1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O "Boom" da Fantasia no mercado literário

Tópico em 'Comunicados, Tutoriais e Demais Valinorices' iniciado por Pandatur, 23 Ago 2005.

  1. Pandatur

    Pandatur Usuário

    A notícia a seguir, de autoria de Jerômimo Teixeira, foi retirada da Revista Veja - edição 1919 - ano 38 - nª 34 - 24 de agosto 2005.


    O DRAGÃO, O FEITICEIRO E AS EDITORAS

    Com seus mundos mágicos, a fantasia é um dos gêneros literários de maior
    sucesso hoje. Entre crianças e adultos.


    Com seus mais de 270 milhões de livros vendidos no mundo todo, a escocesa J.K. Rowling lançou uma febre internacional de livros povoados por bruxos e outras criaturas mágicas. A moda foi consolidada com a adaptação cinematográfica de O Senhor dos Anéis, que fez aumentar o interesse pela saga sempre em voga do inglês J.R.R. Tolkien. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, episódio de As Crônicas de Nárnia, de C.S. Lewis (não por acaso um grande amigo de Tolkien), outra obra clássica do gênero, deve seguir o mesmo caminho – o filme chega ao cinema em dezembro, com todo o elenco de centauros, faunos e monstros do livro. Os puristas torcem o nariz para quem alinha a "popularesca" J.K. Rowling aos eruditos Tolkien e Lewis, que foram colegas na tradicional Universidade Oxford. Mas a literatura dos três guarda um elemento em comum: a criação de um universo paralelo, no qual certas leis que regem o prosaico mundo do leitor são alteradas. Dois bem-sucedidos representantes dessa literatura de fantasia – um nicho de mercado bem estabelecido na Inglaterra e nos Estados Unidos – estão chegando às livrarias brasileiras nesta semana. Na linha "épica" de O Senhor dos Anéis, Eragon (tradução de Nelson Rodrigues Pereira Filho; Rocco; 480 páginas; 39,50 reais), do americano Christopher Paolini, cria um país encantado no qual um rapaz de 15 anos – acompanhado de seu dragão – luta contra a tirania de um império do mal. Jonathan Strange & Mr. Norrell (tradução de José Antonio Arantes; Companhia das Letras; 824 páginas; 55 reais), da inglesa Susanna Clarke, conta a história de dois magos que atuam na Inglaterra do início do século XIX – o livro já foi anunciado como um "Harry Potter para adultos".

    "A fantasia, com suas aventuras heróicas por terras que nunca existiram, é talvez a forma mais antiga de narrativa. Aparece em todos os contos folclóricos", diz Paolini. No século XX, foi no Reino Unido de Tolkien e Lewis que o gênero criou uma tradição mais vigorosa – que continua aí: alguns dos autores contemporâneos mais incensados do gênero, como Philip Pullman e Terry Pratchett, são britânicos. Segundo a Book Marketing, empresa especializada em dados do mercado livreiro britânico, em 2004 a fantasia respondeu por 3% do faturamento do segmento de livros adultos e 12% do de infantis, com negócios da ordem de quase 400 milhões de reais (esses números devem crescer neste ano, com o lançamento do sexto volume da série Harry Potter). Alguns autores são objeto de cultos organizados. Na semana passada, a Universidade Aston, em Birmingham, Inglaterra, sediou um encontro de leitores de Tolkien, com direito a discussões acadêmicas e, para descontrair, danças típicas dos hobbits. Existe até rivalidade entre os diferentes fã-clubes: os participantes do encontro dedicado a Tolkien mostravam certo desdém por Terry Pratchett, criador de outro universo mágico na série Discworld (os livros de Pratchett são lançados no Brasil pela Editora Conrad).

    Paolini e Susanna, os dois autores que chegam agora ao Brasil, ainda não contam com essa tietagem. Mas já alcançaram um sucesso considerável: lançado nos Estados Unidos em 2003, Eragon vendeu 4 milhões de exemplares em 38 países, enquanto Jonathan Strange, lançado no ano passado, chegou a 700.000 só nos Estados Unidos e na Inglaterra. Paolini é um autor precoce: hoje com 21 anos, começou a escrever sua história de amizade entre um dragão e um guerreiro adolescente aos 15. Com a ajuda da família, fez uma edição caseira da obra, que acabou captando a atenção de uma grande editora – e de um grande estúdio de cinema: a Fox deve lançar o filme em 2006. "Sempre sonhei em ver meu livro transportado para a tela", diz o autor. Susanna, 46 anos, levou dez anos escrevendo seu livro – cujo sucesso já permitiu que ela largasse o emprego de editora de publicações de culinária. Com notas de rodapé que remetem a livros falsos, referências históricas às guerras napoleônicas e uma ironia muito inglesa, Jonathan Strange é um tanto mais refinado do que a maioria dos lançamentos do gênero. A autora já anda pensando em uma continuação para a história dos dois magos ingleses. Paolini, aliás, está lançando nos Estados Unidos o segundo livro do que promete ser uma trilogia sobre o personagem Eragon. Ao lado dos sortilégios em línguas estranhas e das criaturas sobrenaturais, essa é uma das mais consagradas – e lucrativas – convenções da literatura de fantasia: todo livro tem sua continuação.


    Obrigado ao
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    pela dica, e à
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , por conseguir a reportagem pra gente!
    =]
     
    Última edição: 23 Ago 2005
  2. Ispaine/Estus

    Ispaine/Estus Ohtari Parmaron

    É uma pena que a reportagem não fale nada sobre escritores brasileiros, ou que as editoras estão apostando na produção nacional ao invés de apenas ficar importando.

    Poderiam ter mencionado outros livros, sei lá, como O Segredo da Guerra...:mrgreen:
     
  3. Pandatur

    Pandatur Usuário

    reclama com eles, Ispa. =]
     
  4. Gandalf The Black

    Gandalf The Black Vivo-Vivo

    É, acho que vc, como o escritor, tem direito de dizer alguma coisa pra eles!
    Manda um livro pra ele! :think:
     
  5. Smaug

    Smaug Cacho

    Eu até gostei da reportagem, pois o Jerômimo Teixeira mostra-se neutro, não elogiando uma obra mais que a outra...

    E Ispaine, entra em contato sim com o jornalista, eu acho válido, e quem sabe estará ele falando mais adiante sobre obras também brasileiras. Sempre há esprança, hehehe...
    Mas tente com outras revistas também =]
     
  6. Fosco Cachopardo

    Fosco Cachopardo Ghost of Perdition

    Eragon está fazendo bastante sucesso. A adaptação pro cinema da obra já está em produção e conta com alguns grandes nomes no elenco.

    O outro livro eu não tinha ouvido falar, mas parece bastante interessante.
     
  7. leoff

    leoff They will bend the knee or I will destroy them.

    O segundo volume, sucessor de Eragon, tirou Harry Potter and The Half-Blood Prince do topo dos mais vendidos!!! Impressive...
     
  8. Morpheu

    Morpheu Chato

    Há uma reportagem muito semelhante na última edição da Época. Os jornalistas talvez se comuniquem telepaticamente...

    Enfim, o melhor foram as comparações com SdA: mostraram o mapa de uma tal série Deltora, que me fez levantar da cama, pegar o livro de Tolkien, abrir em seus mapas e rir por uns bons cinco minutos; e uma outra, um tanto infeliz: "Como Tolkien, que criou um idioma em O Senhor dos Anéis, Paolini usou o norueguês medieval para a linguagem dos elfos". Ouch.
     
  9. leoff

    leoff They will bend the knee or I will destroy them.

    Dei uma fuçada nos reviews de leitores da Amazon e "Eragon", apesar de bem cotado, recebeu severas críticas de alguns, muito melhor fundamentadas que os elogios. Resumindo: é um livro impressionantemente bem escrito... para uns rapaz de 15 anos. Tem um monte de clichês (SDA em especial) e não consegue ter estilo próprio.

    Por outro lado "Jonathan Strange & Mr. Norrell" me parece muito mais interessante. Nem chega a ser uma fantasia, mas uma história fantástica que se mescla com crítica de costumes, humor inglês e romance histórico. Já encomendei minha cópia.
     
  10. Snaga

    Snaga Usuário não-confiável!!!

    Eu gostei da matéria!
    O Smaug falou que o jornalista foi neutro (e realmente foi), mas, ainda assim, ele deixou bem claro que tudo tem influencia de Tolkien, ainda mais depois dos filmes.

    E, Ispa, pressiona eles a fazerem uma matéria só sobre fantasia nacional!!!
     
  11. WaneArwen

    WaneArwen Usuário

    poxa, que bacana!!!!! Adoro esses livros, meu namorado é mega fã...
    e sou a favor do incentivo da galera aí que s emanifestou sobre os artistas brasileiros... acho de um tudo!
     
  12. liteeliniel

    liteeliniel Usuário

    bom fazer o q neh? livro phoda eh livro phoda!
    mais poxaaa fazer filme.... e tradução... ahhh meu nem curto issu pq depois vira modinha /o\
     

Compartilhar