1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O longo adeus (Raymond Chandler)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Anica, 7 Mai 2011.

  1. Anica

    Anica Usuário

    Feche os olhos e pense em um detetive particular dos filmes e livros noir. Pensou? Provavelmente o que veio na sua mente foi aquele sujeito meio cínico, de atitudes violentas quando necessárias, senso de humor corrosivo e cujo visual assemelha-se muito com Humphrey Bogart usando chapéu e capote, e sempre com um cigarro por perto, como dá para ver nessa imagem aqui:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Isso não acontece à toa. Muito do que se lê/vê de noir teve fortíssima influência de Raymond Chandler (1888-1959), que nos tempos do pós-Guerra e pós-Depressão escreveu várias histórias com uma personagem que viraria modelo de detetive particular, Philip Marlowe. E é lendo obras como O longo adeus (publicada originalmente em 1954) que dá para ter uma ideia de porque a personagem ficou tão famosa e, mais do que isso, porque é tão imitada.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    Esse foi o meu primeiro contato com o universo de Chandler. E é um dos meus livros favoritos dele, mas o melhor ainda é o primeiro que ele escreveu: "O sono eterno", em que ele conseguir reunir tudo do que mais tarde viria a formar o gênero do noir.
     
  3. Anica

    Anica Usuário

    eu me enrolo pra ler the big sleep pq já vi o filme. para romances policiais isso meio que pode estragar a experiência de leitura, né? ou o filme é bem diferente?
     
  4. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Que tipo de analogias seriam possíveis de se fazer com relação aos romances policiais da Agatha Christie? Ou não há semelhanças? Fiquei curioso, o Marlowe parece ser uma persona magnética mesmo.[/align]
     
  5. Anica

    Anica Usuário

    não vejo semelhanças fora o fato de serem histórias de detetive pós-guerra. os detetives de agatha não são do tipo
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , pelo menos não do que eu lembro dos livros que li. acho que se fosse fazer aproximação, poirot e miss marple estariam muito mais para holmes e dupin do que para o marlowe.
     
  6. imported_Wilson

    imported_Wilson Please understand...

    nunca vi o filme, anica. pode ser um tanto chato ler já que vc já sabe do final. tenta outros livros do chandler. "a dama do lago" também é muito bom.

    os livros dele você não lê somente pela trama de mistério, mas pela atmosfera que ele consegue criar.
     
  7. Thriller Dude

    Thriller Dude Usuário

    Agatha Christie é do tipo romance enigma. Uma assassinato ocorrido no passado, normalmente em um ambiente restrito (um navio, uma casa, uma vila) da alta sociedade, vários suspeitos vão deixando pistas para, no final, usando seu raciocínio lógico infalível, o detetive juntar as pontas e resolver o caso. Via de regra, o detetive não influencia o desenrolar dos acontecimentos, limitando-se a fazer suas análises da situação. Nem sofre consequências ou lesões físicas. A preocupação em criar um enigma bem elaborado por vezes beira a forçação de barra.

    Já Chandler é seguidor de Dashiell Hammett, o pai do romance policial noir. Esse tipo de romance trouxe o gênero mais próximo à realidade. Nem sempre temos um mistério bonitinho como nos romances enigma. Às vezes vários enigmas, um enigma insolúvel, às vezes nem sequer existe um enigma. O crime é retratado nas camadas mais baixas, nas ruas, em ambientes rasteiros. O detetive é bem falível, de moralidade questionável, envolve-se completamente na trama, sofre, machuca-se, apaixona-se, influencia (as vezes de forma negativa) o desenrolar dos acontecimentos.Esse estilo moldou o que se entende como romance policial nos dias atuais e fez com que Philip Marlowe se tornasse o maior arquétipo de detetive, mais importante que Mr. Holmes.
     

Compartilhar