1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Memórias - Homenagem à Cultura Japonesa

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Zuleica, 27 Fev 2008.

  1. Zuleica

    Zuleica Usuário

    100 anos da imigração Japonesa e em Meia Palavra poderíamos contar nossas memórias em relação as impressões que a cultura japonesa deixou. A proposta é a seguinte: criarmos textos, um pequeno conto, e a medida que lembramos de outros incidentes, contamos essa nova história. Ficaria fácil de fazer e não seria um trabalho sobre a influência dos Japoneses em nossas vidas (que precisa ser elaborado), apenas pequenas histórias, bem naturais, coloquiais. Tipo "Lembrei mais uma..."
    Vocês topam? Volto do almoço e vou colocar uma de minhas lembranças. :cheer:
     
  2. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Hummm... Eu tenho muito para falar sobre japoneses :) A minha melhor amiga de infância era uma japonesa bem legal, as festas de aniversário dela eram DEMAIS! Com muitos parentes sempre, pessoas meio iguais (huhuh na minha ideia de criança né?)... Foi com essa amiga que eu assistia TV, brincava de boneca, dormia na casa uma da outra e foi ela que me deu meu primeiro cachorrinho :) São várias memórias e histórias marcantes...

    ***

    Mas a história que tem relação com imgração japonesa que eu acho mais engraçada, aconteceu com a minha tia... Ela tinha muita amizade com um garoto japonês que morava na mesma rua. Diz a lenda que aquela era uma das únicas familias japonesas, numa cidade pequena no interior do Paraná de descendencia alemã, e eles eram donos de uma venda. Dia vai, dia vêm minha tia criou laços de amizade forte com o garoto, mas ela era bem pequena de idade. Certa vez, ao ganhar sua primeira moedinha, ela não pensou duas vezes, foi até a casa do vizinho e pediu pra que o pai dele vendesse o filho pra que ela pudesse levar pra casa. Minha vó ficou com muita vergonha, e explicou que não se compravam pessoas e ela não entendia porque ele era diferente, assim com aquele olhinho e falando diferente. Só restou a minha vó se desculpar com o japonês da venda. huhuh no final, o cara deu risada e tudo ficou certo.
     
  3. Jesus...cadê aquele smile de rolando de rir????:rofl:

    Eu tenho muitas histórias engraçadas e nem tanto de japoneses...
    Mas depois eu conto porque não consigo parar de rir...:lol:
     
  4. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    Vc também tentou comprar alguém, Mene? huhuhuhuh

    ***

    Vou parar com essas histórias de fiascos hahahah
     
  5. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Que nada Amélie, são as melhores. A lógica infantil é desafiante, se a ocupação da família é vendas, vamos as compras... ahahwhahhe
    As lembranças primeiras que tenho de imigrantes japoneses estão mescladas com paisagens,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , hortas maravilhosas, os morangos mais lindos que eu já havia visto, tomates diferentes dos gaúchos, tão bonitos, um convite ao paladar. Os japoneses eram um deleite para a visão, tamanha delicadeza, exceto ao falar, parecia que nós brasileiros não éramos práticos o suficiente, nós os aborrecíamos de alguma forma.
    Em uma conversa de adultos sobre
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , eu puro olhos e ouvidos, pois sorrisos estranhos apareciam nos rostos quando se tocava nesse assunto. Lembro de ter perguntado o que era, afinal era um nome tão bonito. A resposta veio de uma das mulheres da sala: Não tem nada de bonito em casas da luz vermelha.
    Levei um susto. Como uma palavra tão bonita representa algo que parece tão terrível?
    Meu primo, o primeiro graduado da família, resolveu intervir dizendo: a palavra é bonita e o sentido também. Uma gueixa não é uma prostituta. Ela é o clã culto das mulheres do Japão. A essas mulheres é permitido o contato com a cultura, recebem tanta instrução quanto os homens, talvez até mais.
    Claro que minha avó o repreendeu, não se fala essa palavra (prostituta) no meio familiar e o fez se desculpar. Mas eu sorria feliz, palavras bonitas possuem um sentido bonito. Muito agradável e surpreendente essa cultura japonesa, não é só aparência.
    Depois conto as primeiras impressões sobre o cinema japonês.
     
  6. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário

    kuinzytao, suas memórias são inspiradoras!

    eu só consigo lembrar de coisas bobas de infancia, jaspion, bala de leite japonesa, figurinhas de panda de camurça, coisas que eu só via com a minha querida amiga nipônica...

    E ainda tinham os miojos huhuh a maniaca do miojo ia adorar essa minha amiga! hahahahaha
     
  7. Honestamente, a minha lembrança mais engraçada não é apropriada para contar aqui...

    Mas sempre fui muito fã da cultura japonesa. Sou um adicto de sua culinária.
    São um exemplo de superação e de como o método é a ordem podem fazer maravilhas em comunidade.

    Eu sempre fui alucinado quando pequeno por meninas japonesas. Não no sentindo sexual e sim porque justamente eram diferentes. Eu sempre vivia no meio delas na escola mas sempre percebi que havia um abismo entre eu e elas.

    E o engraçado é que isso ainda continua. Tenho amigos (vários) japoneses ou descendentes mas é como se sempre faltasse algo quando estou no meio deles.
    Acho que a palavra certa é vergonha. Creio que meu jeitão explosivo e falastrão causa uma certa repudia.

    E vou falar uma coisa...todas as vezes que tentei sair com uma japonesa.....Deus meu.... Mrs. Bean era pouco pra mim...
     
  8. Marco

    Marco may the force be with... wait

    [align=justify]Eu acho a cultura japonesa uma das mais ricas que existem. Tanto peo respeito que os japoneses tem por suas tradições e pelo próprio fato de elas resistirem ao tempo sendo literalmente milenares! Mas confesso que devido a diferença entre a cultura ocidental e a oriental já passei por alguns, bons(e maus) bocados.

    A situação mais engraçada ocorreu no trabalho. No mesmo setor em que eu trabalhava tínhamos uma colega que era japonesa e ela mantinha as tradições, e sempre que podia nos mostrava alguma coisa sobre a cultura, seja através de livros, ou artefatos e muitas vezes através da culinária. Certo dia ela chegou oferecendo a todos um doce que ela tinha feito. Se chamava Manju. Até aquele dia eu nunca tinha ouvido sequer falar do doce. Mas já fui seco pra experimentar. Pra quem não sabe o Manju é um dos doces mais conhecidos do Japão. Uma espécie de massa assada recheada com anko, ou feijão doce.

    Quando dei a primeira mordida já senti um gosto esquisito. Esquisito é elogio, pro meu paladar era RUIM mesmo. E a minha colega ali, parada na minha frente, ansiosa em expectativa pra ver minha reação. E lá fiquei eu rebolando o Manju de um lado pro outro da boca e nada do danado descer goela abaixo. E pior era ter que ficar fazendo cara de "Hummm, que gostoso!". Depois de um tempo de mastigação que pra mim pareceu a eternidade ela resolveu oferecer o último Manju para outro colega. Não pensei duas vezes. Quando ela virou as costas regurgitei o Manju na minha lixeira. Logo ela voltou perguntando se eu tinha gostado.[/align]

    - Nossa, adorei! Tem um gosto diferente né, pena que acabou!

    - Mas você é sortudo mesmo, o Alex não gosta de Manju. Pode comer esse também!

    Resumo da ópera, ela continuou conversando comigo e eu tive que comer o segundo Manju obrigado.

    [align=justify]*observação: Apesar de eu ter odiado o Manju, muita gente adora o doce. Então não se sintam influenciados pelo meu post e experimentem o doce quando tiverem oportunidade. Na pior das hipóteses vão ter uma história pra contar![/align]
     
  9. Manju é ruim pra *palavrão*...

    Com nome de japonês eu passei um carão...
    Eu trocava e-mail no meu outro trabalho com o Kato que era fornecedor.
    Quase um mês de e-mails contínuos... Enfim ele iria aparecer na empresa.
    Foi anunciado pela secretária e eu sai da minha mesa e fui até a recepção.
    Chego lá e vejo um japonês e uma garota baixinha e loirinha e quase transparente de branca.
    Não tive dúvidas ofereci a minha mão para o rapaz dizendo:
    - Olá Kato como vai? Depois de tantos e-mails hein? Finalmente resolveu conhecer nosso cantinho.
    O cara não pegou na minha mão. Ficou vermelho , depois roxo...
    - Oi, Kato sou eu - disse a baixinha.
    Não tive dúvida:
    - Posso voltar pra minha mesa e fingir que vocês não chegaram?
     
  10. Marco

    Marco may the force be with... wait

    Deu uns cato na Kato?

    * péssimo trocadilho, mas foi mais forte do que eu... :lol:
     
  11. :lol: :lol: :lol:

    Hmmm... não é bem lembrança com um japones em específico, mas eu acho que conta.

    Uns anos atrás, eu era mais nerd ainda :g: e estava voltando de um evento de anime qualquer que aconteceu nos arredores da Liberdade - inclusive, foi com a Arwen junto se não me engano - quando a gente estava passando e de repente deu com uma portinha aberta pra um jardim japonês, todo tranquilo e lindo. A gente passou pela frente, pensou, olhou de novo pra ver se era verdade, e fomos lá entrar...

    O lugar era lindo!
    Imagina só, pra quem conhece São Paulo: aquela balbúrdia, aquele barulho, carros pra tudo quanto é lado, gente até dizer chega, e nós duas lá dentro no que parecia um mundinho particular, ouvindo só alguns ruidos lá de fora... uma tranquilidade e um espírito maravilhosos lá dentro. E o engraçado é que eu já tinha andado pela Liberdade várias vezes e nunca tinha visto aquilo.

    Só depois que a gente foi descobrir que esse tal Jardim Japones fica fechado o ano todo, e só abre umas duas vezes em festas como o Ano Novo Japonês e o Festival das Estrelas, e a gente deu sorte de estar passando por lá justamente em uma dessas datas.
     
  12. Horrível... :blah:

    Mas não... Eu namorava na época...mas valia pena viu...;)
     
  13. imported_Amélie

    imported_Amélie Usuário


    O que é o Festival da Estrelas??????

    Quero ir um dia!!!!!!! :)

    Tudo em jardins japoneses é lindo... fontes, grama japonesa, esculturas, plantas e peixes ornamentais! :)
     
  14. O nome do festival é
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , ou Festival das Estrelas. É comemorado em julho na Liberdade em São Paulo, baseado em uma lenda de amor tradicional japonesa =)

    É aquele festival onde eles colocam bambus na rua e as pessoas escrevem seus pedidos em fitinhas e amarram essas fitas nos bambus, pros desejos serem realizados ^^
     
  15. Marco

    Marco may the force be with... wait

    Ah, eu já fui nesse que a gente anotava os pedidos e anotava na árvore.
    Mas não era o festival das estrelas, foi no Imin Matsuri mesmo...
     
  16. Zuleica

    Zuleica Usuário

    Digamos que sou... um tantinho mais antiga ;)

    Minhas lembranças das primeiras imagens do Japão
    1975, Akira Kurosawa em Derzu Uzala enterneceu meu olhar, quando o assunto é Japão.
    A pureza de sentimentos, a nobreza desse personagem deixaram marcas em meu coração. Um filme sobre a amizade e admiração entre dois homens de culturas diferentes. Inesquecível.

    1980, mini-série Shogun, uma adaptação do livro de James Clavell (1975)
    O queridinho-mor, das garotas neste tempo, Richard Chamberlain, está no papel principal. A partir daí, o Japão se torna parte de meus sonhos e pesadelos, como o primeiro contato com as estratégia chocantes, utilizadas na época.

    Em 1990, Sonhos, de Kurosawa, me deixou pasma. Você já viu um filme 20 vezes? Este, eu vi.

    Volto a olhar para o Japão com a ternura de antes. Gosto de pensar que dei permissão a esse sonhador para me contagiar, embora não tenha certeza absoluta de meu "auto-domínio". Kurosawa, para mim é a estrela de maior grandeza do cinema no Japão. A sutileza de suas histórias o trouxe as terras do sol poente e fez mais do que se fazer entender, semeou poesia em mim.
     

Compartilhar