1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

'Não devia ter escrito bilhete', diz professora que sugeriu 'varadas'

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Morfindel Werwulf Rúnarmo, 20 Jul 2012.

  1. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    [h=2]Educadora enviou carta a pais de aluno em Sumaré (SP) em junho.
    Docente defende uso de varas e cinta quando outras alternativas falham.[/h]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Em bilhete, professora sugere que pais usem cinta e vara para educar aluno (Foto: Reprodução EPTV)​

    A professora de português de Sumaré (SP) que em junho deste ano enviou um bilhete aos pais de um aluno sugerindo o uso de "cintadas" e "varadas" como forma de educar o filho disse que não devia ter escrito a carta. A educadora Lilian Nazari contou ao G1 que também quer voltar a dar aulas na Escola Municipal José de Anchieta, de onde foi afastada da função. Ela defende o uso de "varadas" quando outras alternativas, como conversa e castigos, falham.

    Segundo a professora, o pai do aluno, o comerciante André Luis Ferreira Lima, agiu contra a lei ao divulgar o bilhete enviado por ela. “Isso é violação de correspondência”, afirma. Lilian alega que os pais tentaram transmitir a ela uma responsabilidade na educação do garoto que não lhe pertencia.
    conta.

    Problemas com o aluno

    A professora explica que escreveu o bilhete em um momento de aborrecimento com o aluno.
    explica. Após a repercussão, ela se arrepende do envio do bilhete.
    explica.

    De acordo com Nazari, o aluno já havia causado alguns problemas em sala de aula.
    disse.

    Educação

    Nazari não tem filhos, mas recebeu algumas "varadas" da mãe quando criança e aprova a atitude.
    Ela recorda que apanhou até os sete anos de idade e depois não foi mais necessário.

    Mudança na rotina

    Após a divulgação do bilhete no dia 25 de junho a educadora afirma que não deixou de lecionar, ao contrário do que informou a Secretaria da Educação de Sumaré em junho, mas foi transferida para outro colégio. Além da mudança do local de trabalho, ela também passou a receber o apoio de alunos e ex-alunos.
    conta.

    Cinco advogados entraram em contato com Nazari oferecendo os serviços caso quisesse entrar com ações judiciais contra o colégio, o secretario da educação de Sumaré e os pais do aluno.
    diz.


    O G1 entrou em contato com a Secretaria de Educação mas até o fechamento desta reportagem não obteve resposta.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Pais que receberam bilhete de professora chegam em escola de Sumaré (Foto: Reprodução EPTV)​

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Verdade.
    Ela devia é ter mandado a carta na verdade pros colegas dele vararem o bully.
     
    • LOL LOL x 1
  3. Éomer

    Éomer Well-Known Member

    Encrecas, umas cintada. Quem tinha de apanhar era ela.
     
    • LOL LOL x 1
  4. Pim

    Pim God, I love how sexy I am!

    O pior não foi ela ter escrito o bilhete, é ela pensar desse jeito. E é pior ainda pelo fato dela ser uma educadora.

    Vou escrever um bilhetinho pra diretora da escola dela colocá-la para dar aula pros marmanjos no supletivo, onde o estrago moral, ético e intelectivo é menor.
     
  5. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    Peraí, mas é complicado tb. Punição física dada pelos pais fazem parte sim da educação. Não é dar uma surra no filho e sim, um tapa na bunda quando criança. São coisas distintas.

    A professora, interessada quanto ao futuro do aluno, deu sua opinião sobre o assunto. Ela aconselhou ser mais punitiva. Ela está errada? Na verdade ninguém sabe. Pq isso ainda é uma área nebulosa na educação. O maior problema até agora foi o erro de português dela (e ela é professora disso) e a intensidade da punição (cintadas e tal). Note que ela não bateu em ninguém (o que seria errado e CRIME da parte dela). Até agora, quem cometeu crime foi o pai do garoto. Hilário! :rofl:
     
  6. Fernanda

    Fernanda Andarilho de Eriador e

    Eu acho que o pai não cometeu crime não. Se tem alguém da área de direito aqui para esclarecer, seria bom. Mas eu acredito que uma vez que ela mandou a correspondência para ele, ele passa a ter o direito de divulgar.

    E ela cometeu incitação a agressão. Com agravante de ser contra uma criança.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  7. Lu Meyn

    Lu Meyn Usuário

    Não sei... Eu sou a favor de castigos corporais em certas situações.
    Tipo, se você não consegue explicar para o pivete que o que ele faz é errado, pelo menos uma boa surra para ele sofrer na própria pele.
    Coitada da professora.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Elriowiel Aranel

    Elriowiel Aranel Usuário

    Olha, eu trabalho em casamentos, 15 anos e aniversários... e SEMPRE tem uma turma de PESTES e, claro, um líder da pestaiada.

    E sabe o que eu comprovei? O tom de voz funciona melhor do que qualquer coisa.

    Geralmente, para evitar encrenca com os pais e os donos da festa eu peço educadamente pra parar (geralmente de correr em volta do poste de luz que se cair vai rachar a cabeça deles ao meio OU de parar de passar correndo no "cenário" onde estou fotografando os noivos).
    Quando não resolve, peço educadamente aos pais...

    Bom... tem pais que simplesmente não se importam, ainda mais numa festa.

    Certa vez o líder das pestes era justamente o FILHO DO PASTOR. Depois de todas as tentativas... eu simplesmente falei grosso e bem alto pro garoto na frente de todos: QUANTAS VEZES VOU TER QUE MANDAR PARAR DE PASSAR AQUI?
    O garoto ficou tão apavorado comigo que não chegou mais perto de mim a noite toda.

    Já usei a mesma técnica - firmeza na voz e na frente de todo mundo - para corrigir comportamentos inconvenientes comigo até mesmo de adultos. E funciona! Sempre!
    A desvantagem é que a pessoa em questão costuma manter distância permanente... :lol: Mas como são pessoas inconvenientes, é até um alívio.

    Agora... se fosse um filho meu, não sei como faria. Se eu fosse professora, agiria da mesma forma, pq quando não há o respeito por admiração é até bom que a criança tenha medo do professor para fazê-la ficar na linha e sem necessidade de fazer ou sugerir punições físicas.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • LOL LOL x 1

Compartilhar