1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias NBB defende torcida única enquanto busca arenas maiores

Tópico em 'Esportes' iniciado por Fúria da cidade, 9 Out 2019 às 18:57.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    (Beto Miller/Corinthians)

    Dos 240 jogos da fase de classificação do Novo Basquete Brasil (NBB), pelo menos 12 deles serão realizados com a presença apenas de torcedores do time da casa. Pelo segundo ano consecutivo o regulamento do principal torneio de basquete do país prevê torcida única nas partidas que envolverem "equipes de futebol", ou seja: São Paulo, Corinthians, Flamengo e Botafogo, quatro dos candidatos a chegarem até pelo menos a semifinal.

    A postura é uma decisão da liga e dos clubes e não tem a ver, ao menos em São Paulo, com recomendações do Ministério Público ou da polícia. No Rio, o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) determinou torcida única nos clássicos de basquete na temporada 2017/2018, quando o Maracanãzinho estava fechado para o público. Na temporada seguinte isso virou regra no regulamento.09

    "A gente tem uma arena pequena, onde cabem 2 mil pessoas, eu vou dividir entre duas torcidas de futebol? Não acaba o jogo. A torcida ainda não está educada. A torcida que está indo ainda é uma mistura de cara que vai jogo de futebol, não de basquete. O Flamengo já amadureceu um pouco, tem família. Queremos fazer isso também com Botafogo, São Paulo e Corinthians, que já está mais avançado. Quando a gente conseguir selecionar quem gosta do basquete, aí a gente pode pensar", diz Kouros Monadjemi, presidente da Liga Nacional de Basquete (LNB), organizadora do NBB.

    No fim da semana passada, a partida decisiva da final do Campeonato Carioca, entre Flamengo e Botafogo, no ginásio do Tijuca, foi interrompida quando uma torcida organizada alvinegra tentou invadir a arquibancada em jogo com mando rubro-negro – e, portanto, presença apenas de flamenguistas. Os dois times correram para o vestiário e o jogo demorou a ser reiniciado.

    "Eu não posso ter isso no jogo da liga, ainda mais agora com multiplataforma, televisionamento. Se dá uma briga e para o jogo, como eu fico? Eu não posso perder essa parte da mídia. O espetáculo precisa de arenas maiores e lá sim podemos fazer divisões", avalia Kouros, reforçando que Flamengo e Botafogo não querem jogar no Maracanãzinho, que tem estrutura para separar duas torcidas rivais.

    Em outros ginásios não há a menor condição de isso ocorrer, como vai ficar claro já na primeira rodada do NBB, quando Corinthians e São Paulo se enfrentam pela primeira vez em muitos anos. O jogo está marcado para 15 de outubro no Ginásio Wlamir Marques, novo nome do velho Parque São Jorge. O clássico poderia ocorrer antes, já esta semana, se o time tricolor tivesse eliminado o Franca e avançado à final do Paulista contra o rival alvinegro.

    Enquanto havia essa possibilidade, São Paulo e Corinthians concordaram que não havia a menor chance de colocar duas torcidas em um mesmo ginásio. "O ginásio é dentro do clube. O visitante tem que atravessar todo o clube. A gente não consegue garantir a segurança e a convivência harmônica", diz Antonio Romero, gerente de basquete do Corinthians.

    "Nosso ginásio tem lotação de 2 mil pessoas. Não temos vazão para torcida dos dois lados. Tem as torcidas organizadas, a paixão é muito grande, são dois clubes muito grandes, muito fortes. O basquete é um jogo muito mais apaixonante e a gente fica preocupado em salvaguardar a segurança de todo mundo", explica Maurício Sanzi, diretor de basquete do São Paulo.

    Tanto o ginásio do Morumbi quanto o do Parque São Jorge ficam dentro da área social do respectivo clube, o que permite apenas a entrada de torcedores do time da casa ou, no máximo, de rivais que não são "equipes de futebol" (como consta no regulamento). Mesmo os jogos contra Flamengo e Botafogo terão torcida única.

    Para o presidente do LNB, jogar em ginásios maiores e mais bem estruturados é um dos desafios da liga para os próximos anos. "Estamos criando mecanismos. Para disputar fase classificatória vai te que ter ginásio com mais de 2 mil lugares. Semifinal e final vai te que te mais de 4 mil lugares. Nossa ideia é ir dificultando até que o mínimo para a fase classificatória seja 2 mil lugares.".

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    _____________________________________________________________________

    É triste que até em outros esportes tem que se recorrer a isso, mas é o que tem pra hoje.
     

Compartilhar