1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"Não pecar contra a castidade"

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Lordpas, 16 Dez 2005.

  1. Lordpas

    Lordpas Le Pastie de la Bourgeoisie

    :eek:

    Eu tava em SC fazendo o Vestiba e na Sexta-feira ou no Sábado.. não lembro... eu ligo a TV e o jornal local divulga algo que *todo* mundo tava comentando por lá... Eu andei meio desligado de outros meios de comunicação e não sei como foi a repersussão no resto do país, mas leiam:


    Promotoria investiga questionário dado
    a crianças em igreja de SC

    THIAGO REIS
    da Agência Folha

    O Ministério Público de Santa Catarina irá instaurar na segunda-feira (12) um procedimento para investigar um questionário de confissão que foi entregue a crianças na igreja de Iomerê (415 km de Florianópolis).

    As crianças, que têm em média 11 anos, receberam, após uma das aulas de primeira comunhão, um "exame de consciência" --uma espécie de confissão-- que pedia a elas para "marcar ou pintar os quadradinhos dos seus pecados cometidos".

    As opções eram divididas por mandamentos. No sexto ("não pecar contra a castidade"), havia os quadradinhos "vou à zona", "pratico relações homossexuais", "sexo com animais", "sexo com bonecos". No quinto ("não matar"), a criança podia optar por "cometi aborto", "abuso no volante", "tentei suicídio". Os formulários foram recebidos na semana passada.

    A promotora de Justiça Maria Regina Forlin Lakus afirmou que irá tomar todas as providências para apurar o caso.

    Participam do curso da igreja 32 crianças. O pároco é Clair Kozik, que disse lamentar o caso, que a intenção foi a mais reta possível e que ninguém pensou em atingir o lado maléfico. O bispo de Caçador, Luiz Carlos Eccel, disse que, se fosse ele, "seria mais discreto, mas que o que está ali não deixa de ser realidade".

    Uma das mães, que preferiu não revelar o nome, disse que foi até a paróquia pedir explicações e que "só faltou o padre lhe chamar de retardada". Em entrevista à Folha, ela disse que soube do formulário quando sua filha, que tem dez anos, lhe perguntou: "Mãe, estou com duas dúvidas: O que é uma relação de lesbianismo e o que é sexo com animais?".

    "Minha reação foi de revolta. Tentei conversar com o pároco, e ele disse que aquilo era normal, que os pais não querem enxergar os filhos que têm", afirmou.

    Segundo ela, depois que outra mãe o denunciou ao Conselho Tutelar, foi pedido [por alguém da igreja] para que as crianças queimassem as folhas, pois assim estariam queimando também os pecados. "Isso me tirou o prazer de ir à missa. Sei que isso não vai dar em nada, só esperava que ele [Kozik] tivesse a dignidade de fazer uma retratação", disse.

    A polêmica ganhou a pequena cidade do oeste catarinense, que tem apenas 2.500 habitantes. A mãe afirmou que as crianças ficaram constrangidas, e que sua filha chorou ao falar com o padre.

    De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, é crime "submeter criança ou adolescente a vexame ou a constrangimento". A pena é de seis meses a dois anos de detenção.

    Caso isolado

    Para o filósofo Alípio Casali, da pós-graduação em educação da PUC-SP, o caso é isolado. "Quem fez isso tem algum tipo de desajuste, até do ponto de vista da doutrina da igreja."

    "Isso nos remete a um padrão medieval da igreja (...) Quando ela se dava ao direito de controlar as consciências das pessoas", disse. Segundo ele, o questionário é "descabido". "Isso representa uma violação, uma intromissão da intimidade, buscando exercer um controle."

    Para Casali, "admite-se a prática da confissão, mas ela está fundada numa iniciativa livre do sujeito, que vai contar suas intimidades a alguém para buscar algum tipo de orientação espiritual". "É um absurdo. É uma violência moral, intelectual, social e cultural fazer perguntas dessa natureza", disse o educador.

    Outro lado

    O bispo de Caçador (389 km de Florianópolis), Luiz Carlos Eccel, 53, afirmou que o padre Clair Kozik não será advertido nem penalizado. "Nós tivemos uma conversa de manhã [sexta-feira], e ele se mostrou desencantado", disse à Folha.

    O bispo disse não entender o por que da discussão em torno do assunto. "O questionário apenas expressa a realidade." Segundo ele, foram pessoas de "má-fé" que alimentaram a polêmica.

    (grifo MEU)

    "Claro que, se eu fosse fazer as perguntas, eu seria mais discreto, mas o que está ali não deixa de ser uma realidade", afirmou. Segundo o bispo, as crianças já têm idade para discernir o que foi colocado no questionário. "Eles são adolescentes e sabem mais do que nós."

    Questionado sobre a gravidade das perguntas, disse: "Você está subestimando as crianças. Hoje, com a internet e com os meios de comunicação, elas estão mais que bem informadas".

    Ele também eximiu o padre de culpa. "Não foi nem ele que fez [o questionário]. Foi o conjunto da catequese. Agora, querem até que ele saia", disse. "Ele é bom. Deve sair, mas para estudar no exterior", afirmou o bispo. "Por mim, ficaria."

    Eccel disse que as perguntas eram fruto de uma aula sobre os dez mandamentos. "Não era bem para responder. Era só para as pessoas terem consciência do que é pecado." "Se as pessoas querem seus 15 minutos de fama, vamos dar, né?", disse o bispo, que questionou a reportagem. "Isso já chegou à Folha de S.Paulo? É, onde tem carniça, tem abutre."

    O padre Clair Kozik, 32, disse que os catequistas fizeram as questões. "Eu lamento o fato, mas acredito que a intenção foi a mais reta possível." Kozik disse que não consentiu com a distribuição, que concorda que a linguagem poderia ser mais infantil. "Mas ninguém pensou em atingir o lado maléfico."

    De acordo com ele, o caso só veio à tona devido a um problema pessoal de duas ou três pessoas da cidade. "As mães não estão de acordo com o que está ocorrendo. São 32 mães e apenas uma é que denunciou."

    **********************************

    E aí? huh? Ensinar nossas crianças a não pecar contra a castidade? E Bispos do Brasil defenderem essa posição?

    :eek:
     
  2. Deriel

    Deriel Administrador

    Como eu sempre digo: a Igreja é um "clube" com regras próprias e toda uma carga de alguma forma antiga e antiquada. Quando cometer um crime, denuncie-se, quando não concordar com suas regras, que se saia dela.
     
  3. Bruce

    Bruce eu

    Mas se faz parte desse "clube", e as regras mudam. Entendo o que vc quer dizer, mas digo o contrário então: se a Igreja está insatisfeita com alguns fiéis, que os expulse dela.

    O grande problema é que não dá para separar a Igreja dos fiéis, pq os fiéis fazem da Igreja o que ela é.

    É um jogo de forças e cada lado tem que pesar entre fazer o que mais lhe convém e o que vale a pena.


    Lordpas, eu achei absurdo, mas concordo que é um caso isolado. Como foi dito, não representa a atitude geral da Igreja. Mas acho que devia haver reprimendas por parte da própria instituição...
     
    Última edição: 17 Dez 2005
  4. Alucard

    Alucard Um completamente aleatório

    Concordo com o a questão de ser um fato isolado.
    Não gosto muito da igreja católica(bem como muitas outras), mais isso não é algo que ela faça. Não é algo normal de uma igreja com tanto prestígio e com tantos adeptos bons.
    Como foi dito na reportagem, é como se aquela igreja em específico, estivesse querendo controlar as pessoas como nas épocas medievais. E ainda querendo punir as pessoas que são contra às suas palavras, como se a inquisição ainda existisse.

    É lastimário ver que um padre, que é um representante de Deus(asim como todos nós) tenha permitido que seu grupo da catequese fisesse um questionário desses. Pois se ele alega que não foi ele que fez, pelo menos para a mão dele o documento foi antes de ir para as crianças.

    Vamos ver se a igreja vai ou não punir o cara... mais isso eu acho difícil... :tedio:
     
  5. Deriel

    Deriel Administrador

    A Igreja Católica nunca foi democrática. Não são os fiéis quem definem nada e sim os pastores (padres e bispos), que conduzem o rebanho (fiéis) para o caminho de Cristo, inclusive interpretando a Bíblia.

    Quem não concorda com isso na verdade é Protestante, embora se considere Católico. :cerva:
     
  6. Alucard

    Alucard Um completamente aleatório

    Foi exatamente aí que Lutero fez a diferença. :D
     
  7. Almië

    Almië cute as a button

    Bem... a Igreja, ou melhor, as Igrejas, desde seu principio... sempre constituiram uma instituição, suas crenças e regras mudaram, as vezes por guerras famosissimas e as vezes por atos isolados e anonimos... mas afinal, a religião em geral tem um intuito controlador, por um lado necessario, por outro lado exagerado... ela vem mudando suas formas desde pelo menos 4.000 anos, quando as primeiras comunidades começaram a crias suas bases...
    os Deuses que existiram, que existem, e que por muito tempo existirão e as pessoas que os servem, umas como fieis outras como pregadoras, estão profundamente ligadas, e por vezes as que podem exercer alguma influencia, fazem sem pensar nas suas consequencias... não acho que sejam culpadas, pois muitas vezes pesam que o fazem pelo bem e salvação dos que não podem salvar-se por si proprios...

    acredito que esse foi um fato isolado... pois a Igreja ( catolica, evangelica, protestante, etc..) ja mudou e muito sua forma de encarar a realidade...
    obviamente, sempre havera os reis do retrogado, mas ao que me parece não são a maioria...

    bye
     
    Última edição: 17 Dez 2005

Compartilhar