1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O que o fazendeiro disse para o burguês debaixo de uma árvore?

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Társio, 12 Out 2010.

  1. Társio

    Társio Usuário

    O que o fazendeiro disse para o burguês debaixo de uma árvore ou Estranhas evidências da poluição humana

    Um dia estava um fazendeiro e um dono de indústria automobilística conversando debaixo de uma árvore.
    -Esse papo de aquecimento global é balela. Todo dia vem um monte de ativista aqui na fazenda evitar que eu ocupe alguns hectares de floresta. Que falta vai fazer?
    -É uma vergonha mesmo. Coisa de desocupado! Deviam perguntar quem gera renda nesse país, trabalhadores como nós ou gente como eles!
    -E vou te dizer, rapaz. Vivi a vida inteira nessa fazenda, subindo e descendo essas terras, nunca ninguém reclamou de derrubar mato. Agora que virou essa lenga lenga. Mas eu derrubo. É meu, eu derrubo.
    -De acordo!
    E assim, enquanto as palavras iam de uma boca para outra; na árvore, uma fantástica alteração bioquímica acontecia. Com a ajuda de alguns elementos químicos tirados do ambiente em quantidades minuciosas, ela produzia um gás altamente nocivo ao ser humano. Lançado no ar, penetrando nos pulmões, ia para o cérebro que mandava o resto dos órgãos baterem o ponto e fecharem as portas. Em pouco tempo, os dois estavam mortos antes de poderem acender os seus charutos feitos à base de carne bovina.
    O céu estava limpo, o gramado, verde e a árvore, satisfeita. Desafiando o estatuto dos vegetais, ela disse em alto e bom som.
    -Beijem as minhas raízes agora, escrotos!
    Infelizmente nunca há um cientista por perto para observar esses eventos.

    Obs.: E muito menos atenção deram quando um grupo de herbáceas se organizaram para processar o Partido Verde, por este utilizar de uma característica fundamental dos vegetais como sua marca. O movimento foi conhecido pelo nome de “A clorofila é nossa!” e não conseguiu chegar às ruas devido a razões biológicas. As plantas são um tanto quanto inertes politicamente.
     
  2. Tayana

    Tayana Usuário

    rsrs. Gostei, principalemnte porque sou ambientalista. A natureza se revolta, e qnd isso acontece nós pagamos o pato, já q fomos nós qm iniciamos..
     

Compartilhar