• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Nova entrevista do Christopher Tolkien

Ilmarinen

Usuário
Estou postando aqui a versão google traduzida da entrevista em francês, servicinho muito bom provido pelo Google Chrome.

Tá, é ruim pra dedéu, mas, pelo menos, dá uma idéia do que está no original para aqueles que, infelizmente, como eu, não são fluentes no francês.


Tolkien, o anel da discórdia
Do mundo cultural e IDÉIAS |2012/07/09 às 12:42 • Atualizado 2012/07/09 às 12:42

Por Raphaelle Rérolle

Inscrever-se
15 € / mês Reagir Classificar Imprimir EnviarCompartilhar facebook Twitter + google linkedin


Este é um caso raro, para não dizer excepcional em uma época em que a maioria das pessoas iria vender sua alma para fazer sobre eles, Christopher Tolkien não foi expressa nos meios de comunicação , por quarenta anos. Sem manutenção, nenhuma declaração, nenhuma conferência - nada. A decisão sobre a morte de seu pai, autor do famoso Senhor dos Anéis ( O Senhor dos Anéis , três volumes publicados em 1954 e 1955) e um dos escritores mais lidos no mundo, com cerca de 150 milhões de libras vendidos e traduções em 60 idiomas.
Caprice? Certamente que não. A 87 year-old filho de John da Grã-Bretanha Ronald Reuel Tolkien (1892-1973) é o homem a quem se pede mais. Um Inglês distinto, com uma ênfase muito classe alta, que se instalou em 1975 no sul da França com sua esposa Baillie e seus dois filhos. Então, casualmente? Menos ainda. Durante todos esses anos de silêncio, sua vida foi uma labuta incessante, difícil, quase hercúleo sem precedentes por parte do trabalho, que ele é o executor literário.

Uma forma de trabalho universo paralelo VOLTA

Não, o sujeito orgulhoso de Christopher Tolkien tem outra causa: a abertura estonteante, quase um abismo que se abriu entre os escritos de negócio do seu pai e sua posteridade, no qual ele não reconhece. Especialmente desde a Nova Zelândia cineasta Peter Jackson filmou o Senhor dos Anéis, três filmes de sucesso fenomenal entre 2001 e 2003. Conforme os anos passaram, uma espécie de universo paralelo foi formado em torno da obra de Tolkien. Um mundo brilhante de imagens e figuras, coloridas pelos livros de culto, mas por vezes muito diferente deles, como um continente se afasta do que ele se libertou.

Este mercado galáxia agora pesa vários bilhões de dólares, muitos dos quais não retornar aos herdeiros. E complica a gestão da herança de uma família de não-polarizados imagens ou objetos, mas no respeito pelos textos de Tolkien. Por um curioso paralelo, a situação repete o enredo de O Senhor dos Anéis , onde tudo, desde um problema de herança: Frodo Bolseiro , o herói recebe o anel do envelhecimento herói Bilbo mágico famoso cuja posse aguça os desejos e infelicidade causas.

Hoje, poucos meses antes do lançamento de um novo filme de Peter Jackson (12 de dezembro), inspirado desta vez de O Hobbit (1937), Tolkien se preparando para fazer negócio com o estresse de todos os tipos, e novos crescimentos do trabalho. "Nós vamos ter que compilar barric ades ", anunciou Baillie em um sorriso .

AN "DESESPERO INTELECTUAL"

Antes disso, porém, e exclusivamente, Christopher Tolkien concordou em considerar este legado para Le Monde . Uma herança que tem sido o trabalho de uma vida, mas também se tornou a fonte de um certo "desespero intelectual" . Porque no fundo, a semente de JRR Tolkien é tanto a história de uma transmissão extraordinária literária entre pai e filho e que de um mal-entendido: os trabalhos mais famosos, aqueles mascarados o resto, n ' os olhos eram de um epifenômeno do autor.

Um cantinho do vasto mundo de Tolkien que ele mesmo vendeu, pelo menos em parte. Em 1969, o escritor vende em vigor no estúdio de Hollywood United Artists Rights Film e produtos para O Hobbit e O Senhor dos Anéis . A transação está avaliada em 100.000 libras, um preço considerável para a época, mas insignificante quando sabemos o que aconteceu.

Este montante deve permitir que as crianças ao escritor para liquidar a sua herança futura. Tolkien antecipa a operação, porque os impostos são muito pesados ​​na Inglaterra depois de Trabalho. Além disso, ele teme que as mudanças nas leis norte-americanas não são copyright de seus descendentes com problemas. Ou Senhor dos Anéis sabe muito rapidamente pela tempestade, incluindo o dos Estados Unidos .

Esta é a exceção de Oxford, onde os críticos de seus colegas afetam grandemente o escritor, era o general fugitivo. "Loucura Tolkien foi bastante semelhante ao desenvolvido em torno de ' Harry oleiro", observa Vicente Ferr professor, e em Paris-XIII, que tem um dicionário Tolkien a ser publicada no outono. Na década de 1960, O Senhor dos Anéis se tornou um símbolo da cons- crescente , particularmente nos Estados Unidos. " A história, que de um grupo de pessoas que se rebelam contra a opressão, em um estabelecimento tingida com a fantasia, serve como uma bandeira para os esquerdistas, especialmente no campus de Berkeley, Califórnia. "

Na época da guerra no Vietnã , vemos as mesmas flores slogans como "Gandalf presi dente ", o nome do velho mágico que aparece no romance, ou "vida Frodo" . Registe que a lenda tem uma vida difícil, adesivos satíricas também foram impressos novamente na segunda guerra no Iraque : "Frodo falhou, Bush tem o anel."

RETIRO FRANCÊS

Mas, para além de O Hobbit e O Senhor dos Anéis , Tolkien publicou relativamente pouco durante sua vida. Nada, em qualquer caso que tem tido o sucesso de seus dois best-sellers. Quando ele morreu, em 1973, continua a ser uma mão gigantesca sem precedentes: O Hobbit e O Senhor dos Anéis são apenas episódios de uma história imaginária que abrange milênios. Esta mitologia, em parte, desarticulado, Christopher Tolkien vai realizar para que emergem em uma abordagem muito incomum. Em vez de simplesmente textos já publicados, ele abordou um trabalho de exumação literária desperta nele uma paixão: apenas a ouvir em falar no convencer .

É em casa, em um cenário de pinheiros e oliveiras, que recebe com uma delicadeza desarmante. Deve ainda encontrar o lugar, ainda melhor do que um Hobbit oculto. Para fazer isso, proporcionar uma robusta e auto suficientemente elevada. Uma boa distância da vila, tomar um ocre longa estrada de terra, então, se empurrar entre árvores de grande porte antes de notar uma casa-de-rosa, entre duas colisões. A casa está situada no meio de flores silvestres, e bela, sem quaisquer atributos que indicam grandes fortunas. Este ambiente é calmo e como estando fora do tempo, exatamente como os seus ocupantes.

Alguém que vive lá é o terceiro dos quatro filhos de JRR Tolkien E o último sobrevivente, com sua irmã Priscilla. Christopher é o executor de seu pai e CEO de Tolkien Estate , empresa que administra a propriedade. Fundada em 1996, a empresa britânica distribui royalties de direitos autorais para os herdeiros, para saber dele, sua irmã Priscilla, seis netos e onze bisnetos de JRR Tolkien. A estrutura em si, bastante pequeno (tem apenas três funcionários, incluindo Adam, o filho de Christopher e Baillie), é assistido por um escritório de advocacia Oxford. Ele também inclui um braço filantrópico, o Tolkien Trust , direcionadas principalmente para os projectos humanitários e educacionais.

Mas, desde sua aposentadoria como Christopher Tolkien francês trabalha em seus livros e responde a solicitações. A decoração é simples e acolhedora, feita de livros e tapetes, cadeiras confortáveis ​​e fotos da família. Em uma delas, precisamente, JRR Tolkien, seu filho mais velho dois anos, sua esposa e, nos braços de sua mãe, um bebê chamado Christopher. Aquele que será, sem dúvida, desde o início, o público mais receptivo ao trabalho de seu pai. E mais sobrecarregados, em seguida, pela sua evolução.

AN Inouie IMAGINAÇÃO

O mal-entendido começou com O Hobbit , meados dos anos 1930. Até então, Tolkien publicou um ensaio altamente aclamado em Beowulf , o poema épico escrito e cheio de monstros na Idade Média . Sua ficção, que começou durante a Primeira Guerra Mundial, manteve-se no subsolo. O homem era um lingüista brilhante, especialista em Inglês Antigo, professor em Oxford e tem uma imaginação incrível. Toda a sua paixão por línguas, que ele tinha inventado várias, e, em seguida, ele construiu um mundo para o abrigo . Para o mundo, apenas não ouvir histórias, mas uma história, geografia, costumes, em um curto cosmogonia completa que servirá como cenário para suas histórias.

Mas O Hobbit sabe desde o início, em 1937 um grande sucesso, a crítica pública muito. Tanto é assim que o editor da época, Allen and Unwin, depois de afirmar que um clamor público. Tolkien, ele mesmo, não tem vontade de continuar nessa linha. No entanto, tem uma narração quase completa dos primeiros tempos de seu universo, que ele intitulada O Silmarillion . Muito difícil, decretou que a editora continua a assediar . O escritor então aceita, com alguma relutância, para lançar uma nova história. Na verdade, ele agora está pedindo a pedra fundamental do que viria a ser O Senhor dos Anéis .

Mas O Silmarillion não deixa sua mente, nem a de seu filho. Porque as primeiras memórias de Christopher Tolkien relacionada com esta história das origens que o pai havia compartilhados com seus filhos. "Por mais estranho que possa parecer, eu cresci no mundo que ele havia criado, ele diz . Para mim, as cidades do Silmarillion tem mais realidade do que a Babilônia. "

Em uma prateleira na sala, perto da bela virou cadeira de madeira em que Tolkien escreveu O Senhor dos Anéis , há um banquinho pequeno coberto com uma tapeçaria em demasia. Isto é onde Christopher sentou-se na idade de 6 ou 7 anos, para ouvir as histórias de seu pai. "À noite, ele lembra, ele entrou no meu quarto e me disse, de pé junto à lareira , grandes histórias, que de Beren e Lúthien, por exemplo. Tudo o que parecia interessante foi a partir de sua maneira de olhar para as coisas. "

O escrivão, e que a criança Cartógrafo

A partir da idade de concurso , ele vai assistir a cada dia este mundo tão fascinante, que rapidamente torna-se tanto o escrivão e cartógrafo. "Meu pai não tinha meios para pagar um secretário, diz ele. C ' Fui eu quem estava escrevendo essas histórias [] na máquina e desenhou os mapas que desenhou espaços em branco. "

Aos poucos, no final de 1930, O Senhor dos Anéis toma forma . Engajado na Royal Air Force, por Christopher em 1943, um Sul-Africano, onde recebe todas as semanas, uma longa carta de seu pai, bem como episódios da novela em andamento. "Eu era um piloto de caça. Quando Caí, eu estava lendo cada capítulo ", diz com diversão, enquanto apontava para uma carta em que seu pai lhe pede conselhos para a formação de um nome próprio.

A primeira coisa que ele se lembra de ter experimentado com a morte de seu pai, é o sentimento de uma responsabilidade pesada. Nos últimos anos de sua vida, Tolkien tinha dado a Silmarillion , tentando em vão introduzir alguma ordem em sua conta. Para a redação de O Senhor dos Anéis , com elementos emprestados antes de sua mitologia, levou a inconsistências e anacronismos em O Silmarillion . "Tolkien não poderia fazê-lo" , diz Baillie, que foi por algum tempo, o assistente do escritor e, mais tarde, o editor de um de seus livros, intitulado Cartas de Santa . " Ele foi preso em detalhes cronológicos, ele reescreveu tudo, foi se tornando cada vez mais complexo. " Agora, entre pai e filho, entendeu-se que Christopher assumiria se o escritor morreu sem ter conseguido seu objetivo.

AN PRESQU'ENGLOUTI ARQUIPÉLAGO

Por isso, é com ele qu'atterrissent os papéis de seu pai, após a morte: 70 caixas de arquivo, cada um recheado com milhares de páginas inéditas que Tolkien deixou para trás. Histórias, histórias, palestras, poemas de 4000 a mais ou menos completos, cartas e até cartas. Tudo em uma doença terrível: quase nada é datado ou numerada, tudo é preenchido a granel, em caixas.

"Ele costumava viajar entre Oxford e Bournemouth, onde se hospedava com frequência , diz Baillie Tolkien . Quando ele saiu, ele colocou os braços cheios de documentos em uma mala que ele era inseparável. Quando eles chegaram ao seu destino, ele passou a ter uma folha de forma aleatória, e deixar esta folha aqui! " cereja no topo do bolo, por assim dizer , as páginas do manuscrito são quase indecifráveis, como a escrita é apertado.

No entanto, este incrível bric-a-brac, há um tesouro não só o Silmarill ion, mas as versões muito completas de todos os tipos de lendas mal visto em O Hobbit e O Senhor dos Anéis . Um arquipélago quase engoliu em que Christopher ignorou a parte existência. Em seguida, engata a segunda vida do trabalho - e que de Christopher. Ele demitiu-se do New College Oxford, onde foi, por sua vez tornou-se professor de Inglês Antigo, e começou a publicar textos paternal. Ele saiu sem se arrepender dos recintos da universidade, mesmo indo (para lembrar , o seu olho ainda brilha) para jogar em uma chave do mato atribuída a cada professor e que devem apresentar no final do ano durante uma cerimônia ritual.

Inglaterra primeiro, em seguida, em França, ele reagrupa as partes do Silmarillion , faz com que o conjunto coerente, adiciona tornozelos aqui e acolá. E publica tudo, em 1977, com um leve remorso. "Imediatamente pensei que o livro era bom, mas um pouco errado, pois eu tive que inventar alguma passag arte ", diz la. Na época, ele ainda fez um sonho desagradável: . "Eu estava no escritório do meu pai, em Oxford, entrou e começou a procurar . algo com grande ansiedade Então eu percebi com horror que s ' foi o Silmarillion, e eu estava com medo de que ele descobriu que eu tinha feito. "

Enquanto isso, a maioria dos manuscritos que ele tinha trazido para a França, amontoados na traseira de seu carro, teve que tomar a estrada para Oxford. A pedido do resto da família, preocupado que essa migração, os documentos saem como eles vieram de carro, para a Biblioteca Bodleian, onde eles estão atualmente detidos e que está sendo digitalizado. Portanto, é em fotocópias que Christopher começou a perseguir , com grande dificuldade. Impossível, por exemplo, é orgulho para mudanças nas cores de tinta ou textura de papel para tentar a data dos documentos. "Mas eu tinha a sua voz no ouvido" , diz Christopher Tolkien. Desta vez, ele irá tornar-se , diz ele, "o trabalho do historiador, seu intérprete" .

"UM MUNDO NA ENTRADA DO MOBILIÁRIO DO MUNDO OCIDENTAL MENTAL"

Dezoito anos, ele vai trabalhar duro na History of Middle-earth, titanic edição em doze volumes de rastreamento da evolução do mundo de acordo com Tolkien. "Todo o tempo, vi-o entrar três dedos em uma máquina antiga que tinha pertencido a seu pai, sua esposa observou. podiam ser ouvidos ao final da rua! " É uma mina de literatura, mas também uma tarefa meticulosa que Christopher esgotados para fora para não dizer deprimido. Independentemente disso, ele não pára por aí. Em 2007 ele publicou Os Filhos de Hrin , romance póstumo de Tolkien recomposto a partir do material publicado anteriormente aqui e ali, que vendeu 500.000 cópias em Inglês e foi traduzido para 20 idiomas.

Embora esta nova geografia literária surgiu a partir de sua velha máquina de escrever, o universo de Tolkien também proliferaram fora, de forma totalmente independente. Porque mesmo antes de seu desaparecimento, o poder da imaginação de Tolkien não demorou muito para fazer pequeno, forte e turbulento. "A plasticidade desses livros explica seu sucesso , diz Vincent Ferré. É uma obra-mundo, em que Os leitores podem entrar e se tornar atores, por sua vez. "

A influência do escritor é o primeiro sentido no campo literário, onde seus projetos, reavivaram um gênero que remonta ao XIX th fantasia século. A partir da década de 1970 e especialmente 1980, uma fantasia repleta de muito "tolkiénisme" desenvolve contra o pano de fundo de cenário lendário, elfos e magia dragões, e luta contra as forças do mal. Seu mundo, "como os contos de fadas dos Irmãos Grimm no século anterior, entrou no mobiliário mental do mundo ocidental" , escreve o inglês Thomas Alan Shippey por traduzir em um ensaio dedicado ao escritor.

