1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Processo (Franz Kafka)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por São Rasputin, 26 Abr 2008.

  1. São Rasputin

    São Rasputin Existo. Logo, penso!!!

    Li O Processo já faz um tempo, mas este livro ficou marcado na minha vida, pois Kafka tem uma narrativa surpreendente e le envolve de uma forma absorvente, os detalhes das ruas, das casas e das pessoas, são extremamente realistas.
    Agora o mais intrigante é o desfecho da obra (claro que não vou contar o final, pois você derrepente ainda não leu), quando se acha que ainda terá umas dez páginas ele simplesmente fuzila o livro, "executa o veredicto final".
    Kafka costumou escrever livros bons, além de O Processo, já li A Metamorfose, Um artista da fome e Cartas a meu pai; mas sua obra prima realmente é o Processo.
     
  2. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Re: O processo de F. Kafka

    O Processo é realmente genial.

    A cena inicial, quando K. é abordado e fica sabendo que ele está sendo acusado é hilária. O desenrolar da trama, em meio a cenas bizarras, cômicas e por vezes sufocantes é primoroso. Kafka construiu uma crítica extremamente contundente que permanece atual.

    A primeira coisa que li dele foi A Metamorfose, e só depois de alguns anos vim a ler o Processo, que eu também considero superior ao primeiro.


    Ah, e editei o título, pra ficar dentro do padrão. =]
     
  3. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Nossa, que coincidência, dia 5 de maio lá no meia palavra começará o clube de leitura sobre O Processo. Para quem quiser ler e falar sobre o livro, não deixe de visitar ^^

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    :joy:
     
  4. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Opa, legal Ana!

    Vou fazer uma força para dar as caras por lá e deixar meus comentários. =]
     
  5. São Rasputin

    São Rasputin Existo. Logo, penso!!!

    Eu também vou participar da discussão, vou agendar para não esquecer.
    Obrigado pela dica Ana.
     
  6. Kuhin

    Kuhin Usuário


    Fala mais sobre o LIVRO por vavor? :obiggraz:
    Foi escrito em que ano?
    :mrgreen:
     
  7. São Rasputin

    São Rasputin Existo. Logo, penso!!!

    Franz Kafka nasceu em 3 de julho de 1883, em Praga, cidade que na época pertencia à monarquia austro-húngara.
    Ele escreveu o livro O processo em 1925. O livro conta a história de um gerente de banco chamado mister K, que é acusado de um crime, do qual ele ignora a autoria, inclusive a origem do tribunal. É uma surpresa após a outra, só lendo pra ver.
    Kafka ainda aproveita para debater a sociedade de uma forma contundente, sarcastica, mas sem ser óbvio; ele se mostra um exímio mestre da narrativa e cronista de sua época, apesar da história parecer se passar no final do século XIX.
    O que mais posso dizer? Boa leitura!
     
  8. Fringway

    Fringway Andarilho do Norte (187)

    Eu li O Processo até a metade. Tava gostando muito, mas por algum motivo parei de ler. Mas pretendo um dia pegar ele e ler inteiro.
    Fora isso, já li A Metamorfose dele e gostei bastante e li O Castelo até a metade, mas a leitura tava lenta, não acontecia nada e eu comecei a ficar bem deprimido com a história, que já não se desenrolava mais.

    Mas de qualquer jeito, pretendo ler O Processo, eu tava gostando muito. Não sei porque eu parei:P
     
  9. Jorge Leberg

    Jorge Leberg Palavras valem por mil imagens

    Li este livro no ano passado, e através dele tornei-me um fã do Kafka. Ele é tido, ao lado de Joyce e Proust, como um dos maiores escritores do séc. XX, e pode-se até declarar que ele foi um dos maiores autores de todos os tempos. Nenhum outro escritor da literatura contemporânea conseguiu ser tão contundente e abarcar de modo tão completo - mas também sutil - os sentimentos, questionamentos e conflitos do homem sob todas as formas, decorrentes do mundo caótico pós-I Guerra no qual sofremos as consequências até hoje. Através de suas exímias e complexas alegorias, aparentemente absurdas, ele constrói todas essas inseguranças e incertezas.

    O processo atípico do qual o protagonista é vítima, sem conhecer a razão de sua acusação, é uma simbolização do enquadramento humano no mundo moderno. As metáforas do Kafka são amplas e possibilitam uma gama de interpretações, embora todas com um cerne comum, além de ocultarem um tom completamente realista, pois tratam da mais crua realidade. Este processo pode ser interpretado sob a ótica da incompetência e da natureza atravancada de injustiças e distorções do Poder Judiciário, subjugando o homem de maneira cruel, corrupta. Mas também há a interpretação mais abrangente e complexa, a de um mundo cruel e entremeado por incertezas de uma profusão artístico-científico-ideológica, sob as formas de ideologias políticas, crenças religiosas, correntes artísticas e filosóficas, questionamentos existenciais, etc. O homem moderno perde-se num turbilhão de idéias e informações, e mais comprimido e perturbado ainda pela inexistência de verdades, ou da Verdade nessas idéias, mesmo tendo conhecimento que se aterá a algumas delas. Ele exibe esses dilemas humanos universais não só com originalidade ímpar, mas também com densidade; e esses dilemas estão presentes no ser humano de qualquer época. Portanto, para mim, Kafka não é só extremamente atual, mas singularmente atemporal.
     

Compartilhar