/autoridade externa não tem competência/legitimidade para gerir a universidade como um todo. Ter liberdade na forma como o dinheiro é investido dentro da universidade também é essencial para que esta seja livre.

    Um outro ponto de que tratam os decretos é que ao criarem a Secretaria Estadual de Ensino Superior, o conjunto, essencial, ensino/pesquisa/extensão é separado.

    OK. Por "a reitoria não revogou os decretos" entenda "a reitoria não fez nenhum tipo de pressão contra os decretos".

    Foi a reitoria que pediu a reintegração de posse, e é a reitoria que pode fazer pressão em cima dos decretos.

    É bastante óbvio que os decretos ferem a autonomia da universidade.
     
  15. Miguêz

    Miguêz You talkin' to me?


    Eu acredito que o MEC deve ter sim certo controle da verba destinada, pois um curso importante para o país pode sair prejudicado com essa falta de controle.
    Não se trata de controlar ortodoxamente em que será investido, é só em alguns casos como esse que eu citei.
     
  16. Maglor

    Maglor Lacho calad! Drego morn!

    Eu tenho uma dúvida, que talvez fuja um pouco do assunto. Por que todos, inclusive a imprensa, falam "estudantes ocuparam a USP", mas quando se trata de algo no campo é "invadiram a fazenda"?
     
  17. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Porque fazendas normalmente pertecem a uma pessoa, já universidades federais pertencem à população (portanto aos alunos que estão lá). Não é assim?
     
  18. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Acho que é isso. Tem também que os estudantes são da própria USP, enquanto invasores de fazendas nada têm a ver com as propriedades, não é?

    A mídia, pelo menos a televisiva, tem sido irritante pelo modo como tem divulgado a ocupação. Não dizem quais são de fato os interesses dos estudantes e manipulam as imagens. Percebam como eles colocam sempre imagens de cadeiras derrubadas ou coisas do tipo para simbolizar o caos.
     
  19. Amarante

    Amarante Campeão do Interior Paulista

    Os decretos em questão, explicado pelo grêmio da POLI-USP
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)



    E engraçado que no começo do ano os reitores se posicionaram contra esses decretos e, "do nada", começaram a falar em interpretação errada
     
  20. Paulo

    Paulo Cabeça de Teia

    Isso leva a uma perspectiva utilitarista do conhecimento. As universidades tem mecanismos, critérios e processos para avaliar a "importância" de determinado curso. Uma intervenção externa certamente é desnecessária.

    Eu já li notícias e vi uma entrevista com o secretário de ensino que utilizam o termo "invasão" e derivados. Acho estão usando "ocupação" por que "invasão" não colou.

    Com os movimentos no campo é diferente porque estes já sofrem um processo de criminalização há muito tempo. É mais difícil fazer isso com os filhos da classe média. Isso explica a tentativa de "partidarização" da ocupação e as repetidas declarações do Serra nessa linha. Afinal de contas os partidos de esquerda são essencialmente maus, ao contrários dos bons alunos da USP.

    O assustador é que isso não é novidade, só está mais evidente neste caso.

    É engraçado como isso vem sendo utilizado. Como se não houvesse motivo de fato para a ocupação.
     

Compartilhar