1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Senhor dos Anéis e Saturno-Plutão

Tópico em 'Comunicados, Tutoriais e Demais Valinorices' iniciado por Artigos Valinor, 25 Jun 2005.

  1. Artigos Valinor

    Artigos Valinor Usuário

    Da mesma forma que formigas inconscientes aglomeram-se em torno de um banco de areia com comida abundante, nós nos entupimos em cinemas que mostrem filmes que melhor expressem e racionalizem as características de um determinado período da história, com temas arquétipos. Nosso tempo atual exemplifica esta ação. O Senhor dos Anéis, com sua demanda heróica; sua intensamente dramática batalha épica entre a luz e a escuridão; sua exploração do uso correto do poder e a atração que ele exerce; e a seriedade contagiante da narração; tudo isso amplifica a configuração arquétipa atualmente ativa no globo, e espelhada na oposição de Saturno e Plutão. Nós enchemos os cinemas que mostram O Senhor dos Anéis não apenas porque é o produto de grande realização cinematográfica, não apenas devido à tremenda popularidade do livro, e não apenas porque o filme “por coincidência” faz paralelos com o tema “bem contra o mal” que acontece por todo o planeta. Mas, no nível mais arraigado, somos atraídos para o filme devido à profunda incorporação de um matrix arquétipo que está correntemente ativo na psique coletiva.

    Este breve ensaio é um exame dos padrões e motivos da combinação arquétipa de Saturno-Plutão, vista através dos temas e experiências de ao se assistir O Senhor dos Anéis. Quando uma trilogia de filmes como O Senhor dos Anéis incorpora tão perfeitamente uma combinação arquétipa como Saturno-Plutão, normalmente é uma indicação de que a história, criação e figuras cruciais que cercam o trabalho também estão dotados da marca de Saturno-Plutão, em significante relação angular. O Senhor dos Anéis não é exceção. Com o filme na calota de um carro, podemos observar uma série de raios periféricos que conectam os criadores de filmes, períodos cruciais na história, aficionados por Tolkien e seus predecessores, tudo através dos temas arquétipos de Saturno-Plutão e alinhamentos planetários. A partir daí, o ensaio explorará períodos-chave na Evolução de O Senhor dos Anéis e personagens principais na saga e lenda de DAS: Ralph Bakshi, Robert Plant, Peter Jackson e Richard Wagner.



    O Senhor dos Anéis e o filme Saturno-Plutão

    Sombrios, pesados, sérios e épicos por objetivo, os filmes que melhor exemplificam o matrix arquétipo de Saturno-Plutão são geralmente os grandes e memoráveis dramas que falam dos conflitos supremos da condição humana. Filmes Saturno-Plutão, que exploram temas coletivos, são geralmente poderosos e fascinantes, tratam de tópicos intensos e maduros, investigam – ou melhor, desenterram e revelam – os grandes conflitos e tragédias eternos: guerra, intriga política e escândalo, a corrupção e abuso de poder, tempos de crises, e lutas titânicas contra o destino iminente ou ameaças à sobrevivência.

    Numa escala pessoal, os filmes Saturno-Plutão penetram no coração da sombra humana. Os protagonistas destes filmes geralmente suportam os fardos da culpa, autojulgamento, dúvida sobre si mesmo, e tormento interno. Estes são, em geral, filmes confessionais, nos quais os personagens principais admitem vergonha, humilhação, e expõem brutalmente sua auto-avaliação. Na ponta oposta dessa gama, filmes Saturno-Plutão muitas vezes ilustram como as circunstâncias externas geralmente forçam, moldam e forjam uma pessoa para corresponder a seu grande potencial diante de probabilidades quase que insuperáveis. Saturno-Plutão como um complexo arquétipo é um complexo que compõe almas, levando seu herói em potencial através de uma longa jornada, a via longíssima, na qual disciplina, força, resistência e caráter moral são moldados prova a prova.

    Estes filmes são persuasivos. Eles servem para nos inspirar a atingir nossa própria grandeza. Podemos deixar o cinema com sentimentos múltiplos e algo paradoxais. Por um lado, podemos ficar inspirados para enfrentar nossos medos com honestidade, e nos sentiremos absolutamente persuadidos a melhorar nossa situação na vida com espírito renovado. No entanto, uma vez que esses filmes falam diretamente a nosso superego, talvez também sintamos o aumento em nossa auto-crítica e vergonha, uma vez que não correspondemos à verdadeira grandeza que acabamos de testemunhar na tela.

    Filmes criados a lançados durante as oposições e conjunções Saturno-plutão do século XX incluem: Birth of a Nation (1915; conjunção Saturno-Plutão) All Quiet on the Western Front e M (1930 e 1932 respectivamente; oposição Saturno-Plutão); Hamlet (1948; conjunção Saturno-Plutão); A Man For All Seasons (1965; oposição Saturno-Plutão) e Das Boot, Reds, Gandhi e o filme para televisão The Day After (todos os filmes criados e lançados sob a conjunção Saturno-Plutão de 1981-1983).

    A trilogia O Senhor dos Anéis, produzida e lançada sob a corrente oposição Saturno-Plutão de 2001-2002, é o mais recente grupo de filmes a carregar a tocha desta profunda e significante combinação arquétipa. Embora moldado na fantasia, O Senhor dos Anéis não é leitura leve, mas sim um épico profundo e de peso que fala de um tema fundamental da humanidade: força, resistência e perseverança diante do mal, tentação e trabalho duro quase que insuperáveis. Além disso – razão que torna o filme um exemplo primordial do fenômeno Saturno-Plutão – trata-se de maravilhosa exploração da assumida e fundamental batalha da “luz versus escuridão” e “bem versus mal” desse mundo.

    Conforme muitos comentaristas já disseram, o objetivo de Tolkien ao escrever O Senhor dos Anéis não era alegórico e referente a sua própria crença cristã mas, no entanto, ele acabou usando a obra como veículo de mito e história para repassar verdades perenes e transcendentais. Uma dessas verdades transcendentais nas quais Tolkien acreditava era a realidade metafísica de que o mundo polariza a si mesmo em luz e sombra, a fim de realizar sua própria redenção e renascimento, que é o que Tolkien chamava de “eucatástrofe” – um feliz e inesperado resultado originado por testes de fé e luta. O Senhor dos Anéis possui pouca ou nenhuma ambigüidade em sua relação com o bem e com o mal: Orcs, Saruman e os Espectros do Anel são maus até a alma, enquanto que Frodo, Gandalf e os elfos de Valfenda são virtuosos, bem-intencionados, confiáveis e desafiam a tentação.
    [page]
    Durante os períodos em que Saturno e Plutão relacionam-se em significantes relacionamentos angulares, parece que a situação global realiza suas maiores polarizações, com cada facção declarando que a outra é má e corrupta, e cada lado afirmando ser dono da verdade, moralidade e retidão. Exatamente como no mundo dos Anéis, há pouca ambigüidade entre “bem” e “mal” durante as configurações Saturno-Plutão. Durante a oposição Saturno-Plutão de 1914-1916, a Europa dividiu-se entre a batalha “do Huno” e dos “Bárbaros” da Alemanha, enquanto que tropas da Fatherland lutavam contra as forças aliadas. Sob o quadrilátero Saturno-Plutão de 1939-1941, a solução final foi pensada quando a “Raça Superior” tencionava aniquilar todo um povo. Enquanto a Guerra Fria atingia seu ápice durante a conjunção Saturno-Plutão de 1981-1984, “O Império do Mal”, que era a União Soviética, ameaçava a solidariedade e liberdade do mundo ocidental. E em nosso tempo recente, sob uma oposição de Saturno-Plutão, o mundo mais uma vez divide-se em “bem e mal”, já que cada lado dos múltiplos conflitos globais se vê como o portador de tudo que é bom e verdadeiro, e considerando a força oposta como a agregação de todo o mal.

    Mais do que apenas uma brilhante exposição dos temas da configuração Saturno-Plutão, a qualidade visual, sensorial e experimental de O Senhor dos Anéis é altamente indicativa do teor arquétipo de Saturno e Plutão em combinação. Há, em Saturno e Plutão, tanto uma qualidade experimental sombria, pesada e “robusta” quanto um profundo e penetrante senso infernal para a combinação. Esta é a combinação arquétipa de fogo e enxofre; monstros grotescos, máquinas que matam, e exterminadores; “heavy metal”; autoridade puritana; aço e concreto; tijolos e argamassa, masmorras e armaduras, fortalezas impenetráveis, trabalho escravo e em más condições; confrontos do tipo “faça ou morra”, Battle Royale a la Armaggedon. Com Saturno e Plutão, erotismo, sedução poder evolucionário e força da vida (Plutão) colidem com Chumbo, escuridão, densidade e gravidade (Saturno); esta é, de fato, a mais pesada combinação experimental na astrologia; e este tipo de imagem permeia todo O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel: os moinhos satânicos de Saruman, o mal misterioso dos Cavaleiros Negros, o demoníaco Balrog, o poderoso cara-a-cara entre Gandalf e Saruman, a arquitetura densa e sem cor; substanciais barris de cerveja , machados de batalha e malha de correntes de aço.

    No entanto, talvez a maior expressão de Saturno-Plutão em O Senhor dos Anéis seja o próprio anel. Forjado nas entranhas da Terra-média, o anel brilha com um erotismo misterioso, sombrio e gótico, que possui uma força incrivelmente sedutora, apenas com sua mera presença. Este poder concentrado, no entanto, promete duas coisas: primeiro, a corrupção, o vazio e a destruição daqueles que optam por dominar o poder do anel; segundo, a redenção final e liberdade daqueles que transcendem e destroem o poder do anel. No anel, nós enxergamos a natureza bipolar, ou de dupla face, da combinação arquétipa: a capacidade destrutiva que tudo consome de um certo tipo de poder, e a promessa de força moral, caráter e heroísmo se a tentação de usar o poder de forma falsa for evitada.



    Correlações Saturno-Plutão e O Senhor dos Anéis

    O Senhor dos Anéis não apenas incorpora os temas da corrente oposição Saturno-Plutão, mas também tem sua história ligada com os alinhamentos destes dois planetas. A completude, publicação e súbito aumento da popularidade de O Senhor dos Anéis, tudo isso ocorreu quando Saturno e Plutão estavam em “aspecto rígido” (uma conjunção, quadrado ou oposição) um em relação ao outro. Podemos dizer que a constelação Saturno-Plutão é o campo invisível ou ímã que agrupam os temas encontrados dentro desta fantasia sombria.

    A escrita e revisão épica de O Senhor dos Anéis, que é apenas superada pela jornada de Frodo em termos de demandas heróicas, foi completada em 1948, após 16 anos de meticulosa atenção dada à história por parte de Tolkien (veja gráfico). Todavia, não houve entusiasmo inicial para aquele que seria depois chamado de “Livro do Século XX”. Publicações e popularidade só floresceram anos depois de finalmente completa a trilogia. Depois que os editores da Collins concordaram em lançar O Senhor dos Anéis, a versão final da trilogia O Senhor dos Anéis foi publicada em 1955, sob um quadrado de Saturno-Plutão (relação angular de 90 graus) (ver gráfico). Após um período de hibernação, levaria dez anos antes que o fenômeno do cult de Tolkien se incendiasse. A popularidade de Tolkien não veio inteiramente da torre de marfim dos intelectuais; a nata de seus leitores mais ávidos veio da juventude da explosão contra-cultural dos anos sessenta. Uma versão de capa mole da trilogia, não-autorizada, porém acessível, foi lançada em 1965, e naquele mesmo ano, a popularidade do trabalho foi às alturas. Mais uma vez, Saturno e Plutão estão correlacionados com o lançamento desse mito, dessa vez na forma de uma oposição (ver gráfico).

    Embora esse fato resida nas lembranças dos conhecedores de O Senhor dos Anéis, muitos fãs casuais que vêem os filmes atuais não se dão conta de que houve uma tentativa anterior de se criar uma versão do clássico de Tolkien para a tela. No final dos anos setenta, o talentoso criador de desenhos animados Ralph Bakshi transformou a fantasia numa admirável obra de “live action”. O filme dividiu opiniões, e o fato de que Bakshi não pôde concluir toda a história devido à razões financeiras quase que automaticamente foi descontado no filme, o que o impediu de ser classificado como uma obra-prima. No entanto, várias imagens do filme, particularmente a versão dos Cavaleiros Negros, permanecem marcadas de forma indelével na imaginação da juventude que viu o filme. Bakshi – anti-Disney que é – é o rei da animação “underworld”, e tudo que há nos seus filmes – desde os lugares, temas e estilo – é sombrio e maduro. Não é de surpreender que ele tenha certa ligação com O Senhor dos Anéis, uma vez que ele nasceu sob um quadrado-t Saturno-Sol-Plutão.
    [page]
    Peter Jackson, os diretor da Nova Zelândia que ficou com a imensa responsabilidade de realizar uma versão em carne-e-osso dos Anéis para a tela, pode ter parecido uma escolha improvável para fazer justiça à obra de Tolkien. É certo que sua habilidade para trazer à baila o lado profano de O Senhor dos Anéis e sua vívida imaginação em seus filmes pessoais, tais como Bad Taste e Meet The Feebles, refletiu-se em sua indiscutível capacidade de criar seres horríveis de todas as formas e tamanhos. Todavia, a gravidade do tema principal de O Senhor dos Anéis e o tamanho do projeto requeriam um diretor saído mais dos moldes de David Lean ou D.W. Griffith do que John Carpenter ou Tod Browning. Contudo, Jackson prensou as vozes dos fãs que duvidavam dele após o lançamento inicial de O Senhor dos Anéis, e recebeu aprovação quase que unânime dos groupies de Tolkien. Embora não tenha nascido com um aspecto Saturno-Plutão significante, a progressão* Sol, Marte e Mercúrio em Sagitário formaram uma estreita conjunção sob a corrente oposição Saturno-Plutão. Uma vez que um gráfico progressivo é uma reflexão transcendental de suas condições internas e externas, Jackson não apenas estava num humor subjetivo congruente com os temas e motivos da trilogia, mas a força e determinação que os arquétipos Saturno e Plutão podem forjar estão, sem dúvida, correlacionadas com a energia necessária para conduzir uma das maiores filmagens da história.



    A Conexão Zeppelin

    Decifrar as verdadeiras intenções das letras de Led Zepellin equipara-se com a controvérsia “Paul está morto” dos Beatles e a sincronização de “Dark Side of The Rainbow” do Pink Floyd como sendo os mistérios do rock clássico de todos os tempos. Alusões ao trabalho de Tolkien estão espalhadas ao longo de toda a obra de Led Zeppelin (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ). “Over the Hills and Far Away”, “Misty Mountain Hop”, “Battle of Evermore” e “Ramble On” são canções que não apenas fazem referências diretas ao trabalho clássico de Tolkien em suas letras, mas também poderiam facilmente ser a trilha sonora que acompanha Frodo e a sociedade em sua longa jornada. O cantor principal do Zeppelin, Robert Plant, era um fã inatingível de Tolkien, uma vez que este sintetizada o amor de Plant pela fantasia, natureza, mitos Celtas e Nórdicos, e mágica em um pacote completo. Robert Plant nasceu durante uma conjunção Sol, Saturno e Plutão em 1948, ano em que Tolkien finalmente terminou sua obra-prima da fantasia. Uma vez que a identidade pessoal de Plant, simbolizada pelo Sol, estava interconectada com o matrix arquétipo de Saturno e Plutão, é adequado que tenha havido uma certa ressonância e atração aos temas, personagens e situações das paisagens de Tolkien.



    Um Conto de Dois Anéis

    Tolkien não gostava das suposições de que ele escrevera O Senhor dos Anéis como reação direta à II Guerra Mundial, mas ficou ainda mais aborrecido com as comparações ao Ciclo do Anel de Wagner, e com as afirmações de que seu mundo de fantasia era uma mera reformulação das quatro famosas óperas de Wagner. Em uma carta para seu editor, Tolkien escreveu sobre a comparação: “Ambos os anéis eram redondos, e aí cessa a comparação” . Antipatia pessoal à parte, as comparações são inevitáveis e têm sido assunto de vários ensaios acadêmicos e de pesquisa. Embora a motivação filosófica para estes dois épicos tenha sido diferente sim, os temas, motivos, sentimentos e experiências destas grandes narrativas de época são altamente ressonantes. O tema de poder incrível concentrado em um anel, a apropriação de mitologia nórdica, os desafios morais do possuidor original do anel, e o alegre e surpreendente final após uma batalha entre as forças da luz e da sombra estão presentes em ambas as narrativas.

    Igualmente importante, o sentimento e imagens que envolvem o anel de Wagner lembram O Senhor dos Anéis. A orquestração dessas óperas é pesada, densa, e bombástica em alguns momentos. Os cantores no palco são cercados pelo som dos pratos, cornetas e armaduras. As pessoas saem do teatro exauridas, cansadas e inspiradas, à medida que testemunham a apoteose de um homem em sua superação de um Godhead teutônico. É quase um fardo como espetáculo. Curiosamente, Wagner iniciou e completou sua tetralogia operática em um ciclo completo de Saturno, conceituando o ciclo operático à medida que Saturno juntava-se com seu Plutão natal em 1948, e realizou a premiére de sua obra-prima no Festival de Bayreuth em agosto de 1876, enquanto Saturno retornava para a órbita de sua colocação original (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    ).



    Conclusão

    Fantasia e mito não são apenas reflexões corretas de nossas experiências vividas; mas fantasia e mitos de qualidade podem também informar nossas realidades. Se de fato Tolkien acertou na mosca com sua profunda verdade metafísica da “eucatástrofe” – a mudança ou renascimento inesperados após o enfrentamento de forças antagônicas – então podemos supor que arte e mito estão nos dizendo algo bastante significativo a respeito de nossa situação global. O ciclo Saturno-Plutão, testemunhado em nosso próprio tempo – tempo de batalhas épicas, privações e caráter sendo moldado – não pode ser visto isoladamente, mas sim sob a ótica de um contexto maior. Parece que, nestes tempos de guerra, retração econômica, defesa nacional e segurança são partes de um processo natural contínuo e que são necessários para o subseqüente rejuvenescimento, renascimento e renovação. Embora isso possa ser tão simples quanto dizer que para cada primavera há primeiro um inverno, parece que, coletivamente, nos tornamos inconscientes dessa verdade, supondo, de alguma forma, que nossa situação global já transcendeu e não possui correlação com esses processos muito naturais e muito verdadeiros.

    Isso não é afirmar que Guerra, conflito e fatos são predeterminados e passam por conclusões quando Saturno e Plutão realizam relações angulares um com o outro. Pelo contrário; ao nos tornarmos conscientes da repetição dos ciclos arquétipos, melhoramos nossa liberdade de escolha e criamos uma paleta mais ampla para expressar o espírito destes tempos. Em uma cosmologia astrologicamente informada, pode ser considerado verdade que o fundamento de ser, arquétipo do inconsciente coletivo, ou anima mundi- todos estes conceitos relacionados, alusivos à mesma coisa – podem estar sendo influenciados por certos padrões em certos momentos, mas há um incrível grau de livre arbítrio em potencial cercando a expressão desta energia. Não é surpreendente, então, que quanto maior a consciência coletiva, mais rarefeita é a expressão.O Senhor dos Anéis – o filme e o livro – são maravilhosos canais por permitir o drama sombrio, heroísmo épico e o apelo e sedução do profundo poder da combinação Saturno-Plutão para brilhar através de tudo, porém sem sucumbir à diluição ou demonização deste poderoso complexo arquétipo.



    *Progressões, ou progressões secundárias, é uma técnica segundo a qual as posições planetárias para cada dia após o nascimento representam um ano após o nascimento. Portanto, posições planetárias 45 dias depois de seu nascimento refletem, em parte, sua experiência psicológica e estado de coisas aos 45 anos de idade. Falando de forma geral, progressões são mais sutis e não têm tanto impacto quanto transições; seus padrões são um pouco menos discerníveis.
     

Compartilhar