1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Hobbit, ou a "História da transformação de Bilbo"

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Anwel, 1 Mar 2010.

  1. Anwel

    Anwel Nazgûl Cavaleiro

    Acabei de reler o Hobbit agora, e, como todo o livro que eu leio, comecei a repensar na história como um todo. (Um exercício bacana de se fazer, diga-se de passagem).

    Fiquei tocado perante a transformação que o Bilbo sofreu. Não só como pessoa, mas transcendendo ao seu redor: modificando sua casa, e mesmo sua relação com seus vizinhos.

    Vou colocar alguns trechos aqui pra ilustrar melhor o que estou querendo dizer:

    "As pessoas os consideravam muito respeitáveis [os Bolseiros], não apenas porque em sua maioria eram ricos, mas também porque nunca tinham tido nenhuma aventura ou feito qualquer coisa inesperada: você podia saber o que um Bolseiro diria sobre qualquer assunto sem ter o trabalho de perguntar a ele."

    Aqui uma opinião de Gloin, pai de Gimli:

    "(...)Na verdade, se não fosse o sinal na porta, eu teria a certeza de que tinha chegado na casa errada. Assim que bati os olhos nesse sujeitinho bufando e esperneando no tapete, eu tive minhas dúvidas. Ele parece mais um dono de armazém que um ladrão!

    Bom, na minha opinião essas considerações inicias são bem significativas, principalmente porque é o mesmo Gloin que, no Sociedade do Anel, vai sorrir quando Bilbo se oferece a levar o Anel a Mordor - "lembrando dos velhos tempos". Não vou aqui retratar os perigos e aventuras que o Bolseiro passou no Hobbit (quem quiser saber mais que leia o livro!), mas, pra ajudar minha exposição, vou pular para o final do livro:

    Thorin falando sobre Bilbo:

    "(...) Há mais coisas boas em você do que você sabe, filho do gentil Oeste. Alguma coragem e alguma sabedoria, misturadas na medida certa. Se mais de nós dessem valor a comida, bebida e música do que a tesouros, o mundo seria mais alegre."

    E, finalmente, Gandalf:

    "-Meu querido Bilbo! - disse ele [o mago]. - Há algo errado com você! Não é mais o hobbit que era."

    Esse último comentário do Istar é bem importante. Ele o faz quando Bilbo compõe sua PRIMEIRA e ÚNICA canção no livro! Engraçado que, como li o SDA antes do O Hobbit, estou acostumado com a idéia do Bilbo, o intelectual escritor de livros e criador de canções.

    Porém, o hobbit do O Hobbit é, no começo, um ser enfadonho, boa vida e que não se preocupa com nada. É só com o desenrolar da história que o mesmo vai se desenvolvendo. Transformação que influenciou uma geração posterior de hobbits, que vieram a ser muito importantes na história da TM. O próprio Sam afirma que ficava "encantado" com as histórias sobre elfos e dragões do velho hobbit.

    Complemento meu raciocínio com mais algumas observações peculiares. No começo do post eu afirmei que a transformação de Bilbo transcendeu sua pessoa às coisas a sua volta. Vou colocar aqui a descrição da casa do hobbit nos dois livros:

    Descrição presente no O Hobbit:

    "(...) Nada de escadas para o hobbit: quartos, banheiros, adegas, despensas (muitas delas), guarda-roupas (ele tinha salas inteiras destinadas a roupas), cozinhas, salas de jantar, tudo ficava no mesmo andar, e, na verdade, no mesmo corredor."

    Enquanto que, no SDA, fica claro (infelizmente estou sem o livro pra pegar as passagens exatas) que há um novo (isso é percebido só se comparado com a primeira descrição, não há a palavra novo no livro) escritório em Bolsão, contando com a presença de muitos livros (alguns até escritos pelo hobbit). O que proporciona, junto com outras passagens do livro, a nossa visão sobre Bilbo, agora um respeitável intelectual.

    Só pra terminar meu longo post, vou colocar aqui uma passagem curta presente nas últimas páginas do Hobbit, na qual gosto muito e me instigou a pensar a transformação do mesmo:

    "Na verdade, Bilbo descobriu que perdera mais do que colheres [referência sobre as colheres de prata roubadas por Lobélia no leilão] - perdera sua reputação [no Condado]. É verdade que, desde então, foi sempre um amigo-dos-elfos e teve o respeito dos anões, magos e de todas essas pessoas que sempre passavam por ali; mas não era mais respeitável. Na verdade, era considerado por todos os hobbits da vizinhança como "esquisito" - exceto por seus sobrinhos e sobrinhas do lado Tûk, mas mesmo estes não eram encorajados pelos pais a manter relações com ele."

    E aqui, nosso resultado final:
    :lol:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)








    Nota de rodapé:
    Gostaria de agradecer do fundo do meu coração ao Neoghoster Akira, que me ajudou a recurar esse tópico depois do "Fade memory" da Valinor.
    Obrigado Neo!
     
    Última edição: 2 Mar 2010
  2. Morgs

    Morgs Metido a Rei de Arda

    Morgoth fala...

    Contém spoilers:

    Olá Anwel! Gostei do seu raciocínio, com suas citações e tudo o mais... muito bem construído. Não só o Glóin como outros anões (Dwalin e o próprio Thorin), foram extremamente preconceituosos no início de tudo.

    Se olharmos no Contos Inacabados isso fica muito claro... o preconceito de Thorin e companhia foi amenizado em "O Hobbit" porque o próprio Bilbo, considerado o escritor de tal livro, não o via com a intensidade que ele realmente tinha: Gandalf diz, em "A Busca de Erebor", que a dúvida e o preconceito de Thorin eram muito maiores do que Bilbo podia compreender... mas também, a idéia do herdeiro de Durin era mobilizar exércitos para encarar Smaug (o que estaria certamente fadado ao fracasso). Sendo assim, a idéia de fazer as coisas em segredo passava longe de suas intenções e pedir a ajuda a um Hobbit estava além de qualquer sentido :)

    Mas foi o que aconteceu, Bilbo deu a volta por cima e ganhou o respeito de muitos. Antes de Bilbo tínhamos hobbits à altura, mas esquecidos com o tempo: Urratouro Tûk, por exemplo, deu cabo de vários orcs que invadiram o Condado; e o Velho Tûk tinha seus contatos com o mundo de fora (era amigo de Gandalf). Antes de Bilbo, os Tûks tinham "a fama"... depois de Bilbo isso cresceu, e depois da destruição do Anel e do Expurgo acho que cresceu ainda mais, colocando os hobbits, definitivamente, na história da Terra-média :)

    Valeu!
     
  3. Fringway

    Fringway Andarilho do Norte (187)

    Parabéns pelo raciocínio, Anwel, a idéia foi realmente interessante.

    Acredito que os Hobbits sempre foram seres potencialmente aventureiros, assim como Bilbo, mas que se deixavam levar por uma certa inércia devido à tradição (o que muitas vezes acontece com nós, seres humanos, no mundo atual). A jornada de Bilbo e sua influência nos Hobbits que depois dele vieram, foram essenciais para a história da Terra Média, eis que delas surgiu um novo ânimo nos Hobbits responsável, inclusive, pelo sucesso na destruição do Anel.

    O que acho mais interessante nisso é a forma como Tolkien foi capaz de fazer o personagem de Bilbo evoluir - e modificar-se - de forma natural, como acontece com todo ser humano ao longo de sua vida. Perdeu alguns de seus medos, descobriu novas qualidades e aprendeu a viver de uma forma melhor consigo mesmo. Importante reparar que, dessa forma, Bilbo se tornou um personagem bastante complexo sem que se precisasse forçar a barra.
     

Compartilhar