1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O escafandro e a borboleta, de Jean-Dominique Bauby

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 13 Jun 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Se eu já vi o filme, por que eu deveria ler o livro – O escafandro e a borboleta, de Jean-Dominique Bauby

    Entrevistas com escritores, biografias de autores célebres e a metaliteratura (como as narrativas em que acompanhamos um personagem escritor, em seu processo de criação literária, que, muitas vezes, desemboca justamente no livro que estamos lendo): nos três veículos, a possibilidade de encontrarmos uma confissão de angústia pela dificuldade da escrita é grande. Achar um assunto ou tema (a falta destes corresponde ao mote de metade da produção de alguns cronistas), escolher o que será transcrito, achar as palavras mais significativas e sonoras, cortar impiedosamente aquilo que “não funciona”, revisar, revisar e revisar.

    O escafandro e a borboleta leva essa angústia a outro nível. Isso porque o protagonista (e narrador e autor) sofre de locked-in syndrome. Um AVC fez com que ele, após um período em coma, só conseguisse mexer o olho esquerdo. Vá lá, ele consegue balançar desajeitadamente a cabeça (uma raridade em pacientes com esse quadro). Mas isso você já sabe, pois já viu o filme: todas aquelas cenas belíssimas, incluindo o longo plano em que o olho direito – inerte e com risco de infecção, mas ainda “vendo”, por assim dizer – é obstruído pela costura das pálpebras que o envolvem. O “outro nível” a que me refiro não é exatamente uma dificuldade mental, psicológica. É um impedimento e tanto. Ele não pode pegar uma caneta, não pode digitar, não pode ditar para um escriba (ou um taquígrafo, caso se expressasse com a pressa característica de seriados como Gilmore Girls).

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar