1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Labirinto do Fauno

Tópico em 'Cinema' iniciado por Fernando Giacon, 24 Jul 2012.

  1. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    O Labirinto do Fauno
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Dirigido por Guilherme Del Toro e lançado em 2006 na Espanha, "O Labirinto do Fauno" conta a história de uma garotinha chamada Ofélia, que representa a reencarnação de uma princesa instalada em um outro mundo, repleto de fadas e seres extraordinários. A menina é posta em teste quando o um Fauno a propõe três missões importantes, à fim de ajudá-la a retornar ao seu verdadeiro lar. Munida de um comportamento considerado estranho, ela começa a despertar a atenção de todos que estão na casa, especialmente de seu intolerante padrasto, um combatente civil, que a trata com indiferença. Dentre todas suas tarefas, a última fica por conta do sacríficio, porém o lado humano fala mais alto... Segundo o longa, ela vive eternamente por ser munida de audácia e coragem por seus atos. A fotografia é densa, e repleta de detalhes muito bem feitos, tal como os figurinos e atores. Viu esse filme? Gostou? Deixe seu comentário então.

    Por Fernando Giacon

    Outros Tópicos no Fórum Cinema:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Esse é um dos melhores filmes que já vi.

    No começo do ano, li "Autópsia do Medo", do jornalista Percival de Souza. Trata-se da biografia do delegado Sérgio Fleury, um dos mais carniceiros - numa época de tantos carniceiros - dos tempos de Regime Militar. Tentando desvincular a imagem de torturador e assassino que acompanha a imagem do delegado, o autor expõe com certa parcialidade seus momentos em família, as conquistas amorosas, o happy-hour no DOPS. Terminado o livro associei Fleury ao termo "banalidade do mal", cunhado por Hannah Arendt - apesar de toda crueldade, ele é um burocrata, a parte armada de um sistema baseado no extermínio.
    No "O Labirinto do Fauno", também enxerguei no diálogo do militar com o médico, quando descoberto que este último ajudava os rebeldes:

    Capitão Vidal:

    Não entendo. Por que não me obedeceu?
    Doutor Ferreiro:
    Obedecer por obedecer, sem questionar, é algo que só pessoas como você fazem, Capitão.

    Marcante.
     
  3. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Outra parte que eu gosto do filme, é de quando a Ofélia tenta salvar a mãe dela doente, e ele a acha debaixo da cama. Aquela cena fica tão clara as diferenças grotestas entre ela e o Vidal, pois a menina representa a fantasia e inocência, e ele o ódio carnal fechado de interesses. Curto bastante quando existe esse choque de dualidades brigando por uma mesma causa, só que em posições diferentes.
     
  4. Marc_dell

    Marc_dell Usuário

    Discordo de vc porque a menina não é inocente. Não no sentido que gostamos de dar a essa palavra. Ela é vítima de seu tempo, suas fantasias são recheadas de grotesco (afinal, não existem faunos e a leitura que faço do filme é que o fantástico é sua fuga da realidade), são contaminadas pela violência. É por isso que suas tarefas não tem nada da beleza que normalmente acompanharia uma criança inocente dessa idade. Ao contrário, ela mergulha na lama, foge de criaturas violentas que devoram crianças, etc. O fauno diz que ela será princesa, mas de que reino? E como ele é? Enfim, ela não tem poder para influir na situação, mas não é inocente porque a percebe claramente.

    É justamente essa capacidade de mostrar que a violência pode ser absorvida de diferentes formas e que uma criança não está isolada do mundo em que vive e o percebe claramente, mas não tem os mecanismos suficientes para lidar com tudo isso ainda, que faz a genialidade do filme a meu ver.
     
  5. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Por isso mesmo ela é inocente, por não ter mecanismos para lidar com tudo isso, e mais, viver alheia a realidade. Independente de enfrentar criaturas grotescas, Ofélia é facilmente seduzida pela fantasia, ou seja, desconhece qualquer tipo de perigo.
     
  6. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Realmente há a inocência. Porém, ela também é contaminada pela violência. Nem a fantasia passa imune a guerra. Acho que foi esse o ponto que o Marc_dell quis abordar.
     
  7. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Concordo, de alguma forma ela foi se contaminando.

    Do começo do filme até as cenas finais, fica claro o amadurecimento que lhe foi proposto. Porém prefiro acreditar que ela tenha sido vítima da fantasia, que propriamente tenha criado maturidade pra entender e encarar as coisas.
     
  8. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Esse é um filme muito bom, talvez o melhor filme espanhol já feito, é o melhor espanhol que eu já vi.
     
  9. Marc_dell

    Marc_dell Usuário

    E tem uma ironia sutil no fato de ser um fauno o contato da garota com a fantasia. Porque faunos são seres em quem não se pode confiar, sua natureza é falsa. Eles não sabem ser confiáveis, mas sua fantasia se realiza de alguma forma, mesmo que o reino continue vedado para quem assiste.
     
  10. Fernando Giacon

    Fernando Giacon [[[ ÚLTIMO CAPÍTULO ]]]

    Não tinha pensado por esse lado, bem analisado. É estranho que em nenhum momento do filme eu achei que ele poderia estar fingindo, tamanha a construção do personagem.
     

Compartilhar