1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Circo

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Amélie, 12 Fev 2008.

  1. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Nina brinca sozinha. Desenha flores na calçada antiga, com giz de tijolo laranjado. Faz bonecas de velhos retalhos, se equilibra no meio fio, dá uma de detetive no caminho das formigas. A casa dela fica a poucas quadras de um pequeno cais, lugar de suas maiores diversões: ver o por do sol dourado, enquanto as luzes da cidade além das águas se acendem, sente o vento batendo no cabelo, e as gotas que tocam os pés, enquanto desgusta a solidão. Nina faz isso todos os dias, enquanto sua mãe adruga na rotina de um dia ter uma vida, daquelas feitas para madame boa, de bochechas coradas e bolsa de vinil.
    Um dia, em plena calmaria, se ouve gritar na multidão que o circo chegou. Nina, sempre de pés descalços, pecorre os ladrinhos cada vez menores pelos passos largos e afobados. Ela vê os traillers trazendo bichos,
    picadeiros, mágico e mulher barbada, e as barraquinhas de churros com
    goiabada, trazendo um cheiro inebriante de infãncia. Cada vez mais ansiosa, orgulhosa da nova descoberta, a menina corre para alcançar o que seus olhos querem cada vez mais ver.
    O circo pára do outro lado da colina, Nina só observa a fumaça colorida, de longe, em sua timidez. Não se aproxima. Lembra-se da mãe que diz: fique perto de casa, há muita gente malvada e não posso nunca te
    perder. A noite se aprofunda... O dia vai...
    Na manhã seguinte, Nina está decidida a buscar o viu. Sobe a colina,
    levando na mão a boneca de pano preferida, sua filhinha, a quem a
    tenda quer apresentar: - coisa de gente grande, fina... que só vendo. Ela desce ao mesmo tempo que seus olhos engrandecem, até a tela barrar. Não pode pagar, não entra pra ver, diz um palhaço com cara de bruxo. E ela senta do lado de fora, observando a volta e começa a chorar.
    Eis que cai uma frutinha na sua cabeça. Duas. Três. Não pode ser coincidencia. E um menino trapezista da sua idade, está do outro lado a lhe consolar. Nina tem um receio mas logo a simpatia toma conta. Eles conversam, conversam por horas... Nina mostra suas constelações preferidas e o amigo faz previsões da palma da mão aprendidas com uma antiga cartomante. Os dias passam, e a menina traz seus desenhos, suas tristezas, suas confidências, enquanto ele faz números de mágica e conta das aventuras na cova dos leões, e das cidades que já visitou. Um mundo que para Nina se resumia em cinco quadras.
    Ela voltava todas as tardes com novas brincadeiras que não atravessavam as grades. O explorador contava a princesa, as novas poções de alquimia que aprendia com um velho sábio do monte Kilimanjaro. Tantas brincadeiras que num mês nunca se repetiram. Ela chegava cedo, e ele só ia embora para o show das sete, quando o compromisso lhe chamava. Só queria que o dia demorasse cada vez mais a passar, mas parece que quanto mais a gente quer, mas ele teima em voar.
    Certa vez, a mãe de Nina não saiu para trabalhar para resolver alguns imprevistos. Pedia a ajuda da filha que impaciente só pensava em ver o amigo. A noite foi chegando, e o relógio batia as sete. Tarde de mais, sente horas vazias e apertadas no seu coração. Nina espera um momento de descuido, pula a janela do quarto e corre pela noite clara. Seu reflexo nos ladrilhos eram mais alaranjados, numa velocidade feroz, como quem
    desespera por aguardar um momento muito raro. Perde o fôlego, mas não desiste, e da colina as luzes do circo parecem apagadas.
    Nina olha a grade, quer pular e hesita. Respira fundo, baixa a cabeça, com os olhos tristes e brilhantes. Eis que alguém a surpreende, um gesto com o dedo que pede silêncio e sugere para que o siga pelo buraco por baixo da grade. Ela entra no picadeiro, e ele logo lhe traz uma roupa adequada: plumas e coroa, pois a lona é seu tapete real. Respeitavel público: Nina pula na cama elástica, morre de rir com a flor que-espirra-água do palhaço, e falta fôlego ao ver o globo da morte. Fazem guerra de jujuba, travam lutas com as espadas de
    mentira do faquir, e fazem caretas nos espelhos que transformam mulher em macaca. Deitam nas serragens, cansados. O amigo lhe entrega algo que gostaria de que guadasse, uma pena, e ela prende ao pescoço, e
    diz que precisa sair de fininho, sem que ninguém perceba. Amanhã nos vemos, confidencia ao pé do ouvido. Suave e doce, como um sopro na memória.
    Nina acordou com a sensação que tudo havia sido um grande sonho. Colocou a mesma roupa de brincar e correu a colina. Vento, vazio, o circo não existia ali. De repente o caminho ficou ainda mais comprido do que deveria. As casas, mais estranhas e desbotadas. Coçava seus olhos em busca de uma explicação plausível. Tudo se foi, sem ao menos se despedir.
    Nina voltou a sentar no cais, e as horas passavam na falta. E no excesso do que conseguia entender. São raros os que compreendem a solidão de ser uma criança. Apesar de outros muitos conhecerem a leve dor de se perder um amigo. É como olhar os vagalumes e saber que sua vida dura pouco, mas que sem eles a noite não seria mais a mesma. Assim, Nina pressiona a pena em suas mãos.
    Ainda agora, seus olhos que não se cansam de ver além das águas. As vezes pensa que as luzes que piscam são um recado do amigo dizendo que ainda olha por ela. Ela perde as tranças, e os traços de menina. Mas a inocência é algo que o tempo não leva jamais.
     
