1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O retrato do nosso fracasso

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Silenzio, 11 Mar 2006.

  1. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Fazia tempo que o Mainardi não nos apresentava uma coluna tão boa. Acho que faz quase um ano que eu vinha a cada semana ficando mais desapontando, mas essa semana ele realmente deu um tapa na cara de todos os brasileiros.

    Segue a coluna dessa semana:

    O retrato do nosso fracasso

    Uns países dão certo. Outros não. O Brasil pertence à segunda categoria. Tome-se o professor Luizinho. Ele é o retrato do nosso fracasso. O sinal de que a gente se danou. Nunca mais vamos nos recuperar do espetáculo oferecido ao Congresso Nacional, na última quarta-feira, com o professor Luizinho saltitante, comemorando seu indulto. É um trauma que jamais poderá ser superado. Daqui a trinta ou quarenta anos, quando a economia iraquiana finalmente ultrapassar a brasileira, alguém se lembrará de citar seu caso. Não digo isso pelo professor Luizinho em si. Há professores Luizinho espalhados em todos os cantos do mundo. Tudo bem: um pouco menos pitorescos. Tudo bem: um pouco menos grotescos. Mas há. Há um professor Luizinho no Nebraska. Há um professor Luizinho no Hamas. Há um professor Luizinho no gabinete do ministro dos Transportes ucraniano, que acaba de ser descoberto embolsando uma propina equivalente a 30.000 reais. Ninguém está a salvo dos professores Luizinho, dos Roberto Brant, dos Eduardo Azeredo. O que muda de lugar para lugar é apenas o jeito de lidar com eles.

    Eu sei que em tempos de populismo rasteiro não pega bem afirmar algo assim, mas o voto popular não é necessariamente o melhor método para escolher nossos governantes. Eu não escolheria Lula, por exemplo, nem para abrir e fechar o portão da garagem do meu prédio. O seu José é melhor. É mais eficiente. É mais honesto. O eleitor erra. Quase sempre. Em todos os lugares. O que torna a democracia incomparavelmente superior a todos os outros sistemas não é o método de escolha dos governantes, e sim a possibilidade que ela dá de nos livrarmos deles. Um professor Luizinho pode embolsar 30 000 reais, mas uma democracia sempre irá dispor de mecanismos para puni-lo. Quando esses mecanismos deixam de funcionar, a democracia não serve para mais nada. Ela perde o sentido. Foi exatamente o que aconteceu conosco. O país poderia ter dado certo. Não deu. Pena.

    O importante é não se abater com isso. Eu não me abato. Tenho uma receita. Ninguém é tão patologicamente impermeável à realidade quanto eu. Imite o mestre. Minha regra é muito simples: nunca me distancio mais de 800 metros de casa, para um lado ou para o outro. Pouco tempo atrás, eu disse que pagaria para não ter de ir a Cuiabá, mas o fato é que acabei criando minha própria Cuiabá, aqui no Rio de Janeiro. Meu contato com o resto do país é limitado ao que me é mais familiar. Uns quarteirões para cá, uns quarteirões para lá. Recorro também a uma rotina excepcionalmente rígida. De manhã, leio os jornais e as mensagens das "Mainardetes do Orkut". Trata-se de uma página na internet em que algumas leitoras reclamam do meu corte de cabelo. À tarde, levo meu filho mais velho à escola, brinco com o mais novo, penso distraidamente num assunto para a coluna, tiro um cochilo, vou buscar meu filho na escola. Todos os dias, no mesmo horário, o professor Luizinho toca insistentemente a campainha de casa. Eu não abro a porta.
     
  2. Fafa

    Fafa Visitante

    Putz, eles pagam para escrever esse tipo de coisa? 8-O
     
  3. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Sim, mas pior seria se pagassem você para vir aqui floodar dessa forma.
     
  4. Fafa

    Fafa Visitante

    Acho que foi um comentário pertinente.

    ps: esse sim foi um flood, o seu também.
     
  5. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Pertinente em que sentido? Você não rebateu NENHUMA linha dele, não acrescentou NADA à discussão, e como todo esquerdista cego foge da discussão para ataques diretos já que não possuem argumentação suficiente para refutar o que foi dito.
     
