1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Deus das Pequenas Coisas (Arundhati Roy)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Gigio, 4 Mar 2010.

  1. Gigio

    Gigio Usuário

    "O Deus das Pequenas Coisas" (The God of Small Things) é o único romance da indiana Arundhati Roy, publicado em 1997. O livro foi muito elogiado, desde o seu lançamento, e veio a receber o "Booker Prize", um dos principais prêmios literários ingleses.

    A história se passa na região de Kerala, sudoeste da Índia, e envolve alguns acontecimentos cruciais na vida dos gêmeos Estha e Rahel, com consequências definitivas para todos os envolvidos - "as coisas podem mudar em apenas um dia" é um dos lemas que se impõe repetidamente sobre a vida dos personagens. Desde o princípio do livro, através de pequenas sugestões, percebe-se que algo terrível e grave aconteceu em algum momento. No entanto, apenas aos poucos vamos adquirindo compreensão da situação, através de uma narrativa que alterna relatos da infância dos gêmeos, e às vezes de um passado mais remoto, com o presente, em uma acumulação espiral de informações sobre todas as circunstâncias envolvidas.

    Bem, até aí poderia não ser mais que um grande drama indiano. No entanto, o estilo da Roy é algo totalmente particular. A história é contada com tal sensibilidade e percepção dos fatos que todos os momentos são igualmente cativantes. Todos os acontecimentos, por mais acessórios que possam parecer, acabam se ajustando perfeitamente. O tom é levemente melancólico, até nos momentos engraçados, como alguém que pudesse rir dos seus infortúnios ou da fragilidade inerente das coisas. Um conjunto próprio de conceitos e expressões é elaborado ao longo do livro, a partir de situações vividas pelos personagens (como acontece normalmente conosco, palavras que vão adquirindo conotações especiais). E há também, só para lembrar mais um recurso, muita experimentação com o inglês, língua original do texto, como se ele fosse algo estranho, algo sujeito à curiosidade de que não o aprendeu como língua materna, como é caso de Estha, Rahel e, imagino, também de Roy.

    E o livro também é interessante, claro, pela representação da Índia. A província de Kerala, como todas as partes desse país, é uma fusão de várias influências. Possui um grande número de católicos, de uma ramificação que se cogita tenha sido levada por São Tomé, ainda no séc. I. E é também a região em que houve maior penetração do comunismo.

    O livro foi publicado no Brasil pela primeira vez em 1998, pela Companhia das Letras, em uma edição já esgotada, e mais recentemente foi relançado pela "Companhia de Bolso". Suponho que a tradução deve ter sido bem difícil, por aqueles elementos de reinvenção e estranhamento do inglês. Só dei uma olhada e vi que em alguns pontos críticos, alguns jogos de palavras, etc, o tradutor teve que se render a colocar o original entre colchetes.

     

Compartilhar