1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Outros Sistemas O RPG "anti-D&D" de John Wick...

Tópico em 'RPG' iniciado por Armitage, 9 Set 2008.

  1. Armitage

    Armitage Usuário

    Última edição: 9 Set 2008
  2. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Nossa, isso podia ser menos cliché?
     
  3. KADU

    KADU Estão vendo esta caneta?

    kkk, o Armitage não desiste nunca...
     
  4. Armitage

    Armitage Usuário

    Baixei o preview no fim daquela página e... 8-O (sem palavras)
     
    Última edição: 10 Set 2008
  5. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    É, eu também fiz essa expressão. Chupação descarada do Vampire, né?
     
  6. Armitage

    Armitage Usuário

    Cara, to achando tão diferente de tudo que já vi que não dá nem pra dizer se é bom ou ruim, de tão diferente que é.

    Por exemplo, nos testes, quem tem sucesso narra o resultado da ação. A cada sucesso extra você emenda um "..e.." e narra mais um trecho.

    Ex: se eu quero persuadir um guarda a me deixar entrar na fortaleza, e tenho um sucesso, eu narro o trecho "o guarda cai na minha, abrindo a porta...". Se eu tenho 1 sucesso extra, eu posso continuar: "...e simpatiza tanto comigo que conta até onde é o aposento do rei". Se tenho mais um sucesso, vou continuando: "...e ainda ficou meu amigo, dizendo o bar que frequenta para nos encontrarmos para uma cerveja!".

    Desculpem o palavrão, mas achei isso do caralho!



    PS: e pelo que percebi a cor negra é a cor da humilhação para a sociedade Ven. Ou seja, o jogo é anti-Emo também. :lol:
     
  7. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Ah, cara... por favor... isso é uma chupação descarada do Vampiro, tanto a Máscara quanto o Réquiem...

    Tipo os skill challenges do D&D 4E :think:
     
  8. Barlach

    Barlach Verde. E arqueiro

    Não baixei o preview, só li o site.

    A história em si não é lá muito original... Mas sei lá. Eu não mestraria, porque não teria tempo pra ler o livro, mas se alguém se propusesse a mestrar, eu poderia tentar.

    Afinal, se esse jogo é cópia de Vampiro, e Vampiro é bom, logo...
     
  9. Armitage

    Armitage Usuário

    Nada a ver. Skill challenge do D&D4 é um mini-game onde se vai acumulando sucessos (ou falhas) numa série de rolagens seguidas, até atingir um patamar pré-definido.


    Em Houses é completamente diferente. Você faz uma rolagem só, e cada sucesso extra permite ao jogador contar um trecho da estória como quiser. Simples assim.

    O que esse jogo tem a ver com vampiro? O jogo é de fantasia medieval!! :lol:

    Olha uma imagem do livro aí...

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 11 Set 2008
  10. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Dá na mesma. Conforme tu vai rolando os dados no skill challenge e vendo os resultados, o jogador ou o DM vai contando um trecho da história como quiser.

    Copy/paste do site:

    Isso é Vampiro Réquiem.

    Isso é a Camarilla.

    Ventrue.

    Os clãs, as tradições da máscara, a Jyhad como um todo.

    Fala sério, né?
     
  11. Armitage

    Armitage Usuário

    Não.

    No Skill Challenge o GM detém o poder narrativo final. Está tudo pré-definido por patamares de quantidades de sucesso. Os jogadores têm liberdade para narrar o processo, mas o objetivo é concreto, e uma vez atingido, as consequencias continuam nas mãos do GM. Sem contar na quantidade de calculos, modificadores, recursos, etc. que precisam ser utilizados. Um verdadeiro rebú.

    Já nos testes de Houses os jogadores têm total controle sobre o resultado e o desenrolar da estória, com uma simples rolagem. E essa é a mecânica padrão do jogo pra tudo - até pro combate - não um mini-game complexo para momentos específicos.

    Ou seja: numa Skill Challenge para achar um meio de entrar no calabouço, os jogadores narram até essa meta original (entrar no calabouço) ser atingida, ou fallharem no processo. E mesmo assim sob controle do GM. Já em Houses, os jogadores poderiam muito bem narrar até entrar no calabouço, e daí em diante - assim que abriram a porta se viram no harém das poposudas, com a mulher-melancia de um lado, a mulher-melão de outro, e o MC Créu no meio cantando.



    - - -

    Quanto ao que você copiou aí do site...

    Então ter o foco em intrigas politicas é ser cópia de Vampire, heh?

    Então A Game of Thrones, Elric, Birthright, Duna, Amber, etc. são todos cópias de Vampire!! :lol:
     
    Última edição: 11 Set 2008
  12. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Eu acho engraçado que tu pega duas mecânicas de jogo bastante semelhantes e tu descreve a não-D&D da forma mais climática possível e a D&D da forma mais pejorativa possível. E tu vem falar que não tem preconceitos em relação ao jogo...

    Não, por dois motivos: 1 - São todos anteriores ao Vampire. 2 - São todos TOTALMENTE DIFERENTES de Vampire (confesso que me surpreendi ao ver tu considerar as 5 casas mercantes de amn como focado em intrigas políticas sociais e não como um wargame evoluído :hanhan: ), o que não acontece com esse House of Blood, com seus vampires, quer dizer.. ven... pires.
     
  13. Armitage

    Armitage Usuário

    Ok, vou desenhar pra você...

    Um exemplo de SKill Challenge direto do Enworld:

    "Well guys, your characters seek out frontier villages, searching for information on Jaryn, the cult, and the location of the Black March. We'll resolve this trip across the borderlands using a skill challenge. The primary skills are Endurance, Nature, Streetwise, Perception. You need 12 successes before 6 failures to win this challenge (since it is 'difficulty 5')".

    Every day of "travel", the party must make a "group" Endurance check (this means that ony one PC will make the actual check, while the others will provide a +2 bonus each if they beat an Endurance check with DC 10).
    You can quote the adventure as to why they have to make this check ("The frontier is an inhospitable expanse of scrub... etc").
    If the check is failed, they have earned a failure (they failed to endure the harsh environment). Otherwise, they have earned a success.

    Also, every day of "travel", one of the PCs must make a Nature check. If the check is failed, they have earned a failure and they wander aimlessly in the borderlands for that day. Otherwise, not only they have earned a success, but they have found a village.

    Every time they are inside a village, they can use Streetwise, Perception and Diplomacy, as explained in the adventure.

    Diplomacy does not yeld successes or failures, but gives a +2/-2 to Streetwise and/or Perception. Every time a PCs makes a Streetwise and/or Perception check, the group has earned a success and obtained some information (see "rumors" at page 33). If someone fails one of those checks, the group has earned a failure.

    Note that while the Endurance\Nature checks are basically "just checks" ("Ok guys, someone has to make me a Nature check"), the Streetwise, Perception and Diplomacy ones require ideas/motivations/roleplay in order to be accepted by the DM.

    The nexd day the group hits the road again and it's time to make new Endurance and Nature checks, looking for the next village.

    When the group has achieved 12 successes, they have won the skill challenge ("From the final village, the PCs are given directions to the Black March"). If they achieve 6 failures (before achieving the 12 successes), they have failed the skill challenge ("If the PCs are unsuccessful in the skill challenge, Auldwyl and the other townsfolk can give them only a rough bearing on the route the cultists take when they leave town. The encounter “Blades in the Night” gives the PCs a second chance to find the Black March.")


    Resumindo...

    Skill Challenge: um mini-game estruturado, com recursos a se gerenciar (feats, skills, etc.), cálculos a se fazer (acumulos de sucessos, falhas, etc.), e uma série de rolagens. Com um objetivo final concreto.
    - - -

    Agora usando o mesmo exemplo, só que em Houses:

    "Well guys, your characters seek out frontier villages, searching for information on Jaryn, the cult, and the location of the Black March."

    Jogador, role o atributo que você julgar relativo. Se tiver sucesso você narra o que aconteceu. E pra cada sucesso extra você pode continuar narrando mais trechos da estória. Jogador rola 2 sucessos: "Na manhã do 3º dia, achamos uma vila fronteiriça." e..."O ar da manhã trazia um cheiro de carne assada que, ao nos aproximarmos logo notamos que era um javali que estava sendo assado numa fogueira...."


    Pronto.

    Houses: Nada de cálculos, gerenciamento de recursos, ou mini-games.

    É rolar o dado, e contar a estória.
     
    Última edição: 11 Set 2008
  14. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    É, tu acabou de confirmar o que eu falei ali em cima. Tu pode muito bem usar todo esse fluff que tu falou do "ar da manhã e bla bla bla" nos skill challenges do D&D e tu pode simplesmente rolar o dado e falar "tá, consegui" no Vampire the fake.
     
  15. Armitage

    Armitage Usuário

    Sim, mas existe uma grande diferença entre os dois:

    Em Houses os jogadores criam, inventam, dão prosseguimento à estória da maneira que quiserem. Em D&D não - os objetivos são pré-definidos desde o início, baseados em patamares de sucesso.

    Se o grupo quer chegar no topo daquela montanha, em D&D eles podem precisar de uma challenge que envolva várias rolagens de skills, feats, etc. (alpinismo, sobrevivencia, meterologia, etc), atingir patamares pré-definidos de sucesso vinculados a resultados pré-definidos, etc. e no processo inventar a forma como fazem isso. Mas os resultados são limitados e pré-definidos.

    Em Houses o grupo pode simplesmente fazer uma só rolagem e cada um e ir contando a estória de como chegaram lá, e até o que aconteceu depois. Sem a complicação de sub-sistemas, gerenciamento de recursos, planejamento prévio, etc. É só rolar e contar a estória.
     
    Última edição: 11 Set 2008
  16. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Ah, whatever. Não adianta, pra ti qualquer coisa não-D&D é o melhor jogo de todos os tempos da última semana e qualquer coisa D&D é "limitado", "restrito", "mini-game", etc.
     
  17. Armitage

    Armitage Usuário

    Nossa Sky, relaxa. Eu nem falei se o jogo é bom ou ruim. Falei que é diferente.

    Só testando pra ver. De repente eu nem vou gostar...
     
  18. Barlach

    Barlach Verde. E arqueiro

    Uma coisa eu achei estranha...

    Então nesse jogo o jogador pode continuar narrando se for tendo sucessos... Nesse exemplo que você deu, o cara narrou até chegar na porta do castelo, continuou tendo sucessos, narrou que abriu a porta e viu um hárem na dentro, ou seja lá o que. Mas o narrador pretendia que lá dentro estivesse o assistente do rei querendo falar com os jogadores. E aí?

    Esse sistema não tira um pouco demais o jogo do controle do mestre? Eu sei que forçar a improvisação de todos os lados é interessante pro jogo, mas isso pode ser demais. Um mínimo de controle na mão do mestre é necessário pra manter a qualidade da história.
     
  19. Deriel

    Deriel Administrador

    Obviamente que não tem espaço pro narrador nesse caso, afinal, o jogador fala tudo.

    Eu não quero jogar isso :g:
     
  20. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    Eu quero. O que eu não quero é MESTRAR :lol:
     

Compartilhar