• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Notícias NBB defende torcida única enquanto busca arenas maiores

Fúria da cidade

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ
Usuário Premium

(Beto Miller/Corinthians)

Dos 240 jogos da fase de classificação do Novo Basquete Brasil (NBB), pelo menos 12 deles serão realizados com a presença apenas de torcedores do time da casa. Pelo segundo ano consecutivo o regulamento do principal torneio de basquete do país prevê torcida única nas partidas que envolverem "equipes de futebol", ou seja: São Paulo, Corinthians, Flamengo e Botafogo, quatro dos candidatos a chegarem até pelo menos a semifinal.

A postura é uma decisão da liga e dos clubes e não tem a ver, ao menos em São Paulo, com recomendações do Ministério Público ou da polícia. No Rio, o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) determinou torcida única nos clássicos de basquete na temporada 2017/2018, quando o Maracanãzinho estava fechado para o público. Na temporada seguinte isso virou regra no regulamento.09

"A gente tem uma arena pequena, onde cabem 2 mil pessoas, eu vou dividir entre duas torcidas de futebol? Não acaba o jogo. A torcida ainda não está educada. A torcida que está indo ainda é uma mistura de cara que vai jogo de futebol, não de basquete. O Flamengo já amadureceu um pouco, tem família. Queremos fazer isso também com Botafogo, São Paulo e Corinthians, que já está mais avançado. Quando a gente conseguir selecionar quem gosta do basquete, aí a gente pode pensar", diz Kouros Monadjemi, presidente da Liga Nacional de Basquete (LNB), organizadora do NBB.

No fim da semana passada, a partida decisiva da final do Campeonato Carioca, entre Flamengo e Botafogo, no ginásio do Tijuca, foi interrompida quando uma torcida organizada alvinegra tentou invadir a arquibancada em jogo com mando rubro-negro – e, portanto, presença apenas de flamenguistas. Os dois times correram para o vestiário e o jogo demorou a ser reiniciado.

"Eu não posso ter isso no jogo da liga, ainda mais agora com multiplataforma, televisionamento. Se dá uma briga e para o jogo, como eu fico? Eu não posso perder essa parte da mídia. O espetáculo precisa de arenas maiores e lá sim podemos fazer divisões", avalia Kouros, reforçando que Flamengo e Botafogo não querem jogar no Maracanãzinho, que tem estrutura para separar duas torcidas rivais.

Em outros ginásios não há a menor condição de isso ocorrer, como vai ficar claro já na primeira rodada do NBB, quando Corinthians e São Paulo se enfrentam pela primeira vez em muitos anos. O jogo está marcado para 15 de outubro no Ginásio Wlamir Marques, novo nome do velho Parque São Jorge. O clássico poderia ocorrer antes, já esta semana, se o time tricolor tivesse eliminado o Franca e avançado à final do Paulista contra o rival alvinegro.

Enquanto havia essa possibilidade, São Paulo e Corinthians concordaram que não havia a menor chance de colocar duas torcidas em um mesmo ginásio. "O ginásio é dentro do clube. O visitante tem que atravessar todo o clube. A gente não consegue garantir a segurança e a convivência harmônica", diz Antonio Romero, gerente de basquete do Corinthians.

"Nosso ginásio tem lotação de 2 mil pessoas. Não temos vazão para torcida dos dois lados. Tem as torcidas organizadas, a paixão é muito grande, são dois clubes muito grandes, muito fortes. O basquete é um jogo muito mais apaixonante e a gente fica preocupado em salvaguardar a segurança de todo mundo", explica Maurício Sanzi, diretor de basquete do São Paulo.

Tanto o ginásio do Morumbi quanto o do Parque São Jorge ficam dentro da área social do respectivo clube, o que permite apenas a entrada de torcedores do time da casa ou, no máximo, de rivais que não são "equipes de futebol" (como consta no regulamento). Mesmo os jogos contra Flamengo e Botafogo terão torcida única.

Para o presidente do LNB, jogar em ginásios maiores e mais bem estruturados é um dos desafios da liga para os próximos anos. "Estamos criando mecanismos. Para disputar fase classificatória vai te que ter ginásio com mais de 2 mil lugares. Semifinal e final vai te que te mais de 4 mil lugares. Nossa ideia é ir dificultando até que o mínimo para a fase classificatória seja 2 mil lugares.".

https://olharolimpico.blogosfera.uo...cida-unica-enquanto-busca-por-arenas-maiores/
_____________________________________________________________________

É triste que até em outros esportes tem que se recorrer a isso, mas é o que tem pra hoje.
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo