1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Copa 2018 Ministro inglês defende boicote à Copa. Veja quem já fez isso no passado

Tópico em 'Esportes' iniciado por Fúria da cidade, 21 Mar 2018.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Campeão em 1930, o Uruguai boicotou as duas edições seguintes e só voltou em 1950, no Brasil Imagem: Divulgação/AFP

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    A crise diplomática que se instalou entre Reino Unido e Rússia após o caso de envenenamento do ex-agente russo Sergei Skripal fez com que a tese de boicote à Copa do Mundo fosse levantada. Ministro de Relações Exteriores, Boris Johnson indicou a possibilidade, gerando reações de todos os envolvidos.
    Embora tenha sido classificado como improvável pela própria Federação Inglesa, o boicote da Inglaterra não seria uma novidade na história das Copas. Veja os principais exemplos de edições passadas motivadas por questões políticas ou esportivas.

    1934 - Uruguai, Inglaterra, País de Gales, Irlanda e Escócia

    Campeão em casa da primeira Copa do Mundo, em 1930, o Uruguai boicotou a edição seguinte, disputada na Itália. A medida teve a vingança como causa: como só quatro países europeus aceitaram viajar à América do Sul para a primeira Copa, o Uruguai quis dar o troco na mesma moeda. Assim, foi a única seleção até hoje a não defender seu título.
    Inglaterra, Escócia, Irlanda e País de Gales também boicotaram, mas porque classificaram o torneio próprio que tinham como superior ao Mundial da Fifa.

    1938 - Argentina e Uruguai

    Como a primeira Copa foi disputada no Uruguai e a segunda na Itália, a Argentina esperava que um rodízio entre os continentes acontecesse e se considerava a favorita a receber a edição de 1938. Quando a França foi a escolhida como sede, a federação argentina liderou o boicote ao torneio e contou com o apoio do Uruguai, que prolongou sua ausência.

    1950 - Índia, Argentina e Escócia

    Na primeira Copa realizada no Brasil, a Fifa ofereceu uma vaga para a Ásia a ser disputada por Índia, Indonésia, Filipinas e Mianmar (antiga Birmânia). Como os outros três países desistiram, a Índia ficou com a classificação automaticamente. No entanto, por não julgar o torneio importante o bastante, a federação indiana se recusou a jogá-lo. Já a Argentina alegou problemas políticos com a confederação brasileira para se ausentar do torneio.

    A Escócia, por sua vez, recusou a vaga que lhe foi dada alegando que não aceitava a condição de classificada como vice-campeã britânica em uma disputa paralela que perdeu para a Inglaterra.

    1958 – Turquia, Indonésia, Egito e Sudão

    Os quatro países não disputaram as eliminatórias como forma de boicote à participação de Israel e alegaram questões políticas. Mesmo assim, os israelenses não foram à Copa na Suécia porque a Fifa exigia que todos os classificados tivessem disputado ao menos um jogo eliminatório. Por isso, foi realizada uma repescagem entre País de Gales e Israel, com vitória dos europeus.

    1966 – Continente africano

    A confederação africana já estava brigando com a Fifa depois que expulsou a África do Sul por culpa do apartheid e viu a entidade recolocar o país nas eliminatórias asiáticas. Então, como a Fifa deu só uma vaga para África e Ásia entre os 16 países que disputariam a Copa na Inglaterra, os africanos decidiram boicotar em bloco a competição, alegando que a decisão da Fifa era injusta com o continente.

    1974 – União Soviética

    A extinta União Soviética perdeu a chance de disputar a edição na Alemanha Ocidental porque se recusou a viajar ao Chile para enfrentar a seleção local em uma espécie de repescagem. Os soviéticos alegaram que o Estádio Nacional de Santiago, palco do jogo, era utilizado pelo governo de Pinochet para torturar presos políticos. Como a Fifa se recusou a mudar a partida para um local neutro, a União Soviética não foi ao jogo e viu o Chile ficar com a vaga.


    ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    Apesar de no início ter sido o país que mais menosprezou o torneio, acho muito improvável por toda uma questão financeira e de marketing envolvidos por atrás a Inglaterra querer fazer isso agora.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Tem outros casos interessantes de ausências deliberadas, além do boicote das federações. Eu citaria três de memória:

    - Todos os jogadores paulistas da seleção brasileira em 1930, por causa de treta entre a federação paulista x carioca (e por isso o lendário Friedenreich jamais jogou uma copa);
    - O lendário Johann Cruyff, um dos (talvez o) maiores jogadores do mundo à época, que se recusou a ir à copa de 1978 depois de passar por um sequestro traumatizante;
    - Caniggia e Redondo na copa de 1998, que se recusaram a obedecer à ridícula proibição do técnico Daniel Passarela a cabelos compridos (Batistuta cedeu e cortou).
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    O Pelé poderia se quisesse muito bem ter jogado a de 74, mas era o auge do período militar e não quis voltar atrás na sua aposentadoria da seleção.
     

Compartilhar