1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ninguém quer deixar um cartão de Bolsa Família de herança para os filhos

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 25 Set 2014.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Crianças em Alto Alegre do Pindaré (MA). / ALEX ALMEIDA​

    Poucas coisas se tornaram unanimidade no Brasil nos últimos anos, como o Bolsa Família. Todos os candidatos têm propostas de mantê-lo, com variações no modelo de gestão. Criado durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, foi no Governo Lula que ele ganhou força, com a expansão para todo o país. Num primeiro momento, despertou amor e ódio, pois se era implementado com a legítima função de tirar o Brasil das vergonhosas estatísticas de pobreza, o benefício era apontado como um instrumento eleitoral, que acomodava as famílias de baixa renda para que não trabalhassem.

    Mas, quem acompanha o assunto, garante que ninguém quer deixar um cartão de Bolsa Família como herança para seus filhos. Hoje, 1,7 milhão de famílias já deixaram voluntariamente de receber o benefício, declarando que não precisam mais dele. Há, ainda, mais 1 milhão de famílias que pararam de ir atrás, embora não tenham informado o motivo.

    Durante o Governo Dilma, o programa ganhou algumas inovações importantes, como a oferta de cursos técnicos para quem recebe o benefício. Um milhão de bolsas para qualificar interessados foram disponibilizadas através do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e a Emprego (Pronatec). "Foi uma surpresa o retorno. Tínhamos o plano de garantir um milhão de vagas até dezembro deste ano, mas já temos 1,36 milhão de pessoas de baixa renda cursando os programas do Pronatec", relata a ministra de Desenvolvimento Social, Tereza Campello. Hoje, o Governo coleciona os relatos de quem encontrou uma profissão e deixou o cartão, como Raquel dos Santos,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .

    "Muita gente acredita que os pobres são pobres porque não trabalham. Mas metade dos que estão no Bolsa Família não trabalham porque têm menos de 14 anos. E entre os adultos, 75% trabalham. Há pessoas que estão empregadas e complementam renda com o BF, mas isso não quer dizer que essas pessoas são preguiçosas", diz Campello. A experiência deu certo, e é reconhecida mundo afora,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , divulgado na semana passada, apontando o Brasil como referência no combate a essa mazela. "Agora que o Bolsa Família deu certo, ninguém tem coragem de tirar", afirma a ministra.

    Houve, ainda, outras mudanças sob o comando de Rousseff. Uma foi a introdução do complemento de renda para aqueles beneficiários que continuavam na extrema pobreza (vivendo com 1,25 dólar ao dia), e que melhoraram um pouco a sua condição de vida (com renda diária de 2,50 dólares), embora continuem no que conceitualmente se conhece por pobreza.

    A outra foi a criação do sistema de Busca Ativa,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    por rincões do país. Pessoas estas invisíveis, que muitas vezes não tinham nem documentos, e nem sabiam que poderiam ganhar um benefício social. "O Estado passou a ser pró-ativo, e assim mais de 1,2 milhão de famílias foram localizadas nestes anos de administração Dilma", relata. A outra inovação importante foi a oferta dos cursos de qualificação profissional. "Construímos uma estratégia, organizada, de inclusão e inserção econômica", diz Campello. Foi assim que 22 milhões de brasileiros saíram da extrema pobreza nos anos de Rousseff, segundo a ministra do Desenvolvimento Social.

    Para Renato Meirelles, presidente do Data Popular, agência especializada em informações econômicas da população de baixa renda, essa oferta dos cursos é fundamental para a evolução do projeto de BF no Brasil. "É algo fundamental para dar dignidade aos pais que recebem o benefício", diz ele. "Pois se enganam aqueles que acham que o BF acomoda. Tudo o que esse sujeito quer é um emprego com carteira assinada", afirma. Na visão de especialistas, este seria o caminho natural para dar continuidade ao combate à pobreza no Brasil, até o ponto em que um dia o benefício fosse extinto porque ninguém mais vai precisar dele.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 2
  2. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Postando aqui para acompanhar a discussão e me divertir com o futuro debate.
     
    • LOL LOL x 2
  3. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    éomer, é só clicar em 'acompanhar tópico' ali no canto superior direito do primeiro post :eek:
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  4. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Tinha esquecido completamente deste recurso :oops:
     
    • LOL LOL x 3
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  5. LuizWsp

    LuizWsp A torch in the dark In Memoriam

    Há dois anos atrás veio uma americana (UCLA) ao Brasil só pra estudar o Bolsa Família. Era parte de um setor da universidade que estuda esses programas políticos no mundo todo. O objetivo era verificar se as famílias que recebem o benefício realmente melhoraram de vida.

    Estatisticamente, a maioria melhorou mesmo.
     
  6. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    A questão não é se há melhoria de vida, mas sim se há melhoria de vida correspondente ao dinheiro aplicado.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  7. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Mesmo mudar de miséria absoluta para miséria já é uma melhora.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 2
  8. Sabrino Crystals

    Sabrino Crystals Usuário

    Tem que ser muito retardado para querer deixar menos de 100 reais para os filhos,onde essa pessoa estaria coma cabeça?
     
    • Bobo Bobo x 1
  9. Grimnir

    Grimnir Usuário

    ^ Drax, o literal.
     
    • Ótimo Ótimo x 3
    • LOL LOL x 2
  10. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • LOL LOL x 3
  11. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Pra entender a sua posição... e você acha que há?
     
  12. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    "Tempo de permanência das crianças no Bolsa Família contribui para reduzir desnutrição
    Pesquisa aponta queda em 51% do déficit de estatura dos beneficiários acompanhados nas condicionalidades de saúde


    Brasília, 10 – O déficit de estatura média das crianças beneficiárias do Programa Bolsa Família acompanhadas nas condicionalidades de saúde caiu pela metade (51%) em quatro anos, no período de 2008 a 2012. Problemas no crescimento estão associados não apenas a uma maior taxa de mortalidade infantil, mas ao menor desempenho na escola e menor produtividade na idade adulta.

    A queda em 51% do déficit de estatura foi verificada em pesquisa que acompanhou 360 mil crianças beneficiárias do programa de transferência ao longo de cinco anos seguidos, em que elas foram medidas e pesadas. O estudo cruzou dados das bases do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, da folha de pagamento do Bolsa Família e do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan).

    Detalhes da pesquisa são relatados no Caderno de Estudos – Desenvolvimento Social em Debate: resultados, avanços e desafios das condicionalidades de saúde do Bolsa Família, lançado na terça-feira (9) pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS)."

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O BF representa investimento de menos de 1% do PIB. O resultado é esse aí.
     
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 2
  13. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    É compra de votos. Não sabia?
     
    • LOL LOL x 4
  14. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Ridículo o deboche. É arma eleitoral.
     
  15. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Dar dinheiro pras classes mais altas em forma de isenção fiscal é arma eleitoral também ou só quando é pros menos favorecidos? Por que Dilma venceria na última eleição mesmo sem os votos do Norte-Nordeste, que são os maiores beneficiários das políticas de distribuição de renda. Por que pra alguns (não estou afirmando que é pra você) que vejo principalmente no facebook pobre não sabe votar. Já vi gente dizer que quem recebe o BF não deveria poder votar, mas não vejo dizendo que quem recebe isenção fiscal, redução de impostos, facilidades fiscais etc não possa votar.
     
    • Gostei! Gostei! x 4
    • Ótimo Ótimo x 1
  16. Grimnir

    Grimnir Usuário

    É arma eleitoral pq o pt adora falar que os outros partidos vão acabar com o benefício.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  17. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Qualquer programa de governo/federal/estadual/municipal pode ser utilizado como "arma eleitoral". Não sei se o beneficiário do BF vota ou deixa de votar no PT com medo de perder o benefício. O que temos de concreto é que, o programa está dando resultado satisfatório. Como disse @Morfindel Werwulf Rúnarmo, "Já vi gente dizer que quem recebe o BF não deveria poder votar" Isso de certa forma é munição para o PT utilizar como você mencionou "arma eleitoral" contra os outros partidos/oposição. Se tem resultado na urna é uma incógnita. Última pesquisa da DATAFOLHA. Intenção de voto por renda.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  18. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Ricardo.... Não estou questionando os resultados. Estou criticando o deboche infatiloide do Rafael, uma comum tentativa dele de ridicularizar qualquer opinião diferente pegando opiniões extremistas e generalizando.
     
    • LOL LOL x 1
  19. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Antes fosse só eu que debochasse dos outros nesse fórum, mas...
     
    • Ótimo Ótimo x 4
  20. Grimnir

    Grimnir Usuário

    • LOL LOL x 3

Compartilhar