1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Na mídia: Curiosidade sobre o Bairro da Liberdade (31/01/2008)

Tópico em 'Anime & Mangá' iniciado por Administração Valinor, 2 Jan 2009.

  1. Administração Valinor

    Administração Valinor Administrador Colaborador

    Confira artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo sobre o Bairro da Liberdade em São Paulo. O texto é assinado por Vinicius Queiroz Galvão.



    XXXXXXXX

    XXXXXXXX



    Chineses dividem com os japoneses o bairro da Liberdade

    Por Vinicius Queiroz Galvão



    Originalmente ocupado por portugueses e italianos, e tradicional reduto

    japonês, região concentra hoje chineses!



    Os ideogramas na fachada do prédio de número 460 da rua São Joaquim enganam. Quase ao lado da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa, o local, batizado de Hakka (um grupo étnico do sul da China), abriga o Escritório Cultural e Econômico de Taipei e o centro de meditação chinesa Fo Guang Shan. Aos cem anos da imigração japonesa, a Liberdade já não é mais a mesma.



    O bairro da região central de São Paulo -originalmente ocupado por portugueses e italianos, e tradicional reduto japonês- está cada vez mais ocupada por chineses, que falam pouco ou quase de português.



    A explicação é histórica, dizem o pesquisador japonês Koichi Mori, da USP, e o diretor-presidente da Acal (Associação Cultural e Assistencial da Liberdade), Hirofumi Ikesaki. Como os japoneses prosperaram -educando os filhos, que seguiram carreiras como direito e medicina-, não houve herdeiros para o comércio.



    "Os chineses começaram a se estabelecer no bairro e adquiriram essas lojas", diz Mori. "Hoje, os comerciantes não são apenas japoneses", diz Ikesaki.



    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar