1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Condado: a mais exitosa civilização da Terra-média?

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Elring, 29 Nov 2008.

  1. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Fundada em 1601 T.E. (Terceira Era) pelos irmãos Cascalvas Marcho e Blanco, que partiram de Bri e cruzaram o rio Baranduin acompanhados de muitos hobbits para tomarem toda a extensão de terras entre o rio e as Colinas Distantes - o Condado pode ter sido a mais bem sucedida sociedade de toda a T-m a permanecer por exatos mil quatrocentos e dezesete anos sem grandes conflitos internos, externos e sem avanços tecnológicos significativos que caracterizavam o processo de formação e declínio das civilizações humanas, élficas e anãs.

    As terras cedidas aos hobbits pelo rei Argeleb II, o vigésimo da linhagem de Fornost, possuíam 120 milhas (193.08 km) desde as Colinas Distantes até a ponte Brandevin, e 150 milhas (241.35 km) dos pântanos do norte até os charcos do sul. Sua localização privilegiada mantinha o clima e as temperaturas constantes e bem definidas; ventos marítimos soprados através do Golfo de Lûn forneciam a umidade e as chuvass essenciais para o cultivo, enquanto os ventos áridos da Terra Parda e o gélido ar de Forodwaith garantiam a circulação e a alternancia dos ciclos climáticos.

    Hábeis em trabalhos manuais (destreza esta que garantiu-lhes um lugar em Arnor em troca de trabalhos prestados na manutenção da Grande Ponte e de outras estradas), os Pequenos não tardaram em desenvolver outra ocupações, além da plantação de alimentos. Da mesma forma que nos burgos feudais humanos, os hobbits também criaram suas corporações de ofícios, que eram responsáveis pela organização e distribuição de determinados produtos manufaturados, tais como: mineiros, ferreiros, cordoeiros, carreteiros, moleiros, artesãos e fumicultores. Profissões estas, matidas em uma mesma família por gerações.

    E quais foram os fatores que determinaram tamanha prosperidade hobbitiana?

    Um deles, foi a formidável capacidade de ocultaram-se e de caminharem despercebidos aos olhos e ouvidos de qualquer criatura viva (e não viva, podemos acrescentar). Capacidade esta, que manteve os hobbits incógnitos de todos os relatos élficos e humanos por muitos anos.

    Outro elemento a ser levado em consideração foi a ausência de conflitos armados entre as famílias e clãs rivais, tais como ocorreram nos reinos de Arnor (a divisão do reino de Ëarendur por seus filhos em três: Arthedain, Rudhaur e Cardolan) e Gondor (após amorte do rei Valacar, começou a guerra civil e a Contenda das Famílias).

    Auto-suficiência agrícola. A sociedade hobbit trabalhava para produzir alimentos para a família e trocava o excedente da colheita por outros produtos. Também era frequente a ajuda mútua entre eles; aquele que possuía ferramentas, carroças ou arados partilhava-os com os companheiros. Aproveitamento de pântanos de florestas, de onde extraíam frutas silvestres, alimentos para os animais e a madeira necessária para lenha e construções. Provavelmente, os hobbits também eram conhecedores da rotação de culturas, para que os nutrientes do solo não se esgotassem. Com a excessão dos Brandebuques da Quarta Leste, nehum outro hobbit aventurava-se em barcos para pescar.

    Alegre e brincalhões, as comilanças e as bebedeiras estavam entre os entretenimentos mais apreciados por todos os habitantes do Condado. Os hobbits faziam até cinco refeições por dia e adoravam festas, o que acontecia com grande frequencia, dado o elevado número de integrantes de uma mesma família (que chegavam a mais de duzentos indivíduos como na família Brandebuque, na Sede do Brandevin).

    Apesar de todos estes fatores citados, é assombroso constatar que o Condado tenha resistido e prosperado por mais de mil anos desde sua fundação até o ano 3018 T.E. Ano em que os Nazgûl invadiram, de fato, o Condado por ordem de Sauron.

    O primeiro desafio enfrentado pelos hobbits foi o Rei dos Bruxos de Angmar que invadiu Arthedain e conquistou Fornost em 1974 T.E. Por sorte ou por ignorância, o Rei dos Bruxos, oa invés de prosseguir com seu avanço pelo Caminho Verde até Bri e expulsar os poucos dúnedain da Colina dos Ventos e retomar o Amon Sûl (visto que Cardolan não mais existia) ou se apoderar da grande Ponte, o Rei de Angmar conteve-se em Fornost e partiu para atacar Lindon. Mas foi surpreendido pelos exércitos de Ëarnur de Gondor, das forças de Lindon e de Arnor. Houve uma grande batalha na planície entre o Nenuial e as Colinas do Norte. Ou seja, longe das fronteiras de Quarta Norte. O saldo negativo para os hobbits neste período conturbado foram a Grande Peste (1636 T.E.) que chegou com pouca força ao Condado e a fuga de parte de sua população durante a queda de Angmar, trezentos e quarente e dois anos depois (1975).

    Após o fim do reinado de terror do Rei dos Bruxos, os hobbits só voltariam a serem perturbados setecentos e setenta e dois anos (2747 T.E.), quando Bandobras Tûk expulsou um bando de orcs da Quarta Norte. E nada souberam sobre o combate travado pelos dúnedain liderados por Arassuil e pelos filhos de Elrond contra os orcs das Montanhas Sombrias que invadiram Eriador no mesmo período.

    Outro longo período de paz foi quebrado pelo Inverno Mortal (2911 T.E.), cento e sessenta e quatro anos depois foram os lobos brancos e a fome que devastaram de modo inclemente o Condado e que levaram milhares de hobbits a morte. E mais uma vez os Pequenos demonstraram que são duros de se abaterem por tamanha desgraça.

    Recuperaram-se e prosperaram por mais cento e sete anos, até que a Guerra pelo Anel Governante os colocou no centro de todas as atenções. Principalmente, as de um mago conhecido pelo nome de Gandalf e que colocou o Condado sob vigilância dos Guardiões do Norte no ano de 2941 T.E. Ano em que Bilbo encontrou seu "anel mágico" e atiçou a curiosidade do Mago.

    É interessante notar que os hobbits tenham permanecido por tantos séculos a margem de todos os acontecimentos que marcaram a Terceira Era. Como explicar tamanho êxito onde todos os grandiosos reinos númenoreanos, eldarim e naugrim falharam? Por que os três reinos de Arnor ignoraram aquela porção de terra central durante seus conflitos? Como a população hobbit manteve oculta por tantos anos, sendo que a Grande Estrada Leste cortava esta região, e sem chamar a atenção de reinos rivais? Não era um local estratégico do ponto de vista militar?

    Pois é... estas perguntas eu me vieram a cabeça e não achei nenhuma explicação.
     
    • Ótimo Ótimo x 8
  2. Falcão Branco

    Falcão Branco Sacrifiquei um

    Como Tolkien disse: Eles não davam atenção a nínguem, e niguem dava atenção a eles.
     
  3. servo de Eru

    servo de Eru Chuck Norris passa vergonha

    acredito que seja por causa do fato de eles nunca terem sido levados a sério,sempre foram vistos como seres inofensivos,por causa disso foram ignorados pelos os outros povos da TM,outro motivo que eu acredito que tenha ajudado aos hobbits em se manter no anonimato foi o fato de eles serem bastante malandro,isto é,de saberem que havia algo mais fortes que eles na TM e por isso optar viver em silêncio,sem muitas confusões
     
  4. Tuor

    Tuor Usuário

    É realmente interessante pensar no porquê de terem durado tanto tempo. A única explicação que encontro, e que é mais uma suposição, até, é que não se importavam realmente com os hobbits porque eles não tinham nada de interessante e eles próprios não interessavam para os outros. Os homens grandes estavam interessados em cidades já construídas e em torres de vigia. De qualquer forma, ainda não há como imaginar que tenham ficado às bandas de guerras e problemas e não tenham sido grandemente atingidos. Se o Condado fosse mais ao sul, em Cardolan, por exemplo, mais próximo e não às beiras do mar, seria mais plausível a falta de interesse neles.

    Retirando a idéia de que eles poderiam ter sido invadidos, vejo que prosperaram porque não aparentavam ser cobiçosos por terras e reinos. O modo mais reservado deles, sem intercâmbio com outros locais e povos, deve ter cooperado. Eles plantavam e se ajudavam entre si, e isso bastava. A própria cultura deles é a do tipo que se olha torto para estrangeiros, como aconteceu com os Anões que vieram e vinham visitar Bilbo.
     
  5. Falcão Branco

    Falcão Branco Sacrifiquei um

    Se não me engano uns 50 Hobitts lutaram em Fornost contra o Rei-Bruxo e seu exercito.
     
  6. TorUgo

    TorUgo a.k.a. Tortoruguito...

    Bem!
    Ontem questionei-me sobre o mesmo! Estou a ler novamente a Irmandade do Anel e lembrei-me dessa pergunta! :D

    Não compreendo também como é que um ponto tão central de Eriador, tão rico e bonito tenha escapado de tal forma à evolução das terras: do auge até à queda.

    Quando Angmar se uniu a Rhudaur e mais tarde destruiu Cardolan, teve de atravessar o Condado! A não ser que tenha viajado pelo longínquo norte ou pelo longínquo sul! E eu não acredito em nenhuma destas hipóteses! Para quê se demorar em caminhos alternativos quando a Estrada de Leste estava ali mesmo!?

    E se Angmar passou pela Estrada de Leste! Mesmo que os hobbits se tenham enfiado em buracos para se esconder, o Rei-Bruxo não permitiria que um povo vivesse "feliz" no que ele desejava ser o seu domínio!

    Portanto, concluindo, não consigo explicar!

    ;D
     
  7. Thalion

    Thalion Mas que puxa!

    Acho que essa pequena frase resume tudo. Como os hobbits não faziam mal a ninguém, não eram uma força política ou econômica a ser levada em conta, enfim, como dizemos por aqui, o Condado "não fedia nem cheirava" e, talvez por isso, foi simplesmente ignorado pelas pessoas grandes.

    Mas é no mínimo estranho que Angmar não tenha se apoderado do Condado, uma vez que geralmente o mal não precisa de motivos pra cumprir a valha máxima de "incendiar, matar e pilhar".

    ----------------
    Now playing:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    via
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  8. Calenardhon

    Calenardhon Cavalariço de Rohan

    Acredito que os Hobbits tenham prosperado tanto porque não queriam prosperar. Eles só queriam suas cinco refeições diárias, uma família alegre e sorridente e uma boa caneca de cerveja. Só. A maioria dos grandes impérios mundiais caiu justamente pelo excesso de poder. Roma e a Mongólia, por exemplo, pelo pouco que conheço de suas histórias, tinham TANTAS posses que não conseguiram manter. E, com tanto poder sobrando, haviam sempre alguns que não se importavam com o futuro do império, mas queriam poder pessoal, como nos casos de corrupção de centenas de romanos importantes e influentes.
    Os Hobbits não queriam poder, posses, reconhecimento mundial, tecnologia avançada e supremacia, coisa que praticamente todas as civilizações querem. Eles queriam um pedaço de terra, de preferência com uma pequena e larga colina na qual pudessem escavar uma toca pra chamar de sua. E é isso que os torna tão fascinantes, como um povo.
    E, é realmente intrigante como conseguiram se manter estáveis e felizes na porção da Terra-média mais agitada na Terceira Era, em meio a pragas, guerras, reinos inteiros sendo construídos e destruídos, e espectros. Eles realmente não se metiam nos assuntos estrangeiros, e como conseqüência, os estrangeiros não se metiam nos seus assuntos. E, sobre a falta de atenção do Rei-Bruxo sobre aquela terra, realmente não sei explicar, visto que era estratégica, por ser uma rota fácil e direta entre os reinos de além do Brandevin e Lindon.
     
  9. Café

    Café O importante é o que importa

    Acho que talvez por eles serem pessoas simples e não gostarem de aventuras e atenção, os outros povos da TM também não se importaram com eles, pois não tiveram grande destaque nas histórias da TM. Mas realmente é uma coisa intrigante eles terem continuado em "paz" durante tanto tempo sem nenhum conflito ou problema realmente sério.
     
  10. Avastgard

    Avastgard Alwaystanding

    Eu já li em algum lugar, mas não me lembro onde, que Tolkien queria representar os hobbits como os interioranos "caipiras" ingleses, com pouca imaginação ou ambição, vivendo sempre naquele mesmo mundinho de sempre. Isso fica muito evidente ao se pensar no Sam e sua mente obtusa (no começo da Demanda para destruir o Um Anel).
     
  11. Ilithien

    Ilithien Usuário

    Os hobbits paracem(estilo de vida) com os indios... eles vivem em harmonia com a natureza, eles nao necessitam de contato intenso com outros seres:eles nao fazem "comercio" com povos de outras raças, nem participam das crises infrentadas por outros. Eles cultivam o que necessitam para viverem. Mas assim como os indios, quando suas terras sao invadidas aí eles botam as mangas para fora e fazem o possivel para salvar suas terras de orcs e outras criaturas malignas. Ninguem nao da a minima para eles. Eles sao "anonimos"... praticamente. Uma coisa que percebi junto com uns amigo foi que so nos damos conta que existem indios quando nossa prof de historia fala sobre eles... com os hobbits deveria ser o mesmo, nem Barbarvore(que é muuuuito velho) nunca ouvira falar de hobbits. Por isso esse anonimato deles favoreceu a existencia deles na TM, mas prejudicou no avanço tecnologico pelo fato deles nao terem esse acesso à vida de humanos, elfos e anoes.
     
  12. Tonso

    Tonso Hum! Carne de

    Vendo pelo ponto de vista de "dentro", acho que o Rei-Bruxo considerava sim o Condado como suas terras e acho que nisso vale a frase de Tolkien.

    Como eles viviam alienados ao resto do mundo, creio que Angmar deixou o Condado "passar", talvez conscientemente, já que nunca demonstraram ser uma ameaça.

    Irônico é imaginar que, se o Rei-Bruxo tivesse pilhado o Condado e matado todos os hobbits, o Anel nunca seria destruído.
     
  13. Excluído028

    Excluído028 Excluído a pedido

    Será? É sempre complicado retirar um dos pilares de uma narrativa, porque nunca saberíamos como as coisas teriam ocorrido, que outros elementos poderiam ter influído sobre o destino dos povos da Terra-Média. Pode-se é claro aventar hipóteses. Mas eu não me arriscaria a afirmar que o Anel nunca seria destruído.

    Mas é de fato curioso a imperturbabilidade do Condado. Ao menos seria de se esperar, mesmo sendo eles subestimados pelo Inimigo dos Povos Livres, que fossem transformados em tributários ou simplesmente pilhados. :think:
     
  14. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Não é apenas o fato de O Condado ter passado ileso aos olhos do Rei dos Bruxos, o lugar não sofreu nenhuma invasão por parte de Rudhaur e Cardolan. Era fato que os dúnedain de Arthedain e seu rei Argeleb II sabiam da existência dos hobbits. O que não entra na minha cabeça era porque cargas d'água seu povo se sacrificaria para manter os Pequenos intocáveis em seu pacato pedaço de chão enquanto que seu povo era escorraçado de Eriador.

    E vale lembrar que Gandalf foi solicitar a ajuda dos Guardiões do Norte após intrigar-se pelo Anel de Bilbo encontrou nas Montanhas Sombrias. Milênios depois de todos os eventos e guerras que detonaram o reino de Arnor.
     
  15. Belladona Tûk

    Belladona Tûk Do what thou wilt shall be the whole of the law

    Se eu pudesse moraria no Condado, mas sempre daria umas fugidinhas até Bri e tambem visitaria meu amigos elfos...
    Bacana seria morar lá, cada um em sua toca e passear pelos bosques calmos, fumando um cachimbo no final da tarde, sem ter ninguem gritando: "É maconha, É maconha"... Da pra imaginar tamanha tranquilidade?!
     
  16. Finwë Fëfalas

    Finwë Fëfalas Nas Echoriath...

    Nem me fala Gra.
    Só basta colocar o filme do SdA e ver as partes que passa no Condado. Ou ler os trechos contados nos livros.
    E imaginar como seria morar num lugar desses e não precisar se preocupar com tantas coisas.
    Seria perfeito.
     
  17. Falcão Branco

    Falcão Branco Sacrifiquei um

    Ainda tenho como projeto de vida, sair da cidade grande, ou pelo menos comprar uma casa em uma cidade tranquila do sul:obiggraz:.
     
  18. Belladona Tûk

    Belladona Tûk Do what thou wilt shall be the whole of the law

    Uma das coisas que mais me atraem são as trilhas. Imagine quando você for viajar passar por aquelas trilhas magníficas!!! E dar de cara com paisagens nunca vistas por Você enquanto percorre o caminho para outro lugar...
    Falcão, é uma boa... também quero isso! Antigamente eu adoraria morar onde nao houvesse eletricidade, mas hoje não penso mais assim. Mas ainda sonho com meu casebre num bosque, em meio á um vale...
     

Compartilhar