1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Na Mídia: Filme baseado em obra japonesa (16/03/2009)

Tópico em 'Anime & Mangá' iniciado por Administração Valinor, 16 Mar 2009.

  1. Administração Valinor

    Administração Valinor Administrador Colaborador

    Deu na Folha de São Paulo:



    Crítica/"Um Amor Sublime"

    Filme sobre jovem em crise mantém essência da literatura de Murakami


    BRUNO YUTAKA SAITO
    DA REPORTAGEM LOCAL

    Uma das maneiras mais rápidas de explicar o universo de Haruki Murakami a um neófito é dizer que se trata de uma mistura de David Lynch com J.D. Salinger, algo entre o surreal e o concreto dia-a-dia mundano.
    Não que falte "tempero" nacional a um dos nomes mais conhecidos da literatura japonesa atual. À sua paixão pelo Ocidente Murakami empreende descrições detalhadas de cenários e hábitos locais. Ler sua obra é transpor-se imediatamente para as coloridas e frenéticas ruas de Tóquio.
    "Um Amor Sublime" (2007), baseado no conto "All God's Children Can Dance" (todos os filhos de Deus podem dançar), é o segundo longa que tenta traduzir o rico imaginário de Murakami em imagens. Em termos cinematográficos, tem mais ousadias que o correto "Tony Takitani" (2004, de Jun Ichikawa), apesar da estética de cores quentes e silêncios, calcada no chinês Wong Kar-wai.
    Primeiro longa do pouco conhecido Robert Logevall, o filme "americaniza" Murakami ao levar a trama para Los Angeles, com diálogos em inglês.
    Não se trata de um problema, já que a essência do conto permanece. Temos aqui Kengo, jovem em constante crise existencial, em busca da identidade de seu pai. Desde o nascimento, sua mãe, uma fanática religiosa, insiste em dizer que ele é, literalmente, filho de Deus.
    O simples fato de o diretor não incluir narrações em off, recurso tão comum quando se trata de adaptações para o cinema e que pode se transformar em muleta, já demonstra uma ambição maior.
    O problema reside na própria escolha do texto, que não é dos mais memoráveis do autor -de personagens inesquecíveis, como o sujeito que se veste de carneiro, outro que entende o que os gatos falam, além do insensível "homem de gelo".


    UM AMOR SUBLIME
    Lançamento: Imagem (só locação)
    Classificação: não indicado a menores de 14 anos
    Avaliação: regular




    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     

Compartilhar