1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Nirvana (Kurt Cobain)

Tópico em 'Música' iniciado por Iólynw, 9 Abr 2004.

  1. Thico

    Thico The Passenger

    É... :think:

    Estou a escutar o In Utero depois de muito tempo sem o fazer. Definitivamente é o melhor da banda, um dos melhores discos dos anos 90.
     
  2. grunge

    grunge Usuário

    In bloom, love buzz(a primeira musica deles), aneurysum, the half man I used to be, been a son, all apologies, territorial pissing, stay away, dive e Floyd the barber são ótimas musicas do nirvana tmb!
     
  3. ayanami4ever

    ayanami4ever Usuário

    Considero Nirvana como uma das melhores bandas ´q conheço...pra mim as letras das musicas fazem mt sentido sim ao meu ver...O Kurt pode ser tudo isso q alguns falaram mas, eu o considero um cara mt inteligente, do jeito dele...apesar de toda a fragilidade dele, eu tb duvido q ele tenha suicidado... courtney nojenta...e se ele tenha se suicidado...a courtney não o apoiou o suficiente pra impedir seu suicidio...nojenta, nojenta......>=/
     
  4. Khansc

    Khansc Banned

    A versão ao vivo de Aneurysm (do From The Muddy Banks of the Wishkah ) é extremamente destruidora. O Dave Grohl tava com muita raiva.
     
  5. *Gracie*

    *Gracie* Hobbit

    semprei gostei de nirvana. nao sei se kurt se matou, nao sei se foi assasinado... sei q a música vive até hj e vai viver pra sempre... ( ai que bonito!)
    um cd que amo é o acustico MTV... putz.., sem palavras....
     
  6. Até onde eu ouvi falar, ele foi assassinado. Ouvi dizer que não tinha impressão digital dele na arma (e claro, o cara não usava luvas).

    Em tempo: Nirvana é a pior banda da história do Rock.
     
  7. Khansc

    Khansc Banned

    Quem te contou, seu vizinho?

    Sim, e a cor preta faz parte do arco-íris, está entre o rosa e o dourado.
     
  8. Exatamente por isso eu coloquei o OUVI DIZER. Sim, ouvi dizer do meu vizinho, ele tem um negócio de entorpecentes e me disse isso num dia quando entávamos provando a mercadoria.

    Não. Mas Nirvana é a pior banda da história do Rock.
     
  9. Thico

    Thico The Passenger

    Não, afinal, é para isso que existe o Guns'N'Roses.
     
  10. Laranja

    Laranja Usuário

    xDDD Eu acho que Kurt foi assassinado.
    Rape meeee
     
  11. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    Idem
    Ainda mais que ele acabou de ser pai, por mais doido que era, um bebê é um fruto que traz muita alegria, e ele estava feliz.
    Meu prof. de filosofia, sempre dizia que quem fala que vai se matar toda hora nunca tem coragem,eu concordo com isso.Caso do Kurt.

    Hã...gosto muito do in utero e do acústico..
     
  12. Elfulano

    Elfulano Brandebuque

    Eu gosto bagaraii do Unplugged
     
  13. Roy Batty

    Roy Batty "Inconsertável"

    Incrível o fato de o maior sucesso do Nirvana ser um plágio descarado da música Eighties, do genial grupo Killing Joke!


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)





    :obiggraz:
     
    Última edição por um moderador: 5 Out 2013
  14. Wilzterman

    Wilzterman Banned

    Agora em 2013 que completa 20 anos da morte do Kurt né? Como o tempo passa rápido demais meu!
     
  15. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Kurt Cobain em show do Nirvana no final de 1993 Imagem: Jeff Kravitz/FilmMagic

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Em Nova York (EUA)
    04/04/2019 12h05

    Décadas depois da voz de Kurt Cobain ser ouvida pela primeira vez nas ondas do rádio, o líder do Nirvana continua encantando pessoas que não eram nascidas quando ele morreu. Vinte e cinco anos após o suicídio do símbolo da contracultura da década de 1990, seu ex-empresário Danny Goldberg afirma que finalmente está pronto para refletir publicamente sobre o legado do artista.

    No livro "Serving the Servant: Remembering Kurt Cobain" - lançado esta semana para marcar o aniversário, amanhã, da morte aos 27 anos do cantor nascido em Seattle - Goldberg recorda um Cobain que estava à frente de sua época e como sua genialidade e humanidade brilharam através de sua personalidade melancólica e sombria.

    "Sua imagem na imprensa ficou um pouco distorcida e se concentrou de maneira desproporcional em sua morte, não tanto em sua vida e sua arte", opina Goldberg. "Foi um cantor incrivelmente comovente, sua voz transmitia uma vulnerabilidade e uma intimidade rara", completa.

    Goldberg considera que Cobain "sintonizou com algo que ajudava as pessoas a sentir que eram menos 'estranhas', menos sozinhas". Justamente por isto sua obra continua sendo relevante, inclusive para adolescentes que vivem em um mundo diferente da angustiante costa noroeste do Pacífico onde nasceu Cobain."Integra um grupo de artistas com uma arte que transcende seu tempo", explica o empresário.

    O culto a Kurt

    O depressivo mas singular artista que cresceu em uma região a duas horas da cidade de Seattle se tornou um 'deus' do rock subitamente quando "Nevermind", o segundo dos três álbuns de estúdio do Nirvana, catapultou a banda de rock alternativo a uma fama estratosférica e iniciou o culto a Kurt.

    Goldberg conheceu o guitarrista Cobain em 1990, quando o Nirvana ainda não era muito famoso e esperava ter mais sucesso com sua mescla única de punk, metal e melodias inspiradas nos Beatles.

    "Nevermind" conseguiu exatamente isso e se tornou um dos álbuns de maior sucesso de todos os tempos, superando o falecido astro pop Michael Jackson no topo das paradas americanas e desviando o rumo da cultura pop: o Nirvana inspirou não apenas a música, mas também a moda e o comportamento dos jovens.

    Nos três anos e meio que trabalhou com Cobain, Goldberg foi testemunha do salto do Nirvana à fama, da selvagem mas carinhosa relação do artista com a cantora Courtney Love, assim como das tentativas de intervenção para que abandonasse o vício em heroína.

    "Não tenho ideia do que provocou as últimas semanas de desespero de Kurt", escreve Goldberg no livro. "Talvez tenha sido uma intensa cristalização das depressões que o atormentavam por muito tempo".

    "É melhor queimar do que desaparecer", escreveu Cobain em uma carta encontrada ao lado de seu corpo, uma citação a uma música de Neil Young.

    "Gênio musical"

    Mas o ex-manager de Nirvana, que Cobain considerava um segundo pai, enfatiza que por trás do consumo de drogas e da depressão havia "um gênio musical". Também era um 'bobo' romântico, lembra Goldberg, ao mencionar que o cantor e compositor tinha quatro cópias de "The Chipmunks Sing the Beatles Hits", álbum em que os personagens do desenho "Alvin e os Esquilos" cantavam as canções dos Fab Four.

    O cabelo loiro e desgrenhado de Cobain, os olhos claros e o famoso casaco marrom esfarrapado davam um ar preguiçoso ao artista, mas Goldberg assegura que isto escondia um "intelecto altamente sofisticado".

    "Sempre soube que havia uma profundidade na energia e nos sentimentos que usava, era mais profundo que apenas um grande refrão, embora tenha escrito grandes refrões. O empresário dá crédito a Cobain pela defesa das mulheres e por ajudar a "redefinir a masculinidade" no mundo da música.

    "Podia ser muito poderoso e convincente e, ao mesmo tempo, sensível e carinhoso. Isto quebrava a ortodoxia do rock da época", opina Goldberg, que recorda um show na Argentina no qual Cobain ficou enfurecido com as vaias à banda de abertura Calamity Jane, formada apenas por mulheres. A vingança do líder do Nirvana foi não tocar o hit "Smells Like Teen Spirit". "O público não merecia", disse o cantor.

    "Ele estava comprometido com um ideal feminino e o respeito por todos, uma espécie de ethos antimachista", recorda Goldberg, que também destaca o compromisso de Cobain com a defesa dos direitos dos homossexuais. "Tinha uma versão verdadeiramente alternativa do que significava ser uma estrela de rock", completa.

    O Nirvana acabou com a morte de Cobain, mas ecos de sua breve vida persistem e o colocam em uma lista de grandes ícones musicais como Bruce Springsteen, o falecido John Lennon ou Bob Dylan, segundo Goldberg.

    O empresário e autor não deseja especular sobre o que Kurt Cobain estaria fazendo se estivesse vivo, mas afirma que certamente seria algo inovador, pois "sempre estava evoluindo, não apenas copiando a si mesmo".
     

Compartilhar