1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Morte em Veneza -- Thomas Mann.

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Mavericco, 7 Jun 2012.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Tópico para discussão da novela escrita em 1912 por Thomas Mann.

    Para não deixar o tópico vazio, transcrevo aqui um excelente post sobre a novela escrito pelo Alfredo Monte:

    E gostaria de deixar esse maravilhoso post do Ademir Luiz sobre a polêmica entre Thomas Mann e Otto Maria Carpeaux:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Destaco estas passagens:

    E, por fim, gostaria de remeter para esse terceiro texto, uma maravilhosa resenha de Luiz Elias Sanches:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Spartaco

    Spartaco James West

    Valeu Mavericco pelas informações acima citadas. Provavelmente irei começar a ler Morte em Veneza a semana que vem, aí poderemos, juntamente com os outros leitores do forum, a tecer e trocar informações a respeito da obra.
     
  3. Calib

    Calib Visitante

    "Morte em Veneza, ou Lolito".
     
  4. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Devo começar a ler essa segunda(pra dar tempo de terminar A viagem e uns outros :D )
     
  5. Anderson N.

    Anderson N. Órfão Meia Palavra In Memoriam

    Assim que terminar Memórias Póstumas de Brás Cubas eu começo Morte em Veneza. Provavelmente, no sábado.

    E obrigado pelas informações, Maverrico. Parece que o Mann é o autor favorito do Alfredo Monte.
     
  6. Spartaco

    Spartaco James West

    Parece que não sou só eu que ainda tem que terminar outro livro para começar Morte em Veneza; no meu caso estou terminando 1984 de George Orwell.
     
  7. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    \o/ Bora! Já estou retirando ele da estante, começo tão logo der um intervalo nas correções da dissertação. Vamos que vamos. :uhu:
     
  8. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    tb fiz uma resenhita sobre o livro
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    qdo o li. e p quem ainda ñ viu, recomendo o filme tb, que apesar d algumas pequenas diferenças com a história do livro, é bem adaptado.
     
  9. Spartaco

    Spartaco James West

    Essa semana também eu irei começar a ler Morte em Veneza, talvez hoje mesmo, depois do trabalho.
     
  10. Marcio Scheibler

    Marcio Scheibler Usuário

    Com um certo ar de pedofilia e homossexualismo, MORTE EM VENEZA é uma obra que exige um pouco do nosso casto vocabulário.

    A trama não me envolveu, pois não apresentou uma sequência de ações que me prendesse na leitura.
     
  11. Spartaco

    Spartaco James West

    E aí pessoal, mais alguem já começou a ler Morte em Veneza.
     
  12. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    O meu exemplar só foi enviado hoje pelo vendedor... Provavelmente vamos começar a todo vapor as discussões só na semana seguinte. Assim eu aproveito e termino o Proust, no que vou ficar por conta só de relê-lo esparsamente e ler o Mann. Mas quem quiser começar a ler primeiro, pode ficar a vontade. É sempre bom ter alguém que já passou pela obra pra dar um puxão de orelha se as discussões começarem a sair demais do campo de análise :D
     
  13. Spartaco

    Spartaco James West

    Ótimo, sem pressa. Quanto a sua frase final, quem sou eu para puxar orelha de alguem?

    Abraços.
     
  14. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Já estou relendo, mas como minha edição é da Abril Cultural, estou ainda na parte do Tônio Kroeger, que, aliás, acho que podíamos discutir um pouco, ainda que en passant.
     
  15. Spartaco

    Spartaco James West

    Lucas, minha edição é a mesma, só que já fui direto para Morte em Veneza. :lendo:

    E uma boa notícia, o livro Doutor Fausto está a caminho, deverá chegar entre hoje e amanhã aqui em casa. :joy:
     
  16. Spartaco

    Spartaco James West

    E aí gente, algum de vocês já leu e pode falar algo sobre Morte em Veneza? Eu já terminei há um certo tempo e, se quiserem, poderemos conversar a respeito.
     
  17. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Então, estou para terminar o livro.

    O Gustav Aschenbach tem muito do Kroeger, não? Meio atormentado sobre suas incumbências artísticas, mas em busca de um horizonte que seja capaz de lhe chacoalhar as bases existenciais. Veneza, o lirismo italiano, aparecem para a rigidez alemã de Von Aschenbach como uma possibilidade de encontrar essa experiência.

    Gosto muito dos trechos em que Mann explora o peso da arte sobre o protagonista, ela parece ao mesmo tempo uma maldição e a mais elevada atividade a que um ser humano pode se entregar.
     
  18. Spartaco

    Spartaco James West

    Para mim uma das situações que Mann explora é a antitese entre o belo (a beleza da juventude de Tadzio) e a decadência dessa beleza (o início da velhice do personagem principal). O livro tem várias passagens sobre a beleza, a arte, a poesia, o amor e seus respectivos contrapontos.
     
  19. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    A relação entre a vida e a arte, a aridez da existência e a beleza da criação artística são de fato aspectos que chamam a atenção nesse livro. Quando o Gustav vai vendo sua deterioração física e existencial perante a constância e a suposta eternidade da beleza, com juventude e frescor renovados constantemente, ele vai colocando sua própria vida em termos comparativos a sua arte. Perante o que ele escreveu, a arte que pretensamente criou, a realidade parece sempre estar à frente, mais vívida, pondo em claro a natureza morta que parecem ser suas criações.

    Entra a literatura e a realidade, Thomas Mann insere criações a um tempo líricas e que não colocam a arte como superior à vida, essa concepção é, a meu ver, essencial para não descambar para a alienação da arte pela arte. A arte aparece, portanto, como uma instância que pode revelar nuances da vida, mas que a reconhece como a raiz da existência e, consequentemente, da criação literária. Não sei dizer até que ponto isso se sustenta (essa é a tarefa de vocês, discordando, concordando, discutindo etc. hehe), mas acho isso de uma lucidez admirável.
     
  20. SenhorK

    SenhorK Usuário

    Curto demais o livro,mas o trabalho que o Luchino Visconti fez adaptando para o cinema é genial,as tomadas finais do filme são de uma beleza que poucas vezes vi no cinema.
     

Compartilhar