1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Autor da Semana Mikhail Bakhtin.

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Mavericco, 12 Out 2014.

  1. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Antes mesmo de começar, quero pedir desculpas pois não consegui ler a obra do Bakhtin toda, como havia planejado, e nem consegui reler de maneira satisfatória o que já havia lido (cerca de 80%). Portanto, o que farei aqui será um trabalho muito, mas MUITO introdutório dando um enfoque especialmente na questão do dialogismo e da carnavalização, que são duas das ideias mais importantes do Bakhtin.



    1. VIDA.

    Você não vai encontrar muita coisa detalhada sobre a vida do Bakhtin. Vou postar, como imagem, um trecho da revista Pensadores, onde, além de um quadro biográfico do autor, há uma exposição muito didática sobre sua obra:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Há, contudo, toda uma discussão acerca da vida e obra de Bakhtin. Entenda-se: alguns dizem que os textos de Bakhtin não são só de Bakhtin, mas de outros autores do círculo. Um livro recente a esse respeito é o Bakhtin Desmascarado, publicado pela Parábola Editorial, e de autoria do Jean-Paul Bronckart e Cristian Bota:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Não encontrei muitas resenhas a respeito. Basicamente, só uma, do Celso Ferrarezi: De Monumento a Escombro,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . Alguns contra-argumentaram as afirmações dos autores, e eles, depois, escreveram um artigo de tréplica. É o que linko abaixo pra vocês, traduzido pelo Marcos Bagno:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Como obras de Bakhtin, cito, valendo-me da Wikipédia:
    • Freudismo. SP: Perspectiva, 2004.
    • Marxismo e Filosofia da Linguagem. SP: Hucitec, 2009.
    • Cultura Popular na Idade Média: o contexto de François Rabelais. SP: Hucitec, 2010.
    • Estética da Criação Verbal. SP: Martins Fontes, 2010.
    • Problemas da poética de Dostoiévski. SP: Forense, 2010.
    • Questões de Literatura e de Estética . SP: Hucitec, 2010.



    2. O FORMALISMO RUSSO.

    O início do século XX na Rússia foi uma das coisas mais esplendorosas que se pode pensar. Não só pela grande efervescência que gerou a Revolução, mas também pela alta qualidade da arte que foi produzida então. No âmbito literário, pode-se citar os poetas simbolistas russos seguidos dos poetas de vanguarda, que, em nomes tais como Maiakóvski, Khlébnikov, Tzvietáieva, Akhmátova ou Iesiênin, foram responsáveis por colocar a poesia russa não só em sintonia com o que era feito na aurora modernista, mas, de maneira geral, muito à frente do que foi produzido.

    É quando, por exemplo, se explora a palavra em todas as suas possibilidades graças ao trabalho formal de um Khlébnikov, que, além de ter esboçado um idioma próprio, chegou a escrever poemas todos em palíndromos. É também a chance de que um poeta de matiz social e de pesquisa poética tão refinada como Maiakóvski se valha de sua alvenaria artística para trazer toda uma realidade externa, e isso sem que o poema perca em qualidade estética. Por exemplo, Maiakóvski escreve poemas de amor em que canta a amada ao mesmo tempo que discorre sobre as guerras e as revoluções -- algo que, como bem nota Haroldo de Campos, pode encontrar um correspondente funcional no caso do Oswald de Andrade de Cântico dos cânticos para flauta e violão, que pede Maria Antonieta Alkmin em casamento ao mesmo tempo que canta as vicissitudes da Segunda Guerra.

    Contudo, não só de literatura se fez o começo do século XX na Rússia. A teoria e a crítica literária também foram de uma importância quase que incalculável. E daí você pode perceber o quão rico foi o período.

    Estou falando do que se convencionou chamar de Formalismo Russo. Em linhas gerais, os formalistas russos abstraíam a obra de sua conexão externa e a investigavam apenas sob a ótica de seu funcionamento interno. Muitos enxergaram nisso um excesso no enfoque formal, e daí a alcunha do nome ao grupo. Você só tem que tomar cuidado e se lembrar que esse nome foi dado pelos opositores dos formalistas, e que, na verdade, isso não queria dizer que os formalistas de alienavam da realidade externa, mas, antes, que o que os preocupava ao abordar a crítica literária como ciência, era enxergar o funcionamento interno. Afinal de contas, dizer que os formalistas se preocupavam apenas com a forma é um absurdo, visto que os formalistas foram os primeiros a romper com a dicotomia forma-conteúdo: para eles, era mais producente que se considerasse o binômio materiais-procedimento. E, dentro da categoria dos materiais, você poderia incluir praticamente qualquer coisa, desde o material gráfico até os sentimentos.

    Se eu citar pra vocês uma obra como a Morfologia do Conto Maravilhoso do Propp vai dar pra perceber bem como era o modus operandi dos formalistas. A análise narratológica de uma vasta gama de contos populares fez com que Propp chegasse a algumas funções basilares do mesmo, como que desvendando o esqueleto subjacente ao gênero e, por conseguinte, lançando as bases para os posteriores estudos narratológicos (que seriam melhor desenvolvidos com os estruturalistas -- mas não se pode, todavia, igualar estruturalismo e formalismo).

    Outro exemplo estaria na pesquisa da chamada literariedade, ou seja, o que faz com que um texto literário seja literário. Aí existem muitas perspectivas, como a de Viktor Shkóvski que abordava uma violência para com a linguagem cotidiana: ou seja, texto literário é aquele que não cumpre meramente uma função comunicativa, instrumental, mas que retira o material verbal de sua esfera prosaica e lhe insufla uma exuberância capaz de torná-lo literário. Daí, entre outros, o que Shklóvski chama de economia de meios, pois a concentração significativa da linguagem literária, apartada da linguagem comum, permite com que o texto literário se comunique com mais forças e a mais pessoas e por maior tempo.

    Outro exemplo dentro da linha da literariedade são as investigações de Jakobson dentro da área da poética. Na verdade, Jakobson foi um linguista de extrema importância, tendo sido um dos pais da fonética. No terreno da poética, Jakobson formulou a teoria da função poética da linguagem. É simples de se entender. Quando falo com você, existe um emissor, um receptor, um canal, uma mensagem etc. Se imaginarmos como seria uma comunicação com enfoque em apenas uma dessas partes, teremos uma função linguística em específico. Claro que na prática isso não existe, de modo que uma função linguística pura feriria a própria estrutura comunicativa. Assim, pra encurtar o argumento e chegar logo no X da questão, se imaginarmos um texto em que a mensagem se volta para a própria mensagem, temos a tal da função poética da linguagem. Isso parece ser um pouco abstrato, mas, para encurtar de novo o argumento de Jakobson, a função poética da linguagem quer dizer que os aspectos sonoros de um texto, os aspectos materiais, são elevados a princípio constitutivo do texto. É só pegar um poema e ver aquela sonoridade, aquela forma de trabalhar as palavras onde existe como que uma materialidade, você quase que pega as palavras tão forte é a forma como o poeta as trabalha.



    3. DIALOGISMO.

    Bakhtin rompeu com essas ideias todas. Não absolutamente, pois, a esse respeito, como nos lembra Tzvetan Todorov na introdução ao livro Estética da Criação Verbal, ele também aceitava a diferença entre o poético e o não-poético, censurado, contudo, o fato de que os formalistas reduziam as questões poéticas apenas a questões de linguagem.

    É dentro dessa crítica que Bakhtin desenvolve o conceito de dialogismo, um dos principais em sua obra. Ele quer dizer, basicamente, que todo ato de conversa, de expressão, é um ato dialógico, é um diálogo, ou seja, pressupõe e necessita de outra pessoa para que se efetive. Assim, Bakhtin dá total atenção ao fenômeno prático da linguagem, e não simplesmente a um estudo que tendesse simplesmente ao esqueleto dessa mesma linguagem, à guisa da virada saussuriana.

    A exposição filosófica que Bakhtin faz do dialogismo com maior força está inclusa no livro Estética da Criação Verbal. Pois é, basicamente, diante da impossibilidade de que eu me veja externamente e, por conseguinte, me situe de maneira completa em minha existência, que eu preciso do outro, pois o outro ele me vê desse jeito e, portanto, ele pode me dar essa resposta, o Outro em ajuda a situar no mundo. Há uma passagem muito bonita do livro em que Bakhtin diz:

    Daí a importância que Bakhtin dá ao romanesco, pois é ele que permite essa consideração do Outro e, portanto, do diálogo, com maior força. E será com base nesse enfoque, precisamente quando o Autor deixa que a Personagem fale e portanto dá maior vazão ao Diálogo, especialmente quando o Autor se vale de um discurso parodístico que está sempre se comunicando com um discurso matriz; é com base nesse enfoque que depois a semiólogo Julia Kristeva criará o conceito de intertextualidade, tomando como base a máxima de que todo texto é um mosaico de textos, isto é, de que todo texto está se comunicando com outros. Trata-se de uma ideia calcada em cima da ideia bakhtiana de polifonia, vale dizer, a presença de vários textos dentro de um texto graças ao fato de que o autor está em determinado contexto. A polifonia está diretamente ligada ao conceito de heteroglossia, também de Bakhtin, que quer simplesmente dizer que existem variedades linguísticas graças ao fato de que a realidade é socialmente ampla, e a inserção, por exemplo, numa profissão ou noutra é o suficiente para que uma variedade linguística se valide.



    4. CARNAVALIZAÇÃO.

    Dentro do enfoque dialógico, Bakhtin desenvolve a leitura do carnaval. Está na obra A Obra de François Rabelais e a Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento. Carnaval se refere a festividades que ocorriam paralelas às festividades sacras durante o medievo e a renascença. Existem muitos exemplos, dentre os quais se pode o Unguentarius do tcheco arcaico, estudado por Jakobson, ou, alguns anos depois e no plano poético, a obra dos goliardos. Você pensa que era tudo muito sério, mas, quando entra em contato com esses textos, vê uma avacalhação que se brincar nem hoje em dia nós chegamos.

    Assim, esse Carnaval, baseado no riso, na paródia e, portanto, no dialogismo, ganha todo um enfoque por Bakhtin quando este pega a obra de Rabelais e observa a apropriação que ele faz dos materiais conseguidos pelo Carnaval. Outros exemplos citados por Bakhtin são Shakespeare e Cervantes, mas também podemos nos lembrar de nomes como Gil Vicente ou Mário de Andrade, este último muito bem estudado por Gilda de Mello e Sousa.

    Naturalmente que isso não quer dizer que Bakhtin considerasse como válida apenas a obra sarcástica, cômica. Bakhtin também possui grandes estudos em torno de Dostoiévski, em que ele destaca a construção dialógica do autor clássico russo, vale dizer, a forma como Bakhtin imerge na personagem e dá voz a ela, deixa que ela trave um diálogo. Assim, de forma mais ampla, Bakhtin rechaça o unívoco, o padrão, o monológico, e prefere o ambivalente, o ambíguo, o amplo, reivindicando, como vimos, e tendo como base especialmente o marxismo, uma interpretação participativa, socialmente voltada uma vez que, segundo o autor, não se pode pensar questões linguísticas ou literárias sem considerar esta realidade prática.



    5. SUGESTÃO DE OBRAS SOBRE BAKHTIN.

    Bakhtin se encontra muito bem traduzido no Brasil. Muitas traduções direto do russo, como, por exemplo, a do livro Estética da Criação Verbal. Caso o leitor não esteja com muita coragem de enfrentar a obra de Bakhtin direto na fonte, ou caso não tenha tempo, dou a sugestão de dois livros, ambos organizados por Beth Brait, uma das maiores especialistas em Bakhtin no Brasil:
     
    • Ótimo Ótimo x 6
  2. -Jorge-

    -Jorge- mississippi queen

    Na Rússia do começo do século podemos lembrar também da Psicologia de Vygotsky, Leontiev e Luria. Mas a Revolução não explica tudo, já que essa explosão cultural tinha começado antes dela. Acho que as décadas de 10 e 20 foram muito ricas. Depois com os exílios, expurgos, e no caso de Vygotsky e Voloshinov com a tuberculose, a coisa amainou.

    Sobre Bakhtin, a grande inovação dele e dos colegas (do chamado Círculo de Bakhtin, né?) talvez tenha sido a inclusão do sujeito na linguagem e no discurso, justamente o contrário do que os formalistas quiseram fazer, se não me engano (infelizmente conheço muito pouco e só por cima). Eles não negaram o trabalho dos formalistas, só disseram que era insuficiente.

    Esses sujeitos são ativos e sócio-histórico-culturais, então naquele esquema do Jakobson "emissor - receptor", esse polo "receptor" é uma abstração. Ninguém simplesmente "recebe" algo que lhe é comunicado passivamente, a gente está sempre respondendo a tudo (apesar de o Jakobson propor aquilo como uma abstração acho). Para o grupo, viver é estar constantemente respondendo. Daí o dialogismo, que entra como uma metáfora para essa responsividade. Como a linguagem é feita de respostas ao passado e ao futuro e a cultura humana é baseada em linguagens, toda ela é feita de respostas, ela é dialógica. E também a inclusão do sujeito na linguagem como resposta traz a responsabilidade ética desse sujeito pelo que diz. Eu acho todo o pensamento deles muito bonito.

    Enfim. Também sabia que a disputa com o Bronckart e Bota tinha sido feia, mas não tanto.
     
    Última edição: 12 Out 2014
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Você tem razão, Jorge, é realmente muito bonita o que o Bakhtin quer dizer no fim das contas... Você sintetizou bem: o Círculo dizia apenas que o formalismo era insuficiente. Tem uma passagem do Estética da Criação Verbal que acho que vai direto ao ponto: é quando o Bakhtin fala do conteúdo, da forma e do material:

    Um pouco mais pra frente:

    Sobre a questão da superação da língua em seu estado comum, isto é, a questão da literariedade, ele também vai direto ao ponto:

    E daí ele chegar à conclusão de que "a relação do artista com a palavra enquanto palavra é um momento secundário, derivado, condicionado por sua relação primária com o conteúdo, ou seja, com o dado imediato da vida e do mundo da vida, da sua tensão ético-cognitiva." (Idem, p. 180)
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  4. Spartaco

    Spartaco James West

    Tentando colaborar com este tópico, menciono alguns dados colhidos da internet:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Mikhail Mikhailovich Bakhtin
    (17 de novembro de 1895, Oriol - 06 de março de 1975, Moscou )​

    Mikhail Bakhtin dedicou a vida à definição de noções, conceitos e categorias de análise da linguagem com base em discursos cotidianos, artísticos, filosóficos, científicos e institucionais. Em sua trajetória, notável pelo volume de textos, ensaios e livros redigidos, esse filósofo russo não esteve sozinho. Foi um dos mais destacados pensadores de uma rede de profissionais preocupados com as formas de estudar linguagem, literatura e arte.

    Embora Bakhtin fosse ativo nos debates sobre estética e literatura que tiveram lugar na União Soviética na década de 1920, sua posição de destaque não se tornou bem conhecida até que ele foi redescoberto por estudiosos russos na década de 1960. É criador de uma nova teoria sobre o romance europeu, incluindo o conceito de polifonia em uma obra literária. Explorando os princípios artísticos do romance, Bakhtin desenvolveu a teoria de uma cultura universal de humor popular.

    Bakhtin é autor de diversas obras sobre questões teóricas gerais, o estilo e a teoria de gêneros do discurso. Ele é o líder intelectual de estudos científicos e filosóficos desenvolvidos por um grupo de estudiosos russos, que ficou conhecido como o Círculo de Bakhtin.

    Um dos aspectos mais inovadores da produção do Círculo de Bakhtin foi enxergar a linguagem como um constante processo de interação mediado pelo diálogo - e não apenas como um sistema autônomo. Escreveu o filósofo "A língua materna, seu vocabulário e sua estrutura gramatical, não conhecemos por meio de dicionários ou manuais de gramática, mas graças aos enunciados concretos que ouvimos e reproduzimos na comunicação efetiva com as pessoas que nos rodeiam".

    Estar imerso num mundo dialógico, em que múltiplas vozes compõem a voz de cada um, em que cada locutor tem a responsabilidade de dirigir sua palavra a alguém, em que ser significa comunicar-se pelo diálogo e o diálogo, a própria ação, é o legado que Bakhtin deixou para a humanidade e um novo olhar para os pesquisadores das ciências humanas.

    Principais obras (em português):
    Freudismo - Perspectiva, 2004;
    Marxismo e Filosofia da Linguagem - Hucitec, 2009;
    Cultura Popular na Idade Média: o contexto de François Rabelais - Hucitec, 2010;
    Estética da Criação Verbal - Martins Fontes, 2010;
    Problemas da poética de Dostoiévski - Forense, 2010;
    Questões de Literatura e de Estética - Hucitec, 2010.
     
    Última edição: 13 Out 2014
    • Ótimo Ótimo x 1

Compartilhar