1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Minha Amada Imortal (Immortal Beloved, 1994)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Ana Lovejoy, 23 Jul 2003.

  1. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Difícil começar a falar de Minha Amada Imortal sem citar Amadeus. Eu fiquei tão encantada com a idéia de um filme biográfico de um grande compositor, que quando vi que estrearia no cinema não pensei duas vezes antes de ir assistir.

    Mas acho que a comparação deve parar nisso: ambos são filmes biográficos. Enquanto Amadeus tende para a história densa de inveja/admiração de Salieri com relação a Mozart, Minha Amada Imortal é um romance com "r" maiúsculo, que gira em torno das suposições de quem seria a tal da amada de Beethoven.

    Minha Amada Imortal começa com o advogado e amigo de Beethoven, o Schindler, logo após a morte do compositor encontra uma carta que tem como destinatária "Minha Amada Imortal". Schindler sai em busca dessa amada, conhecendo melhor a vida do amigo, tantos seus casos, seus problemas familiares como a questão da surdez.

    Como já disse, é um romance. Teoricamente não se pode esperar muito disso, mas o fato é que o filme surpreende em muitos momentos. Para começar, Gary Oldman está fantástico como o Beethoven. E tem a Isabela Rossellini como uma das amantes de Beethoven, a Anna Marie. Ambos já fazem valer a pena conferir o filme.

    Mas além disso, a história tem momentos fortes, como a dificuldade de Beethoven para tocar o piano por causa da surdez. Outra cena linda é ele explicando para Schindler o que sentia quando compôs uma música. E, por fim... a minha favorita: quando o menino Beethoven ao som de Ode to Joy fica boiando em um lago cheio de estrelas refletidas.

    Não preciso dizer que a trilha é linda, afinal... é tudo Beethoven :grinlove: Se for comparar (novamente) com Amadeus, é lógico que Minha Amada Imortal não é a jóia que é o filme do Milos Forman. Mas é um filme que compensa pelos detalhes, e principalmente pela história tocante de Beethoven.

    Só como curiosidade, segue uma versão em inglês da carta da Amada Imortal, que sim, existiu de verdade:

    "My angel, my whole, my I.. Why that deep heavyness when it's the necessity who talks? Can our love consist in another thing than sacrifices, in exigencies of everything and nothing? Can you change the fact that you won't be entirely mine and I entirely yours? Oh God! Contemplate the beatiful nature and tranquilize thour spirits in presence of the unavoidable. The love wans everything and with hole right: me for you and you for me. Just that you forget easily that I have to live for me and for you. If we be completely united even you and me would not feel the painful. My travel was horrible..."

    "Be happy, be my most faithful and unique treasure, my everything like me for you. The other that have to happen and must happen with us, the gods have to send it..."

    "Monday afternoon... You suffer. Oh! where I am, you are too with me. With me and with you I'll do you can live together me. What life!!! So!!! Without you... prosecuted by the kindness of some persons, that I don't want to receive because I don't earned. The humbly from men to the men, hurts me. And when I consider myself in connection with the Universe, What am I and what is him who name the biggest? And however... there appears again the divine of the man. I cry when think that probably you won't receive my first new before the saturday. As much as you love me, much more I love you!... Good Night! In my bath quality I must go to sleep. Oh, God! So near! So far! Is it not our love a truly dwell of the heaven? And as solid as the walls of heaven!."

    "Good Morning, July 7. Still in bed my thougts are pushing about you, my inmortal beloved; so soon jubilouse as sad, waiting to see if the destiny want to hear us, to live alone is only possible for me, or entirely with you, or completely without you. Yes, I've resolved to wander to the far until I can fly to your arms and feel me in ahome that be ours, canning send my soul to the kingdom of spirits involved in you. Yes, it's necessaire. You'll be glad with me, as much knowing my loyalty to you, and that never any other person will have my heart; never, never..."

    Oh, My god! Why do we have to be separated, when it's loving so? My life, the same here that in Vienna, it's full of spins. Your love have made me at the same time the happier be and the most unfortunate be. At my age, I'd need already an uniformity, some normality in my life. Can it be in our relations?... angel, I just know that the mail is up every day. And that makes me think that you'll receive the letter soon."

    "Be quiet. Just watching with tranquillity our life we'll reach our goal to live together. Be quiet, love me. Today and yesterday, how I wish and how many drops thinking in you... in you... in you... my everything! Bye... ¡always love me! Don't distrust never of the loyal heart of your inloved Ludwig. Forever yours, forever mine, forever ours."
     
  2. Ivan

    Ivan Vai passar do joelho

    Eu adoro este filme. A cena do lago das estrelas é fantástica, a cena é boa desde o início, com o garoto fugindo pelo telhado, e a música progredindo até o ápice com Beethoven entrando no lago. E também é muito interessante o modo como o mistério vai sendo resolvido, e a vida de Beethoven sendo mostrada pelos seus envolvimentos amorosos. A apresentação da Nona Sinfonia também é muito boa, Beethoven, surdo, regendo a orquestra sob as batidas do seu coração.

    Gary Oldman está mesmo ótimo, especialmente no Beethoven amargo do fim.

    Mas, como compararam com Amadeus, tenho que admitir que Amadeus é melhor, só Salieri já torna o filme maior (é um dos meus personagens favoritos). E a música é melhor usada, parece mesmo que a música de Mozart é a Voz de Deus.
     
  3. Lívia Mulder

    Lívia Mulder Usuário

    O primeiro filme de Gary Oldman que vi. Realmente foi paixão à primeira exibição. A narrativa é ótima, o filme tem um ar romanesco que não enjoa e os personagens demonstram dramas ocasionados pelos sentimentos profundos que realmente emocionam... PERFEITO
     
  4. Maedhros

    Maedhros Whadahell?

    Vale a ressalva de que Amadeus tem um tom muito mais cômico que Minha Amada Imortal, que é absolutamente trágico. Mesmo assim, Amadeus ainda é melhor, principalmente pelas atuações de Mozart (Tom Hulce) e Salieri (F. Murray Abraham, ganhador do oscar de melhor ator pelo filme), apesar de Oldman ter sido um Beethoven impecável.

    Melhores cenas:
    - Certamente, o lago estrelado é sensacional.
    - O ínicio, com a morte de Beethoven ao som da inconfundível Quinta Sinfonia.
    - Beethoven tocando a Sonata Ao Luar com a cabeça encostada no piano. Uma das mais tocantes cenas do filme.
    - A apresentação da Nona Sinfonia, com a salva de palmas.[/i]
     
  5. Haran Alkarin

    Haran Alkarin Usuário

    O que vocês acharam da identidade da Amada Imortal? Eu passei o filme todo pensando que era a primeira amante dele, a condessa. Mas enfim, achei esse final muito sem graça e sem noção, é do tipo das teorias de conspiração de Jesus e Madalena, etc. Forçou a barra, afinal, pelo que me consta, Beethoven odiava aquela mulher. Deve estar se revirando no túmulo até hoje.

    O filme vale mais para ver aspectos da vida de Beethoven (a surdez, depressão, as obras, etc), mas nesse ponto do romance o filme deixou muito a desejar.
     

Compartilhar