1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias O doping que mudou tudo

Tópico em 'Esportes' iniciado por Fúria da cidade, 25 Jun 2019.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Era quase 1 da madrugada do dia 27 de setembro de 1988, em Seul, na Coreia do Sul. Numa sala, a comissão médica do Comitê Olímpico Internacional (COI) havia passado duas horas escutando aos argumentos da delegação canadense e dos especialistas sobre a situação do medalhista de ouro Ben Johnson.

    O velocista de origem jamaicana ganhou os 100 metros rasos das Olimpíadas de maneira impressionante e, tão surpreendentemente quanto, foi flagrado no teste antidoping após a conquista. Quando o resultado de seu exame foi tornado público, uma crise até então sem precedentes no esporte começou.

    O debate que se seguiu faz parte das minutas das reuniões confidenciais do COI que, a partir de 2019, podem ser consultadas pela primeira vez desde os incidentes de 1988. Esses relatos mostram o quanto aquele caso chacoalhou as bases do movimento olímpico, como o esporte não estava pronto para discutir o assunto naquele momento e contam a história do início de uma nova era no combate ao doping.


    A vitória e a derrota de Ben Johnson

    Para entender o tamanho do que aconteceu com Ben Johnson, é preciso voltar para 1988. O norte-americano Carl Lewis era o grande nome daquela edição dos Jogos Olímpicos. Quatro anos antes, ele tinha conquistado quatro medalhas de ouro em Los Angeles, na maior performance olímpica desde Jesse Owens.

    Ele era o queridinho para a final dos 100m rasos, a prova mais importante do calendário do atletismo, mas quem chegava como favorito era justamente Ben Johnson. Um ano antes, ele tinha batido o recorde mundial da prova com o tempo de 9s83.

    Quando a disputa dos 100m começou, no dia 24 de setembro de 1988, porém, ninguém acreditou no que acontecia na raia 6. O canadense completou a prova em 9s79, quebrando mais uma vez o recorde mundial. Para ter uma ideia do feito, só em 1999 um homem voltou a correr tão rápido - em 16 de junho de 1999, o norte-americano Maurice Greene fez os mesmos 9s79.

    Lewis foi segundo naquela prova de 1988 e herdou o ouro 48 horas depois. Seu tempo foi de 9s92, que também virou recorde mundial quando todos os tempos de Johnson foram apagados da história do esporte.

    Gray Mortimore /Allsport

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Metade dos atletas poderia estar dopada


    Ainda em Seul, os atletas se reuniram no mesmo dia 27 de setembro, para "lamentar" os casos de doping identificados e defenderam que fossem estabelecidos testes aleatórios e de surpresa durante os treinamentos, uma prática recorrente hoje que, naquele momento, era impensável. Os documentos revelam, porém, que a Comissão de Atletas do COI estava ciente da dimensão da crise.

    "Depois dos Jogos da XXIV Olimpíada em Seul, o esporte olímpico está sofrendo uma erosão de sua credibilidade com o grande público", escreveram. "A imprensa sugeriu que até 50% dos atletas olímpicos poderiam estar usando drogas para melhorar seu desempenho", indicaram.

    Ken Read, um dos membros da Comissão, defendia a criação de um movimento de atletas de elite para combater o doping e "dar o exemplo. "O objetivo de longo prazo seria o de criar um ambiente no esporte livre de drogas, por meio de exemplos positivos", destacou em uma declaração.

    Nas reuniões fechadas que ocorreram nos meses seguintes, longe dos holofotes, dirigentes falavam abertamente sobre uma "ameaça séria" ao COI e ao "esporte como um todo". Debates ocorreram sobre a retirada de disciplinas da programação olímpica e o tom das conversas era franco sobre a encruzilhada que viviam.

    Laurence Griffiths/Getty Images
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Droga endêmica no levantamento de peso


    Durante os debates, um dos vice-presidentes do COI, Dick Pound, chegou a propor que a Federação Internacional de Levantamento de Peso (IWF) fosse inteiramente afastada dos Jogos Olímpicos. Segundo o relato da reunião em Viena, em dezembro de 1988, Pound alertou que o "uso de drogas por levantadores de peso era endêmica e que o IWF deveria ser banida do Movimento Olímpico até que tenha lidado de forma exitosa com o problema".

    "Metade dos testes positivos dos Jogos (Seul) veio do levantamento de peso", disse. Pound sugeriu uma suspensão provisória de dois anos e insistiu que caberia ao COI adotar uma estratégia mais dura contra a modalidade.

    Juan Antonio Samaranch, porém, impediu que a iniciativa de Pound fosse aplicada. De acordo com os documentos do encontro, o presidente do COI indicou que "não pensava que a IWF deveria ser singularizada por um tipo de sanção desse tipo". Ele questionou, por exemplo, "se o doping não estava igualmente espalhado em alguns outros eventos esportivos".

    Quem também foi contra uma suspensão foi o então vice-presidente do COI, Keba Mbaye, do Senegal. Ex-presidente do Tribunal Arbitral dos Esportes e chefe da Comissão de Ética do COI, ele disse que entendia as razões pelas quais Pound sugeria a suspensão da federação. Mas alertava que não existiam critérios suficientemente claros para isolar uma modalidade em uma decisão punitiva.


    Um príncipe contra o doping

    Em novembro de 1988, delegados do COI sugeriram em uma conferência em Moscou a criação de uma nova comissão composta por federações internacionais e comitês olímpicos nacionais. Seria esse novo órgão que estaria responsável por realizar testes fora de competições.

    Apenas na reunião do Conselho Executivo do COI, em Viena, em 9 de dezembro de 1988, que o doping dominaria os debates. Aquela seria a primeira grande reunião da entidade, apenas três meses depois do caso de Ben Johnson. A portas fechadas, o debate era um espelho da turbulência que o esporte vivia.

    Responsável pela Comissão Médica da entidade, o príncipe da Bélgica, Alexandre de Merode, era quem liderava a resposta ao doping. Numa de suas intervenções, não escondeu que sabia que o problema era grave e que estava "preocupado com o aumento do número de ofensas de tráfico de drogas". Ele "sentia", portanto, "que a Comissão precisava rever novos aspectos do problema".

    Foi justamente em junho daquele ano que a Primeira Conferência Mundial de Anti-Doping havia sido realizada, no Canadá. Lá, foi desenhado o que seria um primeiro modelo de uma Carta Olímpica sobre o combate ao doping.

    AP Photo/Donald Stampfli
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Qual era a raiz do problema?


    O caso Ben Johnson, em setembro, mudou a temperatura dos encontros em comparação com aquela conferência de junho. Na reunião de dezembro de 1988, De Merode (na foto acima com o suíço François Carrard, à esquerda, e Samaranch, ao centro) faria um pedido oficial para que os representantes dos Comitês Olímpicos Nacionais se lançassem em uma colaboração internacional contra o doping, algo praticamente inexistente até então.

    "Ele insistiu que apenas ao unificar as ações de governos e de órgãos esportivos para lutar contra o doping e incentivando-os a adotar e implementar uma legislação uniforme é que essa luta teria êxito", apontam as minutas da reunião. O belga ainda defendia a criação de programas educacionais para jovens e períodos de descanso aos atletas.

    Juan Antonio Samaranch, presidente do COI naquele momento, tomaria a palavra para elogiar os trabalhos da Comissão Médica e apontar que o movimento olímpico estava na "vanguarda" da luta contra o doping. Ele lembrou que, naquele ano, "um grande campeão foi desclassificado", numa alusão a Ben Johnson.

    Apesar do tom de incentivo, o espanhol não deixava dúvidas de que o momento era de desafio. "A situação era delicada, já que frequentemente as pessoas culpadas eram aquelas em torno ao atleta", disse Samaranch, segundo os documentos do encontro reservado.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Alan Crowhurst/Getty Images

    Cavalo x Bicicleta

    Um dos temas levantados no COI após a crise de Ben Johnson foi a situação do doping de cavalos nas provas de hipismo. Até aquele momento, a entidade não julgava necessário examinar os animais. Mas, na reunião de dezembro de 1988, o tema voltou para a agenda do COI.

    De acordo com os documentos do encontro, foi o então membro do Conselho Executivo, o sueco Gunnar Ericsson, que trouxe o assunto de volta ao debate. Para Alexander de Merode, porém, "os membros já tinham se pronunciado sobre esse problema vários anos antes e foi decidido que o cavalo era um instrumento esportivo, como uma bicicleta, e que não tinha qualquer relação com a Comissão Médica".

    Ainda assim, Ericsson insistiu que "doping precisava ser discutido com relação aos cavalos". Juan Antonio Samaranch foi obrigado a intervir no debate. "O presidente ainda estimou que o doping equino seria um assunto diferente de doping humano, mas assim como uma bicicleta não poderia ser modificada, um cavalo tampouco deveria ser dopado".

    A reunião terminou com a decisão de que a Comissão Médica deveria examinar o caso de doping em cavalos.

    Uma nova entidade

    Um alerta muito mais duro foi feito por Marat Gramov, o então presidente do Comité Olímpico da URSS. Na reunião entre o Comité Executivo do COI e as entidades nacionais, ele não disfarçava seu entusiasmo com o fato de que, depois do auge da Guerra Fria e dos boicotes aos Jogos de 1980 em Moscou e 1984 em Los Angeles, o movimento olímpico estava de novo reunido.

    Mas deixou claro que aquela situação não significava que os problemas tinham acabado. "Respeitados colegas, consideramos que o movimento olímpico emergiu de uma crise", disse. "Mas vários problemas ainda precisam ser resolvidos", alertou.

    "O Comitê Olímpico da URSS, como a maioria de nossos colegas, está preocupado com o problema do doping e, como sugeriram os Jogos deste ano (1988), se transformou em um espinho em nossa carne", disse. "Doping é um problema global e precisamos agir juntos", defendeu.

    Naquele momento, o dirigente indicaria, pela primeira vez, que a URSS estaria pronta para dar uma garantia por escrito ao COI sobre sua responsabilidade de adotar medidas para combater o doping em seu país. Mas a proposta era de que todos os comitês nacionais fizessem o mesmo e sugeria que o COI exigisse de todos uma "garantia por escrito" de que assumiriam um compromisso de combater o doping de seus próprios atletas.

    Gramov defendeu, naquela ocasião, a "fundação" de uma "comissão internacional anti-doping com autoridade" e sob a liderança do COI para encabeçar o combate. Moscou se colocava ainda à disposição para aceitar a entrada da nova entidade em seu território "a qualquer momento para testar qualquer atleta".

    "O problema do doping nos Jogos foi visto como uma doença pública que afeta a todos", alertou. "Isso não poderia ser tratado por um país isolado. Mas exigiria uma estratégia global".

    Era o embrião da criação de uma nova entidade para lidar diretamente com o problema.


    Concentração de laboratórios era problema

    Fora do eixo das grandes potências, a preocupação era a da falta de condições para lutar contra o doping e identificar irregularidades entre os atletas. A preocupação, porém, era a capacidade global de análise de substâncias. Naquele momento, em todo o mundo, apenas 22 laboratórios estavam credenciados para testar amostras, quase todos nos países ricos. Na prática, isso tornava os testes muito caros para países sem acesso aos laboratórios.

    A delegação da Argélia protestou, alertando que nenhum laboratório na África estava capacitado. Os argelinos, portanto, pediam que cada continente fosse financiado para poder realizar a luta contra o doping.

    O mesmo argumento foi utilizado pelo Comitê Olímpico da Guiné Equatorial. A delegação africana justificava que, até aquele momento, "o doping não afetou de forma importante a África". "Mas isso iria mudar sem dúvida no futuro próximo", admitiu. Segundo o grupo, por não haver locais adequados de treinamento no continente, muitos dos atletas africanos acabavam treinando no exterior "onde ali teriam contato com drogas".

    REUTERS/Valentin Flauraud
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    COI se recusa a pagar a conta


    Em resposta às cobranças, De Merode explicou que estava ciente da falta de laboratórios credenciados pelo COI. Naquele momento, além de EUA e Europa, existiam apenas outros dois centros em funcionamento na Ásia.

    Portanto, segundo ele, "as federações internacionais que aceitavam os procedimentos de combate ao doping do COI tinham dificuldades para testar em Campeonatos Mundiais". Se o total de laboratórios era de 22, a esperança era de que esse número pudesse chegar a 30 ao final de 1989. Mas ele admitiria: "o tempo e os custos exigidos eram enormes" e defendeu que o COI arcasse com os custos.

    O presidente Samaranch deixou claro que o COI não iria bancar os laboratórios e que cada qual deveria "pagar pelos custos do credenciamento". Mas sugeriu que fosse criada uma subcomissão médica no COI que pudesse viajar pelos países, como uma espécie de laboratório itinerante, um projeto que já tinha o apoio dos países do Bloco Socialista.

    De Merode, naquele momento, confirmou que discussões preliminares estavam sendo realizadas sobre a possibilidade de se criar laboratórios que pudessem viajar de um país a outro e, ao final do Conselho Executivo de 1988, foi decidido que um estudo formal seria conduzido para avaliar a viabilidade do projeto.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Fabio Braga/Folhapress

    Mas, afinal, o que é doping?


    A dimensão da crise ainda era revelada por um debate ainda mais fundamental. No final de 1988, ainda se buscava por uma definição do que seria, de fato, o doping. Durante o encontro de dezembro, Samaranch solicitaria que "uma definição de doping fosse providenciada o mais rapidamente possível".

    De Merode argumentava que a vantagem de uma definição "muito específica, talvez especiosa, usada até então era de que nenhuma ação legal havia sido tomada contra ela". Um exemplo citado pelo chefe da Comissão Médica foi o de Sandra Gasser, que terminou nos tribunais. Segundo ele, o processo não foi aberto por conta de sua desclassificação por doping, mas pela sanção aplicada.

    O então-vice presidente do COI, juiz Keba Mbaye, foi outro que alertou sobre a dificuldade de se estabelecer uma "definição legal" de doping. Além disso, outro obstáculo seria o fato de que federações internacionais teriam padrões diferentes sobre doping. Antes de mais nada, era importante adaptar a lista de substâncias banidas pelo COI a essas particularidades.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    AP Photo/International Olympic Committee

    Ainda assim, seria definido naquele dia a necessidade de se trabalhar por uma definição do conceito legal de doping, algo que até então não existia. Para o chefe da Comissão Médica, a esperança naquele momento era de que federações internacionais trabalhassem por uma "unificação geral de sanções" e iniciassem um reconhecimento de que procedimentos corretos teriam de ser estabelecidos para os testes.

    A limitação não era apenas legal. De Merode estimava que o COI não poderia combater o doping sozinho. "Droga é um problema geral na sociedade. Leis sobre o tráfico precisam ser feitas por governos", defendeu.

    Entre os dirigentes, não foram poucos que apontavam que, nos Jogos Olímpicos, vários atletas levaram seus próprios médicos, que não tinham qualquer relação com o movimento olímpico e contra quem o COI não poderia agir.


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    false

    Maconha liberada


    Apesar da constatação dos membros de que deveria haver um reforço no combate ao doping, o COI estava dividido sobre como qualificar a maconha. Alexander de Merode, chefe da Comissão Médica, confirmou em dezembro de 1988 que havia recebido um pedido para incluir a maconha "na lista de substâncias proibidas". Mas era "contra essa sugestão".

    O Comitê Olímpico da República Dominicana foi um dos que insistiu, no encontro, para que a maconha fosse alvo de algum tipo de ação por parte do COI. Segundo ele, essa droga estaria sendo usada por jogadores de basquete para "produzir o efeito da euforia e, entre os arremessadores, um efeito de tranquilizante". "O Movimento Olímpico tinha a responsabilidade social de censurar a maconha, já que ela causaria danos físicos e mentais", defendeu.

    De Merode, porém, foi mais cauteloso e indicou apenas que sua comissão iria "estudar o problema do uso da maconha nos esportes". "Mas parece ser mais um problema de educação que deve ser lidado pelos governos", rebateu.

    REUTERS/Christinne Muschi
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Os resultados: carta contra doping, testes fora de competição e a Wada


    Um tom de alerta também era usado pelo australiano Richard Kevan Gosper, membro do Conselho Executivo do COI e que chegou a ser vice-presidente. Em sua avaliação, a atenção pública estaria focada na questão do doping, em 1992 em Barcelona. Portanto, o COI não poderia apenas comemorar a venda recorde de direitos de transmissão de TV, mas deixar claro que o COI "assumiu a responsabilidade de eliminar o doping do esporte".

    O vice-presidente do COI, Dick Pound, corroborava a ideia. Ele chegou a alertar em 1988 que uma ação real da entidade esbarraria em dois problemas reais: "dinheiro e tempo". "Os recursos (por parte de atletas) e a frequência dos testes seriam caros", indicou.

    O encontro foi concluído com uma série de decisões sobre o doping. Mas três delas iniciariam uma mudança radical na forma pela qual as entidades lidavam com o problema: um documento assinado por todos com uma definição formal de doping, a realização de testes fora de competição e a criação de uma entidade mundial de combate ao doping.

    Dez anos depois, e após intensas disputas, seria criada em 1999 a Agência Mundial Anti-Doping, a WADA. A partir do ano de 1989, o restante da história está guardado nos arquivos confidenciais do COI, longe do escrutínio público. Mas as premonições daqueles dirigentes no final dos anos 80 provaram estar certas: o doping passou a ameaçar para sempre o esporte.

    Mike Powell/Getty Images
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    ------------------------------------------------------------------------------------------------
    Lembro de quando Ben Johnson ganhou e pouco tempo depois perdeu a medalha de ouro nos 100m. Uma punição que hoje se tornou algo relativamente comum, na época foi um enorme escândalo com repercussão feita a exaustão. A partir dali tudo começou a ficar mais rigoroso.
     

Compartilhar