  2. Calimbadil Thálion

    Calimbadil Thálion We eat the wounded ones

    Eu preciso melhorar muito minha descrição.
    Vocês são muito bons nisso.
     
  3. Marco

    Marco may the force be with... wait

    Histórias envolvendo o universo circense sempre me despertam o lado nostálgico. justamente por terem esse sabor de infância, esse aspecto lúdico que nos leva a lembrar o deslumbramento de ver um circo chegando na cidade. De ver os enormes elefantes e os rugidos poderosos dos leões. A equilibrista sobre o cavalo, seguida de uma balbúrdia de palhaços espirrando confete e distribuindo flores e pisacadelas, para as moças deslumbradas.

    Contos como este me fazem lembrar da época em que o circo era uma aventura. Mais que isso, era mágico. e me faz lembrar também que todo mundo já sonhou fazer parte deste mundo. Todos já tiveram vontade de descobrir de onde o coelho da cartola vem. E porque o palhaço as vezes chora. O conto da Amélie nos leva justamente a esse mundo mágico de fumaça e espelhos. De mistérios atrás das tendas, coisas que nunca vimos, ouvimos ou sonhamos antes. Um conto magnificamente simples, como o mais magnífico show da terra!
     
  4. Calimbadil Thálion

    Calimbadil Thálion We eat the wounded ones

    Eu não parava quieto em espetáculos de circo, tinha medo de que os equilibristas caíssem.
    Mas gostava de circo do mesmo jeito :dente:
     
  5. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Que lindo Amélie, parabéns :traça:
     
  6. Caramba. Que bonito.
     
  7. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    :)

    Vou contar a história desse conto pra vcs... Ele na verdade é um roteiro de animação que fiz para um amigo... O lugar que imaginei ser o lar da Nina foi a cidade de Antonina-Pr, histórica e litorânea... Para quem conhece dá pra imaginar melhor...

    O projeto da animação na verdade não saiu... Saiu um filme (curta) com outro roteiro meu, que se chama o Regresso, que também trata de encontros feitos na infância... Vou colar em outro tópico pra vcs lerem!
     

Compartilhar