1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias Noel Gallagher se diverte e nega algumas músicas do Oasis em São Paulo

Tópico em 'Música' iniciado por Fúria da cidade, 9 Nov 2018.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Noel Gallagher se apresentou em São Paulo (Foto: Camila Cara / Divulgação)

    Já com a apresentação em São Paulo, na Arena Anhembi, na noite desta quinta, 8, encaminhada, Noel Gallagher se aproxima do microfone a sua frente: “Uma pergunta idiota: algum fã do Oasis por aí?” Tão sincero, tão típico de um dos irmãos Gallagher, Noel e Liam, que formavam o coração da banda de Manchester, encerrada em 2009, após a milionésima (talvez) briga entre ambos.

    Tão óbvia quanto a pergunta era também a resposta do público ali presente (10 mil, de acordo com a produtora do show). “Yeaaaaaaahhh”, gritaram do lado de cá.

    Era claro, né, Noel.

    Essa é a sua benção e sua maldição, meu caro Gallagher. Seus filhos, e do seu irmão, caso se aventurem pela música, serão cobrados pela obra do grupo construída com sucesso, principalmente nos anos 1990.
    Mas Noel parece saber lidar com esse fantasma do passado. Zomba dele por vezes, é verdade, como se ouve em "Little by Little", a primeira da antiga banda executada na noite. Canta baixo, deixa que o público dê peso ao refrão.

    Redime-se, é verdade, com "Wonderwall" e "Don’t Look Back In Anger", as suas principais músicas do catálogo do Oasis mostradas em São Paulo.

    O público, que no intervalo das sessões dedicadas ao atual projeto de Noel, os High Flying Birds, arriscou corajosamente alguns coros por Oasis, vibrou. Cantou junto. Fez sua festa nostálgica.

    Grande compositor de canções, um dos melhores da sua geração, Noel segue buscando o alvo. Trouxe sua banda em peso, com trio de metais e duas backing vocals (uma delas “tocou” uma tesoura, como uma espécie de percussão). Eram 11 pessoas no palco!

    Foram três discos lançados com os High Flying Birds. O mais irregular deles, Chasing Yesterday, foi pouco lembrado. Mas os bons singles dessa nova fase, como AKA... What I a Life!, If I Had a Gun e o recente Holy Mountain ganham um fôlego a mais ao vivo.

    Mereciam também mais atenção de um público que se dispersou ao final do hit "Wonderwall".

    Mas a figura de Noel, sua famosa rabugice, também fazem parte do espetáculo. Para integrar a cultura pop é preciso ter mais do que um punhado boas músicas, afinal. Noel se diverte com isso, o mito criado em torno de si, e cria momentos de gargalhadas também.

    “Choveu o dia inteiro! Uau! Ninguém me avisou que chovia no Brasil!” Talvez Noel tenha de fato esquecido que, em São Paulo, já enfrentou uma tempestade com o Oasis. Talvez fosse charminho. O que importa?

    O inglês, fã fervoroso de Fernandinho e Gabriel Jesus, jogadores brasileiros do seu time do coração Manchester City, ainda se deu ao trabalho de negar canções pedidas pelo público, em mais um divertido momento ao microfone.

    “Não. Eu não vou tocar essa música”, ele disse. “Também não vou tocar 'The Importance of Being Idle'”, responde, sobre outro clássico do Oasis. “Porque eu toco o que eu quero. Não o que você quer”, diz, jocoso.

    A seguir, o restante desse diálogo, que exprime perfeitamente quem é o Gallagher mais velho.

    “Se você tivesse vindo ao camarim e pedido, talvez.”
    “Ah, você tentou...”
    “É seu aniversário? Sério? E daí?”
    “Quantos anos você tem?”
    “Vinte anos? Mentira. Parece ter 21!”
    Rabugento? Sim. De um jeito talvez adorável, talvez detestável. Inevitável. Mais uma herança dos tempos de Oasis.

    ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    Esse é o Noel sendo Noel como sempre!
    Ele pode até fazer uma carreira solo, mas se desassociar do Oasis nunca será fácil. Os fãs sempre irão preferir o retorno da banda original.
     
  2. Giuseppe

    Giuseppe Eternamente humano.

    Bem, como ele não quer reunir a banda, o mais próximo que se tem disso são os shows solo dele e os do Liam. Mas apesar de não ter tocado algumas clássicas com certeza deve ter sido uma ótima apresentação. Don't Look Back in Anger é minha favorita da banda e essa ele dificilmente deixaria de tocar.
     

Compartilhar