1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Lobo das Planícies e Os Senhores do Arco – Conn Iggulden

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por kika_FIL, 20 Mai 2010.

  1. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    Confesso, como fã incondicional da narrativa de Bernard Cornwell, que estava bem pouco à vontade quando comprei estes dois volumes da série “O Conquistador”, para dar de presente ao meu irmão. Foi preciso que a vendedora na livraria insistisse para que eu levasse, e que meu irmão os pusesse na minha bolsa e dizer, categórico: Leia!, para que eu finalmente conhecesse a narrativa de Conn Iggulden.

    Devo dizer que a história tinha tudo para cair no meu gosto como leitora. Uma releitura da vida de um grande líder guerreiro – Gengis Khan – numa narrativa historicamente possível (usando o jargão da Anica), com uma nota histórica riquíssima no final. Resolvi atravessar meu fanatismo por Cornwell, e meu preconceito, e dar uma chance ao autor.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Izze.

    Izze. What? o.O

    O homem reverencia a guerra. Embora desfrute dos tempos de paz, quando o assunto são combates, lutas e armas, o homem se sente atraído por sua força de destruição. Na literatura histórica, são as guerras que fornecem a maior parte do material narrativo, por serem acontecimentos que mudaram o mundo, afetaram países e milhões de vidas. Exemplo maior desse estilo é Bernard Cornwell, autor de mais de 40 livros que reconstituem fatos da História alinhando-os à ficção. Tomando o mesmo rumo, também temos Conn Iggulden, que se consagrou com a série O Imperador e esteve este ano no Brasil para a Bienal do Livro de São Paulo. Mas não foi nessa série, ainda inédita para mim, que vi esse fascínio pela guerra. Foi em O Conquistador, trilogia que conta a vida de Gêngis Kahn, líder que uniu as tribos da Mongólia.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar