1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"Max e os Felinos" X "Life of Pi"

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Ana Lovejoy, 26 Dez 2012.

  1. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Bom, a "polêmica" não é novidade, mas voltou agora que o filme Life of Pi está chegando (e chegando com chances de Oscar, pelo que andam comentando por aí). A questão é: o autor do livro (Yann Martel) admitiu ter se inspirado no livro de Scliar, chamado "Max e os Felinos". A L&PM publicou uma entrevista com Scliar falando sobre o assunto (de 2009). Segue aí para quem não estava sabendo sobre o assunto ~~ficar por dentro~~


    PS. Tá no Generalidades pq o Scliar é brasileiro, o Martel é canadense, aí aqui é a coluna do meio :dente:
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  2. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Eu concordo com o Scliar no sentido de que o Martel nem falou com ele perguntando se podia usar alguns elementos do livro e tal... Assim, não li esse do Scliar, mas, pelo que parece, não só as intenções, como as histórias em si, são diferentes, então, sei lá, não vejo muiiito como plágio :think:
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Nossa, não sabia disso.

    Mas ficou uma impressão bem forte de que o canadense usou (pra não dizer roubou mesmo) a ideia do brasileiro achando que ninguém ia perceber, e quando a imprensa inglesa levantou a lebre aí ele se retratou.
    E deve ter ficado com o c*zinho bem apertado com medo de processo, porque vários autores foram processados por bem menos que isso.
    Lembram do monte de processos que cairam em cima da J.K.Rowling por causa do Harry Potter?

    Uma coisa é certa, perdi a vontade de ler esse livro e até de ver o filme (que vi o trailer e achei lindo).
    Talvez só consiga fazer isso daqui a alguns anos. =/
    É bobeira, eu sei, mas sempre vou lembrar do Scliar quando ouvir falar dessa obra e desse escritor.
     
  4. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Pelo que me disseram, no final das contas ficaram histórias diferentes: o subtexto do Scliar trata de identidade, enquanto que o do Martel de religiosidade. Não li os mencionados livros mas, conhecendo o Scliar, essa diferença nas camadas entre um e o outro faz sentido.
     
  5. DiegoMP

    DiegoMP Usuário

  6. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    De boa. Isso acontece frequentemente. Seria complicado para mim se ele fizesse nos mesmos moldes e com a mesma abordagem do Scliar, mas ele foi por um caminho diverso. Talvez fosse o caso de mencionar a inspiração da trama nos "Agradecimentos", mas não acredito que tenha havido má-fé por parte do Martel.
     
  7. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Post do Luiz Schwarcz no blog da companhia >>
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    eu acabei de ler as aventuras de pi - e pretendo ler max e os felinos em breve para formar opinião própria sobre a questão. mas tenho me irritado com a sequência de compartilhamentos de um texto acusando o martel de plágio. é de uma ignorância sem fim, é aquela revoltinha besta de sofá - pessoa nem vai checar informação e sai apontando dedos. no meu post sobre
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    eu escrevi o seguinte:

    Eu já compartilhei o video com o depoimento do Scliar aqui no blog, mas segue novamente o link para quem quiser ver. Minha primeira consideração sobre o assunto é que as pessoas deveriam se informar mais antes de compartilhar protestos no Facebook. Em uma imagem que acusa Martel de plágio, tem até um sujeito que comentou algo como “Indiano safado!” – sendo que Martel nasceu na Espanha e viveu no Canadá. Esse tipo de comentário já dá bem uma noção do tipo de pessoa que clica no “compartilhar”, não?

    Ok, continuando: eu tenho bastante claro na minha cabeça que sem ler Max e os Felinos eu não posso dizer nada com certeza: preciso reconhecer trechos copiados para dizer “Sim, é plágio”. Porque copiar um elemento de uma história não é plágio. Explico: alguém por aí acusa Shakespeare de ser plagiador? Não, né? O engraçado é que poucos enredos de Shakespeare são “originais”. Tome como exemplo Romeu e Julieta, que tem muitos elementos de uma história escrita por um italiano chamado Luigi da Porto. Hamlet teria supostamente vindo de Saxo Gramaticus, A comédia dos erros de Plauto e por aí vai.

    E olha, se elementos pudessem ser plagiados, as possibilidades de criação passariam a ser limitadas. A primeira pessoa a escrever um whodunit seria a única que poderia utilizar-se dessa fórmula. Machadão teria plagiado Shakespeare com seu Bentinho ciumento? E por aí seguimos. As questões que devem ser levantadas são: ambos contaram a MESMA história colocando um garoto num bote com um felino? Discutiram as mesmas ideias? Há ações e falas idênticas nos dois textos? Sim para qualquer uma dessas perguntas significa que sim, houve plágio. Caso contrário, Martel aproveitou-se de uma ideia para contar uma história. Mau caráter ou não, ele não é o primeiro e nem será o último a fazer isso. Vide a quantidade de romances com “homenagens” sem qualquer referência que estão surgindo por aí.

    De qualquer forma, essa é minha opinião sobre o assunto. O que ouvi do meu irmão (que estuda direitos autorais), é que não se pode “plagiar uma ideia” – e se lerem o post do Luiz Schwarcz no Blog da Companhia verão que os advogados consultados por ele falaram a mesma coisa. Se essa polêmica serve de algo (além de encher o fiofó da Nova Fronteira e da L&PM de dinheiro com a divulgação gratuita dos livros em questão) é justamente para abrir espaço para a discussão sobre qual é o limite entre inspiração e plágio.

    Mas insisto: ainda não li Max e os Felinos, pretendo voltar com respostas para essa pergunta em breve. De qualquer forma, para Scliar ter até cogitado processar Martel por plágio, talvez as semelhanças não se resumam à ideia do garoto com um felino num bote salva-vidas. De qualquer forma, o que quero dizer com tudo isso é: parem de replicar acusação no Facebook, vão ler os livros e tirem vocês mesmos suas próprias considerações.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Então que na minha busca por um exemplar de Max e os Felinos, cheguei no site da editora (óóó) e lá tem um
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    que, por felicidade, tem toda a introdução escrita por scliar em 2003 falando sobre o assunto. eu to copiando e colando aqui porque tem muita gente que tem preguiça de clicar em link (hehehe) e eu acho que vale a leitura. malz pelo texto mal formatado.


     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  9. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    A Clara me deu de presente um Max e os Felinos e eu finalmenteeeee consegui comparar os dois. Texto lá no bró >>>
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    (eu ia copiar e colar o link aqui, mas tem um monte de coisa de formatação que ficaria zoada na valinor =S )
     
    • Gostei! Gostei! x 3
  10. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Bacana.

    Então, o que achei ruim nessa história foi mesmo isso que você menciona no blog, Anica, de o Martel não ter, desde o começo, falado da ideia que teve ao ler a história do Scliar.

    Foi mesmo bem ruim mesmo aquela conversa de que tinha lido uma suposta "crítica ruim" sobre o livro e tal.
    Não precisava disso.

    E legal saber que o próprio Moacir Scliar gostou de "A História de Pi". =]
     

Compartilhar