1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

'Não voto em quem defende pena de morte', diz preso

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 4 Out 2010.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Presos provisórios e adolescentes infratores votaram ontem pela primeira vez em São Paulo em penitenciárias e unidades da Fundação Casa (ex-Febem) no Estado.

    No total, mais de 2 mil presos provisórios (aqueles que ainda têm direito a recursos ou cumprem ordens de prisão temporárias) e menores em medidas socioeducativas acessaram as urnas ontem.

    A Folha acompanhou a votação no Presídio Romão Gomes, na zona norte da capital, onde presos relataram que escolheram candidatos que prometeram impedir a adoção da pena de morte no Brasil e lutar pela melhoria do Poder Judiciário.

    O presídio é destinado a PMs e ex-PMs detidos após processos judiciais e procedimentos da Polícia Militar para excluir os policiais criminosos da corporação.

    De cinco em cinco, vestidos com o uniforme cáqui, eles foram encaminhados à 445ª Seção Eleitoral do Tucuruvi, instalada em uma sala de reuniões da prisão.

    Em um desses grupos, um preso mostrou disposição especial em falar à reportagem.

    'HIGHLANDERS'

    Ao ser indagado sobre o inédito direito ao voto, ele disse que

    A pergunta sobre o motivo que o levou à prisão foi respondida de modo enfático: "Me acusaram de cortar a cabeça de uma pessoa, mas eu não sou capaz de cortar a cabeça nem de uma galinha".

    Em seguida, ele se identificou como o sargento Moisés Alves dos Santos, 33, condenado em primeira instância a 18 anos de prisão sob a acusação de atuar em um grupo de extermínio que cortava a cabeça das vítimas, conhecido como "highlanders".

    Santos contou que quando atuava como policial na rua viu crimes bárbaros, como estupros, e tinha simpatia por políticos que defendiam a adoção da pena de morte para certos crimes.

    afirmou Santos, que não quis contar em quem votou.

    O PM Adriano Ricardo Gueth Novais, 34, disse que se sentia muito bem por
    e
    Ele aguarda há um ano e quatro meses pela realização de um júri em que espera ser inocentado de uma acusação de tentativa de homicídio.

    Novais contou que votou em Marina, Celso Russomano, Netinho e Ciro Moura.

    Um outro soldado da PM foi votar no presídio, mas na condição de inocente. Ele fez a inscrição eleitoral na penitenciária, mas em seguida foi absolvido em um julgamento e foi solto.

    O soldado conta que ficou quase quatro anos esperando por um júri na prisão, e não se sentiu mal por ter que voltar ao local.
    disse. Ele preferiu não se identificar por estar de volta ao trabalho na PM.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar