1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

'O Último Amigo' e 'As Brasas'

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 9 Mar 2010.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Uma amizade extremamente profunda nascida na infância e entre dois homens extremamente diferentes é, repentinamente e sem explicação alguma, rompida. O lado que tomou a iniciativa da ruptura pode até ter seus motivos, mas são obscuros demais para que o outro os aceite, os entenda- e que deixe a amizade simplesmente morrer.
    Esse enredo que soa como alguma auto-ajuda bonitinha, na verdade, serve para dois livros bastante pesados e amargos: ‘O último amigo’, de Tahar Ben Jelloun; e ‘As Brasas’, de Sándor Márai.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Cuca Pipoca

    Cuca Pipoca Usuário

    Li "As Brasas" de Márai. Foi uma descoberta! O clima sufocante de um passado que pesa sobre os personagens, envoltos num ambiente tão característico da Europa Oriental, o embate entre as almas!
     
  3. Ricardo87

    Ricardo87 Usuário

    As Brasas foi meu primeiro contato com o Márai. Também achei o livro muito bom! Destaque à segunda parte, um monólogo de umas oitenta páginas, que é onde a leitura realmente decola. O mistério que paira sobre os acontecimentos que separaram os dois amigos por mais de quarenta anos vai sendo desvelado aos poucos, e as revelações finais não deixam a desejar.
    Desse autor, li também De Verdade, que recomendo muito. O tema central - o casamento - e a linguagem consideravelmente coloquial me repeliram inicialmente. Entretanto, persistindo na leitura descobri que o livro demonstra de modo ímpar a diferença abismal que por vezes existe entre o que pensamos que alguém está pensando e o que de fato passa pela cabeça dessa pessoa, bem como as diferenças, muitas vezes insuperáveis, que existem entre pessoas de classes e educações diferentes, apresentando uma visão mais "pé no chão" da união conjugal, que vai de encontro àquela concepção romântica segundo a qual o amor supera qualquer obstáculo.
     

Compartilhar