1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O sentido da vida

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Eönwë, 6 Ago 2003.

  1. Eönwë

    Eönwë Usuário

    (Antes de começar: este tópico é meio filosófico. Fiquei na dúvida se filosofia é um assunto científico, e portanto se deveria colocar esse tópico aqui nesse sub-fórum. Se algum moderador achar que ele fica melhor em outro lugar, tudo bem.)



    O objetivo básico e primordial de qualquer forma de vida é gerar descendentes. Todas as ações de um ser vivo acontecem visando a reprodução.

    Mas o que é gerar descendentes? Gerar descendentes é perpetuar o seu código genético. Portanto, o objetivo de todo ser vivo é perpetuar o seu código genético, o DNA.

    E é o próprio DNA que contem as "instruções" para um ser vivo gerar descendentes. Os seres vivos são portanto apenas máquinas, invólucros, escravos do DNA. Eles servem puramente para auxiliar o DNA a se perpetuar.

    O objetivo imediato da vida é, então, perpetuar o DNA. Mas qual é o objetivo não-imediato, o objetivo mais profundo, o sentido da vida? Qual é o sentido de se perpetuar o código genético? Pra que isso? Qual é o sentido da vida?

    Bem... espero que vocês entendam o que eu quis dizer com esse tópico. Não sei se ficou claro...
     
  2. THE PASSOLARGO

    THE PASSOLARGO Usuário

    acho que o homem nunca vai descobrir o sentido da vida(não-imediato)pra mim ficou claro pq gosto de filosofia até estou lendo "o mundo de sofia" livro q fala de filosofia...Acho que cada um tem um diferente sentido da vida para si, como um principio de vida...alguma coisa assim!axei legal vc ter feito esse "tópico" ai, de hoje em diante vou ver essa "pagina" com + frequência..... :D
     
  3. Hal

    Hal Usuário

    A diferença básica entre uma coisa viva e uma coisa "não viva" é que a viva precisa usar energia para não se tornar "não viva", não morrer. Mas isso acaba tendo um fim então o jeito é reproduzir. Eu fico pensando porque os seres vivos não podem viver para sempre, renovando as partes mortas do corpo...

    Acho que a vida é uma cosequência lógica se tiver um lugar bom para se desenvolver. Mais ou menos assim: o lugar tá lá, o Sol também, solo, ar, muita matéria prima, então a vida ocupa esse espaço.
    Não precisa de um sentido, mas pode ser que tenha um não-imediato e acreditar nisso pode fazer bem para nós.
     
  4. THE PASSOLARGO

    THE PASSOLARGO Usuário

    SÓ AXO Q A GENTE NÃO DEVE SÓ PENSAR NISSO E VIVER A VIDA,COM RESPONSABILIDADE, MAS VIVÊ-LA...
     
  5. THE PASSOLARGO

    THE PASSOLARGO Usuário

    COMPLETANDO...DEVE PENSAR NISSSO MAS NÃO SÓ NISSO, PQ PENSAR NISSO É BOM E TORNA A GENTE + COMPLETO... :mrgreen: :mrgreen:
     
  6. Nessayarë

    Nessayarë Usuário

    Para mim o sentido da vida, o porque de nós estarmos vivos é, tipo assim, termos a chance de viver, entendem. ESTAMOS VIVOS PARA VIVER, esta frase explica bem a minha citação. :doh:

    Don't fear the eyes of the Dark Lord
     
  7. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    a fisica tem uma grande resposta para isso : pq estamos vivos? para fazer essa pergunta .




    a vida eh para ser vivida e ponto. ela eh uma so e eu vou vive-la plenamente.


    abraços Dwarf

    carpe dien
     
  8. acho q o sentido da vida está além da compreensão humana, pois não fomos nós q a criamos, nem mesmo a entendemos direito já q estamos fazendo essa pergunta. Concordo com a parte de que somos escravos do DNA, o objetivo instintivo em nossas mentes é se reproduzir, perpetuar a especie. Talvez esse seja mesmo o sentido, hehehe, e não é ruim hein... :lol:
     
  9. Alumínio

    Alumínio Usuário

    Valor da vida

    Richard Feynman ganhador do prêmio Nobel de física em 1965 foi obrigado a fazer um exame médico para o exército. Segue parte do diálogo dele com o psiquiatra.
    Psiquiatra: Quanto você valoriza a vida?
    Feynman: Sessenta e quatro
    P: Por que você disse sessenta e quatro?
    F: Como você espera que se meça o valor da vida?
    P: Não! Eu quero dizer, por que você falou "sessenta e quatro" e não "setenta e três", por exemplo?
    F: Se eu tivesse dito "setenta e três", você faria a mesma pergunta!


    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    :lol:

    Até
     
  10. Yuge

    Yuge Usuário

    Hmm... digamos que eu construa um androide humanoide, que possa funcionara eternamente. Ele vai ter muitas vantagems em relação a mim. Mas jamais vai poder se reproduzir, por melhor que seja construido vai se desgastar pouco a pouco e por ter um interior complexo e delicado pra ser inteligente, esse sistema vai poder quebrar no primeiro tombo, ele não vai ter como se regenerar ou se reparar sem minha ajuda:
    "É apenas um mito que um androide possa viver tanto. Ele não é tão equipado quanto eu."
    Eu criei então um androide ainda mais complexo, com um sistema similar os sanguineo: a água é meio mais eficiente que eu tenho pra isso. Nessa água que circula todos os seus sistemas, nano-robos prontos pra consertar qq desgaste e evitar a acumalação destes que poderiam acabar com ele. assim meu androide durou mais um pouco.... um belo dia quebrou denovo.
    Os nano-robos certa hora quebravam, atrapalhavam a circulação da agua que ele prescisava pra seus reparos. Tive que criar fabricas desses nano-robos dentro do androide, para que possam ser substituidos, e recriar os nano-robos para que levem os nano-robos que eventualmente quebrarem de volta para a fabricas para reaproveitar o material. Cego ou tarde o material disponivel para os reparos acabaria, e o androide prescisava colocar um pouco alguns tipos de elementos numa reserva. Como era dificil conseguir elementos puros na natureza, ele tinha que fazer reações quimicas para obter os elementos e recarregar a reserva, embora tivesse que fazer isso eventualmente tomava tempo e energia. Pra poupar o tempo dele, criei um "sistema digestivo" para ele poder prosessar os elemntos mais rapidamente e internamente.

    Observem que a tendencia do androide é se tornar cada vez mais humano para não ser dependente de mim.
    Por mais rapido e forte que ele seja, se não fossem os ajustes adicionais ele não duraria uns cinco anos se fosse ativo. Para viver mais quem sabe eu não teria que inventar células mecanicas para ele? Imaginem a complexidade que ele alcançaria. O primeiro androide era muito mais barato, mas vivia menos.
    Para a máquina alcançar a vida nesse proscesso demoria muito tempo para esses androides se tornarem viaveis e de 100 em 100 anos ou menos deveriam ser quase totalemnte reconstruidos. Por isso se as maquinas quisessem escrevizar os humanos seria muito improvável.
    Mesmo que devagar, nos reproduzimos. Se numa guerra nuclear todas as industrias e cidades fossem destruidas, a guerra contra as maquinas iria ao nivel de pedras e paus, e nos, nos reproduzindo, rapidamente teriamos vantagem numerica, porque os recursos não permitiriam aos androides muitas coisas. A "tecnologia" do corpo humano nos permitiu, mesmo com pouco comida e recursos, guerrear mto bem ( já viram como crianças no oriente médio e áfrica forman exercitos? Seria mais ou menos assim.)
    Por fim os humanos venceram e o mundo ( todo detonado) ficou so pra eles!


    Essa tola e pequena historinha que criei mostra com a vida é eficiente, como a reprodução ( e não a fabricação) é fundamental, e o com não importa quando criemos novos e caros sistemas pros androides ou estes novos sistemas evoluam na vida, o fator tempo desgasta cada vez mais. Todos os dias a gravidade te desgasta, a falta dela mais ainda. Até o próprio ar que vc respira!
    Pra se mantes num estado bom por um tempo infinito seriam nessessários gastos, sistemas etc infinitos tbm. Por isso vidas muito longas, mesmo se tornando viaveis, cansariam completamente a pessoa ou androide.
    Nessa filosofia, a vida é finita sim, e a vida eterna, se não desgastasse o corpo, desgastaria a mente ( isso pensando nos humanos e nas maqinas que imaginamos como criar).

    Aproiventem a vida pq ela é curta mas bela!

    A prpósito, tenho certeza que algem vai flar "que nada as maquinas dobrariam de capacidade de poucos em poucos meses blah blah blah..."
    Isso não vem ao caso, esses computadores jamais seriam os mesmos por mto tempo, dessa forma, teriam que obedecer à vontade humana. como o aumento do uso, o cerebro humano vai acabar por evoluir mto rapito tbm.
    Não nessessáriamente ficariamos cabeçudos, coisas grande demais ficam impraticas. A tendencia da humanidade seria mesmo manter-se com ela é fisicamente, o cerebro do mesmo tamanho mas mudando sempre radicalmente, e algumas alterações pra suportar tbm a gravidade zero.
     
  11. Elanor Ladeira

    Elanor Ladeira Apaixonada

    Não vou perder a oportunida de fazer essa piada...

    O sentido da vida é 5' - 3' !!

    :lol: :lol: :lol: :lol: :lol:

    Tah bom, tah bom... deixa eu explicar a piada... as fitas de DNA (temos duas) possuem "sentidos" que chamamos de 5' e 3' de acordo com o numero do atomo de carbono q faz uma determninada ligação dakela molecula... bem, o q importa eh q a enzima q lê o DNA e o copia, ou monta moleculas de RNA para serem transformados em proteinas faz isso sempre no mesmo sentido e apenas nesse sentido, que é o 5' - 3' hehehehe, então os biologistas moleculares tem essa piadinha infame de q este eh o verdadeiro sentido da vida...

    :roll:
     
  12. Ithildwyn

    Ithildwyn ...

    Em primeiro lugar, o DNA não se perpetua, pois só passa metade d seu código pra prole (isso nos organismos sexuados, claro). Então eu considero q esse objetivo imediato seja a evolução, d modo q apenas os descendentes mais "fortes" se adaptarão e levarão adiante os genes favoráveis.
    E sendo assim, a vida eterna seria desfavorável, pois não haveria essa evolução, e ainda seríamos seres unicelulares (afinal, se ninguem morrer mas todos se reproduzirem, não sobrará espaço para abrigar tantas criaturas)


    E um motivo não-imediato? Viver, fazer o q gosta e ser feliz, oras! Eu, pelo menos, nunca quis mais q isso....
     
  13. Yuge

    Yuge Usuário

    Ei, depois do meu post-quilométrico isso é sacanagem! :osigh:
    .
    .
    .
    .
    :obiggraz: :mrgreen: :lol:
     

Compartilhar