1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Sonho dos Heróis (Adolfo Bioy Casares)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Pips, 9 Ago 2010.

  1. Pips

    Pips Old School.

    “O destino é uma invenção útil dos homens”

    Adolfo Bioy Casares é considerado um mestre da literatura argentina, quando o conheci, através de A Invenção de Morel, percebi uma narrativa elegante e instigante, afinal a todo o momento ele nos presenteia com sentenças que brecam nossa atenção no enredo para pensarmos até onde chegamos. O mesmo se repete em “O Sonho dos Heróis”, no qual somos levados até o carnaval de 1927, na Argentina, para tentar desvendar os mistérios que cercam nossas atitudes, nobres ou infantis. E onde o próprio narrador, de maneira arguta, levanta questionamentos diretamente ao leitor.

    Emilio Gauna trabalha em uma oficina mecânica e todas as semanas se reúne com um grupo de amigos para beber. No entanto, nenhum deles almeja realizações maiores na vida profissional e pessoal. Dentre todos esses personagens destacamos o Doutor (Valerga) e Larsen, o melhor amigo do personagem principal.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Tataran

    Tataran Usuário

    Terminei ontem. É sempre um prazer ler uma boa história, ainda mais, quando editada com o capricho da Cosac Naify.

    Contudo, classificaria O Sonho dos Heróis naquela categoria de livros de que li e gostei, mas não a ponto de recomendá-lo aos outros. Em certo sentido, fiquei com a impressão de que o argumento que o Bioy Casares quis explorar nessa história poderia caber mais apropriadamente em um conto.
     

Compartilhar