1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"Natal na Barca"(Lygia Fagundes Telles)

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Artanis Léralondë, 19 Dez 2008.

  1. Artanis Léralondë

    Artanis Léralondë Ano de vestibular dA

    [size=medium] Natal na barca
    [/size]

    Lygia Fagundes Telles


    Não quero nem devo lembrar aqui por que me encontrava naquela barca. Só sei que em redor tudo era silêncio e treva. E que me sentia bem naquela solidão. Na embarcação desconfortável, tosca, apenas quatro passageiros. Uma lanterna nos iluminava com sua luz vacilante: um velho, uma mulher com uma criança e eu.

    O velho, um bêbado esfarrapado, deitara-se de comprido no banco, dirigira palavras amenas a um vizinho invisível e agora dormia. A mulher estava sentada entre nós, apertando nos braços a criança enrolada em panos. Era uma mulher jovem e pálida. O longo manto escuro que lhe cobria a cabeça dava-lhe o aspecto de uma figura antiga.

    Pensei em falar-lhe assim que entrei na barca. Mas já devíamos estar quase no fim da viagem e até aquele instante não me ocorrera dizer-lhe qualquer palavra. Nem combinava mesmo com uma barca tão despojada, tão sem artifícios, a ociosidade de um diálogo. Estávamos sós. E o melhor ainda era não fazer nada, não dizer nada, apenas olhar o sulco negro que a embarcação ia fazendo no rio.

    Debrucei-me na grade de madeira carcomida. Acendi um cigarro. Ali estávamos os quatro, silenciosos como mortos num antigo barco de mortos deslizando na escuridão. Contudo, estávamos vivos. E era Natal.

    A caixa de fósforos escapou-me das mãos e quase resvalou para o. rio. Agachei-me para apanhá-la. Sentindo então alguns respingos no rosto, inclinei-me mais até mergulhar as pontas dos dedos na água.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Bonito este conto ^^
    Narrado no Período de Natal, uma época que é para ser alegre, no entanto, no conto é uma fase lúgubre.
    Mas, é assim que algumas pessoas se sentem perante a época natalina.Pode ser, por isso, que autora pegou essa época ou não...
    Um ponto que chama atenção, é a fé da mulher, " a tal fé que remove montanhas"...
    Realmente eu acredito que quem tem mais fé, alcança seus objetivos.Não estou falando da fé religiosa somente, e sim, da fé nos seus sonhos,amigos,familiares,etc.
    Eu li que as pessoas na segunda guerra mundial as quais tinham fé em algo, resistiam mais, pois tinham algo em que "se segurar" para não desistir da vida.
    Afinal, é época de natal, tempo de acreditar :lily:
    e qdo passar essa fase natalina, continuar tendo fé \o/

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Lygia Fagundes Telles
     

Compartilhar