1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Senhor das Almas

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Zuleica, 11 Mar 2008.

  1. Zuleica

    Zuleica Usuário

    O lançamento foi em 21/02/2008, mas a importância da autora
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , não me permite deixar que passe despercebido.

    O jovem médico Dario Asfar, judeu da Criméia, luta desesperadamente para conseguir uma clientela abastada em Nice, nos anos 20. Sem dinheiro, com mulher e filho pequeno, um dia aceita praticar um aborto clandestino numa americana. É o primeiro passo do caminho acidentado que o conduzirá, em lances de extrema audácia, a práticas na fronteira do charlatanismo. Num percurso vertiginoso, Asfar revela-se hábil para explorar os meandros da teoria psicanalítica que começava a se irradiar do consultório vienense do dr. Freud. Troca, assim, a cura do corpo pela cura do espírito, e se torna o "senhor das almas". Mas ao tentar curar as almas alheias, acaba perdendo a sua.
    [align=center]
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    [/align]

    O senhor das almas foi publicado originalmente em capítulos, no semanário anti-semita Gringoire. Ao ser republicado, o romance fez renascer o debate sobre como interpretar o espírito mordaz e crítico da autora, ela mesma judia, ao descrever a cultura e o povo judeu. Uma pista para a resposta estaria em suas palavras, citadas no prefácio: "Por que um povo se recusaria a ser visto tal como é, com suas qualidades e defeitos? Acho que alguns judeus se reconhecerão nos meus personagens. Sei que digo a verdade".
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , outra obra maravilhosa foi escrita em 1940 mas apenas publicada em 2004. Foi por acaso que se salvou, no fundo de uma mala onde Denise Epstein, a filha mais velha da escritora a encontrou. Foram necessários cerca de 60 anos para que Denise decida publicar a obra. Esta obra teve um eco importante em França onde recebeu o prémio Renaudot em 2004.

    Ficha de "O Senhor das almas"
    Tradução: Rosa Freire d'Aguiar
    Capa: Mariana Newlands
    Páginas: 232
    Formato: 14,00 x 21,00 cm
    Peso: 0,291 kg
    Acabamento: Brochura
    Lançamento: 21/02/2008
    ISBN: 9788535911732
    Preço: R$ 43,00
    Fonte: http://www.companhiadasletras.com.br/
     
  2. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Eu acho q as obras q fazem mais sucesso, por exemplo essa ai,
    eh qndo um povo de uma região se identifica, ou se reconhecem...
    junto ao livro, eles veem no livro um espelho...para suas vidas, momentos, sei lah...
     
  3. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Suite Française - é um resgate de momento delicado
    [...] A primeira parte da obra, Tempête de Juin, descreve o êxodo dos parisiences no verão de 1940 e a segunda parte, Dolce, descreve a instalação dos alemães numa aldeia em França. É uma obra escrita por alguém que sabe que não sobreviverá a esta guerra. É uma obra lúcida e cheia de humanidade onde nos são relatados os pequenos actos de coragem e de cobardia do quotidiano dos franceses perdidos em 1940. Na segunda parte é entre resignação, orgulho ferido e vontade de viver que se situam os personagens que vêm chegar os alemães que pouco a pouco se tornam parte do quotidiano. Nesta obra não é abordada a questão judaica apesar das origens e do drama pessoal da escritora. São os participantes anónimos desta guerra que interessam a escritora. Todos nos são relatados, ricos, pobres, cidadinos, camponeses, banqueiros, escritores. Em virtude da sua vasta experiência de vida, Irène passa de um meio social a outro com uma clarividência rara adoptando sempre o tom certo. É uma obra muito comovente e cruel mas escrita com a ternura e a nostalgia de uma vida que se sabe prestes a partir.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar