1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O príncipe maldito - Parte III

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por JLM, 7 Fev 2009.

  1. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    [size=x-large]O PRÍNCIPE MALDITO - PARTE III[/size]
    de Jefferson Luiz Maleski

    [align=justify]O salão estava em silêncio, apesar de repleto de pessoas. Repleto não, lotado. Curiosos aproveitaram a pausa entre a parte anterior desta fantasiosa história e esta para entrar no salão deixando-o mais abarrotado de gente. Todos queriam presenciar a mesma coisa: ouvir a resposta - na verdade a pergunta - que o príncipe daria à pergunta - na verdade a resposta - fornecida pelo rei Leopoldo. Ninguém imaginava que iria sair boa coisa de um príncipe que não falava e que ainda por cima teve a audácia de dispensar o prazo concedido. O rei pensou que o príncipe não havia entendido direito - talvez fosse meio lento ou bobo, afinal, a maioria dos governantes é - e repetiu as condições do desafio: a mão da filha caçula, a formosa princesa Ágata, seria dada em troca da pergunta-resposta à resposta-pergunta do rei. O rei revelou a resposta, "terra”, e aguardava que o príncipe fornecesse a pergunta correta. O príncipe fez um gesto e o arauto respondeu em alta voz que ele entendera perfeitamente o desafio já no início e estava pronto para fornecer a resposta. A postura do príncipe era imponente e confiante. A princesa Ágata - cega de nascença mas capaz de ouvir pensamentos alheios sem precisar de autorização judicial - ouvia os pensamentos dos presentes descrevendo a postura imponente e confiante do príncipe. Mas não conseguia ouvir os pensamentos do príncipe. Não tinha idéia do que ele diria, pois a mente dele estava completamente muda, em um profundo estado de concentração que Ágata só vira antes (mentalmente, claro, porque ela era cega, lembra?) quando um monge tibetano passou pelo reino. E a princesa não gostava de ficar às cegas (não leve tudo ao pé da letra) quando o assunto era o seu próprio casamento.

    O rei, diante daquela situação inusitada, autorizou que o visitante continuasse. Cada gesto do príncipe era observado meticulosamente por centenas de olhos, que geravam dezenas de pensamentos e chegavam até a princesa, que acompanhava a tudo mentalmente. O príncipe levantou va-ga-ro-sa-men-te a mão direita e a colocou em um bolso do lado esquerdo de seu colete dourado, ricamente adornado com pedras preciosas de diversas cores, e retirou um pequeno pergaminho azulado. Entregou ao arauto. Com uma voz grave e retumbante, preparada para ocasiões em que uma voz grave e retumbante se fazia necessária, o arauto ecoou pelo salão a resposta do príncipe.[/align]

    “Ó grandioso rei Leopoldo,

    Este servo que chega diante de ti passou muitos anos amaldiçoado por causa de um momento de insensatez juvenil. Mas a maldição também me trouxe benefícios: por não poder falar, aprendi a escutar. Assim, com o passar dos anos, tornei-me bom e sábio e, ao assumir o trono, era o homem mais bem quisto entre o meu povo. Como prosperavam a paz e riqueza em meu reino, resolvi empreender viagens em busca de aventuras e alguma solução para os males que me castigavam. Creio que é a sina de todo homem bom corrigir-se com o tempo e remediar os erros de outrora. Em minha jornada, cheguei as distantes terras do norte e, confrontando Ahkbar, o último dos gigantes, finalmente encontrei o que procurava. Depois, fui conduzido até este reino, com a solução ao enigma proposto por vossa majestade.

    Porém, antes de fornecer a resposta, quero exaltar perante os presentes que somente um rei grandiosamente sábio - e um sábio reconhece outro quando o vê - poderia formular a pergunta que descobri ser a residente na mente do rei. Se eu não tivesse sido abençoado pelos deuses, nunca venceria o desafio. Mas, para provar a minha admiração por este sapientíssimo rei e o meu desejo sincero em desposar a bela princesa Ágata, revelo o sublime enigma proposto pelo rei Leopoldo, que é:

    Dentre todas as mães
    A mais maldita sou eu.
    Pois vejo, ao meu ventre,
    Retornarem mortos
    Os filhos meus.
    Quem sou?


    A resposta a este enigma todos já sabem, o próprio rei a forneceu. Terra. Muitos a denominam a Grande Mãe. Outros ensinam que o primeiro de nossa raça foi moldado dela como um vaso de barro e que por isso os elementos alquímicos presentes em nosso corpo e no solo são os mesmos. Se assim for, o fim dos filhos da Mãe Terra, inexoravelmente será a sepultura, escavada nas profundezas de seu ventre.

    Espalho aos quatro cantos do mundo e ponho fim ao desafio majestoso de um rei majestoso. Melhor e mais sábia pergunta a esta resposta não há, e seria um ultraje pensar que algo mais simples tenha sido formulado pela sapiência deste grande rei. Desafio a todos os presentes, e ausentes também, a mostrarem outro enigma mais inteligente que este formulado pelo rei Leopoldo. E convoco o próprio rei a assumir a autoria desta pérola do saber, que a partir de hoje entrará para os anais do conhecimento da humanidade.

    São as palavras do príncipe Nadj, senhor do 3º Reino das Terras Orientais, que fica virando à direita no maior carvalho da estrada entre Babilônia e Damasco, logo após o 2º mas sem chegar no 4º Reino.”

    [align=justify]O arauto se calou, enrolou o pergaminho e fez uma mesura. A corte foi tomada de grande assombro. Havia cochichos e acenos de cabeça. Nobres e não-tão-nobres se olhavam e diziam que realmente era uma boa pergunta. O rei parecia espantado. A princesa mais ainda. Ágata parecia totalmente confusa.

    O príncipe havia errado o enigma, totalmente.

    O que ele pensava em ganhar com isso, nem ela, capaz de ler pensamentos, sabia. Mas a perplexidade de Ágata aumentou quando o rei disse euforicamente a todos que sim, aquela era a solução correta do enigma. Ágata sabia que o rei estava mentindo. Mas além do pai, dela e do príncipe, ninguém mais saberia disso. O porquê do rei fazer aquilo foi fácil para Ágata descobrir: ele estava com medo da maldição que o príncipe revelou existir sobre o reino e sentiu receio em contradizer o príncipe, quando este revelou algo bem mais inteligente que aquilo que o rei pensara como enigma por anos. O rei percebeu o burburinho dos presentes e não queria passar por burro depois que o príncipe elogiou tanto a sua sabedoria.

    Quando o rei Leopoldo anunciou que concedia com prazer a mão da filha ao nobre cavalheiro e que gostaria que a data do casamento fosse em breve, Ágata se levantou e pediu a palavra.

    - O príncipe venceu o desafio, e eu respeito a decisão de meu pai em valorizar a verdade tanto quanto o meu matrimônio - disse, olhando diretamente para os pensamentos do pai - contudo, todos no reino conhecem a minha fama em discernir a verdade da mentira. Não que eu ponha em dúvida a resposta do príncipe, pois estaria assim duvidando de meu próprio pai, mas gostaria que ele me convencesse de como chegou até ela. Somente assim eu o aceitarei como marido e senhor. Por favor, conte-nos, conforme mencionou anteriormente, como foi o confronto com Ahkbar, o último gigante, e como daí resultou a resposta ao enigma. Mas aviso de antemão, caso eu perceba, mesmo que seja o mais leve toque de inverdade em seu relato, não haverá casamento. Prefiro ser conhecida como a solteirona da torre que casar com um mentiroso.

    Agora, a comoção entre os presentes não era mais em forma de murmúrios. As pessoas falavam todas ao mesmo tempo, não entendendo a atitude da princesa, a quem julgavam feliz por finalmente estar desencalhando. O rei nada falou, apesar de contrariado, pois não queria dar a impressão de estar forçando-a a se casar, além de sentir um pouco de remorso por mentir sobre o enigma. Repentinamente, o barulho cessou. Ágata ouviu os pensamentos e não acreditou no que todos ali estavam vendo. O príncipe dera um enigmático sorriso e, colocando a mão esquerda no bolso direito do colete, retirou outro pequeno pergaminho, desta vez escarlate, e entregou ao arauto.[/align]


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Nossa, não acredito. Cada vez fico mais curioso, e cada parte melhora. E você sabe dar um suspense a história eim? :D adoro suspense.
     
  3. sammynewton

    sammynewton Usuário

    Jefferson,

    Achei que tudo se resolveria na terceira parte. Mas qual foi a minha surpresa em saber que o mistério só aumentou! Muitas dúvidas pairam no ar: Como o príncipe descobriu a resposta da pergunta do Rei? Qual a relação de Ahkbar, o último gigante com tudo isso? E porque o Rei aceitou os versos que descrevem a angustia de Gaia (Mãe Terra) como a resposta?

    A curiosidade só aumenta...

    Com relação ao estilo, nesta parte, você usou o recurso de conversar com o leitor:

    Achei legal, mas isso meio que nos tira do universo da história. Por um breve momento emergimos do mundo fantástico criado por você. Tenho certeza que fora um recurso usado para dar mais sentido as frases, mas pessoalmente acho desnecessário.

    No aguardo, ansioso, da quarta parte.
     
  4. LucasCF

    LucasCF Usuário

    acho que ele aceitou essa resposta por medo da maldição :P
     
  5. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    vc já deve ter percebido q gosto de brincar com variação de estilos, até pra treinar. alguns mais críticos poderiam dizer q isso é uma tática pra agradar a todos. talvez seja, inconsciente, não sei. mas o fato é q vc não gostou desta parte, oq acho justo, mas talvez outro leitor venha a gostar.

    e dependendo sempre do retorno, o escritor sempre vai moldando pra, se não agradar a todos, pelo menos a maioria.
     
  6. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    Cara, sou seu fã XD

    Gostei muito do texto, e ainda bem que haverão outras partes! Quanto ao recurso de conversar com o leitor, não achei que tenha atrapalhado a história. Aliás, faz parte do processo de contar histórias buscar o estilo dela, e a cada parte da saga desse principe maldito vc tem melhorado o texto.

    Deu até vontade de fazer algo parecido, mas não sei nem por onde começar :timido:
     
  7. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    as minhas melhores leituras causam esta mesma reação em mim, dão asas à minha imaginação. julgo isso ser um bom efeito sobre o leitor.
     
  8. sammynewton

    sammynewton Usuário

    Jeff, não quis de forma alguma diminuir sua obra. Muito pelo contrário, estou gostando tanto de seu jeito de escrita que acabei reparando nessas mudanças de estilo e me senti à vontade para comentar esse pequeno detalhe. Aliás, o mestre Machado usava muito esse recurso. eu que sou chato mesmo XD

    É como você disse: viva a diversidade!
     
  9. Vail Martins

    Vail Martins Usuário

    Muito bom, hein?!?:excla:
    A estória está cada vez melhor. Você tem aquele dom chato de deixar a gente curioso e ansioso para ver o outro capitulo. :pipoca:

    Mas esse principe é ninja, hein?!? Não só engabelou o rei, como tinha um plano B... :cool:

    Percebi sim que houve uma mudança como disse o Sammy, o tom impessoal deixava-nos mais reféns da situação, mas ansiosos, mas é boa a maneira como fez.

    Nem preciso dizer que estou esperando o próximo (ultimo?!?) capitulo...
     
  10. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Eu acho que tem mais umas 10 partes. :D
     
  11. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    sammy, nem o meu comentário teve a intenção de desmerecer o seu. gosto de feedback, até os mais carrascos - oq não é o seu caso - pois todos são um outro olhar sobre algo q criamos. e, por experiência própria, sei q depois q um texto é escrito e publicado, torna-se uma espécie de entidade com vida própria, onde leitores manipulam, interpretam, veem nuances q o escritor deixou escondido ou não, enfim, o texto assume uma característica maior q qdo estava só no hd do escritor. essa, na minha opinião, é uma das gdes maravilhas da escrita.

    e sim, respondendo uma pergunta q vc não fez, sou fã do machado sim.

    ah, e to achando q o povo tá meio com preguiça de ler, já tão pedindo o final da história!!! aguardem e confiem, o príncipe ainda tá me contando sobre a aventura dele, mas será ela o fim?
     
  12. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Eu sou o único que quero mais 10 partes? :D
     
  13. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    só 10? (magoei)
     
  14. LucasCF

    LucasCF Usuário

    ops quis dizer 10 mil páginas. er.

    edit:
    e que isso seja publicado para eu poder ler e ter em mãos essa obra magnífica hueheuheuheue
     
  15. Vail Martins

    Vail Martins Usuário

    Opa...:oops:

    Boa a maneira como expôs o ponto de vista do escritor...
    Eu perguntei se era o ultimo capitulo por que sua estória está tão boa que sempre parece estar no climax, no apice, e depois disso normalmente as estórias acabam, não é?!?:lendo:
    Pois se dependesse de mim, você escreveria um capitulo matinalmente para nós aqui do Meia. Seria o máximo, não?!? :cha:
     
  16. sammynewton

    sammynewton Usuário

    Ih, estamos perdidos! Pelo comentário, teremos algo como o "Senhor dos Anéis" por aqui. 1.200 páginas, no mínimo :rofl:
     
  17. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Se a história continuar boa como está eu quero 5 'senhor dos anéis's
     
  18. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Continua boa! vamos pra quarta... :sim:
     
  19. _Paulinha

    _Paulinha Usuário

    O Príncipe trucou o Rei - muito bom, só que agora comecei a imaginar o Rei com o jeitão do Homer Simpson...rss
    Adorei o endereço do reino do príncipe!
    Estou me divertindo!!
     
  20. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Agora a história me fisgou. =D

    Tava em banho-maria, mas as reviravoltas dessa terceira parte compensaram a minha "arrediação" nas outras duas...hihhihi

    Só que a mistura de estilos me incomoda um pouquinho. Mas, se já fisgou, agora já era, too late pra mim...
     

Compartilhar