1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Minha Vida de Stripper (Diablo Cody)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Anica, 20 Jan 2009.

  1. Anica

    Anica Usuário

    [align=justify]Muito antes de sonhar em ganhar um Oscar pelo roteiro de Juno, Diablo Cody escreveu um livro bem menos delicado e sem nada da ingenuidade que marcou sua estréia no cinema. Em "Minha Vida de Stripper" (Editora Nova Fronteira, tradução de Ana Carolina Bento Ribeiro), a autora relata o ano em que trabalhou tirando a roupa em casas suspeitas da desinteressante Minnesota, nos Estados Unidos.

    Não é um diário, ainda assim os textos seguem uma ordem cronológica dos fatos. Primeiro, ela muda para a cidade atrás do novo namorado. Depois, entediada com a vida de digitadora numa agência de publicidade, se inscreve numa noite para amadoras em um dos muitos clubes de strip locais. E a vida segue até que ela vence o poste e se aventura numa dança tão segura quanto desinibida, "pendurada de cabeça para baixo como um morcego pelado". Foi nesse dia, aliás, que a moça entendeu que era hora de parar com a carreira de stripper e partir para novos desafios - quem sabe o de ganhar um Oscar.

    A história de Brook Busey, nome verdadeiro da Cody, justifica sua narrativa informal, quase coloquial demais para um livro. É que a autora, antes de ser quem é hoje, era uma celebridade da internet, famosa no mundinho digital pelos blogs que assinava. O livro, aliás, é fruto de uma mente de blogueira inquieta. Na falta do que postar, a escritora teve a ideia: se aventurar na nada glamorosa profissão de stripper e fazer da experiência primeiro um blog, depois um livro.

    Nessa jornada pelo mundo do sexo pago, ela passou por meia dúzia de clubes, foi atendente num serviço de telessexo e trabalhou num peepshow de uma mega sex shop - tipo a Casas Bahia da pornografia. Conheceu gente que não vale nada, strippers românticas, cafetões de dar nojo e até com uma profissional brasileira ela cruzou.

    "Queria me horrorizar. Missão cumprida", diz a narradora que tem muito de personagem. Aliás, embora em nada se pareçam no quesito ingenuidade, a Diablo Cody de "Minha Vida de Stripper" parece muito com a personagem Juno - aquela menininha bonita que, aos 16 anos, engravidou do namorado e conquistou todo mundo no cinema. As duas compartilham do mesmo humor ácido e de um incrível talento para a autocrítica. São apaixonantes em suas inseguranças e na capacidade de simplificar os problemas.

    Impossível não se aproximar do riso com as deliciosas primeiras tentativas de coreografia sensual, ou da lista das melhores músicas para tirar a roupa, ou ainda das anotações de "espiã de biquíni barato" sobre as bizarrices dos frequentadores desses shows. Tem o "Homem da Lanterna", que apontava uma luzinha para examinar as narinas das garotas, e o "Homem dos Exercícios", que se deliciava em ver as moçoilas suarem a camisa não necessariamente dançando, e sim fazendo exercícios.

    O livro também tem deliciosas referências à cultura pop americana. Embora, nesse quesito, o texto traduzido perde muito. Não chega a ser um problema de tradução, mas é fato que as tiradinhas ficam bem melhores se lidas no idioma original. Mas nada que tire a graça de "Minha Vida de Stripper", claro.

    "MINHA VIDA DE SPTRIPPER""
    Autora: Diablo Cody
    Editora: Nova Fronteira
    Tradução: Ana Carolina Bento Ribeiro
    212 páginas
    Preço sugerido: R$ 30 [/align]


    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Trecho do livro: http://diversao.uol.com.br/ultnot/livros/resenhas/2009/01/19/ult5747u42.jhtm
     

Compartilhar