1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Ministro do STJ pergunta em seu twitter se o Brasil deve sofrer intervenção militar

Tópico em 'Planeta Bizarro? Estranhices? Bizonhices?' iniciado por Clara, 28 Set 2017.

  1. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Geraldo Og Nicéas Marques Fernandes
    , magistrado que atualmente ocupa o cargo de ministro do STJ Supremo Superior Tribunal de Justiça, desde 2008, abriu uma enquete em sua conta no twitter perguntando se o Brasil deve sofrer intervenção militar.
    Na mesma página está um retweet do juiz com a notícia do Portal R7 de que 43% dos brasileiros querem intervenção militar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição: 29 Set 2017
    • Mandar Coração Mandar Coração x 2
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Não conheço o perfil do ministro pra saber a intenção por trás da enquete, mas mano... Esse lance de intervenção militar tá ficando preocupante. Não dá pra acreditar que a gente tá flertando com isso. Na boa. Espero que isso seja de algum modo fogo de palha ou aquele tipo de amplificação que costuma ocorrer quando um dos lados xinga muito no twitter.
     
  3. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Não precisa conhecer o perfil dele, basta saber que ele é um juiz e ministro do STF e está perguntando se a gente acha que deve ter um GOLPE MILITAR ("intervenção" o cassete) no país.
    Pra mim só isso já é de cair o cu da bunda. :-?
    Tipo, o véio tem um repolho no lugar do cérebro, tá senil ou o quê?
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  4. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    Às vezes o cara pode até fazer na melhor das intenções (sei lá, algo como "vou mostrar pra esses lambe-botas que a maioria da população é contra!"), mas esse tipo de enquete é tiro no pé. Primeiro que, de um ponto de vista estatístico, não diz absolutamente nada. Segundo que ignora a mobilização de grupos organizados nas redes sociais para votar em massa em uma opção, o que pode gerar um resultado completamente oposto ao esperado por quem realiza a enquete.

    Enfim, também não conheço nada desse Og Fernandes, mas concordo que fazer essa enquete foi uma baita burrada da parte dele.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  5. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Pqp! Aqui no fórum, que tem gente que acha que todo mundo é melhor (sic), mais evoluído do que a galera de fora, tem gente que defende esse tipo de absurdo, imagina na população em geral? Isso é muito preocupante.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  6. Seiko-chan

    Seiko-chan Retardada

    Pra você ver... Acho preocupante justamente porque seria, em tese, algo esperado de uma parcela semelhante da população que votaria no Lula, por exemplo. Segundo essas pesquisas malucas, quase metade da população apóia intervenção, e quase a mesma proporção votaria no Lula. Isso me dá a clara impressão que as pessoas não refletem pelas respostas que dão em pesquisas, nem pelas consequências das mesmas. Aliás, dá a clara impressão que a população, sobre o cenário político ou não tem noção, ou quer que se dane, ou ambos. Isso pra mim é preocupante.

    BTW, cai no que o @Fëanor citou. Pesquisas que usam como parâmetro a "população brasileira" feitas pela internet não são dignas de credibilidade, porque simplesmente o critério de amostragem é sujeito a fatores como "vota quem chegar primeiro", determinado grupo social organiza um "votaço" via facebook ou usuários aleatórios que votam só pelo lulz. Outro motivo de preocupação, pois os veículos de comunicação estão se sujeitando a esse tipo de coisa só para reforçar ideologias próprias.

    Eu particulamente só dou credibilidade para falar "pela população brasileira" em caso de referendo. Fora isso, qualquer regionalismo é suficiente pra corroborar teorias malucas.
     
  7. Mellime

    Mellime A little less lost

    Não vou nem comentar o mérito da questão em si, é absurda a atitude do Ministro, sei lá o que se passou na cabeça dele.

    Não sei nem como é a orientação dele normalmente nos processos.

    Mas fico bastante preocupada de ver como o jornalismo não tem o mínimo domínio dos termos mais básicos e corriqueiros do aspecto jurídico do país, como, sei lá, por exemplo, o nome do fucking Tribunal??!?!?

    Essas matérias não passam por fact-checking??

    Para quem não sabe: os nossos Tribunais superiores, em Brasília, são:

    STF = SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. = ou simplesmente O SUPREMO. A nossa versão de uma "suprema Corte". Faz controle de Constitucionalidade. Aparece na TV. Julga mensalão, lava jato e caso dos anencéfalos. Baixo relevo em formato de pizza nas paredes. 11 ministros. Joaquim Barbosa e sua capa. Gilmargh Mendes. Presidente atual: Carmen Lúcia.

    SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. SUPERIOR TRIBUNAL MILITAR. SUPERIOR. NÃO SUPREMO. SUPREMO SÓ TEM UM.
    Siglas: STJ, TST, STM, TSE.

    Eles são os unificadores de jurisprudência dentro de suas respectivas áreas, não possuem competência para realizar controle de constitucionalidade, são formados por ministros sem número definido, mal aparecem nas notícias (então raramente algo que tu viu na TV foi de um desses).

    No caso, foi. Do STJ, mais especificamente. Superior Tribunal de Justiça.

    LEMBRANDO que o STF é a instância máxima do Direito brasileiro e é permeado de política (propositalmente), decorrente das próprias determinações constitucionais de competência e de método de escolha dos ministros. Já o STJ tem suas politicagens, como qualquer tribunal, mas tem caráter MUITO menos político que o Supremo, já que ele é um Tribunal de uniformização de jurisprudência e não um Tribunal Supremo no país para fazer as escolhas jurídicas-políticas que em tese teriam que ser decididas por um órgão jurisdicional.


    Espero ter esclarecido e adicionado um pouco.

    Ah, em tempo, chamo o colega @Eriadan

    --- Mensagem Dupla Unificada, 29 Set 2017, Data da Mensagem Original: 29 Set 2017 ---
    Mais um dado relevante:

    segundo esta matéria do Globo, 4h após o início da enquete, cerca de 90% dos votantes se diziam contrários à intervenção militar.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Mas fui consultar o Twitter do Ministro Og e a enquete acabou 51% contra e 49% a favor:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Curioso, não? Provavelmente uma página de bolsominions e afins compartilhou convocando seus seguidores para votar.

    OBS. Não leiam os comentários se não quiserem ter uma gastrite
     
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    :doh:Eu que escrevi errado, Mellime, não copiei isso (os dados do juiz) de matéria nenhuma, só li rapidamente em algum lugar que ele é ministro do STJ e já tasquei o "S" como "supremo".
    Obrigada por avisar, eu nunca havia pensado nisso, que o adjetivo Supremo fosse só pra um tribunal, o que aliás faz todo sentido. :oops:

    Nem perco mais tempo e saúde lendo esse tipo de coisa nas redes sociais ou nos sites de notícias, só se eu quiser ficar com dor de cabeça.
    E é exatamente por isso que achei uma bizarrice, pra dizer o mínimo, um juiz e ministro fazer esse tipo de coisa justamente neste momento que o país vive, em que as opiniões estão tão polarizadas.
    É tipo jogar gasolina em lenha seca.
    Chego à conclusão de no fundo ele queria mesmo é aparecer, e conseguiu, porque o negócio saiu hoje em vários blogs de notícias.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. Mellime

    Mellime A little less lost


    Ahh desculpa, Clara, não sei qual é a tua área, mas é normal como leiga trocar os termos. O que eu não aceito é jornal fazendo isso. E olha que acontece. Quase toda matéria tem algum erro ou confusão, como dizer que a turma de um tribunal proferiu uma sentença, ou que um réu apelou de uma decisão interlocutoria ou coisa assim.

    Pelo menos espero ter elucidado um pouco sobre os tribunais "distantes" da gente, aqueles centralizados em Brasília.

    E sobre o ministro, concordamos.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  10. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Não precisa pedir desculpa, @Mellime, em matéria de Direito sou um zero à esquerda (só cursei seis meses de Administrativo na faculdade :dente: ) mas acho que se abrimos um tópico (principalmente um específico) a gente tem que fazer um mínimo de pesquisa mesmo. =]
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  11. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Não entendi a correlação. A pesquisa indica que quem votaria no Lula apoia golpe militar? Ou você está supondo que já que o percentual é o mesmo então são as mesmas pessoas?
     
  12. Fëanor

    Fëanor Fnord Usuário Premium

    O que a Seiko quis dizer (me corrija se não for isso, Iza) é que, por dedução, se algo em torno de 50% da população supostamente apoia um golpe militar e também 50% votaria no Lula, é muito provável que exista alguma intersecção entre esses dois conjuntos - i.e., que eles não sejam conjuntos perfeitamente disjuntos, porque isso seria bastante improvável.

    Sinceramente, não sei como poderia haver outra interpreação para o que ela disse.

    De toda forma, essas estatísticas são certamente furadas. Acho bizarro e improvável alguém votar no Lula e apoiar um golpe militar (apesar de não ser impossível - se há algo de consistente sobre o ser humano é que ele não é consistente).
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  13. Nerwen Elassar

    Nerwen Elassar Usuário

    Não quero assustar ninguém aqui, mas... tenho um tio materno maior de 60 que defende ardentemente a intervenção militar. Cheguei a ter que pedir que esse cidadão parasse de postar sua estrumeira na minha linha do tempo do Facebook, pois tenho o direito de pensar o contrário. Essa turma está tão cega que para eles, quem se disser contrário à intervenção, ou é comunista ou/e é contra o Brasil.
    Pra vcs terem uma ideia: eles veem FHC e Lula como comunistas (FHC, pasmem!!!) e aliados. Nem preciso dizer mais nada...
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  14. Mercúcio

    Mercúcio Well-Known Member

    Saiu uma pesquisa do Instituto Paraná dizendo que 50,8% dos brasileiros acham que o regime militar era igual ou melhor do que a democracia de hoje. Disponível aqui:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  15. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Ainda não consigo entender o que essas pessoas (a favor da ditadura) consideram "bom" ou "melhor".
    O que eles acham que vai melhorar com o bols***ro ou com os militares no poder, por exemplo? Economia? Educação? Segurança? Saúde?
    O que era melhor, pra ficar só nesses quesitos, durante a ditadura militar? Nada, absolutamente nada era melhor naquele tempo.
    Educação era excludente (poucas pessoas completavam o ensino fundamental, isso quando tinham a chance de ir pra escola); atendimento médico era pra poucos (pra ser atendido em hospital público era preciso registro em carteira profissional). Segurança? Como hoje, segurança era pra quem tinha dinheiro e morava em bairros ricos. Economia? Bem é só dar uma olhada nos índices de inflação a partir do final dos 1970 (quando começou a abertura) e início da década seguinte pra ver o estado em que estava a economia nacional deixada pelos militares, sem mencionar o rabo preso com o FMI.
    E nem venham com a história furada de "naquele tempo não tinha corrupção".
    Talvez essas pessoas gostem mesmo é de, como era na época da ditadura militar, não saber de nada. Querem algo ou alguém que esconda ou simplesmente minta sobre o que realmente ocorre nos bastidores do poder. Saber da verdade, pensar, se preocupar e atuar sobre o que está errado, exigindo que o trabalho seja feito, parece ser muito trabalhoso pra elas.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  16. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Analfabetismo político, Clara.

    Como bem apontaram aqui, Bolsonaro não sabe responder merda nenhuma. Arma e polícia é a solução dele pra tudo.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 1 Out 2017, Data da Mensagem Original: 1 Out 2017 ---
    Mas aí é forçar muito a barra. Essa interpretação é válida, mas acho mais provável é que os outros 50% da estatística, os que não votam no Lula é que apoiariam isso. Como você bem apontou. Aqui mesmo no tópico duas pessoas (a Seiko e a Pim) disseram que preferem Bolsonaro a Lula. Bolsonaro que defende abertamente a ditadura, não Lula.
     
    Última edição: 2 Out 2017
    • Ótimo Ótimo x 1
  17. Tijolin

    Tijolin Usuário

    Talvez a correlação que a Seiko possa ter feito considera o tempo em que o PT (Lula e Dilma) estiveram no poder. Há muitos comentários na rede que supõem que, nesse período em que as Forças Armadas estiveram sob seu comando, possa ter havido uma "contaminação" no que a gente conhece das FA da época da ditadura mais recente. Não sou eu falando, mas se fosse para ter uma intervenção militar, ela já teria acontecido ainda dentro da "era lulopetista" (hehehe, esses termos são daora). Se ocorresse agora, existiria a possibilidade de o "golpista", na verdade, ser outro.
    Pode ser isso, mas também não entendi muito bem. Estatísticas nunca conseguem dizer nada. Hehehe;
     
  18. Seiko-chan

    Seiko-chan Retardada

    É bem isso que o @Fëanor explicou, Morfs. :yep:
    "As estatísticas falam..." de que? De quanto? A que 100% corresponde esse 100% da amostragem para essa determinada pesquisa? Certamente não é 100% da população da população brasileira, para afirmarem categoricamente que "quase metade da população brasileira apóia intervenção militar". Certamente os 50% que apoiam o retorno da ditadura não são os mesmos 50% que votariam em Lula, mas eles intitulam esses 50% como"metade dos brasileiros". Isso é uma balela gigantesca. Mas minha observação se limita somente ao uso de estatísticas furadas pra gerar dados furados e confirmar/corroborar teorias furadas.

    Quando eu falo que "existem mentiras, mentiras deslavadas e estatísticas", eu já vi nego aqui no fórum surtando giganticamente porque "contra fatos não há argumentos", e afinal estatísticas são números e os números não mentem.
    Eu vejo esse tipo de estatística capciosa e só observo. :lol:
     
  19. Eriadan

    Eriadan Usuário Usuário Premium

    Juiz tem que se lembrar que a notoriedade do seu cargo o acompanha até a vida particular. Na real, a posição dele não lhe dá a menor autoridade para decidir sobre intervenção militar - provavelmente a enquete foi por curiosidade ou até para provar o ponto contrário, como sugeriu o Fëa -, mas em tempos como estes abrir uma enquete dessas, ocupando alta função pública, é no mínimo arriscado pela repercussão.

    Ah, não se preocupe, aposto como a maioria daqui tem pelo menos um parente que ""pensa"" parecido. :lol: Só eu tenho dois tios.
     
    Última edição: 2 Out 2017
    • LOL LOL x 2
  20. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    E o jornal
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    hoje para o texto de um general de reserva buscando legitimidade para o golpe militar.
    Brincam com fogo e depois, quando queimam o rabo, reclamam. :???:

    Intervenção, legalidade, legitimidade e estabilidade

    Ação militar se justifica se a crise política, econômica, social e moral chegar a extremos
    *Luiz Eduardo Rocha Paiva, O Estado de S.Paulo

    05 Outubro 2017 | 03h04

     

Compartilhar