Em França como em outros lugares, muitas editoras estão investindo neste mercado particularmente lucrativo: mais de 4 milhões de cópias vendidas só em 2008. Pode-se citar , entre outras sagas fora na década de 1970, As Crônicas de Thomas Covenant (1977), Stephen R. Donaldson.

Estados Unidos primeiro, depois em todos os países da Europa e até da Ásia, o gênero vai se tornar uma grande indústria , logo caiu nas histórias em quadrinhos, RPG e jogos de vídeos , filmes e até mesmo música , com o rock progressivo. A partir da década de 2000, o "fan fiction" emergente na internet, cada contribuinte será a habitar o mundo criado por Tolkien. Senhor dos Anéis se transforma em uma espécie de entidade autônoma, vivendo sua própria vida. Ele inspira por exemplo George Lucas , o autor da série Star Wars , cujo primeiro filme foi lançado em 1977. Ou o grupo de rock Led Zeppelin , que incorporou as referências ao romance em várias músicas, incluindo The Battle of Evermore .

Mas nada disso realmente move a família, como filmes de Peter Jackson não foram estabelecidas. Esta é a saída da primeira trilogia, em 2001, que altera a natureza das coisas. . Primeiro, ter um enorme efeito sobre as vendas de livros "Em três anos, de 2001 a 2003, ele vendeu 25 milhões de cópias de O Senhor dos Anéis - Inglês 15 milhões e 10 milhões em outros línguas. E no Reino Unido as vendas cresceram 1000% após o lançamento do primeiro filme da trilogia, A Sociedade do Anel " , confirma David Brawn , o editor da HarperCollins Tolkien, que detém os direitos sobre o mundo de fala Inglês com exceção dos Estados Unidos.

Um efeito de contágio

De forma relativamente rápida, no entanto, a estética do filme, projetado em Nova Zelândia pelo famoso ilustrador Alan Lee e John Howe, ameaçando engolfar a obra literária. Esta iconografia inspira mais videogames , e com isso surgem os produtos. Logo, um efeito de contágio, este não é o livro que se tornou uma inspiração para escritores de fantasia, mas o filme do livro, e jogos do filme, e assim por diante.

Esse frenesi empurra os advogados da família Tolkien colocar seus narizes no contrato. Ele prevê que o Tolkien Estate deve atingir um percentual das receitas, desde que os filmes são beneficiários. A bilheteria é enlouquecedora, advogado do Tolkien vai sacudir a poeira do contrato e pedir a sua parte para a New Line , o produtor americano de filmes, que comprou os direitos de filmagem de O Senhor dos Anéis e O Hobbit . E então, surpresa, ironicamente diz Cathleen Blackburn , advogado Tolkien Estate, Oxford: "Esses filmes tão popular fez nenhum benefício aparente Estávamos seus balanços indicam que os produtores não eram um centavo Tolkien Estate ...!"

O caso corre entre 2003 e 2006, depois começa a s ' veneno . Advogados da família Tolkien, Tolkien Trust e os da editora HarperCollins exigiu US $ 150 milhões em danos e um direito de inspecionar as adaptações próximos de obras de Tolkien. Precisamos de um processo legal para alcançar um acordo em 2009. Os produtores vão pagar 7,5% de seus lucros em Tolkien Estate, mas disse que o advogado, que não quer dar nenhum número, "é muito cedo para ser capaz de dizer o quanto isso vai representar no futuro " .

No entanto, o Tolkien Estate nada pode fazer sobre a maneira como a New Line adapta os livros. No futuro filme sobre hobbits, por exemplo, os telespectadores vão descobrir que os personagens de Tolkien nunca são desenvolvidas, incluindo as mulheres. O mesmo vale para os produtos, que variam de pano para caixas de nuggets, por meio de uma infinita variedade de brinquedos, papelaria, camisetas, jogos, etc. Não apenas os títulos de livros, mas todos os nomes de seus personagens que se tornaram marcas registradas.

"Estamos na parte de trás do v oiture ", diz Cathleen Blackburn. Em outras palavras, nada mais a fazer do que assistir a paisagem - exceto em casos extremos. Quando chegou, por exemplo, para impedir a utilização do nome "O Senhor dos Anéis" em máquinas caça-níqueis em Las Vegas, ou a criação de parques temáticos. "Conseguimos provar que nada no contrato inicial, não fornecer esse tipo de exploração ation ", concluiu o advogado.

A "SCOPE FILOSÓFICA reduzido a nada"

"Eu poderia escrever um livro sobre os pedidos estúpidos que foram feitas para mim" , suspira Christopher Tolkien. Destina-se a proteger a obra literária do grande Barnum que se desenvolveu em torno dela. Em geral, o Tolkien Estate recusa quase todas as aplicações. "Normalmente , explica Adam Tolkien , os executores quer promover o trabalho de acompanhamento. Nós, o oposto é verdadeiro. Queremos a esclarecer o que é não Senhor dos Anéis ".

Se o desenho animado americano Senhor dos Beans ("O Senhor dos Beans") não poderia ser evitada, sua versão em quadrinhos, pelo contrário, foi preso pelo Tolkien Estate. Mas essa política não colocar a família no abrigo de uma realidade: o trabalho agora pertence a um grande público e culturalmente muito diferente do escritor que o projetou. Convidado para atender Peter Jackson, a família de Tolkien preferiu declinar. O que fazer ? "Eles destruiu o livro, fazendo um filme de ação para 15-25 anos de idade , Christopher pena. E parece que O Hobbit será da mesma laia. "

O divórcio é sempre reativada pelos filmes. "Tolkien tornou-se um monstro, devorado por sua popularidade e absorvido pelo absurdo da vez, Christopher Tolkien observa com tristeza. O fosso alargado entre a beleza, a gravidade da o trabalho, e que tornou-se, é além de mim Este nível de comercialização reduz a nada o significado estético e filosófico deste trabalho que eu tenho apenas uma solução:.. transformar . a cabeça "

Difícil dizer quem ganhou nesta batalha entre o cumprimento surdo com a letra e popularidade. E, finalmente, tem o anel. Uma coisa é certa: passo a passo, uma grande parte da obra de JRR Tolkien está agora fora de papelão, por meio da persistência infinita de seu filho.

Raphaelle Rérolle

Um legado é ainda histórias
Isso se torna uma obra após a morte de seu autor ou seu intérprete? De um certo grau de celebridade, a questão do legado vai muito além de problemas familiares estritamente. Entre os beneficiários, que tendem a controlá-lo zelosamente, e todos os que são inspirados pelo trabalho, admirar ou tentar fazer um lucro, a propriedade é um monte de problemas financeiros, moral, intelectual .
É para entrar na fábrica da posteridade que o suplemento de Artes e Ideias Mundo oferece, durante todo o verão, uma série de investigações sobre a herança de vários criadores de XX º século de estatura internacional.
Curso de JRR Tolkien
3 de janeiro de 1892 Nascido em Bloemfontein, África do Sul.
1916 Casamento e partida para a França, a Força Expedicionária Britânica.
1924 Nascimento de Christopher, seu terceiro filho.
1925 Professor de Inglês Antigo em Oxford.
1936 Publicação de uma conferência intitulada "Beowulf, monstros e críticos."
1937 Publicação de O Hobbit .
1954-1955 Publicação de O Senhor dos Anéis .
1962 Publicação da coleção de poesia As Aventuras de Tom Bombadil .
02 de setembro de 1973 morreu aos 81 anos.
Bibliografia
O Hobbit , de JRR Tolkien (Christian Bourgois, 2001). Traduzido por Francisco Ledoux.
O Hobbit (Christian Bourgois, 2004). Ilustrado por Alan Lee.
O Hobbit Anotada (Christian Bourgois, Setembro próximo 6). Nova tradução de Daniel Lauzon.
O Senhor dos Anéis (Christian Bourgois, 2001). Traduzido por Francisco Ledoux.
O Silmarillion (Christian Bourgois, 2005). Traduzido por Peter Alien.
História da Terra Média (Christian Bourgois), 5 volumes traduzidos.
Cartas de JRR Tolkien (Christian Bourgois, 2005). Traduzido por Vicente Ferré e Martin Delphine.
Filhos de Hrin (Christian Bourgois, 2008). Traduzido por Delphine Martin.
E também:
JRR Tolkien, uma biografia por Humphrey Carpenter. (Christian Bourgois, 2002)
O Anel de Tolkien por David Day (Christian Bourgois, 2000)
Tolkien: as praias da Terra-média Ferré Vincent (Christian Bourgois, 2001)
Tolkien Dicionário editado por Vincent Ferré (CNRS Editions, Setembro próximo 6).
O mapa da Terra Média por Brian Sibley e John Howe (Christian Bourgois, 2001).
 
Última edição:

Tar-Mairon

DARK LORD AND LOVING DAD
.

Pessoa polêmica, basta procurar no Google e você encontrará "Christopher Tolkien é isto e aquilo" (sempre negativos), mas se há gente disposta a pagar para ler até os rascunhos mais toscos do pai dele, ele os publica, oras.

Quem pode dizer que não faria o mesmo no lugar dele?

.
 

Ilmarinen

Usuário
E graças a Deus que ele fez !!! Hauhau, quanto aos méritos e deméritos do CT, farei um post e uma blogada posterior pra discutir isso melhor. Mas, como ele mesmo disse no Contos Inacabados, Tolkien JAMAIS pensaria em publicar o material do jeito que ele fez, mas ele estava CERTÍSSIMO em comentar que a própria natureza da invenção de Tolkien tornava isso necessário no fim das contas.
 
Última edição:
Sei lá, às vezes penso que Christopher só pensou em publicar os textos que seu pai não conseguiu fazer em vida. Pelas entrevistas e artigos que vejo, Tolkien parecia meio desorganizado e meticuloso com seus textos, sempre reescrevendo e nunca os achando prontos para publicação. Sendo certo ou não, foi por Christopher que conhecemos o Silmarillion. Sem este, Senhor dos Anéis e Hobbit não tem sentido.
 

Tar-Mairon

DARK LORD AND LOVING DAD
Sei lá, às vezes penso que Christopher só pensou em publicar os textos que seu pai não conseguiu fazer em vida. Pelas entrevistas e artigos que vejo, Tolkien parecia meio desorganizado e meticuloso com seus textos, sempre reescrevendo e nunca os achando prontos para publicação.

.

É por isto que eu considero canônicos (no sentido de ter a plena aprovação do autor) apenas "O Hobbit" e o "SDA" (revisados pelo próprio Professor).

As obras póstumas eu considero apenas complementares a estes dois, e, dependendo do tema (exemplo mór: origem dos orcs), meras curiosidades.

