1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Colar de Veludo

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Devotchka, 26 Out 2008.

  1. Devotchka

    Devotchka Usuário

    Paris, França pós-revolução. Uma época onde pessoas eram julgadas, condenadas e levadas à place de la Révolution para serem executadas na guilhotina, às 4h da tarde. É neste mesmo tempo que ambienta-se O Colar de Veludo, romance escrito por Alexandre Dumas.

    Hoffman é um jovem pintor, músico e poeta possuidor de uma imaginação peculiar e faculdades mentais nem sempre tão equilibradas. Na cidade alemã Mannheim, onde morava, apaixona-se pela bela Antonia, que passaria a ser sua noiva. Após ter cancelado a tão sonhada viagem para Paris com o amigo Werner, o jovem começa a ser tentado pelo desejo de ir à capital francesa. Com o consentimento de Antonia, mas não sem antes de fazer um juramento pela vida da amada, Hoffman parte em destino à cidade-luz.

    Durante o decorrer da história entramos em contato com a obsessão do rapaz pela sedutora Arsène, sua loucura, angústias, tormentos e fértil imaginação. No outro lado, há ainda a tensão que assombra a atmosfera parisense.

    O Colar de Veludo conta com uma narrativa envolvente, arrebatadora, além de um desfecho emocionante. Vale ressaltar também a presença de uma carinhosa homenagem póstuma ao escritor Charles Nodier, o homem que contou a história que o leitor leu.
    _______________________________________________________________

    Alguém já leu? O que achou?

    PS: Vale ressaltar que fiz a resenha baseada na edição da L&PM Pocket, portanto, não sei se nas outras consta esta homenagem ao Charles Nodier.
     
  2. Anica

    Anica Usuário

    Eu comecei a ler mas não fui muito longe, não. Eu adoro os livros do Dumas, mas nesse ele está MUITO descritivo com relação ao espaço, e aí fica chato e meio embromador. Aliás, eu não lembro se é o Dumas pai ou o Dumas filho que era pago por página, mas acho que esse seria o tipo de coisa que explicaria tanta encheção de lingüiça :think:

    Um dia lerei até o fim, vá saber. De repente não estava ma época certa para o livro :timido:
     
  3. Devotchka

    Devotchka Usuário

    Realmente existem algumas partes bastante descritivas. Lembro-me que, no começo, tive que re-iniciar a leitura várias vezes para poder "pegar o embalo". Mas, depois que comecei mesmo, não parei e li tudo na mesma noite (não é muito grande, também).

    Mas, enfim, Anica, quem sabe da próxima você consegue ler até o fim ou mesmo acaba gostando, heh.
     
  4. kika_FIL

    kika_FIL Usuário

    Ressucitando o tópico... eu acho que esta obra, apesar de fugir um pouco do Dumas de Os Três Mosqueteiros e O Conde de Monte-Cristo, é uma trama bem construída, que surpreende por seu final...

    mas eu sou fã mesmo (e foi a parte que mais me marcou no livro) da introdução/prefácio, no qual Dumas explica porque resolveu escolher esta maneira de narrar
     

Compartilhar