1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O porquê do ódio a Chavez

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Elessar Hyarmen, 17 Out 2012.

  1. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Ele cumpriu a promessa de governar para as maiorias e mostrou que História não tinha terminado. Por isso (não por seus erros) oligarquias o detestam…

    Por Ignacio Ramonet e Jean-Luc Melenchon | Tradução: Daniela Frabasile


    Hugo Chávez é, sem dúvida, o chefe de Estado mais difamado no mundo. Com a aproximação das eleições presidenciais de 7 de outubro, essas difamações tornam-se cada vez mais infames, em muitos países. Testemunham o desespero dos adversários da revolução bolivariana frente à perspectiva (que as pesquisas parecem confirmar) de uma nova vitória eleitoral de Chávez.

    Um líder político deve ser valorizado por seus atos, não por rumores veiculados contra ele. Os candidatos fazem promessas para ser eleitos: poucos são aqueles que, uma vez no poder, cumprem tais promessas. Desde o início, a proposta eleitoral de Chávez foi muito clara: trabalhar em benefício dos pobres, ou seja – naquele momento – a maioria dos venezuelanos. E cumpriu sua palavra.

    Por isso, este é o momento de recordar o que está verdadeiramente em jogo nesta eleição, agora que o povo venezuelano é convocado a votar. A Venezuela é um país muito rico, pelos fabulosos tesouros de seu subsolo, em particular o petróleo. Mas quase toda essa riqueza estava nas mãos da elite política e das empresas transnacionais. Até 1999, o povo só recebia migalhas. Os governos que se alternavam, social-democratas ou democrata-cristãos, corruptos e submetidos aos mercados, privatizavam indiscriminadamente. Mais da metade dos venezuelanos vivia abaixo da linha de pobreza (70,8% em 1996).

    Chávez fez a vontade política prevalecer. Domesticou os mercados, deteve a ofensiva neoliberal e posteriormente, graças ao envolvimento popular, fez o Estado se reapropriar dos setores estratégicos da economia. Recuperou a soberania nacional. E com ela, avançou na redistribuição da riqueza, a favor dos serviços públicos e dos esquecidos. Políticas sociais, investimento público, nacionalizações, reforma agrária, quase pleno-emprego, salário mínimo, imperativos ecológicos, acesso à moradia, direito à saúde, à educação, à aposentadoria… Chávez também se dedicou à construção de um Estado moderno. Colocou em marcha uma ambiciosa política de planejamento do uso do território: estradas, ferrovias, portos, represas, gasodutos, oleodutos.

    Na política externa, apostou na integração latino-americana e privilegiou os eixos sul-sul, ao mesmo tempo que impunha aos Estados Unidos uma relação baseada no respeito mútuo… O impulso da Venezuela desencadeou uma verdadeira onda de revoluções progressistas na América Latina, convertendo este continente em um exemplo de resistência das esquerdas frente aos estragos causados pelo neoliberalismo.

    Tal furacão de mudanças inverteu as estruturas tradicionais do poder e trouxe a refundação de uma sociedade que até então havia sido hierárquica, vertical e elitista. Isso só podia desencadear o ódio das classes dominantes, convencidas de serem donas legítimas do país. São essas classes burguesas que, com seus amigos protetores e Washington, vivem financiando as grandes campanhas de difamação contra Chávez. Até chegaram a organizar – junto com os grandes meios de comunicação lhes que pertencem – um golpe de Estado, em 11 de abril de 2002.

    Estas campanhas continuam hoje em dia e certos setores políticos e midiáticos encarregam-se de fazer coro com elas. Assumindo – lamentavelmente – a repetição de pontos de vista como se demonstrasse que estão corretos, as mentes simples acabam acreditando que Hugo Chávez estaria implantando um “regime ditatorial no qual não há liberdade de expressão”.

