• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

O Preço do Amanhã (In Time,2011)

Phantom Lord

London Calling


O Preço do Amanhã (In Time,2011)

Elenco: Justin Timberlake, Amanda Seyfried, Cillian Murphy, Olivia Wilde, Alex Pettyfer, Matt Bomer, Johnny Galecki, Vincent Kartheiser, Elena Satine.

Direção: Andrew Niccol

Gênero: Ficção Científica

Sinopse: O tempo se tornou a maior moeda de todas. Os cientistas conseguiram descobrir uma forma de destruir o gene do envelhecimento. Então, quando uma pessoa chega aos 25 anos, para de envelhecer, mas possui apenas mais um ano de vida, a não ser que tenha dinheiro para pagar pelo tempo extra. Na busca por poder e tempo de vida, um homem (Timberlake) é acusado injustamente de homicídio e se vê obrigado a sequestrar uma bela jovem (Amanda Seyfried) para conseguir ganhar mais tempo e provar sua inocência.


Trailer:



Adoro filmes de ficção científica e este aqui tem uma das melhores premissas que vi nos últimos tempos.E embora o filme poderia ter sido até melhor,no final achei um bom filme.
E tenho gostado das atuações do Justin Timberlake:aqui,em A Rede Social e Amizade Colorida.


Essa crítica sintetiza bem o meu sentimento em relação ao filme(contém alguns spoilers):

O Preço do Amanhã
(In Time, 2011)


A correria em detrimento da inteligência.


Andrew Niccol é um autor subestimado. Roteirista e diretor, ele é o responsável por filmes com mais substância e conteúdo do que normalmente se vê por Hollywood, partindo de interessantes argumentos para, normalmente, propor reflexões relevantes sobre a relação do ser humano com a tecnologia, como em Gattaca – A Experiência Genética (Gattaca, 1997), O Show de Truman (The Truman Show, 1998), que apenas escreveu, e S1mOne (idem, 2002). Além disso, Niccol também é a mente por trás de uma produção injustamente pouco vista, O Senhor das Armas (Lord of War, 2005), história contada de forma irônica, mas pungente, sobre o mercado negro das armas. Assim, mesmo que ainda não tenha alcançado o sucesso que talvez lhe é merecido, aqueles que conhecem o nome de Andrew Niccol sabem que, ao verem-no em um cartaz, podem esperar uma obra com boa dose de inteligência e reflexão.

Neste sentido, O Preço do Amanhã (In Time, 2011), seu mais recente trabalho, não decepciona. O ponto de partida é excelente, talvez uma das premissas mais bem sacadas dos últimos anos: em um futuro próximo (ou até uma realidade alternativa, jamais fica exatamente claro), descobriu-se uma maneira de estancar o envelhecimento. Assim que chegam aos 25 anos, as pessoas ficam com a mesma aparência; porém, o seu tempo de vida a partir daí deve ser comprado. Nessa sociedade, tempo é dinheiro e os mais ricos são aqueles com mais anos de vida, o que é marcado por um cronômetro no antebraço de cada um. Um dia de trabalho pode render alguns dias a mais e as compras, como um café, devem ser pagas em minutos. Enquanto alguns vivem - literalmente - um dia por vez, outros esbanjam tempo e se tornam quase imortais.

Trata-se, como se pode perceber, de uma ideia riquíssima, que permite um cenário com múltiplas possibilidades de desenvolvimento, inclusive capaz de gerar reflexões sobre tempo, mortalidade, ganância e diversas outras questões. E, até certo ponto, O Preço do Amanhã consegue desenvolver esta ideia de forma satisfatória. O primeiro ato do filme, no qual são estabelecidas as regras daquele mundo ao público, é indiscutivelmente o melhor que a produção tem a oferecer. As ideias são postas à mesa: a divisão por classes sociais, as casas de caridade, o hábito que as pessoas das zonas menos favorecidas têm de estar sempre correndo, as pessoas sempre aparentando a mesma idade e outros elementos inseridos na trama mostram o quanto a premissa gera incontáveis caminhos para o seu desenvolvimento. Da mesma forma, é também em seu início que O Preço do Amanhã apresenta seus principais questionamentos: se realmente pudéssemos viver para sempre, será que iríamos preferir isso?

É uma pena, no entanto, que não demore para que o filme acabe se tornando um thriller genérico situado em um mundo interessantíssimo, que jamais chega a ser totalmente explorado. Talvez por exigência do estúdio, talvez por preguiça de sua parte, Andrew Niccol cede aos lugares-comuns dos filmes comerciais norte-americanos, fazendo com que os protagonistas se apaixonem da noite para o dia e deixando a inteligência da trama de lado para preencher a tela com cenas de ação, corridas e perseguições de carro desnecessárias. A termo de comparação, nada melhor do que relembrar da própria estreia de Niccol no cinema, a ficção-científica Gattaca: provavelmente por ser um trabalho mais independente, ele baseava o seu desenvolvimento no enredo e nos personagens ao invés de apostar em cenas mais movimentadas, capazes de diluir a força e o impacto da história.

Ainda assim, mesmo que o desenrolar do roteiro acabe perdendo o potencial da trama, O Preço do Amanhã tem bons elementos para oferecer ao espectador, mesmo que acabem funcionando apenas como insights esparsos em uma produção genérica. Além das já citadas reflexões, o filme oferece campo para se pensar sobre o governo e sobre as relações humanas, ao mesmo tempo em que também funciona em seu lado estético. Niccol e o veterano Roger Deakins, diretor de fotografia, apostam de forma eficiente na utilização das cores para distinguir as diferentes zonas: enquanto nas classes baixas a paleta assume um tom mais quente e escuro, no lado abastado as cores são frias, transmitindo uma sensação de distância, além de garantir a atmosfera clean. Da mesma forma, o roteiro, mesmo favorecendo a ação, ainda se desenvolve por caminhos razoavelmente interessantes, transformando o casal de protagonistas em uma mistura de Bonnie e Clyde com Robin Hood.

Enquanto isso, também não há muito a ser comentado em relação ao elenco. Justin Timberlake já demonstrou boa presença em outros trabalhos e aqui, mais uma vez, consegue carregar o filme sem grande dificuldade - mesmo que tenha pouca abertura do material para desenvolver o personagem. O mesmo vale para Amanda Seyfried, jovem atriz talentosa e carismática, que não tem muito a fazer em O Preço do Amanhã exceto correr ao lado de Timberlake. E, se Olivia Wilde e Johnny Galecki são meros coadjuvantes de luxo, e Vincent Kartheiser (da série Mad Men) faz um vilão sem inspiração, Cillian Murphy parece ser o único a realmente se divertir no papel do agente do tempo, interpretando-o com uma mistura de androginia e jocosidade.

Com tudo isso, O Preço do Amanhã está longe de ser um filme ruim. Pelo contrário, revela-se uma aventura eficiente, com boas ideias e uma condução eficaz. O problema, aqui, não é o que a obra acabou sendo, mas o que ele poderia ter sido. Ao preferir se render às formulas batidas do cinema mainstream, Niccol perdeu a chance de construir um mundo realmente fascinante a partir de uma excelente premissa, que poderia, até mesmo, render outros filmes ou uma série. Ficou pelo meio do caminho. Uma pena. Poucas coisas são mais decepcionantes do que ver uma boa ideia desperdiçada.

Fonte: http://www.cineplayers.com/critica.php?id=2294
 
Última edição por um moderador:

Melian

Período composto por insubordinação.
Eu iria ler a crítica, mas o aviso de spoilers me deteve. Mas lerei, depois que ver o filme.

Btw, conforme o trequinho do filme, só tenho mais três meses de vida. :lol:
 

Ashe

Usuário
O Justin empolgou pra fazer filme =)

Fiz o mesmo que a Valentina, lerei a crítica depois... Vi o filme em cartaz hoje e fiquei super curiosa pra assistir.
 

Devotchka

Usuário
Vi o filme faz pouco tempo, e realmente tinha a oportunidade de ter sido melhor.
No entanto, realmente gostei dele: a idéia é muito interessante e original, me convenceu, e me senti envolvida. Acho que isso basta.
 

Morfindel Werwulf Rúnarmo

Geofísico entende de terremoto
A premissa é mesmo interessante, mas o final ficou meio forçado. Podiam ter desenvolvido melhor. As analogias com nosso mundo são interessantes.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$100,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo