1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O leilão do lote 49, de Thomas Pynchon

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por JLM, 6 Jan 2009.

  1. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Considerada a obra-prima do norte-americano Thomas Pynchon, o livro apresenta a história de Édipa Maas, nomeada inventariante da herança de um ex-namorado. Pierce Inventarity era praticamente o dono da pequena cidade industrial San Narciso, Califórnia. Édipa, além de encontrar-se com tipos insólitos – um ex-ator mirim que virou advogado, quatro camareiros covers dos Beatles, um diretor de teatro impulsivo, um analista que receita LSD aos pacientes, etc – se depara com a organização secreta chamada Tristero, manentedora de um sistema de correios paralelo, com selos oficiais falsificados e carteiros bêbados. A começo da trama é coeso e interessante, mas vai se perdendo em devaneios alucinógenos até chegar ao ponto em que, no final, não se sabe se o que está sendo narrado é a realidade da trama ou uma ilusão da mente de Édipa. Ela praticamente sai do papel de protagonista e passa a acompanhar tudo junto ao leitor. Os críticos dizem que o autor aplica a teoria da
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    em sua obra, mas o certo é que a história não deve agradar os que gostam de finais onde os mistérios são solucionados. Eu sou um destes. O livro está esgotado no Brasil e é encontrado,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , em sebos.

    leitura: Janeiro de 2009
    obra: O leilão do lote 49 (The crying of lot 49) de Thomas Pynchon
    tradução: Jorio Dauster
    edição: 1ª, Companhia das Letras (1993), 166 pgs
     
  2. Diego-

    Diego- Usuário

    Ando um pouco curioso com o Pynchon. Quero me arriscar com um menorzinho antes, este seria uma boa se não estivesse esgotado.
    Aparentemente os livros do Pynchon aqui no Brasil se comportam tal como seu autor, são bastante reclusos, ninguém nunca viu ou sabe onde tem.

    A Cia. das Letras não sendo uma editora que costuma dormir no ponto poderia lançar uma 2º edição desse livro, não? Ainda mais pelos planos dela de lançar Against the day que é outro tijolo tal como o Mason & Dixon e o Gravity's Rainbow.
     
  3. Pips

    Pips Old School.

    Se a procura fosse grande talvez eles lançassem uma segunda edição. O Arco-íris da gravidade está na primeira edição ainda e você acha fácil por aí. O autor ainda não é muito celebrado por aqui, pelo menos não tanto para conseguir ter novas edições.

    O mesmo acontece com David Foster Wallace, que só ano que vem vai receber uma tradução para uma copilação de textos.

    Provavelmente com a adaptação de Vício Inerente o interesse das pessoas aumente.
     
  4. Jacques Austerlitz

    Jacques Austerlitz (Rodrigo)

    O Conti disse no blog da Companhia esses dias que o Pynchon é o autor preferido dele. O Vício Inerente teve um lançamento bem grandinho, não? Pelo menos nas livrarias que eu vou, tá sempre em destaque entre os lançamentos. Não deve estar vendendo muito, mas ao menos tem sido visto. Meu Gravity's Rainbow é da 1ª reimpressão, em 2005, ou seja, 7 anos depois do lançamento. Acho que pra relançar O leilão do lote 49, a Companhia precisaria refazer essa arte do livro, mas não vi referência em lugar nenhum a uma possível re-edição. Mas acho que a Companhia dá um tratamento bem digno pros livros do Pynchon (que, muito provavelmente, dão um belo prejuízo financeiro).

    O Breves Entrevistas, do Wallace, até onde eu sei (ou imagino, ao menos), também tá na 1ª reimpressão, que deve ter saído no fim de 2010 (o livro ficou "indisponível" no site da Companhia por um mês ou algo parecido, imagino que tenha esgotado e sido reimpresso; comprei o meu em agosto de 2010 e era 1ª edição ainda, 2005). Essa compilação de não-ficção do Wallace já foi adiada duas vezes, era pra sair em 2010, depois foi passada pra 2011, e agora lá se foi pra 2012. Mas o Wallace parece ter tido um boom de interesse ultimamente. Muitos blogs e sites falando a respeito, é citado por quase todos os escritores brasileiros contemporâneos... talvez o Infinite Jest arranje seu espaço pra ser publicado por aqui. Acho que com um preço mais acessível e um lançamento que gerasse a atenção que o 2666 gerou, por exemplo, poderia vender bem por aqui.
     
  5. Diego-

    Diego- Usuário

    Sim, Pips. Concordo contigo quanto ao fator procura. Só que eu penso da seguinte forma, é importante manter em fácil acesso um título como O leilão do lote 49 por ser uma boa porta de entrada. Quem começou a se interessar recentemente pelo autor não tem por onde se arriscar senão em Arco-íris da gravidade que é uma obra muito extensa e razoavelmente cara.

    Fazendo uma analogia não muito coerente, é como se para conhecer qualquer coisa de Bolaño eu começasse por 2666, entende?
     
  6. Eu sei que é caro, mas o Vício Inerente também é bom de começar. De forma geral o Lote49-Vineland-Vício são os mais divertidos, os outros são mais complicados. Agora, o Lote49 deviam lançar como pocket...

    Curiosamente no prefácio de Slow Learner o TP fala de como ele odeia o Lote49. Acho que alguém comentou na pynchon-list que ele próprio chamou o Lote49 de "potboiler" ("pra pagar as contas"). Vai entender...
     
  7. Pips

    Pips Old School.


    Eu entedo, mas a diferença é que o Bolaño virou uma mania muito recente que a Companhia das Letras explorou devido ao lançamento internacional. Pynchon está no mercado há um bom tempo e claro que as pessoas não precisam começar pelo Arco-Íris, mas ainda temos o recente Vício Inerente - uma obra não tanto complicada.

    Veja o caso da Anica que começou pelo 2666 e não conseguiu avançar, mas ela gostou da narrativa e foi atrás dos outros livros.
     

Compartilhar