    Mas os fatos são teimosos. Alguém viu um “regime ditatorial” estender os limites da democracia em vez de restringi-los? E conceder o direito de voto a milhões de pessoas até então excluídas? As eleições na Venezuela só aconteciam a cada quatro anos, Chávez organizou mais de uma por ano (catorze, em treze anos), em condições de legalidade democrática, reconhecidas pela ONU, pela União Europeia, pela OEA, pelo Centro Carter, etc. Chávez demonstrou que é possível construir o socialismo em liberdade e democracia. E ainda converte esse caráter democrático em uma condição para o processo de transformação social. Chávez provou seu respeito à vontade do povo, abandonando uma reforma constitucional rejeitada pelos eleitores em um referendo em 2007. Não é por acaso que a Fundação para o Avanço Democrático [Foundation for Democratic Advancement] (FDA), do Canadá, em um estudo publicado em 2011, colocou a Venezuela em primeiro lugar na lista dos países que respeitam a justiça eleitoral.

    O governo de Hugo Chávez dedica 43,2% do orçamento a políticas sociais. Resultado: a taxa de mortalidade infantil caiu pela metade. O analfabetismo foi erradicado. O número de professores, multiplicado por cinco (de 65 mil a 350 mil). O país apresenta o maior corficiente de Gini (que mede a desigualdade) da América Latina. Em um informe em janeiro de 2012, a Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal, uma agência da ONU) estabelece que a Venezuela é o país sulamericano que alcançou (junto com o Equador), entre 1996 e 2010, a maior redução da taxa de pobreza. Finalmente, o instituto estadunidense de pesquisa Gallup coloca o país de Hugo Chávez como a sexta nação “mais feliz do mundo”.

    O mais escandaloso, na atual campanha difamatória, é a pretenção de que a liberdade de expressão esteja restrita na Venezuela. A verdade é que o setor privado, contrário a Chávez, controla amplamente os meios de comunicação. Qualquer um pode comprovar isso. De 111 canais de televisão, 61 são privados, 37 comunitários e 13 públicos. Com a particularidade de que a parte da audiência dos canais públicos não passa de 5,4%, enquanto a dos canais privados supera 61%… O mesmo cenário repete-se nos meios radiofônicos. E 80% da imprensa escrita está nas mãos da oposição, sendo que os jornais diários mais influentes – El Universal e El Nacional – são abertamente contrários ao governo.

    Nada é perfeito, naturalmente, na Venezuela bolivariana – e onde existe um regime perfeito? Mas nada justifica essas campanhas de mentiras e ódio. A nova Venezuela é a ponta da lança da onda democrática que, na América Latina, varreu os regimes oligárquicos de nove países, logo depois da queda do Muro de Berlim, quando alguns previram o “fim da história” e o “choque de civilizações” como únicos horizontes para a humanidade.

    La Venezuela bolivariana es una fuente de inspiración de la que nos nutrimos, sin ceguera, sin inocencia. Con el orgullo, sin embargo, de estar del buen lado de la barricada y de reservar los golpes para el malévolo imperio de Estados Unidos, sus tan estrechamente protegidas vitrinas del Cercano Oriente y dondequiera reinen el dinero y los privilegios. ¿Por qué Chávez despierta tanto resentimiento en sus adversarios? Indudablemente porque, tal como lo hizo Bolívar, ha sabido emancipar a su pueblo de la resignación. Y abrirle el apetito por lo imposible.

    A Venezuela bolivariana é uma fonte de inspiração da qual nos nutrimos, sem fechar os olhos e sem inocência. Com orgulho, no entanto, de estar do lado bom da barricada e de rerservar nossos ataques ao poder imperial dos Estados Unidos, seus aliados do Oriente Médio, tão firmemente protegidos, e qualquer situação onde reinem o dinheiro e os privilégios. Por que chávez desperta tanto rancor em seus adversários? Sem dúvida, porque, assim como fez Bolívar, soube emancipar seu povo da resignação. E abrir o apetite pelo impossível.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 6
    • Gostei! Gostei! x 3
  2. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Eu aplaudo de pé a revolução bolivariana...
    E super comemorei a reeleição do comandante Chávez.
    A revolução continua! :joy:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Estou esperado aqueles usuários que usam cabresto e não olham o todo e que acham que a esquerda não presta virem aqui dar sua verdade absoluta.

    Muito bom artigo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Já assistiram "A revolução não será televisionada"? É um bom documentário sobre o assunto.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  5. Yehonatan

    Yehonatan My Redeemer Lives!

    Quando vi o título do tópico, pensei que era sobre o Chaves do Bolaños... :lol:

    Texto ótimo, não conhecia muito (entenda-se: nada) da política venezuelana.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • LOL LOL x 1
  6. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu também, aí olhei para o lado e vi Política, e eu me pergunto (meio segundo antes de entender) que ideia de jerico foi essa do Elessar?, aí vi o z e aí entendi.
     
    • LOL LOL x 2
  7. Felagund

    Felagund Well-Known Member

    PS: Vários camaradas meus da PUC, alunos e professores, colaboram com o "Outras Palavras", site que traduziu esse texto. Vale muito a pena ler, a abordagem é bastante academica e tem bastante artigos interessantes, recomendo pra todos.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  8. Bilbo Bolseiro

    Bilbo Bolseiro Bread and butter

    Também achei isso, até pensei "pô, não gostar do programa até entendo, mas odiar?" :lol:
     
    • LOL LOL x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. ExtraTerrestre

    ExtraTerrestre Usuário

    Eu não corroboro totalmente com a Chávez, minha discordância estando muito mais em seu modo de agir que na plataforma em si. Mas, para falar bem do sujeito, vídeo clássico, inesquecível, de um momento em que lhe dei moral:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Alca... Alca... Alca...
     
    Última edição por um moderador: 6 Out 2013
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Detesto a figura dele, esse populismo, a aura mitológica mas enfim, existe um interesse, uma obsessão na verdade, entre neoliberais e conservadores em difamá-lo, caricaturizá-lo ao extremo.

    Mas não deixa de ser uma revolução, e dirigida pelo ideal comunista. Portanto, trata-se de algo revolucionário, materialista, anticristão. Anátema, anátema, anátema.
     
  11. Vocês não estão sós, pensei a mesma coisa. Banditroll
     
  12. Yehonatan

    Yehonatan My Redeemer Lives!

    Mas revolucionário não é necessáriamente anticristão... Ou é?
     
  13. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Depende. Não é tópico pra isso, mas... o cristianismo, comparado a outras religiões, é revolucionário. Meu ponto é outro: revolucionário no sentido de querer abolir os valores tradicionais e substituí-los por valores modernos.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  14. Yehonatan

    Yehonatan My Redeemer Lives!

    Entendi, concordo contigo.

    Falando nisso, alguém sabe a religião do Chavez?
     
  15. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Se um governo ataca frontalmente a injustiça social, promovendo maior igualdade entre os homens, reduzindo a pobreza e democratizando o acesso aos serviços sociais, como saúde e educação...
    Se um governo afronta interesses de multinacionais, se batendo com o imperialismo ianque, na defesa do interesse de seu povo...
    Se o povo hoje vive melhor e mais feliz...

    Eu não consigo entender essa lógica sectária, Paganus. Chávez está indo na contramão dos valores da modernidade capitalista, levando adiante um projeto político diferenciado no mundo contemporâneo. A liberdade de culto e consciência religiosa continua ali preservada, na esfera privada, onde é o seu lugar. O papel do Estado é outro... e Chávez entendeu isso como nenhum outro estadista contemporâneo.

    E eu penso mesmo que já é hora de aprofundar a revolução...
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  16. Excluído045

    Excluído045 Banned

    O lugar da religião é estar em todo lugar.

    Isso resume porque vou contra os valores modernos. Resume também minha filosofia política. Não é o Estado que decide onde está a religião, nem nenhum revolução. A religião que decide o lugar do Estado. E a verdadeira revolução é espiritual.

    Mas eu realmente não quero discutir isso aqui. Talvez abra um tópico sobre o modelo bizantino de Estado, a Quarta Teoria Política.
     
  17. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Pois é. Seu problema não se resume a Chávez...
    Com relação à sua filosofia política fundamentalista, com todo o respeito, que Deus nos livre! :lol:
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • LOL LOL x 2
  18. Excluído045

    Excluído045 Banned

    Fundamentalista não, só anti-laicista! :D
     
  19. Elessar Hyarmen

    Elessar Hyarmen Senhor de Bri

    Chavismo
     
    • LOL LOL x 4
  20. Yehonatan

    Yehonatan My Redeemer Lives!

    Faz sentido..
     

Compartilhar