.
 
Última edição:
.

É por isto que eu considero canônicos (no sentido de ter a plena aprovação do autor) apenas "O Hobbit" e o "SDA" (revisados pelo próprio Professor).

As obras póstumas eu considero apenas complementares a estes dois, e, dependendo do tema (exemplo mór: origem dos orcs), meras curiosidades.

.

Concordo! Mas adoro estas curiosidades!
 

Ilmarinen

Usuário
E, sim, IMO, as curiosidades "não-canônicas" são mais fascinantes , por uma larga margem do que SdA e Hobbit, meus preferidos sendo: Athrabeth Finrod Ah Andreth, De Tuor e da sua chegada a Gondolin e Narn I Chîn Húrin.

E, BTW, devido ao próprio fato de que não são histórias feitas por um escritor onisciente, mas, sim, transcrições de obras escritas por cronistas do Mundo Subcriado e, no caso do Hobbit, pelo fato dele ser, ainda por cima, originalmente, ambientado numa cópia da ambientação da Terra Média do mesmo jeito que a Terra de Superamigos, o desenho dos anos setenta, era uma cópia do universo da Terra 1 sem ser REALMENTE a Earth One, nem o Hobbit nem o SdA são, a rigor, "canônicos" na forma com que estão redigidos e publicados.

Ou seja, na literatura de Tolkien, o conceito de "cânone" não é de todo aplicável sem gerar mais prejuízo do que ganho.Vide aí discussão onde eu esclareci como e porquê os fanfics ajudam a desmistificar essa noção de cânon strictu sensu.

d) Abrem a cabeça dos leitores pra questão do aspecto sui generis do cânon de Tolkien expondo o caráter mutável e proteano do Legendarium ao invés de espalhar a falsa noção de canon lavrado em pedra. "Verdade ou mentira", "ficção e realidade" em Tolkien não têm o mesmo peso ou fronteiras de outras obras ficcionais. Confira texto em Tolkien Studies 07 exatamente sobre isso: The books of lost tales: Tolkien as metafictionist.

At any rate, it is clear that Tolkien went out of his way to undermine the (intra-fictional) authenticity of the narrative we find ourselves reading. Who can now differentiate between what is authentic and deriving from eye-witness accounts and what is not? The Hobbit and The Lord of the Rings are exactly like Beowulf in this respect: to use them in an attempt to reconstruct the “historical” or “mythological” truth about the imaginary world and events of which they tell is just as erroneous as using Beowulf to reconstruct the actual world of pagan Germanic tribes. There can be no doubt that Tolkien originally conceived of his “sub-creation” as aspiring to or even possessing such authenticity; there can also be no doubt, as the next section will show, that he still clung to important vestiges of this idea as late as the 1950s. Yet neither can there be any doubt about the fact that he ultimately discarded it in favor of a very different, indeed in some sense diametrically opposite, approach: a via negativa which still—indeed even more fervently—strives after “authenticity,” but in which this “authenticity” can only manifest itself in the negative, as absence, as that which must be postulated to lie beyond the actual artifacts, which have to be seen as inauthentic, derivative, mediated. As Flieger has remarked of the various versions of the story of Túrin Turambar and their intrafictional original, the Sindarin Narn of Túrin, “the significant point in this welter of texts is the clear presence of an absence” (2005, 110). The only thing to be added to this formulation is that it is a correct description of much more of Tolkien’s work than the Túrin writings, for “to go there”—to claim an unmediated authenticity for the artifacts themselves, the actual English texts—was, according to Tolkien’s final views of these matters, “to destroy the magic” (Letters 333).
 
Última edição:

Tar-Mairon

DARK LORD AND LOVING DAD
.

Você tem razão, Ilmarinen, não dá para falar de cânone em Tolkien como, por exemplo, falamos de cânone em Star Wars. Reconheço isto, apesar de odiar a segunda trilogia.

Mas as revisões do Professor, ao menos, concedem certa "precedência" principalmente ao "SDA", em relação às obras póstumas. Ou seja, em caso de contradição, o texto do "SDA" prevalece.

.
 
Última edição:

Ilmarinen

Usuário
Você tem razão, Ilmarinen, não dá para falar de cânone em Tolkien como, por exemplo, falamos de cânone em Star Wars. Reconheço isto, apesar de odiar a segunda trilogia.

Mas as revisões do Professor, ao menos, concedem certa "precedência" principalmente ao "SDA", em relação às obras póstumas. Ou seja, em caso de contradição, o texto do "SDA" prevalece.



Usualmente sim, mas NEM SEMPRE e nem sobre todos os assuntos. O próprio Tolkien questionou,por exemplo, a ancestralidade do Celebrimbor depois do SdA e as condições pra vinda da Galadriel pra Terra Média, e coisas como a origem do Balrog em Moria não têm boas respostas no cânon do SdA, de forma que o SdA, principalmente os apêndices, não são canônicos porque contêm erros ou esquecimentos do autor. A própria etimologia do nome Moria é um desses casos, como explicada nesse tópico aqui,inclusive o próprio texto do SdA e não somente os apêndices ficou comprometido nesse caso. Pertinente duplamente porque aborda a noção de cânon e também a de "referências bíblicas" que também está sendo discutida nesse momento.

Dependendo do contexto, e de quem e como esse alguém fazia a pergunta, até mesmo simbolismo bíblico podia ser negado, como quando Tolkien refutou, histericamente, ( na famosa e equivocada carta 297 que, diga-se de passagem, nunca foi remetida) a noção de que a Moria dele pudesse ter algo a ver com a Moriá bìblica do livro do Genesis. Hilário foi o fato dele dizer que Moria não podia ter nada a ver com sua contraparte bíblica e com a história de Abraão em particular sendo que:

a) Ele mesmo disse em entrevista em 1971, que a língua khuzdûl dos anões e a própria caracterização dos Naugrim era modelada em cima daquelas dos judeus. Se a língua dos anões era derivada do hebraico e o nome Moria , quando o SdA foi feito, tudo indicava, era um nome em khuzdûl e não élfico, era absolutamente normal correlacioná-lo com seu análogo bíblico, ou seja, hebraico.

b)na Bíblia, Jeová mandou que Ismael, o outro filho de Abraão, embora mais velho, não fosse considerado o herdeiro de Abraão, sendo preterido em relação ao filho mais novo "legítimo", Isaque. Do mesmo jeito que os Anões, embora nascendo antes dos Elfos e Homens, não eram considerados os filhos legítimos da "escolha" de Eru mas sim , produto de sua "adoção", já que o Criador estava corrigindo a "impaciência" de Aulë, análoga à de Abraão.

c) Como teste de fé de Abraão, Jeová ordena que ele sacrifique Isaque para punir o patriarca pela sua impaciência, que havia feito com que Ismael nascesse primeiro do que o prometido por Jeová. De maneira similar, Eru Ilúvatar acaba submetendo Aulë à prova, criando uma situação onde o vala quase sacrifica seus "filhos". Em ambos os casos os Deuses criadores se apiedam e recompensam a lealdade dos patriarcas afoitos, interrompendo os sacríficios antes de completados

297 Drafts for a letter to 'Mr Rang'

At the top, Tolkien has written: 'Some reflections in preparing an answer to a letter from one Mr Rang about investigations into my nomenclature. In the event only a brief (and therefore rather severe) reply was sent, but I retain these notes.' Tolkien has added the date: 'Aug. 1967.']

As for the 'land of Morīah' (note stress): that has no connexion (even 'externally') whatsoever. Internally there is no conceivable connexion between the mining of Dwarves, and the story of Abraham. . I utterly repudiate any such significances and symbolisms My mind does not work that way; and (in my view) you are led astray by a purely fortuitous similarity, more obvious in spelling than speech, which cannot be justified from the real intended significance of my story.


http://board.mypersianforum.com/showthread.php?t=419055


The Silmarillion describes the making of the Dwarves by Aule. But they were created without Illuvatar's permission. Aule offered to sacrifice his children to Illuvatar as proof of his loyalty and that he did not wish to go against him. But Illuvatar stayed Aule's hand. Similar to the Abraham and Isaac story.


http://www.byrdthistledown.com/Biblical_Parallels_to_The_Silmarillion.htm


Ilúvatar's making the Dwarves sleep in caves till the Elves had awoken is like God's treatment of Ishmael and Isaac. Ishmael, Abraham's firstborn son, conceived by a means disapproved by God (Genesis 16:1-3), got an inheritance from God, but had to yield the firstborn's place and blessing to Abraham's legitimate son, Isaac (Genesis 17:15-21).


http://radio.weblogs.com/0107946/2002/05/15.html


What I found last night is some scriptural evidence. The Silmarillion has the �God� of Tolkien�s universe telling the �father� of the Dwarves that he must kill his offspring. It is a scene very much like the one in Genesis where God tells Abraham that he must kill his son, Isaac. In both cases, the child is permitted to live and thus become the patriarch of a race.


Detalhe que o monte onde Isaque deveria ser imolado se chamava Moriá. É muito estranho o fato de que a etimologia dada pra mansão dos Anões Longbeards nos apêndices do SdA não bate com sua função e status dentro da narrativa porque os elfos e anões, aliados na Segunda Era, nunca teriam escrito na porta ocidental de Moria um nome pejorativo significando "buraco preto", o que sugere que Tolkien mudou a origem do nome no livro pra disfarçar a conexão bíblica e se esqueceu de "consertar" a inscrição na porta de Moria pra esclarecer a mudança retroativa. Além do mais, o nome "Moria" só teria sido dado na Terceira Era depois de 1980. Como poderia ter sido escrito por Celebrimbor na Segunda Era?

Anyway, back to my point. The name of Moria was not used until around 1980 of the Third Age. Yet, Celebrimbor, who died 1697 of the Second Age, wrote Moria on the gates of Khazad-dûm before its name was even invented. After all, Moria merely means "Black Chasms", which wouldn't be a name given to the greatest Dwarf city at the time. Even if the Elves called it that secretly, surely the Dwarves wouldn't permit it. So we now have a second seer; Malbeth...and Celebrimbor, the one who foresaw Moria's future!

Palpite meu: o nome da localização original "real" da criação dos Anões Tolkienianos, estranhamente nunca revelado ( muito suspeito, né?), era, justamente, Moria, o local onde os patriarcas dos anões quase foram sacrificados pra aplacar o descontentamento de Eru em uma situação que remete ao seu análogo bíblico.

Tolkien repudiou o simbolismo por causa do medo de ser associado com idéias simpatizantes ao Zionismo judaico que culminou na criação do Estado de Israel. Uma posição com a qual ele , certamente, concordava até a época da redação do SdA mas, que , posteriormente, deve ter sido revista por ele, dado o modo com que a idéia acabou sendo implementada em data próxima da conclusão da escrita do livro, em 1948. E, devemos lembrar, Moria é a "Terra Prometida" para a qual os Anões querem voltar na época do SdA, a terra ocupada por inimigos "orientais" que usam cimitarras e outras armas associadas ao Oriente Médio.

http://tvtropes.org/pmwiki/pmwiki.php/WMG/TheLordOfTheRings

Balin was a Zionist; Moria is Eretz Israel; the Balrog is the Arabs
Moria/Khazad-Dum was the lost homeland of the Dwarves, who are well-established to be counterparts to the Jews. Balin goes back to try and reestablish their great kingdom, but just as he's getting started, the power that occupied the land destroys the project. This is what a lot of observers (including David Ben-Gurion, in his darker moments) thought would happen if a Jewish state were established: the Arabs would march in and end the project forever. Especially considering that Tolkien was writing before 1948, it's not too much of a stretch to say that the fate of the recolonized Khazad-Dum is what he was afraid would be the fate of the Zionists. Since Tolkien was at least somewhat sympathetic to the Zionist project, it's not too much of a stretch.
 
Última edição:

Tar-Mairon

DARK LORD AND LOVING DAD
Usualmente sim mas NEM SEMPRE e nem sobre todos os assuntos. O próprio Tolkien questionou,por exemplo, a ancestralidade do Celebrimbor depois do SdA e coisas como a origem do Balrog em Moria não têm boas respostas no cânon do SdA.

.

Então recorremos aos complementares, oras. Mas eu, amistosamente, prefiro Celeborn a Teleporno (isto é nome de canal xxx-rated).

.
 
Última edição:

Anwel

Nazgûl Cavaleiro
Ilmarinen e Tilion, muito obrigado por terem publicado aqui a entrevista!

Eu sempre me perguntei o que o Tolkien acharia das obras do P.J., e creio que consegui vislumbrar a opinião do Professor nas palavras do filho:

"They eviscerated the book by making it an action movie for young people 15 to 25," Christopher says regretfully. "And it seems that The Hobbit will be the same kind of film."

Que pena, mas entendo perfeitamente!
Opinião coerente com todo o background e "zeitgeist" da obra e dos autores.
 

Tar-Mairon

DARK LORD AND LOVING DAD
.

Infelizmente, o cinema é a mais cara das artes e se levarmos em conta que a trilogia custou mais de 300 milhões de dólares (em valores atualizados), chegamos à conclusão que as coisas não poderiam ter sido feitas de forma diferente.

Quando havia liberdade de criação (fim dos anos 60 e década de 70), não havia tecnologia para filmar a obra maior da alta fantasia do século XX; quando a tecnologia se tornou disponível, a liberdade, havia muito, já tinha acabado.

Só nos resta lamentar.

.
 

Anwel

Nazgûl Cavaleiro
.
Quando havia liberdade de criação (fim dos anos 60 e década de 70), não havia tecnologia para filmar a obra maior da alta fantasia do século XX; quando a tecnologia se tornou disponível, a liberdade, havia muito, já tinha acabado.

Só nos resta lamentar.

.

Não sei se lamento Mairon.
Acho que se houvesse um filme totalmente fiel aos livros de Tolkien, seria um filme chato pra cacet* pra se assistir!
Imagina 20 minutos da Floresta Velha na tela do cinema?

Eu já estaria dormindo antes dos 5 min! :lol:

Eu realmente acho que o P.J. fez um trabalho homérico pra adaptar as obras, e não consigo imaginar uma adaptação melhor.
 

Slicer

Coronamüde
Usuário Premium
O CT tá muito próximo das obras para ter uma opinião neutra sobre o assunto. Francamente, até em 1955 O Senhor dos Anéis poderia ser chamado de "um livro de ação para jovens entre 15 e 25 anos", motivo provável pelo qual os críticos "odiavam de ódio odiado" o livro. O fato de que alguém mais velho consegue se divertir com o SdA é mais devido ao fato dessa pessoa mais velha ter um espírito jovial do que pelo livro ser voltado para pessoas mais velhas. Se o livro era desse tipo, por que o filme seria diferente?

Outra coisa é: enquanto cinematógrafo, o CT é um comprovado talento em analisar textos do pai dele. Eu adoro esse velhinho de paixão, se encontrasse ele algum dia eu traria pra ele uma fatia de cuca, uns biscoitos e uma xícara de chá. Mas pensar que ele conhece algo além de "lhufas" ou "menos do que zero" das dificuldades em fazer uma adaptação de um livro para um filme é não encarar a realidade. Talvez ele pudesse conversar com o Kevin Costner, que tentou colocar 100% do Dança com Lobos na tela, e acabou com um monstro de 5+ horas que ele teve de picotar mais tarde.
 

Aster

Usuário
“Para mim, as cidades do Silmarillion são mais reais do que a Babilônia”. Putz, imagina isso, crescer “dentro” de Valinor e da Terra Média...

Adorei a entrevista e o texto da jornalista e, cara, dá muito pra entender as ranzinzisses do CT; quem não reagiria de forma polêmica ao ver o trabalho de uma vida (duas vidas, no mínimo) tomando vida “própria” e ganhando uma identidade dada pela indústria cinematográfica que, pra ajudar, foi de uma escrotidão vergonhosa com o Tolkien State. Eu acho que ele exagera porque nem tudo que foi adaptado e derivado da obra original é ruim e nem todos os fãs são a massa que não compreende “the beauty and seriousness of the work”. O que ele não enxerga, imo, é que os filmes funcionaram como uma porta de entrada para o universo todo, e não só para os novos fãs (para os antigos fãs, como eu, serviram para reavivar a paixão pela obra, oras). Mas dá pra entendê-lo, sim. No más, thanks to Eru pelo Christopher.
 

Valinor 2021

Total arrecadado
R$150,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo