1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Jogo dos Opostos (Norman Lebrecht)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 21 Mar 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    As primeiras páginas do livro O jogo dos opostos apresentam uma obra comum. A história se passa no final da segunda guerra mundial. Um homem foge de um campo de concentração, desmaia e é acolhido por uma família de uma aldeia vizinha ao campo. Por gratidão, e por não ter para mais familiares ou pátria, Paul Miller, ou Pavlov, decidi ficar e reconstruir sua vida. Aproveita seus conhecimentos em filosofia e arquitetura para mudar o cotidiano das pessoas na aldeia, vira prefeito e constrói uma família.

    Porém o livro ganha novos contornos com a revelação do nome do livro. O jogo dos opostos foi inventando por uma família em tempos sombrios, quando as palavras tinham que ser medidas e era preciso sempre estar com a inteligência aberta. Assim brincavam com o antônimo das palavras. Desde as mais simples como curto-comprido, veneno-antídoto e até as mais complexas como arte-diversão fazendo alusão a arte e o leviano, ou alto-curvado devido que “estar curvado – isso é o alto trazido para baixo, portanto seu oposto”. A partir da revelação do jogo a história ganha uma complexidade natural.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar