1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Mulheres agem como uma filha obediente', diz especialista em linguagem corporal

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Malkyn, 26 Mar 2015.

  1. Malkyn

    Malkyn The Siren

    Mulheres não querem ser submissas, mas, pela educação que receberam desde a primeira infância, apresentam um comportamento que demonstra insegurança e subserviência. No trabalho, segundo a especialista em linguagem corporal e coach Cornelia Topf, essa conduta limita a ascensão profissional.

    "As mulheres atrapalham a si mesmas com sua linguagem corporal", escreve Topf em
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . "Pois de forma tão automática quanto o homem que age como um bronco e se beneficia disso, quando não refletem, as mulheres geralmente agem como uma filha obediente, prejudicando a si mesmas".

    Mesmo sem controle da linguagem corporal, homens tendem a manifestar um comportamento rústico, que é visto como demonstração de autoconfiança, obstinação e competência.

    "Quando os homens não se atentam à sua linguagem corporal, as consequências são mais positivas que negativas".

    Poucas pessoas sabem ler a postura e os gestos dos outros ou aprendem como controlar as próprias mensagens não verbais. Os sinais são transmitidos e recebidos inconscientemente, sem muitos filtros racionais.

    Como consequência prática, os diplomas e as experiências profissionais das mulheres sofrem com duas barreiras: erros na linguagem corporal e o machismo –que está evidentemente relacionado ao tipo de leitura que se faz do comportamento feminino.

    Encare

    O contato visual é um dos instrumentos da linguagem corporal que mais transmite força. Diferentemente dos homens, as mulheres evitam encarar ou desviam o olhar com facilidade.

    Para Topf, mais uma armadilha cultivada pela criação. "A maioria das mulheres desvia o olhar para baixo porque, por educação, não querem encarar o outro".

    "Até os maiores literatos escrevem: 'Acanhada, ela desviou os olhos para o chão'", conta Topf. "Acanhada, envergonhada, modesta, insegura, insincera - é o que é atribuído às mulheres por isso! É claro que é idiotice! Mas é esse o resultado".

    Ao estabelecer contato visual, as mulheres sorriem com mais frequência do que os homens. "Por essa razão o seu olhar é recebido como amigável e inofensivo - em contrapartida ao sério e sóbrio dos homens".

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    --------------------------------

    Confesso que este texto, para mim, foi libertador, e por isso quis compartilhar aqui! Me fez pensar em muitos aspectos da minha vida (pessoal e profissional). Sei que parece óbvio, mas não tinha parado pra pensar que alguns aspectos do meu modo de agir são frutos diretos da minha educação como "filha obediente". Parando para pensar, foram anos sendo treinada para ser submissa, servil e passiva... Não preciso me sentir mal afinal por esse ser meu automático! XD Só preciso me "desprogramar" hauahuauhauh

    Acho que vale a discussão, que prevejo ser tão polêmica quanto mamilos! XD
     
    • Gostei! Gostei! x 4
  2. Erendis

    Erendis I'm a motherfucking woman

    Eu acho que sempre fui um pouco rebelde com relação a esse comportamento: eu nunca fui uma filha obediente :dente:
    Pelo contrário, eu sempre fui a que mais discutia e batia o pé pra não obedecer as autoridades máximas da casa: o pai e a mãe.
    Mas, como todas as pessoas em algum momento da vida, alguém conseguiu me dobrar e me transformar na "filha obediente", entretanto, nesse momento acho que eu já me livrei da maior parte dos resquícios dessa "obediência".
    Estou voltando ao "eu normal" de filha desobediente, mas sim, entendo que realmente o texto é bastante plausível em virtude da nossa criação e principalmente pq a geração de nossos pais ainda é uma geração que segue o tradicionalismo e principalmente machista, vejo isso ainda na minha família e em gente mais nova que eu.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Lindoriel

    Lindoriel Saurita Catita

    Eu evito confusão e tento fazer o máximo pra seguir regras e confesso que já fui até meio "trouxa" por isso - mas ultrapassou meu limite eu mando à merda. A pessoa nem me reconhece.

    Em uma das pensões onde morei ficaram de sacanagem, fui engolindo sapo até onde deu, pois quando passou do limite mandei tudo à merda, bati boca em público e ameacei chamar a polícia.

    Sobre isso de encarar nos olhos, acho que depende de quem. No geral eu olho. As profissões que já exerci me exigiram isso - trabalhar com vendas, com alunos, com etc.
     
    • Gostei! Gostei! x 3

Compartilhar