1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

O Assassino das Covas

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por LucasCF, 13 Jan 2009.

  1. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Toda noite Júlio acabava de jantar e ia dormir. Ele dormia bem cedo, antes da primeira estrela expor-se no escuro da noite. Sua mãe chamava-lhe atenção várias vezes para o fato de que dormir logo depois de alimentar-se não faria bem para sua saúde. Não tinha jeito, Júlio gostava muito de dormir. Os carrinhos que ele ganhou, desmontou e jogou na lixeira; Televisão não era de seu agrado e odiava conversar com a família. Ele gostava muito é de estudar, e seu sonho era ser policial.

    O único dia da semana em que por algumas horas Júlio sentava-se na frente do televisor era Sábado, já que era nesse dia que sua mãe alugava um filme policial na velha locadora da esquina. A locadora era muito mal cuidada, a pintura estava meio desgastada, as prateleiras danificadas, mas aquela era a melhor para filmes policiais. John era velho dono da antiga locadora, muito simpático e brincalhão. Fora policial durante grande parte da sua vida, e um pouco depois de se aposentar herdou de seu pai (que estava quase para morrer) uma livraria já centenária. John não era um grande fã de livros, e logo depois da morte de seu pai, vendeu todos os livros que conseguiu, e doou o restante à biblioteca para um colégio da vizinhança. Logo depois começou a comprar filmes e mais filmes, gastando grande parte de seu dinheiro. Comprou todos os filmes policiais possíveis. Havia várias locadoras no bairro, mas aquela era conhecida como a que tinha mais filmes policiais.

    Aos sábados, Júlio acordava sua mãe às 9h 30 em ponto, elétrico e ansioso para o filme do dia e já com banho tomado. Esperava impacientemente sua mãe tomar banho sentado em um banquinho que seu avô havia feito para ele quando era vivo.

    Às 9h 59, Júlio e sua mãe esperavam John abrir às 10h. O velho já estava com o filme do dia em mãos. Algumas vezes, Júlio ficava mais um pouco para ouvir histórias de quando John era policial. Então, ele passava o Sábado assistindo ao filme, algumas vezes mais de uma vez.

    Na escola, Júlio era muito mal tratado, não tinha um único amigo. Hematomas e queimaduras nas costas apareciam misteriosamente todos os dias. Mas o dia que mudou toda a vida dele, foi o dia em que os colegas cavaram um buraco que forraram com folhas. Atraíram Júlio até lá e depois fecharam o buraco deixando-o enterrado do peito para baixo.

    Ontem de noite, no horário em que Júlio costumava dormir, foi finalmente preso o Assassino-Coveiro. Ele estava vestindo uma farda policial e foi pego enterrando um executivo morto até o pescoço. Foi comprovado hoje que as sete pessoas que foram encontradas mortas e enterradas até o pescoço foram colegas de sala de Júlio no ensino fundamental.


    -------------------------------------------------------------------

    Continuando com as tentativas de escrever um conto por dia ao menos... É impressão minha ou os contos só estão piorando. ao invés de estár evoluindo, parece que estou piorando. :D
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    lembrou os primeiros contos q escrevi, onde sempre eu procurava dar uma reviravolta no final sobrecarregada de dramaticidade. hehehehe

    ficou bom, mas se vc fizesse uma revisãozinha, ficaria melhor. segundo o livro Oficina de Escritores, o segredo da 1ª revisão é diminuir 10% do tamanho do texto original. isso vai forçar a vc pensar em como dizer algo com menos palavras, sendo mais objetivo e conciso. então, se o seu texto tiver 500 palavras, dê um jeito de cortar 50! e assim em diante.
     
  3. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Obrigado JLM. :D
     
  4. imported_?

    imported_? Usuário

    Desde o início pensei "isso não vai acabar bem". :rofl:

    Odeia conversar com os pais, não gosta de brinquedos nem de tv...
     
  5. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Ficou bom, Clover? :D

    Ah, e além disso, o título entregou, né não?
     
  6. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Gostei do começo, só me perdi no final, acho que merecia mais destaque.
    A idéia está legal =]
    E não se estresse em fazer contos bons, pois se começar a escrever com isso na cabeça, a imaginação trava.
    Eu não escrevo, mas quando estou estudando eu tenho que relaxar, e não ficou pensando, agora eu tenho que estudar mais e tal...
    só sento e estudo...a atividade tem que te trazer prazer ^^
     
  7. LucasCF

    LucasCF Usuário

    valeu.
     
  8. Sorel

    Sorel Usuário

    Mais um conto criativo teu! Haja idéia =P

    opinião pessoal: não gosto de o pronome possessivo "seu". falha grave da língua portuguesa. Quando falam seu, não sei se é meu ou dele, ou ainda teu. O seu é uma palavra sem sentido, pra que usar se vc tem que usar o contexto te dizer de quem que é a coisa? Se o contexto já diz, é melhor que a palavra se cale =D. Raras são as ocasiões em que "seu" fica legal, pra mim. E a grande maioria delas ocorre quando essa palavra precede um nome. Tipo "Seu Jorge".

    Revisar é sempre uma boa idéia, guardar o texto por um bom tempo e ler depois também. Mas é isso aí cara, vc tá melhorando sim! Jás tá usando o mais-que-perfeito sintético de maneira certa. Com ctza é esse o caminho :sim:
     
  9. LucasCF

    LucasCF Usuário

    Obrigado.
     
  10. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Boa dica p/ o meu vestibular =D
     
  11. imported_?

    imported_? Usuário

    Sim, o título entrega, não tem jeito. :P
     

Compartilhar