  6. Fafa

    Fafa Visitante


    :lol: :lol:

    Sabe qual a diferença entre a Direita e o câncer?
    O câncer evolui.

    :lol: :lol:



















    O que o Mainardi vomita nas páginas da Veja não mereceria ser discutido, mas vou entrar no seu joguinho.

    O que ele tentou foi tornar os leitores da revista, já completamente alienados, ficarem apáticos. Dessa forma, mantêm-se o status quo, que é tão bom para o Mainardi e seus patrocinadores, e tão ruim para os trabalhadores que o PT e seus deputados (como o Professor Luizinho) tentam representar.

    E será por que que ele, ao invés de só citar, não usou o Brant (PFL) na sua retoricazinha boba?
     
  7. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Bom, essa piada eu SEMPRE uso pra descrever a esquerda, que continua achando que estamos em 1850 e análise de Marx ainda se faz perfeita para nossa atual sociedade.

    Quanto ao resto, bem, você novamente deixou a objetividade de lado. Mainardi citou o Brandt, dizendo ainda que era confeso. E mesmo que nào citasse, sua crítica continuaria pertinente.

    Vamos lá amiguinho, vai tentando que você consegue dizer algo mais inteligente :hanhan:
     
  8. Vovin

    Vovin Steve Vai, The Mars Volta

    O Brasil não é um pais fracassado, alias, dividir o mundo entre paises que deram e que não deram certos é uma das formas mais estupidas de faze-lo.

    Mainardi reclama que a democracia brasileira não serve pra nada porque o professor Luizinho não foi punido por seus colegas (engraçado que Mainardi centre seu texto no professor Luizinho, e não no Roberto Brant que recebeu mais dinheiro e ainda comemorou a "vitoria" num restaurante de luxo), ai ele ja demonstra ingenuidade politica, sempre considerei uma CPI uma burrice pois quem tem o dever de investigar e punir é a policia e não deputados, é como um conselho de medicos decidindo o destino de um colega acusado de erro, ele provavelmente vai ser salvo porque no futuro ele pode estar julgando alguem daquele conselho (o caso do José Dirceu foi exceção)...

    Alem do mais, o metodo mais eficaz da democracia de punir o professor Luizinho são as eleições, se ele não se eleger, já pode se considerar punido, ou seja, a democracia ainda tem meios de punir professor Luizinho, não que a democracia brasileira seja perfeita, mas dizer que ela não serve pra nada porque o professor não foi punido por seus colegas é exagerar, é só ver o exemplo do Paulo Maluf, não se elege mais nem sindico de predio, pode não ser a punição merecida mas já é uma punição política...
     
  9. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Correção: o Mainardi NUNCA escreveu nada de bom!

    É mesmo? Eu não senti nem uma brisa no meu rosto...

    O Mainardi é um falastrão, um pseudo-intelectulóide, do tipo que mais desprezo e abomino. Ele pode sim falar o que quiser, mas é lamentável que tenha um público que lhe dê ouvidos...

    O Brasil, um país fracassado?! O Brasil tem um milhão de defeitos que detesto, está longe de ser um país ideal... e loooooonge de ser um país fracassado! Ou o próprio Mainardi não está tomando seu cafezinho, diante de seu PC de última geração, ganhando um monte de dinheiro para os idiotas que lhe pagam pelas idiotices que fala?!

    A revista Veja nunca mereceu nenhuma credibilidade. As colunas do Mainardi são sempre ridículas, recheadas de críticas impertinentes e arrogantes.
     
  10. Silenzio

    Silenzio Visitante

    A análise do Mainardi não é definitiva, é apenas para ilustrar melhor o exemplo. É claro que não se pode dividir apenas dessa forma, pois o Brasil venceu em v'rias situações em perdeu em outras mais. Mas o papel do Mainardi não é ficar elogiando categoricamente o país, que convenhamos, não leva lugar nenhum, e sim apontar onde erramos.

    Algumas edições passadas, o Mainardi atacou a direita. Então não creio que tenha outros motivos para focar no professor Luizinho além da estética textual. Além disso, o Mainardi diz no próprio texto, indgnado, que Robert Brant era um culpado confesso.
    Quanto à responsabilidade de quem deve punir ou não, eu concordo com você, mas como nesse caso a responsabilidade era do comite, ele teria que cumprir sua função, ao contrário do que fez. E a coluna é basicamente pra pessoas como você, que acha que tudo bem a CPI não cassar porque é constituida de políticos também, e porque isso acontece, e etc. Esse comodismo é o alvo da coluna.

    Ah sim, então ele pode ficar roubando até lá? Dai passam-se 3 anos e milagrosamente ele é eleito novamente. Esse exemplo é um dos que mais acontece no Brasil. Quanto ao Paulo Maluf, ele quase se reelegeu várias vezes, ainda mais com aquela campanha popular "rouba mas faz".
    De qualquer forma, isso é no mínimo um incentivo à impunidade. Um ladrão não precisa ser preso então, basta a sociedade passar a ignorá-lo que ele estará sendo punido. Mas você esquece que ele ainda estará livre para coninuar furtando, assim como os deputados ainda terão o poder suficiente para continuar usurpando o dinheiro público.
    Outra coisa, o leitor comum provavelmente votará no Luizinho novamente, afinal, ele foi absolvido porque deve ser inocente não? :hanhan:
    Enfim, eu não quero essa democracia parcial. Prefiro ficar com aquela que dá certo, aquela que podemos retirar realmente aqueles do poder que não o exerceram corretamente.

    Isso foi um flood. E Mainardi já escreveu excelentes textosn e críticas. Inclusive já postei aqui onde foi até bem recebido (com excessão de alguns, claro)

    Então você deve ser o cidadão exemplar, que nunca deixou o comodismo da situação tomar conta de você, que sempre dedurou tudo o que via de errado a sua volta, que nunca contribuiu para a corrupção e etc. Se esse for realmente seu caso, parabéns :mrgreen:

    Humm...nada?

    Engraçado como os críticos do Mainardi NUNCA entendem suas colunas.

    E mais um pouco de nada sem embasamento.
    Quanto à arrogância, bom, eu realmente nunca me atenho a ela. Prefiro me ater no argumento. Todos formadores de opinião, ou que buscam se tornarem, são arrogantes. Marx era de uma arrogância ímpar. Nunca foi problema para mim lê-lo apesar da arrogância, porque isso é fugir da argumentação. Não importa a maneira como o Mainardi escreve, e sim o que argumento apresentado. O personagem que ele faz na coluna é apenas para chamar a atenção e dviertir um pouco.
     
  11. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Diogo Mainardi está empregado perfeitamente: Veja-Lixo, revista absurdamente parcial que prefere induzir a informar o leitor.

    Mas há uma certa razão em algumas (escassíssimas) idéias do Mainardi. Neste, por exemplo, ele diz uma coisa coerente: Professores Luizinho estão espalhados no mundo todo. A incoerência: se é assim, o "nosso" refere-se ao mundo, não ao Brasil. Talvez o texto devesse tomar um outro rumo.
     
  12. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Isso foi um argumento?:think:
    De qualquer forma, você é realmente ingênuo se acha que existe algum meio de comunicação ou empresa do ramo que seja imparcial. Todas, mas todas, as revistas são parciais. A Veja defende o que acha que é certo (ao informar suas notícias), a Isto É a mesma coisa, a Caros Amigos, idem. Será a Época parcil? Com toda certeza! Todas elas, sem exceção, procuram induzir. E isso é bom, porque quando uma revista procura ser apenas informativa ela fica supercial demais. Vai de cada um ler ambos lados e tirar suas próprias conclusões. Esperar uma revista que esclareça tudo imparcialmente é coisa de gente com preguiça mental, sorry.

    Acho que você não entendeu então. Ele diz que obviamente há Luizinhos no mundo inteiro, mas no Brasil (estamos no Brasil, então a crítica se faz mais necessária aqui do que no Madagascar) eles ficam impunes.

    Anyway, o povo podia parar de fugir ao tópico. Se quiserem xingar a Veja e o Mainardi procurem no fórum que já tem tópicos para issso. Caso não tenha nada a acrescentar a não ser achismos do tipo "Mainardi é lixo" seria melhor não postar nada.
     
  13. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Se você pretende agir como um bastião de defesa ao Mainardi até o fim, então não há mais nada que eu possa dizer, com ou sem argumento. Parece que você o admira, ou o tem como ídolo.

    Uma pessoa que não compreende Mainardi não fará crítica deste.

    Mainardi e seus cúmplices da Veja são diabolicamente sórdidos e sutis - isso eu digo numa abordagem direta. Eu poderia apontar aqui as entrelinhas sutis, mas tomaria muito do meu tempo e ânimo, e, de qualquer maneira, você manter-se-ia fiel ao senhor Mainardi.

    Você vai achar o que quiser, e falará o que quiser, e talvez alguns concordem, e achem bonitinho, chamar de burros e sem-argumento os que não gostam do Mainardi. Sinta-se à vontade, se isso faz você feliz.

    Aliás, o que estou fazendo aqui mesmo? Perdendo minutos do meu tempo precioso falando do Mainardi? Tchau.

    Post Scriptum: Aproveite e cite cada frase minha e deprecie à sua maneira - ou melhor, à maneira do seu querido professor, Mainardi. Tenho certeza que alguns aplaudirão. Ou simplesmente fale que eu "não sou capaz de compreender o grande Mainardi", ou que "não tenho argumento", etc.
     
  14. Silenzio

    Silenzio Visitante

    Não é isso Ka Bral, é que simplesmente não suporto entrar num tópico e ver o pessoal agindo dessa forma, fugindo totalmente aos argumentos propostos e partindo para atacar a todo custo o argumentador. Mainardi não é nenhum gênio, tanto que eu mesmo disse que ultimamente ele andava bem desprezível mesmo, não escrevendo nada de interessante. Mas de vez em quando ele acerta, como achei que foi nesse caso.

    É o que aconteceu o tópico todo praticamente. Quase nenhum comentário foi destinado a refutar o que ele disse :roll:

    Esse é um pré-julgamento seu. Praticamente em toda edição da Veja eu discordo de algo, e se tem o que dizer a respeito das entrelinhas, fique a vontade, eu não me atenho a argumentos falaciosos baseados na autoridade.

    Eu só acho ridículo vir aqui só pra postar: Mainardi é idiota
    Ou mesmo: Mainardi é deus
    São comentários TOTALMENTE descartáveis, tendo em vista que os comentários se resumem a apenas isso.

    Se é perda de tempo, porque postou então? Poderia nem ter se dado o trabalho. :eek:
     
  15. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Eu leio a revista Veja há muitos anos. Fomos assinantes durante uns dois anos, se não me engano. Hoje, recuso-me a gastar dinheiro com essa revista, mas leio-a sempre que posso.

    Eu não gosto do que o Mainardi diz, não gosto do que ele pensa. Não gosto de nada que ele diz.

    Nenhuma publicação de seres humanos é imparcial, é certo; eu não gosto das opiuniões da revista Veja à respeito de política. Não arecio o modo Veja de escrever.

    Por que busco ler Veja? Ocasionalmente, há informação útil, que me interessa. Boa fonte de informações, digo, mas péssima formadora de opinião. PÉSSIMA. Mainardi é desastroso.

    Eu não gosto da linha de pensamento do Mainardi. Leio-o, e não consigo gostar de nada do que ele diz, desde a primeira vez que o li.

    Como não tenho textos do Mainardi aqui em mente, usarei este:

    Olhe só! Na minha concepção, a democracia lamentavelmente não funciona mesmo. Nunca funcionará, enquanto for dirigida por seres humanos. Isso não justifica professores Luizinhos, claro. Agora, o que é o País "dar certo"? O que é? Ser igual à aos da Europa? O que é o país dar certo para o Mainardi? Este país, do jeito como ele foi concebido, ao longo desses lamentáveis "500 anos", jamais "daria certo" mesmo! Eu considero até que é um pouco melhor do que poderia ter sido. Um país construído em cima da destruição dos povos que aqui existiam, somando-se à exploração e ao estupro dos povos outros do outro lado do mar? Como é que Mainardi e seus colegas da Veja esperam que este país "dê certo"? Há muitas feridas que não cicatrizaram ainda!

    Lembrei-me agora duma opinião da Veja a respeito do Haiti. Falam eles: o Haiti retorna ao estado tribal. O Haiti se destrói, sozinho. O Haiti é lamentável. A Europa tem de intervir.

    O Haiti libertou-se sozinho, às custas de selvageria mesmo. O Haiti errou? Errou. Mas não foi sozinho, como a revista Veja quer mostrar. Os países europeus e os EUA boicotaram o Haiti tanto quanto puderam, até que parecesse que o Haiti se destruiu sozinho.

    Ora, há povos muitos nos Continentes. Há 500 anos, a Europa atravessa o mar e impõe a sua visão de mundo. Daí, vem um Mainardi e fala que nosso país não dá certo. Como é que eu posso gostar dum cara desses?

    Essa do porteiro honesto é tão clichê que já me encheu.

    De qualquer maneira, temos que falar mesmo. É a única maneira.
     
  16. Vovin

    Vovin Steve Vai, The Mars Volta

    Mas a punição que os deputados poderiam dar a ele era política, ele não ia ser preso nem condenado, ia ter seus direitos políticos cassados, e nesse sentido ele perder as eleições tem o mesmo efeito, porque eu duvido que ele se eleja de novo, a opinião publica esta toda contra ele.

    Ou seja, a tese do Mainardi de "oooh, os deputados não cassaram o mandato do professor Luizinho, a democracia brasileira não serve pra nada" é absurda...
     
  17. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Se permanecermos fomentando a discussão que já fugiu do tópico ela não vai acabar, pois sempre haverão réplicas. Parecem que todos aqui têm suas opiniões formadas, e desejarão mantê-las, então é melhor que sejam mantidas. Eu pelo menos tenho muitas razões para detestar a veja: a parcialidade não é a natural, como a das revistas comuns, mas absurda e pegajosa, nojenta; qualquer um que preste atenção perceberá como ela não dá espaço para dualidades existentes, e no espaço de cartas nunca encontrarão críticas negativas, apesar de choverem nas caixas de entrada. Não são poucos os que têm a opinião contra a revista.
     
  18. Ka Bral o Negro

    Ka Bral o Negro Tchokwe Pós-Moderno

    Concordo com o camarada acima no que diz respeito a revista Veja.

    por mais que eventualmente haja reportagens de meu interesse, sempre, SEMPRE bato de frente com uma opinião translocada da revista que me enoja e enfurece. E a Veja dá-me a sensação de que eles estão certos, e se você não concorda com a opinião deles, então você é burro.

    E eu mesmo cansei de enviar e-mails pouco favoráveis à revista, mas nunca foram publicados. E me irritava ao ver, na seção de cartas, destacadas somente as frases de leitores que concordam incondicionalmente com a Veja. Os que abominam a revista - que são muitos, veja as comunidades no Orkut - são solenemente ignorados.
     
  19. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    A única coisa que me incomoda é que sempre falam da imparcialidade da Veja e nunca mencionam outras revistas e jornais da direita e da esquerda. Parece que só a Veja é imparcial e não merece crédito.

    Ah, que isso?! Toda revista é minimamente parcial e cabe a você julgar o que é certo do que é errado, fazer sim a sua crítica sobre o assunto e não se basear somente na opinião da revista.

    Reclamar que a revista é imparcial ou danosa, suja, nojenta, pra mim é estranho. Basta não lê-la. Né?!

    E quanto ao texto do Mainard, eu gostei mas não é nem de longe tão bom quanto alguns do ano passado. Não concordo com o radicalismo dele, mas também não acho que ele seja culpado de gente querer ler o texto dele. Não estou querendo comparar qualidade, mas todo jornalista quer que o seu texto seja lido. Ele quer. Ele escreve coisas impactantes e que representam um pensamento nem tão pequeno assim da sociedade.

    Ah sim, e se não são poucos os que não gostam da revista Veja e do Mainard, também não são poucos os que gostam deles.
     
    Última edição: 12 Mar 2006
  20. Vovin

    Vovin Steve Vai, The Mars Volta

    O problema é que a Carta Capital ou a Caros Amigos são assumidamente de esquerda, a Veja se faz de imparcial, e não da nem pra comparar o alcance de cada uma né, a Veja tem muito mais influência.

    E o principal problema da Veja pra mim não é esse, eu consigo aceitar opiniões diferentes, o problema é que a Veja faz um péssimo jornalismo, é anti-ética e mentirosa.
     

Compartilhar